Brasileiros voltam a conviver com o círculo vicioso do desemprego

A piora do mercado de trabalho aparece nas estatísticas, mas também na perda de pequenos prazeres de consumo conquistados pelas famílias nos anos de bonança econômica

A saúde econômica de um país é espelhada pelo mercado de trabalho. Se a primeira vai mal, o reflexo vem na forma de fechamento de vagas. No Brasil, que vive um cenário de recessão, a desaceleração econômica puxa a alta do desemprego. Foi assim em 2015, quando o Produto Interno Bruto (PIB) do país recuou 3,8%, o pior resultado em 25 anos, e o desemprego teve uma taxa média recorde de 8,5%, segundo os dados da Pnad Contínua, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No total, 9 milhões de pessoas estavam sem ocupação nos últimos três meses do ano passado. A Pnad Contínua com os dados de janeiro, divulgada na última quinta-feira, mostrou que a taxa de desemprego chegou a 9,5% no intervalo entre novembro e janeiro. Outro levantamento do instituto, a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrange as seis principais regiões metropolitanas do país, mostrou que o desemprego nas metrópoles atingiu 8,2% em fevereiro, maior índice para o mês desde 2009. Em paralelo, houve uma queda na renda média das pessoas ocupadas, que está retornando aos níveis de 2012.

A retração da economia mexe diretamente com o mercado de trabalho – mas não são só as estatísticas que atestam o quadro negativo. Perder o emprego é um golpe não apenas para o bolso, mas para a autoestima de pais e mães de família. O padrão de consumo cai, serviços não-essenciais deixam de ser contratados e bens duráveis deixam de ser substituídos. A redução ou mesmo eliminação de prosaicas regalias conquistadas pelas famílias nos anos de bonança também ajuda a explicar o quadro do desemprego no país.

Márcio Hermínio

Márcio Hermínio (VEJA)

É o caso do gerente de contas Márcio Hermínio, de 30 anos, demitido em agosto. Com a falta de trabalho, ele teve que adaptar seu estilo de vida. Passou a não comer mais fora de casa para economizar, por exemplo. Hoje, faz compras e cozinha em sua casa, onde mora com três amigos. A decisão de Hermínio e milhões de outros consumidores aparece nos dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel): o faturamento do setor teve queda real (descontada a inflação), de 3% em 2015, para 149 milhões de reais. O gerente de contas também sacrificou sua vida social. “Eu costumava sair todo fim de semana, viajava com frequência, ia à praia”, conta. Nada disso faz mais parte de sua rotina. Os hábitos do dia a dia também tiveram que ser readequados. Para economizar combustível, ele tem usado o carro quase que exclusivamente nos fins de semana. “Se a situação continuar como está, eu penso em vendê-lo até o meio do ano.”

A deterioração no mercado de trabalho causa um efeito em cadeia em diversos setores da economia. Sem emprego e com menos dinheiro, a inadimplência sobe, as pessoas adiam a compra de bens duráveis, como móveis e eletrodomésticos, e, além disso, cortam serviços não-essenciais, como planos de saúde e escola particular. No caso dos planos de saúde, por exemplo, o número de beneficiários caiu em quase 1 milhão em dezembro no ano passado, segundo dados da Associação Nacional de Saúde (ANS). Foi o primeiro recui em dez anos.

A perda de ocupação dos chefes de família estimula pessoas que já estavam sem emprego a voltar a procurar uma ocupação para recompor a renda familiar – e isso alimenta o círculo vicioso do desemprego, já que acirra a disputa pelas já escassas vagas. Entre essas pessoas, há um contingente de jovens que até pouco tempo atrás não estudavam nem trabalhavam, os chamados “nem-nem”.

Desemprego 2015

Desemprego 2015 (VEJA)

O adolescente Eduardo Albuquerque, de 17 anos, está parado desde janeiro. “Quero assumir responsabilidades para ajudar minha mãe, que não trabalha, e servir de referência para as minhas quatro irmãs”, diz. Ele não encontra um trabalho fixo há três meses. No momento, pensa em fazer curso de tatuagem e de cabeleireiro para tentar novas ocupações.

Com mais gente desocupada, cresce a busca por bicos, como os buscados por Albuquerque. A taxa de informalidade, que vinha em tendência de queda até o segundo trimestre de 2014, quanto atingiu 43,9%, passou a subir, alcançando 45,1% no terceiro trimestre de 2015, segundo a pesquisa mais recente sobre o tema feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). “O nível de emprego depende fatores microeconômicos que contribuem para sua determinação, mas é no plano macroeconômico que ele é plenamente determinado. E, neste caso, o pais esta muito mal”, diz o professor da Faculdade de Economia da USP (FEA-USP) José Paulo Zeetano Chahad.

Caged 2015

Caged 2015 (VEJA)

A indústria foi o setor que mais demitiu no ano passado, com mais de 600.000 vagas eliminadas, segundo o Caged. Mas o que mais assusta, segundo analistas pelo site de VEJA, é o desempenho do setor de serviços. Esse segmento da economia, que já respondeu por 85% da criação de novos empregos, registrou no ano passado, pela primeira vez, um desempenho negativo, com o fechamento de 276.000 vagas formais. “Isso fecha uma importante válvula de escape para quem perde o emprego na indústria e na construção civil. Antes o brasileiro abria uma loja, um salão de beleza. Hoje, com a fraca demanda, nem isso acontece”, explica José Pastore, professor da FEA-USP.

Conseguir um emprego sem registro é o objetivo de Deise Silva, de 26 anos. “Assim sobra mais dinheiro para mim no fim do mês”, diz Ela trabalhava como atendente de caixa e foi demitida no início de fevereiro. Na última semana, conseguiu seu seguro-desemprego, que vai lhe render quatro parcelas de 900 reais.

Deise Silva

Deise Silva (VEJA)

Confiança – Perder o emprego tira a confiança dos trabalhadores. Não há otimismo que resista a uma sequência de meses sem um salário – e isso também se reflete nos indicadores. Em fevereiro, o Índice Confiança do Consumidor, calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), atingiu 68,5 pontos, maior que o resultado de janeiro, mas ainda muito inferior aos números de toda a série histórica, que já chegou a ultrapassar os 110 pontos, em 2012.

“O consumidor brasileiro estava buscando alternativas para manter todos os itens em seu carrinho de compras, como reduzir gastos fora do lar, frequentar canais de compra com melhor custo-benefício, diminuir idas ao ponto de venda, optar por embalagens econômicas e até trocar de marcas”, diz, em nota, o instituto de pesquisa Nielsen, especializado em hábitos de consumo. Segundo Paula Valadão, analista de mercado da Nielsen, essas medidas paliativas já foram abandonadas – e o que ocorre agora é a exclusão de itens da lista de compras. Esse cenário tem afetado principalmente a classe C, segundo a Nielsen.

Por ora, o horizonte do emprego não parece muito animador. Pastore fala em um avanço para até 12% ainda em 2016. José Paulo Chahad é ainda mais pessimista, e não descarta desemprego perto de 13% até o fim do ano. A reboque da crise política, o desemprego tende a seguir em alta – e os hábitos de consumo, mais comedidos.

Leia mais:

Relação de vagas de trabalho por candidato cai 30% em 2015, diz pesquisa

Indústria paulista corta 12 mil empregos em fevereiro, diz Fiesp

Brasil fecha 1,54 milhão de vagas formais de trabalho em 2015