Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bovespa fecha com melhor nível desde julho de 2011

Bolsa terminou a sessão com alta de 1,22%, aos 59.805,96 pontos

O superávit comercial chinês, o balanço da Alcoa e o esclarecimento da Fitch sobre o rating francês proporcionaram um dia de ganhos às ações ao redor do globo. Com a Bovespa não foi diferente e, empurrada pelos papéis ligados às matérias-primas, o índice flertou com os 60 mil pontos. Como ainda faltava uma razão mais forte para sustentar esse patamar, o fechamento ficou abaixo disso, mas foi o melhor nível desde 25 de julho do ano passado (59.970,54 pontos).

A Bovespa terminou a sessão com alta de 1,22%, aos 59.805,96 pontos. Na mínima, registrou 59.090 pontos (+0,01%) e, na máxima, os 60.112 pontos (+1,74%). No mês e no ano, os ganhos acumulados chegam a 5,38%.

O mercado acionário já disparou logo na abertura, até atingir a máxima do dia no início da tarde. O fôlego, no entanto, foi diminuindo nas duas horas finais da sessão. Segundo um profissional, a queda do dólar acabou servindo de freio à alta da Bovespa, já que, para o estrangeiro, o desempenho no mercado acionário é bem melhor.

Além do balanço da Alcoa – sem os fatores extraordinários, foi bem visto pelo mercado -, os investidores gostaram da balança comercial chinesa. Pequim apresentou um superávit de 16,52 bilhões de dólares em dezembro do ano passado, acima dos 7,8 bilhões de dólares esperados pelo mercado. A desaceleração das importações foi lida como um sinal de desaceleração da economia, o que pode forçar as autoridades a adotarem medidas de estímulo em breve.

Isso puxou as commodities para cima. O contrato do petróleo para fevereiro avançou 0,92% a 102,24 dólares o barril, na Nymex, pressionado também por tensões no Irã e na Nigéria. Também sustentou as ações o anúncio da Fitch de que não prevê um rebaixamento no rating triplo A da França neste ano.

(Com Agência Estado)