Aliados resistem a fechar apoio para reformar Previdência

Temer já estuda punir parlamentares da base que não votarem com o governo

Apesar da pressão do governo, partidos da base aliada resistem em fechar questão a favor da Reforma da Previdência. Por enquanto, apenas lideranças do PMDB e PP afirmaram que devem adotar uma medida para garantir os votos necessários à aprovação da proposta na Câmara. Já PSB, SD e PROS, apesar de serem da base, devem votar contra. Diante dos vários sinais de rebelião no Congresso Nacional, o Palácio do Planalto escalou os ministros para pressionar os deputados dos seus partidos a votar a favor da reforma, sob o risco de perder seus cargos no governo.

Não é à toa que a situação preocupa o governo Temer. Até mesmo aliados de primeira ordem, como o PSDB e o DEM, declararam não estar dispostos a obrigar suas bancadas a votar fechadas com a proposta. No jargão político, o termo “fechar questão” é usado quando a legenda adota posição única sobre como cada um deve votar. O parlamentar que desrespeitar a ordem corre o risco de punição. Essa também é a posição do PSD, PR, PTB e PV. Já integrantes do PRB, PPS, PTN e PSC disseram que ainda iriam discutir o assunto, em reuniões que devem acontecer nas próximas semanas, mas a sinalização inicial é de que não devem impor um posicionamento a seus parlamentares.

Sem cargos

Nesta quinta-feira, após um evento no Itamaraty de comemoração ao Dia do Diplomata, Michel Temer declarou que “vai avaliar” uma punição aos os parlamentares dos partidos da base aliada que votarem contra a reforma — se eles poderão perder seus cargos. Questionado se a base pode perder cargos, se votar contra, primeiramente Temer respondeu: “Espero que não”. Diante da insistência de repórteres, disse: “Não sei. Nós vamos examinar no futuro”. Temer também minimizou traição de partidos como PSB e PRB na votação nesta semana da urgência da reforma trabalhista na terça-feira.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Que bela democracia. Ou aprova o que eu quero ou não tem mais cargos, propinas, mordomias, roubalheira, …. É dando que se recebe, ou melhor, que se rouba. Raposa imunda dá política.

    Curtir

  2. Marcos Cohen

    Desfalque institucional no bolso do contribuinte! Um acinte, descaramento com a conivência de parte da mídia! O cidadão do setor privado contribuiu por toda a sua vida e, próximo a aposentadoria (muitas vezes desempregado) é condenado a ter seu benefício reduzido pelos anos que lhe restam. Surrupiam o nosso minguado benefício, desta vez travestido da imagem que só estas reformas salvarão o Brasil. A única coisa que funcionará é uma nova constituição a ser proposta por notáveis e submetida à população para aprovação (artigo 14 da nossa constituição). O governo Temer se comunica como na época dos militares, a economia afundava enquanto diziam estar preparando o país do futuro. Quão nefasto é este binômio PT-PMDB, deveríamos botar pra correr estes desqualificados! Permanecendo assim poderemos ter em 2018 uma chapa Lula-Renan Calheiros, reagir já à afronta da previdência!

    Curtir

  3. Antonio Pedro

    SE RESISTEM A FECHAR ACORDO SIMPLESMENTE NÃO SÃO ALIADOS, É DIFICIL ENTENDER ISSO?
    PARECE QUE O PESSOAL NÃO ANDA SABENDO QUE ESSE É O “JEITO BRASIL” DE GOVERNAR!

    Curtir