Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Os Idos de Março

O 15 de março é uma data carregada de história – e de ficção

Depois das grandes manifestações dos brasileiros contra o governo no domingo, dia 15 de março, muita gente se lembrou que há trinta anos, em um 15 de março, José Sarney tomou posse na presidência da República, colocando fim no regime militar instaurado em 1964. Fernando Collor também tomou posse em 1990 em um 15 de março, embora a data mais lembrada de seu atribulado período de poder seja o 29 de novembro de 1992, quando, em meio a um processo de impeachment no Congresso Nacional, deixou o Palácio do Planalto.

Mas esses eventos empalidecem diante de dois registros históricos de 15 de março. A chegada de Cristóvão Colombo à Espanha depois de descobrir a América e o assassinato de Julio César, o ditador romano apunhalado no ano 44 aC por senadores enciumados com seu crescente poder e temerosos do provável plano de se tornar ditador perpétuo da República Romana.

Os acontecimentos em torno do assassinato do grande general romano são mais conhecidos pela tragédia Júlio César, de William Shakespeare, do que mesmo pelos registros dos historiadores Lívio, Cassius Dio e Suetônio. Sobrevivem muitas ambiguidades a respeito de César. Muitas, mas não todas, introduzidas na corrente do pensamento moderno por Shakespeare. Como Kaiser e Czar, títulos dos monarcas alemães e russos, derivam de Cesar, dá-se quase sempre a confusão de que ele foi imperador de Roma – também por que se fazia chamar Gaius Julius Caesar Imperator et Pontifex Maximus. Ele era Imperatur para seus comandados nas legiões. Imperatur é comandante. Pontifex Maximus definia seu cargo (aliás, comprado pelos parentes ricos) de mais alto sacerdote.

A Roma de Julio Cesar era uma república. Seu filho adotivo, Otávio, foi o primeiro imperador romano. Shakespeare não se confunde nessa questão, mas, interessado em escrever uma peça só para ela, o dramaturgo inglês apagou de Júlio César a presença de Cleópatra, que estava em Roma no dia do assassinato de César. É de Shakespeare também a criação das derradeiras palavras de César ao receber a última das 23 punhaladas fatais dadas pelos senadores daquele que mais amava – e que as línguas de Roma diziam ser seu filho, apesar de César ter quinze anos quando o senador nasceu: “Et tu, Brute!” (“Até você, Brutus!” ).

Os mesmos rumores de que Cesar era pai de Brutus dão como mais certo que ao morrer o ditador falou em grego “Kai su, teknon!” (“Até você, filho!). Como forma de se diferenciar do latim da patuleia, os senadores romanos mais cultos em 44 antes de Cristo discursavam e conversavam em grego.

Shakespeare aproveita isso no diálogo entre Casca e Cássio, senadores aliados de César. Casca relata a César e a Cássio como foi a sessão do Senado naquela tarde.

CÁSSIO: Cícero falou alguma coisa?

CASCA: Sim, ele falou em grego.

CÁSSIO: E qual foi a reação?

CASCA: …não entendi nada… aquilo foi grego para mim.

Assim Shakespeare ajudou a impulsionar rumo ao nosso tempo a expressão latina “Graecum est; non legitur”, que os monges medievais diziam de manuscritos em grego que não conseguiam traduzir. Deu no nosso familiar “Isso pra mim é grego”, que usamos para dizer que não entendemos nada sobre que acabamos de ler ou ouvir.

Voltando ao 15 de março. Naquele dia, na peça, um adivinho no meio da multidão grita na direção de César quando ele ia para o Senado para o encontro com a morte: “Cuidado com os Idos de Março.”

Desde então, a expressão os Idos de Março é usada para assinalar algum perigo iminente, mas ignorado. Outras datas referenciais do calendário lunar romano, as “Nonas” e as “Calendas” não tiveram a sorte de aparecer na peça de Shakespeare. As Nonas (o quinto ou sétimo dia, dependendo do número de dias do mês) praticamente foram esquecidas. As Calendas (o primeiro dia do mês seguinte) sobreviveram na expressão “Fica para as calendas gregas”, significando que algo foi adiado indefinidamente. No calendário grego não havia calendas. Os Idos de Março, originalmente, marcavam o primeiro dia de lua cheia do Ano Novo, mas no tempo de Julio César eles já se referiam aos dias 13, 14 e 15 de Março. Mais de dois mil anos se passaram e os Idos de Março ainda assombram.