Carne Fraca: BC só encontra R$ 0,15 na conta de chefe do esquema

Justiça Federal decretou o bloqueio de até R$ 1 bilhão dos alvos; suposto líder foi superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná por 7 anos

O Banco Central só encontrou 15 centavos nas contas do fiscal agropecuário Daniel Gonçalves Filho, preso preventivamente na Operação Carne Fraca sob a suspeita de liderar o grupo criminoso que cobrava propina de empresários para burlar a fiscalização em frigoríficos. A informação consta dos documentos anexados ao processo que corre na 14ª Vara Federal de Curitiba.

Gonçalves foi superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná por aproximadamente sete anos. Deixou o cargo em abril do ano passado ao ser exonerado na gestão da então ministra da Agricultura, Kátia Abreu. Apesar do saldo quase zerado no banco, a Polícia Federal atribui a ele a posse de uma dezena de imóveis e carros de luxo no nome de terceiros com valores de mercado incompatíveis com a sua renda.

O BC teve mais sorte ao vasculhar as contas dos seus familiares que também são acusados de participarem do esquema. A sua mulher, Alice Mitico Nojiri Gonçalves, teve 18.147 reais bloqueados. E o seu filho, Rafael Nojiri Gonçalves, 301.848 reais. Os dois foram alvos de prisão temporária. Conforme o inquérito, Gonçalves comandava um grupo de nove fiscais e mantinha “relações estreitas” com funcionários da BRF e da Seara, controlada pela JBS, duas gigantes do ramo alimentício citadas nas investigações, “fazendo-lhes e deles recebendo favores”.

Na última sexta-feira, o juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, determinou o bloqueio de até 1 bilhão de reais das contas dos investigados sob o pretexto de “assegurar o ressarcimento do dano causado”.

Dos 37 acusados que tiveram a prisão decretada, dois continuam foragidos — os empresários Nilson Alves Ribeiro e Nilson Umberto Sacchelli Ribeiro, pai e filho. Donos do frigorífico Frigobeto, em Londrina (PR), eles têm passaporte italiano. Na conta deles, o BC capturou a quantia de 1,39 reais.

A defesa de Gonçalves e dos Nilson pai e filho não foram localizadas pela reportagem para comentar as acusações.

Em nota, a BRF afirmou que “cumpre as normas” e tem “rigorosos processos e controles”, “garantindo a qualidade e segurança dos seus produtos”. “A BRF informa que (…) está colaborando com as autoridades para o esclarecimento dos fatos. A companhia reitera que cumpre as normas e regulamentos referentes à produção e comercialização de seus produtos, possui rigorosos processos e controles e não compactua com práticas ilícitas. A BRF assegura a qualidade e a segurança de seus produtos e garante que não há nenhum risco para seus consumidores, seja no Brasil ou nos mais de 150 países em que atua”, diz o texto, na íntegra. 

Também em nota, a JBS reiterou que não houve nenhuma medida judicial contra os seus executivos e que sua sede não foi alvo da Operação. Também afirmou que adota “rigorosos padrões de qualidade, com sistemas, processos e controles que garantem a segurança alimentar e a qualidade de seus produtos.

“A ação deflagrada em diversas empresas localizadas em várias regiões do país, ocorreu também em três unidades produtivas da Companhia, sendo duas delas no Paraná e uma em Goiás. Na unidade da Lapa (PR) houve uma medida judicial expedida contra um médico veterinário, funcionário da Companhia, cedido ao Ministério da Agricultura. A JBS e suas subsidiárias atuam em absoluto cumprimento de todas as normas regulatórias em relação à produção e a comercialização de alimentos no país e no exterior e apoia as ações que visam punir o descumprimento de tais normas. A JBS no Brasil e no mundo adota rigorosos padrões de qualidade, com sistemas, processos e controles que garantem a segurança alimentar e a qualidade de seus produtos. A companhia destaca ainda que possui diversas certificações emitidas por reconhecidas entidades em todo o mundo que comprovam as boas práticas adotadas na fabricação de seus produtos. A Companhia repudia veementemente qualquer adoção de práticas relacionadas à adulteração de produtos – seja na produção e/ou  comercialização –  e se mantém à disposição das autoridades com o melhor interesse em contribuir com o esclarecimento dos fatos”, diz a nota, na íntegra.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Osvaldo Oliveira

    Brasil: O Paraíso das falcatruas.Uma sociedade corrupta fingindo detestar corruptos…~Comprovar no cenário político atual.

    Curtir

  2. Definitivamente Louco

    Os políticos reclamam da operação carne fraca, mas os envolvidos são apaniguados desses mesmos políticos.

    Curtir

  3. Jorge Dias da Silva

    Sem a PF, nada saberíamos. simples assim.

    Curtir