Blogs e Colunistas

Privataria Tucana

13/01/2012

às 15:04 \ O País quer Saber

Autor do livro de cabeceira do PT também escreveu a letra de ‘Marli Meu Travesti’

PUBLICADO NO PORTAL IMPLICANTE

Exclusivo: trazemos a todos vocês a obra de Amaury Ribeiro Jr. que foi censurada pela grande, pequena e até pela média mídia.

Não é nenhum documento secreto escondido no armário, mas sim uma bela canção que consta do álbum “Precoce” (e “precoce” nesse sentido mesmo que você pensou…) de Amaury Ribeiro Jr. Infelizmente, a mídia não deu o destaque necessário a esse talento. Vale dizer que todas as músicas são muito bem escritas e executadas; então escolhemos a esmo a bela cantiga “MARLI, MINHA TRAVESTI”.

Ouçam clicando em “play” (conseguimos localizar a música na web, em mais uma prova de que a arte e a cultura devem ser compartilhadas), a letra está abaixo (foto do encarte, pois obviamente compramos disco tão belo). Depois disso tudo, nossa análise desse clássico.

Melodia muito parecida com “São Paulo, São Paulo”, do Premê. Com uma letra tão genial dessas, sejamos justos, não é lícito cobrar uma melodia 100% original. Vejam só que epopéia:

Alguns trechos PRECISAM ser comentados, pois são simplesmente excepcionais e mostram o talento inequívoco do compositor além da interpretação simplesmente perfeita e crível:

E a meio outros pares
Marli, meu travesti
Cruzamos as pernas
Grudamos as pintas
Cresceu a sua mão

Cresceu a mão! Essa metáfora já mostra que o autor pertence às mais sofisticadas escolas da poesia moderna. O que poderia crescer? Ora, muita coisa! Ou apenas uma, enfim… Mas ele escolheu as mãos, logo após unir as “pintas”. A pinta de cada um? O autor e Marli tem cada qual sua pinta, e as uniram. Uma paulada lírica, definitivamente.

Em vez de “em meio a” sai um “a meio”. Ele está certo, ora! Poetas, vocês sabem, têm licença para cometer um ou outro pecadilho, mesmo se for pecado capital para a gramática. Mas o que gramáticos normativos entendem de amor? E de Marli? Pois é… O importante é prevalecer o lirismo. Assim, o leitor/ouvinte recebe uma verdadeira paulada poética.

Fazemos façanhas, inventamos mil transas
Nos damos sem pudor
Somos românticos, apaixonados
O maior dos casais
Adotamos uns filhos
Deixamos os tiros
Em nome do nosso amor

É preciso parabenizar o autor por não estar filiado a escolas e sistemas retrógrados. Suas rimas não são como aquelas conservadoras, que possuem a tal “identidade fonética”. Ele prefere rimar “façanhas” com “transas”, “roupas” com “bocas”, “guardas” e “quebrava”, e a praticamente parnasiana “eróticos” com “simbiótico”.

Também fascina a parte do “deixamos os tiros” cuja motivação (de tê-los deixado) seria “em nome do amor”. Mas o que significam esses “tiros”? Que tipo de “tiro” alguém abandona em nome do amor? Pode ser bangue-bangue ou alguma outra carreira – as dúvidas ensejadas pela canção só a enriquecem.

Trocamos as roupas
Juntamos as bocas
Pra não se separar (…)
Que sonhos eróticos
Que amor simbiótico
Marli, não vivo sem ti

A parte “trocamos as roupas” pode levar a várias interpretações, afinal, quais as de Marli e quais da personagem da composição (que ninguém faz a menor idéia de quem seja)? E é trocar entre si ou cada qual substitui o que veste por outra peça de roupa, talvez mais confortável? Mais uma vez, portanto, o poeta apresenta questões existenciais intrigantes.

O trecho “pra não se separar” é simplesmente uma poesia dentro do poema, pois, se são as pessoas, seria “separarmo-nos”, mas provavelmente diz respeito às bocas e o autor – sabiamente – optou por não flexionar o infinitivo. Ao mesmo tempo, transgrediu ao usar a próclise em vez da ênclise obrigatória. Cumpre uma regra da norma culta e transgride uma mais basilar. Isso é raro e só há uma explicação para isso: talento poético.

Por fim, o nome: “Meu Travesti”.

Os linguistas ainda debatem de forma árdua para consolidar uma determinação gramatical do gênero do substantivo. Por enquanto, vale tanto “a” quanto “o” travesti. Mas como usar uma ou outra forma? O que difere “a” de “o” travesti? O autor optou por “o”, deixando no título, de maneira talentosíssima, a principal dúvida acerca de Marli.

Conclusão
A música só não perdeu esse gênio para a literatura porque, como sabem os que têm polegares opositores e já se puseram a ler de fato o quanto escrito, ele não é exatamente um literato. Mas, no campo da canção popular, é imbatível.

Merece um TRIVIAL, seguramente.

De mais a mais, pedimos ENCARECIDAMENTE que NINGUÉM seja preconceituoso ou agressivo nos comentários. Mesmo os leitores “da antiga” acabarão levando cortes (se bem que, nossos queridos leitores sabem fazer a coisa direito sem ensejar a facada censória).

Ah, sim! Já ia esquecendo… Amaury trabalha na RECORD, emissora do…

Pedimos clemência episcopal (sem cacófato) de Edir Macedo. A poesia acima de tudo, Edir! Contamos contigo: não exorcize a beleza dessa canção.

21/12/2011

às 19:35 \ Feira Livre

A manifestação de desonestidade intelectual acabou escancarando as entranhas do petismo imbecilizado

Mauro Pereira

Confesso que não li o livro “Privataria Tucana”, lançado recentemente por um ex-jornalista a serviço da causa petista. Não estava disposto a gastar o dinheiro que não tinha nem perder tempo com uma obra vulgarizada na essência pela indigência moral do autor e, de acordo com a opinião de jornalistas de verdade, pelo caráter vergonhosamente tendencioso e eleitoreiro do conteúdo. A adesão explícita do título a desmoraliza desde o nascedouro. Ademais, o júbilo ostensivo que invadiu os blogs mantidos com recursos do governo federal estrategicamente perfilados para repercutir a empulhação, agravada pela reação imediata de um deputado abaixo de todas as suspeitas clamando por uma CPI, despertou meu instinto de preservação, que me aconselhou a manter uma distância prudente. E eu, que não sou tatu, obedeci, de pronto!

No entanto, o que me impressiona, mas não surpreende, é a má fé política explícita acompanhada pela manifestação mais sórdida de desonestidade intelectual. A súcia petista se modernizou e deixou no passado a prática da criação de dossiês forjados na mentira para prejudicar seus adversários políticos. Agora, usa de sofisticada produção editorial como o meio mais eficaz para atingir seus objetivos. Apesar da inovação, a metodologia indecente continua a mesma: desconstruir as candidaturas dos seus oponentes e jogar a honra e a dignidade dos seus desafetos na mesma lama que chafurda. Sempre terá à disposição uma corja que viceja no rodapé da ética e da decência, disfarçada de jornalistas, escritores, deputados, senadores, ministros e funcionários públicos para executar o serviço sujo.

Talvez por um descuido dos revisores, talvez traído pelo deslumbramento, o autor, que originariamente se predispunha a denunciar o tucanato corrompido, acabou por escancarar as entranhas do petismo imbecilizado. Não me dediquei a nenhum extenuante exercício de raciocínio para chegar à conclusão intrigante: se realmente eram proprietários de um material altamente explosivo, capaz de abalar as estruturas do PSDB, por que optaram por falsificar dossiês sobre seu adversário direto nas últimas eleições para governador de São Paulo, tramoia cujos desdobramentos lhes impuseram uma derrota humilhante ainda no primeiro turno? Duas alternativas justificariam esse comportamento no mínimo estranho: compaixão ou descrédito dos documentos. Até onde eu sei, o PT sempre se sobressaiu pela intolerância, na maioria das vezes violenta, de suas campanhas eleitorais e por jamais ceder à frivolidades como a condescendência.

Se tivesse oportunidade e dinheiro, escreveria um livro sobre a falência ideológica e o descenso ético do PT. Embora os temas propostos sejam instigantes, eu me cercaria de cuidados para não permitir que descambasse para um medíocre calhamaço de papel impresso. Centraria toda a minha capacidade literária na tarefa de revelar como Lula usurpou programas de governo lançados na administração presidida por Fernando Henrique Cardoso. O Plano Real e o Bolsa Família são dois exemplos típicos de apropriação indevida.

O primeiro, que proporcionou a reestruturação econômica do Brasil ao encerrar um longo período inflacionário que inviabilizava o seu crescimento, foi criado por uma equipe de economistas notáveis chefiada pelo então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, e encampada pelo ex-presidente Itamar Franco. Ainda se mantém fresca em minhas lembranças a reação mesquinha do PT, que, priorizando seus interesses políticos, procurou desesperadamente diminuir a amplitude do Plano Real, embora internamente reconhecesse seu largo alcance social inquestionável e sua importância vital para ao menos minimizar os efeitos devastadores dos 80% de inflação mensal que sacrificava principalmente os mais pobres, para depois apoderar-se dele e jamais se preocupar em dar o devido crédito aos seus criadores. O segundo, apesar do nome emblemático, jamais deixou de ser o ajuntamento dos vários programas sociais implementados sob a inspiração da eterna primeira-dama Dona Ruth Cardoso, concebidos desde a sua origem para proteger o setor mais vulnerável da sociedade e rebaixado por Lula à condição de mero reduto confortável da conveniência política.

Não me esqueceria de assinalar, também, que se tivesse vingado o indecoroso plano de um terceiro mandato para presidente, engendrado e muito bem avaliado nos porões da inconseqüência petista, Lula necessitaria de menos da metade desse tempo para tornar sua a biografia de Fernando Henrique Cardoso.

É quase certo que eu colocaria o título de “Pirataria Petista”. Acho que cairia bem.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados