Blogs e Colunistas

Orlando Silva

11/06/2012

às 22:14 \ Sanatório Geral

Leitor fiel

“Na política, não há limites para os ataques. Foi difícil acordar de manhã e ler os jornais cheios de mentiras”.

Orlando Silva, afastado do Ministério do Esporte por ter excedido a cota de maracutaias, durante a discurseira no congresso nacional de uma certa União da Juventude Socialista, confessando que, em vez de ler as verdades publicadas pela imprensa dependente e pelos blogueiros amestrados, faz questão de ler diariamente as mentiras publicadas pela mídia golpista.

11/06/2012

às 19:54 \ Sanatório Geral

Consolo dos aflitos

“Você já superou a crise. Vai se eleger vereador de São Paulo”.

Eduardo Paes, prefeito do Rio, durante a discurseira no Congresso Nacional da União da Juventude Socialista, ao dirigir-se ao ex-ministro do Esporte Orlando Silva, ensinando que, na novilíngua da base alugada, “superar a crise” quer dizer escapar da cadeia e consolando o companheiro do PCdoB com a teoria segundo a qual fazer parte da Câmara de Vereadores ou do primeiro escalão federal é a mesma coisa.

11/06/2012

às 19:22 \ Direto ao Ponto

O deputado que vendeu a alma para ser prefeito consola a bandidagem de estimação

Eduardo Paes chegou à prefeitura do Rio de joelhos. Pelo andar da carruagem, pode acabar saindo na traseira de um camburão. Confira na seção O País quer Saber.

11/06/2012

às 19:11 \ O País quer Saber

Em três capítulos, a história do homem que vendeu a alma para virar prefeito do Rio

PRIMEIRO CAPÍTULO
Entre julho de 2006 e agosto de 2006, o deputado federal Eduardo Paes, do PSDB fluminense, um dos mais veementes representantes do partido na CPI que apurou o escândalo do mensalão, fez as seguintes declarações:

“É preciso investigar o inexplicável crescimento do patrimônio dos filhos do presidente”.

“Lula sabe de tudo. A sede da quadrilha do mensalão é o Palácio do Planalto.

“O conjunto de escândalos que envolvem o governo é tanto, e a desfaçatez dos principais atores envolvidos neles tão grande, que às vezes parece que a CPI não conseguiu ainda provar muita coisa” .

“Comprovamos o mensalão com cópia de recibo e tudo. Como é que o Lula ainda tem coragem de negar?”

“Claro que Lula sabe quem é Delúbio Soares. Ele sabe de tudo”.

SEGUNDO CAPÍTULO
Durante a campanha eleitoral de 2008, depois de ter mendigado o apoio de Lula e implorado o perdão de Marisa Letícia por ter dito o que dissera sobre a Primeira Família, a nova versão de Eduardo Paes, candidato a prefeito do Rio pelo PMDB, fez as seguintes declarações:

“A gente tem que ter muita calma antes de sair apontando o dedo para as pessoas”

“Pedir desculpas pelos erros cometidos não envergonha ninguém”.

“Reconheço que exagerei nos trabalhos da CPI. Fiz acusações sem consistência e denúncias sem fundamento”.

“É uma honra estar ao lado do grande governador Sérgio Cabral e do maior presidente que este país já teve”.

“Não falo sobre o mensalão”.

TERCEIRO CAPÍTULO
Neste sábado, em campanha pela reeleição, o homem que vendeu a alma para virar prefeito do Rio discursou no Congresso Nacional da União da Juventude Socialista. Dois dos piores momentos do palavrório:

“Você já superou a crise. Vai se eleger vereador de São Paulo” (dirigindo-se a Orlando Silva, demitido por corrupção do ministério do Esporte).

“Daniel, é assim mesmo. O problema é o seguinte: as eleições estão chegando. Como a UNE se posiciona, fica difícil não apanhar” (dirigindo-se a Daniel Iliescu, presidente da União Nacional dos Estudantes Amestrados, envolvido até o pescoço no desvio de dinheiro tungado dos cofres públicos graças à celebração de convênios malandros com seis ministérios).

Eduardo Paes chegou à prefeitura de joelhos. Pode acabar saindo na traseira de um camburão.

08/05/2012

às 14:40 \ Sanatório Geral

Um dia depois do outro

“Estou vivendo um verdadeiro linchamento moral e vou até o fim para lavar a minha honra”.

Orlando Silva, em 21 de outubro de 2011, ainda ministro do Esporte.

“Desmascarei todas as mentiras para a presidente.”

Orlando Silva, em 24 de outubro de 2011, ainda ministro do Esporte.

“Ao final desse processo, terei um atestado de idoneidade”.

Orlando Silva, em 25 de outubro de 2011, ainda ministro do Esporte.

“Eu decidi sair do governo para que possa defender a minha honra, o trabalho no Ministério do Esporte, o governo que eu acredito e defender o meu partido”.

Orlando Silva, em 26 de outubro de 2011, já ex-ministro do Esporte.

18/04/2012

às 18:46 \ Direto ao Ponto

Hillary Clinton conseguiu enxergar um convento na usina de corruptos impunes

size_590_Dilma_Rousseff_e_Hillary_Clinton Roberto Stuckert Filho/Presidência

Dilma Rousseff e Hillary Clinton: um novo padrão mundial no combate à corrupção (Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência)

Quem vê as coisas como as coisas são sabe que Dilma Rousseff fez o possível para evitar o despejo dos ministros que perderam o emprego por envolvimento em bandalheiras de bom tamanho. Se a presidente pudesse tudo, ainda estariam a serviço da pátria e de quadrilhas os companheiros Antonio Palocci, Alfredo Nascimento, Pedro Novais, Wagner Rossi, Orlando Silva e Carlos Lupi. Como não pode tanto, Dilma acabou sucumbindo à repercussão das ladroagens descobertas e divulgadas pela imprensa independente.

De passagem por Brasília, Hillary Clinton decidiu que o governo da protetora de Fernando Pimentel estabeleceu um novo padrão mundial no combate à corrupção. Se acredita no que disse, Hillary só confirma que a maioria dos figurões estrangeiros, embora já tenha aprendido que  não é Buenos Aires a capital do País do Futebol, continua merecendo nota 0 em realidade brasileira. Não é pouca coisa enxergar um convento na imensa usina de corruptos impunes.

Se Barack Obama fizesse nos Estados Unidos o que aqui se faz impunemente, demoraria algumas semanas para transformar-se não numa Dilma Rousseff americana, mas numa reedição piorada do antecessor Richard Nixon. Enfiado até o pescoço nas patifarias reveladas pelas investigações sobre o Caso Watergate, viu-se obrigado a renunciar à presidência em 8 de agosto de 1974. Nixon caiu fora da Casa Branca carregando um prontuário assustador para os padrões americanos.

Aos olhos da turma acampada no Planalto, o que fez o colega ianque é coisa de vigarista amador.

22/03/2012

às 19:44 \ História em Imagens

No Brasil Maravilha, a Lei Geral da Copa já foi aprovada no ano passado

Em 16 de setembro de 2011, a presidente Dilma Rousseff assinou o projeto que criou a Lei Geral da Copa. O envio do texto ao Congresso, consumado três dias depois, mereceu uma caprichada nota oficial da Casa Civil. “O tema está no prazo adequado e necessário para assegurar as garantias para a realização do evento, bem como para reafirmar os direitos da população brasileira, previstos na legislação vigente”, celebrava um trecho. “A Copa do Mundo é um evento importante, motivo de alegria para o povo brasileiro e será realizada nos marcos legais estabelecidos pelo Estado Nacional, de forma democrática, livre e soberana”.

Dilma subscreveu o documento em Belo Horizonte, durante a cerimônia no Mineirão que comemorou o início da  contagem regressiva de mil dias para a abertura da Copa. Ao lado de Dilma Rousseff, do governador Antonio anastasia, de Pelé e de alguns operários, Orlando Silva castigou o idioma e a verdade: “Com a assinatura da presidenta hoje e o envio do projeto ao Congresso, nós estamos otimistas que o Congresso vai aprovar esse último compromisso institucional do Brasil com a Fifa quem sabe até o final do ano”, recitou o ministro do Esporte despejado do cargo por excesso de maracutaias.

“Todas as condições estabelecidas pela Fifa fazem parte da Lei Geral”, informou Orlando Silva, “inclusive a liberação do comércio de bebidas alcoólicas nos arredores dos estádios onde serão realizados os jogos”. No Brasil Maravilha, portanto, foram resolvidas há seis meses as pendências que continuam empacadas no Congresso instalado no país real. Lula, que assinou o acordo com a Fifa, está ocupado com a eleição em São Paulo. Quando tiver tempo para comentar o conto do vigário internacional, dirá que só saberia o que estava assinando se tivesse aprendido a ler.

22/11/2011

às 5:44 \ Sanatório Geral

Amizade tem limite

“Um bandido chega e faz uma denúncia caluniosa, mentirosa, sem prova, e usa isso para retirar um ministro do cargo e permite ilações até dos amigos, imaginem o que os adversários farão!”

Inácio Arruda, senador do PCdoB do Ceará, sobre o ministro Carlos Lupi, confessando que o camarada Orlando Silva ficou desempregado porque nem os amigos conseguiram acreditar no Artilheiro do Segundo Tempo.

21/11/2011

às 19:37 \ Direto ao Ponto

Depois do doutor que não lê, o Brasil inventa a faxineira que gosta de lixo

PUBLICADO EM 21 DE NOVEMBRO DE 2011

Além do brasileiro, o Brasil já inventou o analista de juiz de futebol, o jurado de escola de samba, o despachante, o senador biônico, o flanelinha, o comunista capitalista, o cabo eleitoral de ofício, o guerrilheiro que não sabe atirar e a família Sarney. A usina de esquisitices não pode parar, sugerem as duas singularidades incorporadas em 2011 ao vastíssimo acervo de assombros. No começo do ano, o País do Carnaval pariu o único doutor honoris causa do planeta que nunca leu um livro e não sabe escrever. Em seguida, decidiu que Dilma Rousseff seria a primeira faxineira da história que odeia vassoura e gosta de lixo.

Promovida a ministra de Minas e Energia em 2003, Dilma fez mais que conviver anos a fio, sem qualquer vestígio de desconforto, com o lixo amontoado por Lula no primeiro escalão federal. Como atestam três itens no prontuário, a chefe da Casa Civil fez o que pôde para piorar o que já estava péssimo. Com o dossiê forjado contra Fernando Henrique e Ruth Cardoso, Dilma aumentou o lixo. Com a conversa em que tentou induzir Lina Vieira a indultar a Famiglia Sarney, escondeu o lixo. E intensificou extraordinariamente a produção de lixo ao transformar em sucessora a melhor amiga Erenice Guerra.

“A corrupção será combatida permanentemente”, mentiu no discurso de posse. Se pensasse assim, seriam outros os ministros na plateia. Ao chamar de volta Antonio Palocci e Alfredo Nascimento, por exemplo, trouxe para dentro de casa o entulho já depositado na caçamba. Ao nomear Pedro Novais e manter no emprego Wagner Rossi e Orlando Silva, afastou do aterro sanitário algumas pilhas de detritos. Ao prorrogar o prazo de validade de Carlos Lupi, revelou que já existe até o lixo de estimação.

Como atestam as fotos feitas no dia da posse, Dilma ficou muito feliz com a escolha dos seis ministros localizados pela imprensa no pântano das maracutaias. Lamentou a partida de cinco e faz o que pode para não se desfazer do sexto. A permanência de Carlos Lupi no Ministério do Trabalho transforma a antiga suspeita em certeza: a faxineira do Brasil Maravilha não consegue viver sem lixo por perto.

18/11/2011

às 21:00 \ Homem sem Visão

Orlando Silva volta à disputa no segundo tempo e enfrenta o ex-camarada Agnelo

“O chefe não entende como é que todo mundo não enxerga que ele fez um serviço com as ONGs melhor que o do Carlos Lupi”, confidenciou um dos três vizinhos que se declaram amigos de Orlando Silva durante o lançamento da candidatura do ex-ministro do Esporte ao título de Homem sem Visão de Novembro. O homônimo que ninguém merece vai lembrar na campanha que foi muito elogiado por todos os oradores que se revezaram no comício à beira da sepultura. “Ele já se recuperou da derrota para a Iriny no mês passado”, garantiu um dirigente do PCdoB. “E acha que os leitores-eleitores do HSV têm mais simpatia por um candidato desempregado”.

Poucos minutos depois da volta de Orlando Silva, a Comissão Organizadora do HSV recebeu a inscrição de Agnelo Queiroz. “O chefe está otimista porque não enxergou nenhuma lambança no Ministério do Esporte e na Anvisa”, revelou um de seus 981 assessores. O governador do Distrito Federal ganhou força depois de não enxergar nada demais nos 5 mil reais depositados na sua conta bancária por um lobista que, no mesmo dia, recebeu atenções especiais da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Para chegar ao segundo turno, Agnelo conta com um trunfo respeitável: pode contar onde foram parar os 45 mil reais que completam a propina.

Até o momento, Orlando Silva e Agnelo Queiroz concorrem com Marta Suplicy e Carlos Lupi. Mas vem muito campeão por aí, leitores-eleitores! Fortes rumores dão conta de que José Sarney já foi para o aquecimento! Aguenta, coração! A briga-de-foice mal começou!  E que vença o pior!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados