Blogs e Colunistas

Dilma Rousseff

04/07/2015

às 18:18 \ Direto ao Ponto

Depois de ensinar que a cooperação e o fogo são processos tecnológicos criados pela humanidade, a mulher sapiens merece trocar o terninho por uma camisa de força

Já na largada do Discurso da Tocha, improvisado para acender simbolicamente a pira olímpica de 2016, Dilma Rousseff resolveu deixar claro que o neurônio solitário, seviciado pelo sol do Rio, ultrapassou o ponto de combustão, sucumbiu ao curto-circuito, transformou faísca em chama e incinerou o pedaço da cabeça que administra o raciocínio lógico. Fora essa, não há explicações para o vídeo de 30 segundos em que a presidente ergue um portentoso monumento à maluquice com apenas três frases, transcritas a seguir sem correções:

1. “Dentre todos os processos tecnológicos que a humanidade criou, dois se destacam”.

Qual seria a dupla de maravilhas da tecnologia que a humanidade pariu? A mandioca e a mulher sapiens? A mandioca e o milho? A mandioca e o Petrolão? Nenhuma das opções, corrige a segunda frase:

2. “Um é a imensa… o imenso poder, o (sic) imensa força, a imensa capacidade de desenvolvimento que, em qualquer atividade… humana, tem um processo chamado cooperação”.

Sabe-se agora que, para Dilma, cooperação é um processo tecnológico. Falta saber que diabo de “cooperação” é essa. A última frase também não tem pé nem cabeça. Mas é pelo menos mais curta.

3. “E o outro foi a conquista do fogo”.

Para Dilma Rousseff, portanto, o fogo foi conquistado, e tal conquista figura entre os dois mais espetaculares processos tecnológicos registrados desde o Dia da Criação. Antes do Discurso da Tocha, os demais habitantes do planeta, incluídos os doidos de pedra, achavam que o fogo é um dos elementos da natureza que o homem descobriu e aprendeu a dominar. Depois do palavrório de Dilma, ninguém deixou de achar o que achava. Mas agora os fregueses de hospício querem saber por que a ilustre paciente do Sanatório Geral usa terninho vermelho em vez de camisa de força.

Share

04/07/2015

às 15:46 \ Sanatório Geral

Neurônio imaginoso

“O nosso querido Nuzman me disse que da única coisa que ele não reclamou – porque você sabe que uma pessoa que trabalha para fazer um evento do tamanho, do porte da Olimpíada, do desafio, o grupo de pessoas, são pessoas que cuidam muito mais dos problemas do que do que deu certo. Então, uma das características é reclamar”.

Dilma Rousseff, nesta sexta-feira, explicando que dezenas de milhões de brasileiros não param de reclamar do pior governo da história porque estão todos trabalhando na organização da Olimpíada do Rio.

 

Share

04/07/2015

às 12:03 \ Sem categoria

Merval Pereira: Anatomia de uma crise

Publicado no Globo

MERVAL PEREIRA

A crise interna do PT pode ser explicada de diversas maneiras, e muitos fatos podem ser responsabilizados por ela existir, mas a lógica que rege os mais recentes movimentos do ex-presidente Lula e de sua criatura Dilma Rousseff é que expõe a fragilidade política dessa união, que só foi forte quando o criador comandava a criatura, seja na campanha eleitoral que ela nunca enfrentara, em 2010, seja na montagem do primeiro governo, quando Lula fez o que quis no ministério inaugural do que deveria ser o governo de transição entre os primeiros oito anos de Lula e os novos oito anos a partir de 2014.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

04/07/2015

às 11:57 \ Sanatório Geral

Pedaladas neuronais

“Queria cumprimentar o nosso governador Pezão. Apesar de que, eu e o Eduardo vimos fazendo um grande esforço para que ele compre uma bicicleta e pedale. O Nuzman forneceu para ele o uniforme completo. Então, cada vez mais, aliás, melhor dizendo, cada vez menos, ele tem, cada vez mais razão para praticar esporte”.

Dilma Rousseff, internada por Celso Arnaldo depois de outro momento nobre do já célebre Discurso da Tocha, deixando o governador Pezão na dúvida se deve ou não andar de bicicleta.

Share

04/07/2015

às 7:46 \ Sanatório Geral

Neurônio em colapso

“Nós temos certeza que faremos uma Copa segura, uma Copa que vai garantir… Aliás, desculpa, uma Olimpíada. É que eu falei em Copa, e estou com a Copa na cabeça. [...] Quero dizer que, então, todos aqueles que quiserem participar dessa Copa… dessa Olimpíada,  que venham aqui e que venham e participem”.

Dilma Rousseff, nesta sexta-feira, confirmando que, segundo o neurônio solitário, a seleção de natação só precisa escalar César Cielo como centroavante na Copa de 2016 para vingar-se daqueles 7 a 1 que a Alemanha, na Olimpíada de 2014. enfiou goela abaixo do time brasileiro que representou o País do Futebol na na prova de revezamento 4 x 100m nado livre.

Share

04/07/2015

às 0:55 \ Sanatório Geral

Chefão chorão

“Todo vazamento é contra o PT. O que eles querem é ver Dilma e o PT sangrarem até lá”.

Lula, no encontro com senadores e deputados do partido, exigindo que os investigadores engajados na Operação Lava Jato produzam algum vazamento de provas da participação de FHC no esquema do Petrolão.

Share

03/07/2015

às 20:33 \ Sanatório Geral

Mandioca olímpica

“A tocha olímpica, sem dúvida, é muito bonita, ela é verdadeiramente fantástica. Aquelas cores, o Nuzman estava me explicando, porque isso é um protótipo, elas mudam. As cores internas mudam. E também que a tocha se move. Então, eu digo, diante da tocha, com uma insistência que o Galileu disse diante da inquisição: “E pur si muove!” Ou seja, “E apesar de tudo se move!”. E eu considero, Nuzman, que você tem toda a razão”.

Dilma Rousseff, capturada por Celso Arnaldo na cerimônia de lançamento da rota do revezamento da tocha olímpica, colocando-se no papel de Galileu e comparando as Olimpíadas à Inquisição, para dar ao evento o mesmo tom de chanchada que marcou a conquista da mandioca e a descoberta da Mulher sapiens.

Share

03/07/2015

às 15:59 \ Sanatório Geral

A descoberta do século

“Eles estão num nível de desenvolvimento que eu jamais imaginei que houvesse”.

Dilma Rousseff, nesta quarta-feira, depois do passeio no carro autodirigível, descobrindo que o o Brasil não é mais desenvolvido que os Estados Unidos.

Share

03/07/2015

às 14:52 \ Direto ao Ponto

O país que segue voando sem piloto só escapará da queda se Dilma renunciar ao mandato que acabou sem ter começado

“Acabei de descer do futuro”, informou Dilma Rousseff depois do passeio no carro inventado do Google que funciona sem motorista. Mas não pisou no presente nem pousou no mundo real. Continua flutuando na estratosfera, avisa a pilha de declarações sem pé nem cabeça acumulada na viagem aos Estados Unidos.

Perdida em San Francisco, constata o comentário de 1 minuto para TVEJA, a presidente nem se lembrou de reivindicar a a maternidade da ideia que resultou no invento automobilístico. Foi ela, junto com Lula, quem criou o país que voa sem piloto. Mas o prazo de validade da turma na cabine é de quatro anos, sabe-se agora.

O Brasil que segue flutuando sem ninguém no manche só escapará da queda se Dilma renunciar formalmente ao segundo mandato que acabou sem ter começado.

Share

03/07/2015

às 2:16 \ Sanatório Geral

Carro sapiens

“É fantástico! O que se sente é que você está com um motorista dirigindo e que ele é um motorista que respeita os sinais, respeita a existência de veículo da frente, bicicletas e pedestres”.

Dilma Rousseff, depois do passeio no veículo autodirigível da Google, desconfiando que não estaria ameaçada de perder o emprego se tivesse trocado por uma frota de carros honesto o bando de ladrões que instalou na diretoria da Petrobras.

Share
 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados