Blogs e Colunistas

Congresso

04/08/2015

às 19:20 \ Opinião

Ricardo Noblat: Dilma, leniente ou cúmplice

Publicado no Globo

RICARDO NOBLAT

O PT sempre tratou seus adversários com um solene desprezo. Lula, que exerceu um único mandato de deputado federal, disse em certa ocasião que havia no Congresso 300 picaretas. Pouco mais, portanto, que a soma de deputados e senadores.

E o que ele fez quando assumiu a presidência da República pela primeira vez? Passou a governar com os picaretas. Se bem pagos, eles dão pouco trabalho.

Comparado com Dilma, dizem que Lula é um craque. Que sempre soube fazer política. Mas que tipo de política ele fez depois de se tornar inquilino do mais prestigiado gabinete do Palácio do Planalto?

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

28/07/2015

às 13:33 \ Opinião

Editorial do Estadão: ‘As habilidades de Dilma’

É preciso acabar de uma vez por todas com a lenda segundo a qual a presidente Dilma Rousseff enfrenta imensas dificuldades políticas porque não é afeita ao varejo das negociações com o Congresso e porque ela tampouco se anima a se expor aos eleitores em busca de popularidade. O desastre de sua presidência não resulta dessas características, e sim de sua incontestável incapacidade de diagnosticar os problemas do País e de ministrar-lhes os remédios adequados. A esta altura, a maioria absoluta dos brasileiros, de todas as classes sociais, já se deu conta de que o problema de Dilma não é sua reclusão ou sua ojeriza aos políticos, mas simplesmente sua incompetência. Prometeram-lhes uma “gerentona” e lhes entregaram uma estagiária.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

22/07/2015

às 15:27 \ Opinião

“Depois da tempestade vem o tufão” e outras quatro notas de Carlos Brickmann

Publicado na coluna de Carlos Brickmann

O Congresso, onde a presidente apanhou que nem genta granda neste semestre, entrou em férias. A crise foi embora? Não: a crise está no ar, mas com os pés solidamente plantados no chão. Lula, o primeiro-companheiro deste governo, está sendo investigado pelo Ministério Público, por suspeita de relações estranhas com empreiteiras. O Tribunal Superior Eleitoral examina a possibilidade de que a campanha de Dilma tenha recebido recursos desviados da Petrobras (neste caso, o registro da chapa Dilma-Temer é cassado, e caem ambos). O Tribunal de Contas da União estuda as contas do Governo Dilma, e há quem defenda sua rejeição, por conta das pedaladas fiscais. Os presidentes da Câmara e do Senado são investigados, há uma imensa bancada parlamentar na mira do Ministério Público e da Polícia Federal, há grandes empresários sob suspeita, ou já condenados. E, em menos de duas semanas, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, promete detonar mais duas bombas: a CPI do BNDES e a dos Fundos de Pensão.

Dilma cai? Pode ser; depende de como a situação evoluir. Uma data decisiva será o domingo, 16 de agosto, dia marcado para as marchas Fora, Dilma. Muita gente nas ruas enfraquecerá a presidente. Se houver pouca gente, ela se fortalece. Mas, de qualquer modo, Dilma é frágil: a avaliação de seu governo, segundo a pesquisa CNT-MDA, divulgada pela Agência Brasil, estatal, continua caindo – de 10,8% para 7,7%, em julho. E 55,5% acreditam que a situação vai piorar.

Dilma Rousseff, quem diria!, tem índice de apoio inferior à inflação.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

21/07/2015

às 20:03 \ Opinião

Oliver: Bolada na Dilma

VLADY OLIVER

Vamos combinar. O protótipo de meliante que edita o perfil fake da “presidenta baioneta” no livro de caras digital conclamou hoje, segundo o vizinho de teclas Felipe Moura Brasil, a sua militância rumbeira a enganar a equipe de mediadores do perfil de Eduardo Cunha, postando um comentário positivo, esperando um “like” e editando o conteúdo postado para a baixaria. Não vou discutir aqui se é conveniente ou não termos um casca grossa no Congresso. A questão é outra: a vigarice explícita, regiamente turbinada com o NOSSO dinheiro público, vai acabar exatamente quando?

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

24/04/2015

às 11:24 \ Opinião

Fernando Gabeira: ‘Um governo para esquecer’

Publicado no Estadão

FERNANDO GABEIRA

Recebi dois livros interessantes: Submissão, de Michael Houellebecq, e Ordem Mundial, de Henry Kissinger. Aproveito uns dias de resfriado para lê-los, mas só vou comentá-los adiante. Não sei se o resfriado turvou minhas expectativas, mas vejo o mundo caindo ao redor: empresas fechando, gente perdendo emprego e, como se não bastasse, estúpidos feriados.

Mas será que estar envolvido numa situação tão pantanosa me obriga a fazer as mesmas perguntas, tratar dos mesmos personagens, dona Dilma e seus dois amigos, Joaquim e Temer?

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

23/04/2015

às 18:03 \ Sem categoria

Demétrio Magnoli: ‘Leis em movimento’

Publicado no Globo

DEMÉTRIO MAGNOLI

O Senado sabatinará o jurista Luiz Edson Fachin, indicado por Dilma Rousseff para a cadeira vaga no STF desde a renúncia de Joaquim Barbosa. O fato de que Fachin fez campanha para Dilma, em 2010, não o desabona. “Ele manifestou uma posição política, votou na presidente”, disse o senador tucano Álvaro Dias, para explicar: “O que deve prevalecer não é a opção política circunstancial” mas “o notório saber jurídico, a reputação ilibada e a independência de quem vai julgar”. De fato, em 2002, o Senado aprovou a nomeação de Gilmar Mendes por FH e, em 2009, a de Dias Toffoli por Lula, sem impugnar a “opção política circunstancial” de nenhum dos dois. O problema é que, no caso de Fachin, a “opção política” não expressa um exercício individual de cidadania, mas uma militância específica na arena do Direito.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

11/04/2015

às 19:32 \ Opinião

J. R. Guzzo: ‘A marcha da insensatez’

Publicado na revista Exame

J. R. GUZZO

Vai terminando o verão do descontentamento. como terminará o outono que se abre aí à frente? Há mais de 20 anos, desde os tempos de anarquia do infeliz governo de Fernando Collor, o Brasil não vivia um período tão longo de desencanto com o dia a dia, desgosto pela autoridade de quem está na Presidência da República e desprezo pelo que é percebido, cada vez mais, como sua pura e simples incapacidade de governar.

Num espaço de alguns poucos dias, o país assistiu às maiores demonstrações públicas de condenação a um governo já registradas na memória nacional, à pior queda em sua avaliação nas pesquisas de opinião e à extravagante demissão de um ministro de Estado que resolveu, por conta própria, declarar guerra à Câmara dos Deputados.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

21/03/2015

às 13:33 \ Opinião

Eliane Cantanhêde: ‘Infecção braba, antibiótico fraco’

Publicado no Estadão

ELIANE CANTANHÊDE

A política é definida de fora para dentro do Congresso. Quanto mais vibrantes as ruas, mais fracos os governos; quanto mais fracos os governos, mais fortes a Câmara e o Senado e mais tonitruantes os líderes partidários.

Milhões de pessoas gritando “Fora Dilma”, a aprovação da presidente despencando para 13%, a rejeição disparando para 62% e um documento do próprio Planalto admitindo o “caos político” e que “não será fácil virar o jogo”… Pois é, depois dessa sequência de tragédias para o governo, tudo o que Dilma Rousseff teve a oferecer foi o tal pacote anticorrupção.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

18/03/2015

às 16:23 \ Opinião

Oliver: Só pra socializar

VLADY OLIVER

Autoexplicativa, a matéria sobre o programa Mais Médicos veiculada pela Band e reproduzida no vídeo acima mostra como foram os bastidores da armação internacional que permitiu tanto o trabalho escravo em terras brasileiras, bem debaixo dos narizes daqueles togados que não vêem uma quadrilha onde já há um exército, quanto o financiamento da ditadura cubana por parte da pobre e espoliada democracia brasileira. Mais uma vez fomos feitos de otários. Mais uma vez um governo atende os próprios interesses em detrimento das liberdades democráticas, das liberdades individuais e do mínimo de decência necessário a que passemos a uma nação soberana, de um ajuntamento de bandidos.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Share

06/03/2015

às 10:15 \ Opinião

Editorial do Estadão: ‘Adversários de si mesmos’

Publicado no Estadão

Para Dilma Rousseff não há situação política ruim que não possa ser piorada. No auge da crise – que também é uma crise de relacionamento do governo com seu maior aliado, o PMDB –, líderes do partido nas duas casas do Congresso foram chamados ao Palácio do Planalto para tratar da tramitação das medidas de ajuste fiscal. Mas a presidente Dilma cometeu, mais do que a indelicadeza, a imprudência de não convidar para os encontros o vice-presidente, Michel Temer, principal líder nacional do PMDB. O agravo repercutiu fortemente nos círculos peemedebistas. Na tentativa de consertar a trapalhada, Dilma convocou Temer às pressas, para uma conversa de 20 minutos.

>> Clique para continuar lendo

Share
 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados