Blogs e Colunistas

Alemanha

05/10/2014

às 20:06 \ Direto ao Ponto

OS 35 MILHÕES QUE LEVARAM AÉCIO AO SEGUNDO TURNO CALARAM OS CÚMPLICES DO EMBUSTE FORJADO POR UM GETÚLIO DE PICADEIRO

Aécio Neves começou a cruzar a fronteira do segundo turno no momento em que ignorou o palavrório de marqueteiros poltrões, assumiu o comando da própria campanha, declarou guerra à corrupção impune e se transformou no candidato do Brasil indignado com o clube dos cafajestes no poder. Os 35 milhões de brasileiros que votaram no candidato do PSDB desmontaram o embuste forjado por Lula e seus cúmplices para desfigurar a paisagem eleitoral enfim escancarada pelas urnas.  Confiantes no triunfo da mentira, Dilma e seus devotos estão com cara de Felipão depois daquele jogo contra a Alemanha.

Além do Getúlio Vargas de picadeiro e da protetora de bandidos que finge combater, os 34% obtidos por Aécio derrotaram os blogueiros canalhas, os parteiros de boatos infamantes, os assassinos da honra alheia, os comerciantes da base alugada, os colunistas sabujos, os analistas de araque, os milicianos da esgotosfera e os fabricantes de profecias encomendadas. Ao longo desse duelo com a tribo dos sem-vergonha, o senador mineiro também ministrou uma aula de tenacidade, coragem e altivez aos aliados pusilânimes e eleitores que se vergam a malandragens tramadas por qualquer Maquiavel de chanchada.

Candidatos confrontados com tantos reveses sucessivos costumam sucumbir ao desânimo. Aécio não parou de sonhar com a arrancada improvável ─ e sobreviveu à epidemia de descrença. Depois do índice que alcançou neste 5 de outubro, a credibilidade dos institutos de pesquisa não é superior à de uma bola de cristal. Mas os ibopes da vida são duros na queda, e os videntes de acampamento cigano não se emendam. Logo estarão de volta, prontos para ampliar o acervo de equívocos bisonhos e/ou suspeitíssimos, sempre amplificados com bandas e fanfarras  por jornais e emissoras de televisão.

Quem continuar caindo no conto da pesquisa tem o dever de acreditar que existem duendes, que Dilma é uma sumidade como oradora e que Lula está escrevendo um livro. Anotem: nas usinas de porcentagens, a candidata a mais um mandato vencerá a disputa do segundo turno do primeiro ao último minuto da campanha. Só será derrotada por Aécio no dia da eleição.

27/07/2014

às 18:54 \ Opinião

‘Rescaldo do rescaldo’, um artigo de Roberto Pompeu de Toledo

Publicado na edição impressa de VEJA

ROBERTO POMPEU DE TOLEDO

Um anúncio da safra da Copa… anúncio de quê, mesmo? Houve tempo em que os anúncios iam direto ao ponto – “Beba Coca-Cola”. Hoje a criatividade sufoca as marcas. Houve um anúncio da safra da Copa, sabe-se lá do quê, em que um homem, de costas, vinha e depositava no chão a maleta que trazia no braço, na pose de quem chegava a algum lugar. “O futebol está voltando para casa”, dizia o locutor. E não é que o futebol voltou mesmo para casa? Voltou para a querida Europa de nascença. País do futebol, hoje, 100 anos depois de o kaiser Guilherme II dar o pontapé inicial à I Guerra Mundial, 91 anos depois do putsch de Munique, 75 anos depois do início e 69 do fim da II Guerra Mundial, 53 depois da construção e 25 da derrubada do Muro de Berlim, nove anos depois da eleição e um depois da renúncia do papa Ratzinger, é a Alemanha. É lá que se joga um futebol alegre e bonito. No Brasil, joga-se um futebol “de resultados” dotado da singular característica de não produzir resultados.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

20/07/2014

às 18:21 \ Opinião

‘Com muito orgulho’, por J. R. Guzzo

Publicado na edição impressa de VEJA

J. R. GUZZO

Nunca antes na história deste país tinha acontecido nada igual. Não só na história deste país: o que se viu no 8 de julho de 2014, um dia que viverá para sempre, jamais tinha ocorrido em 100 anos de existência da seleção nacional de futebol. Também não havia acontecido em toda a história da Copa do Mundo desde a sua criação, em 1930 – não num jogo de semifinal, disputa privativa de gigantes da bola. Pois aconteceu: a Alemanha enfiou 7 a 1 no Brasil, comprovando uma vez mais que tudo o que não é impossível pelas leis da natureza é, por definição, possível de acontecer um dia qualquer. Quem poderia imaginar um resultado desses? Seria mais fácil o velho camelo da Bíblia passar pelo buraco de uma agulha. Mas os camelos do futebol, como se vê no mundo das realidades, são bichos capazes de fazer as coisas mais incríveis. Fizeram de novo, no Estádio de Minas Gerais. Fim de linha para a seleção e para o “hexa”, por falência de múltiplos órgãos.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

18/07/2014

às 10:57 \ Opinião

‘Todos no mesmo bote de fibra óptica’, de Fernando Gabeira

Publicado no Estadão desta sexta-feira

FERNANDO GABEIRA

Na Copa das Confederações torcemos para o Taiti. Mesmo quando perdia de 10 a 0, ainda vibrávamos com as raras oportunidades de um gol de honra. O Taiti não é aqui. É um país do surfe de ondas gigantes, com suas águas azuis e a temível Praia de Teahupoo, conhecida como Quebra Crânio. Já o Brasil é, ou era, o país do futebol. Gastamos R$ 40 bilhões para sediar a Copa e fomos os únicos a perder de 7 a 1.

A presidente Dilma declarou no Paraná que o Exército usaria, para resgatar as vítimas do temporal, um bote de fibra óptica. No início fiquei em dúvida. Tinha visto na TV um programa sobre como o GPS orienta a agricultura americana, aumentando sua produtividade e traçando com rigor a trajetória ideal dos tratores. Será que haviam inventado um bote de fibra óptica para explorar as riquezas do mar, quem sabe até do pré-sal? Mas o bote de fibra óptica não existe nem será inventado. Ele é, para mim, o sinônimo de uma canoa furada em que todos navegamos no momento.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

16/07/2014

às 15:08 \ Opinião

‘Felipão, o professor de gestão de Dilma’, de José Nêumanne

Publicado no Estadão desta quarta-feira

JOSÉ NÊUMANNE

Dilma Rousseff disse, em 1.º de julho de 2013, que seu governo tinha o “padrão Felipão”, em resposta a uma pergunta sobre se seus ministros tinham “padrão Fifa”. Referia-se ao ex-técnico da seleção brasileira Luiz Felipe Scolari após reunião ministerial depois da vitória sobre a Espanha por 3 a 0 no Maracanã, onde ela seria vaiada várias vezes domingo, na final da Copa, antes e ao entregar a taça ao capitão alemão, Philipp Lahm. A comparação havia sido feita na temporada de protestos nas ruas em que o povo exigiu “padrão Fifa” para a gestão pública federal, nada exemplar. Apesar de ter escolhido o treinador como modelo, ela não foi entregar a Copa das Confederações ao time que ele treinou. Um ano e 13 dias depois, tendo o mesmo time sofrido hecatombes inéditas nos jogos finais da “Copa das Copas”, ela o relegou ao ostracismo para se refugiar no verso de um samba de Paulo Vanzolini (“levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”) e na criatividade (“a derrota é a mãe de todas as vitórias”).

Dilma não atuou na seleção nem a treinou. Não é também dirigente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Mas não resiste a recorrer ao dito esporte bretão para parecer simpática. Nascida em Minas, comemorou a conquista da Libertadores da América pelo Atlético Mineiro em 2013 em redes sociais. “Congratulo (sic) com toda a torcida do Atlético pela conquista do título. Eu sou torcedora do Atlético e, quando criança, ia com meu pai a muitos jogos do Galo no Mineirão”, postou. Não faltou quem nos mesmos veículos lembrasse que 1) como nasceu em 1947, tinha 18 anos e, portanto, não era criança quando o estádio foi inaugurado; e 2) que o pai morrera em 1962, três anos antes de sua inauguração.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

13/07/2014

às 18:02 \ Opinião

‘A estatização do futebol’, editorial do Estadão

Publicado no Estadão deste sábado

Ficaria melhor na Dilma Bolada – a falsa página da presidente nas redes sociais – do que na CNN, onde apareceu na quinta-feira, o que provavelmente foi o mais tosco chutão da chefe do governo nestes três anos e meio no Planalto. Numa entrevista gravada no dia seguinte à catástrofe do Mineirão, ao defender uma “renovação” do futebol brasileiro, Dilma disse que “o Brasil não pode mais continuar exportando jogador”. E, para deixar claro que o “não pode” seria uma proibição pura e simples, ela emendou de bico: “Um país, com essa paixão pelo futebol, tem todo o direito de ter seus jogadores aqui e não tê-los exportados”.

Em um surto provocado por uma mistura tóxica de oportunismo – para que o pó da derrota em campo não se deposite sobre o projeto da reeleição – e conhecido vezo autoritário, Dilma falou como quem quer cassar o direito constitucional dos brasileiros de ir e vir, dentro ou para além das fronteiras nacionais, como se o Brasil fosse uma Cuba ou Coreia do Norte. Para justificar a enormidade, deu uma pisada na bola de envergonhar um perna de pau. “Exportar jogador”, caraminholou, “significa não ter a maior atração para os estádios ficarem cheios.” Revelou involuntariamente, portanto, saber muito bem que boa parte ou o grosso dos US$ 4 bilhões despejados na construção e reforma das arenas da Copa serviu apenas para legar ao País uma manada de elefantes brancos.

» Clique para continuar lendo

13/07/2014

às 14:12 \ Feira Livre

Não perca: em 19 segundos, a melhor narração humorística do pesadelo no Mineirão

12/07/2014

às 0:19 \ Feira Livre

Tabelinha VEJA/Placar: Augusto Nunes conversa com o jornalista Carlos Maranhão: “A Seleção se comportou como um sparring que entra no ringue para apanhar”

Veja-Placar-2-150x150“A Seleção se comportou como um sparring que entra no ringue para apanhar”, resumiu o jornalista Carlos Maranhão no sétimo programa da série Tabelinha VEJA/Placar, ao comentar o jogo em que o Brasil foi nocauteado pela Alemanha no Mineirão. Com a experiência de quem já cobriu nove Copas, o ex-diretor de redação de Placar e de VEJA São Paulo também tratou do confronto entre a Holanda e a Argentina, alternando análises dos principais momentos do Mundial de 2014 com informações históricas que ajudam a medir as dimensões da goleada desmoralizante.

Maranhão recordou que, quando o Brasil sofreu o primeiro gol aos quatro minutos da final da Copa de 1958, Didi colocou a bola embaixo do braço e, caminhando lentamente até o centro do campo, tranquilizou os companheiros com a mesma frase: “Calma, nós vamos encher de gols esses gringos”. A Seleção venceu a Suécia por 5 a 2. Além de tantas outras coisas, faltou um Didi em Belo Horizonte. “O primeiro gol da Alemanha causou uma espécie de apagão, deixou o time abobalhado”, constatou Maranhão. “Ficou claro que não havia um líder nem dentro nem fora do campo”.

Neste sábado e no domingo, o Tabelinha VEJA/Placar comentará os dois últimos jogos da Copa.

11/07/2014

às 6:38 \ Sanatório Geral

Programa de governo

“O Brasil não pode mais continuar exportando jogador. Exportar jogador significa não ter a maior atração para os estádios ficarem cheios”.

Dilma Rousseff, em entrevista à rede de TV americana CNN, explicando que, se não perder o emprego na eleição de outubro, vai repatriar  todos os participantes do Massacre do Mineirão que jogam no exterior para juntá-los a Fred e Jô, que perdem gols por aqui.

10/07/2014

às 21:02 \ Sanatório Geral

Nota 7

“O trabalho não foi de todo ruim”.

Luiz Felipe Scolari, o Felipão, em entrevista coletiva depois da derrota por 7 a 1 no jogo com a Alemanha, ensinando que daqui a 700 anos, quando os brasileiros começarem a esquecer o Massacre do Mineirão, muita gente vai reconhecer que o técnico da Seleção na Copa de 2014 merecia uma nota 7.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados