Coluna Augusto Nunes

Augusto Nunes

Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido.

sobre

Colunista de VEJA.com, colaborador da edição impressa e apresentador do Roda Viva. Foi redator-chefe de VEJA e diretor de redação das revistas Época e Forbes e dos jornais O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e Zero Hora. Autor do livro 'Minha Razão de Viver - Memórias de Samuel Wainer'.

  • Uma estrada é…

    Por: Augusto Nunes

    “Nós juntamos o útil e o mais útil, o mais útil e aquilo que é agradável para as populações: poder transitar pelas suas estradas de uma forma a não estar impedida por algum obstáculo qualquer”.

    Dilma Rousseff, ensinando revelando em dilmês rústico que estrada é uma coisa que deve permitir que se vá de um lugar para outro sem topar no meio do caminho com uma pedra, uma árvore ou um neurônio solitário.

     

     

     

     

     

     

    Voltar para a home
    TAGs:

    Comentários

    Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

    Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

    *

    1. Gilson acacio

      Que coisa agradável para as populações deste Brasil: nas estradas em que ela juntou o útil com o mais útil morrem 40.000 pessoas por ano. São impedidas por um obstáculo qualquer, tipo buracos, caminhões, curvas, motoristas bêbados, falta de policiamento, falta de educação. Essa mulher merece o apelido de anta: a verdadeira anta. Fora Pt, fora Dilma.

    2. toninho malvadeza

      É de uma profundidade tamanha,que até o Ferreira Gular está pensando em escrever também sobre estradas que possam permitir,ir e vir .

    3. juscelino

      o trem tá danado mesmo..

    4. juscelino

      dona maria gorete, assim como quieu, tem muitos que tal qual o llullallellé não sabe o idioma do tioObrigado por escrever. O ex-presidente Lula não está escrevendo uma coluna para o Times. Ele está escrevendo uma coluna para Syndicate The Times, que representa clientes em todo o mundo e vende seus trabalhos para outras mídias. The Times teve muitos escritores como o presidente Lula que venderam o seu trabalho através dos tempos, incluindo Richard Branson, Noam Chomsky, Mikhail Gorbachev e Jack Welch. Basicamente, o Times tem sua escrita, molda-lo em artigos, e oferecê-los aos clientes para uma taxa. O presidente Lula não vai aparecer regularmente nas páginas do The Times ou dentro nytimes.com. Mais uma vez, obrigado por escrever. Agradecemos o seu feedback.
       
      Melhor,
       
      Meg Gourley
        Assistente do editor Pública
        The New York Times sam , então me permita:

    5. Payxão

      E os buracos continuam, assim como falta de sinalização, mato à margem, etc……

    6. Bruno Sampaio

      E eu que até hoje não sabia para que servem as estradas e ruas! Essa mulher é um gênio!

    7. Arilson Sartorato

      Poxa vida!!!! que privilégio termos uma presidente tão inteligente. e se por acaso toparmos com uma anta no meio do caminho,o que fazer?????

    8. Maria Gorete

      LEIAM ISTO, AMIGOS. AN

      Na semana passada enviei uma mensagem ao NYT criticando a coluna do 9dedos e hoje recebi a resposta:
      Thank you for writing. Former President Lula is not writing a column for The Times. He is writing a column for The Times’s Syndicate, which represents clients worldwide and sells their work to other media. The Times has had many writers like President Lula who have sold their work through The Times, including Richard Branson, Noam Chomsky, Mikhail Gorbachev and Jack Welch. Basically, The Times takes their writing, shapes it into articles, and offer them to clients for a fee. President Lula will not appear regularly on the pages of The Times or within nytimes.com. Again, thank you for writing. We appreciate your feedback.

      Best,

      Meg Gourley
      Assistant to the Public Editor
      The New York Times
      public@nytimes.com

    9. Kildare

      Será que Dilma pensa que estradas, creches, aeroportos e casas de desabrigados surgem só com palavras? Falou, apareceu?

    10. Gerson (PR)

      No meio do caminho tinha uma anta. Tinha uma anta no meio do caminho.

    11. RONALDE

      Ela quis se referir àquela máxima de “unir o útil ao agradável” e conseguiu mais uma vez expelir estupidez na forma de fala. Um encefalograma na cabeça da Dilma poderá demonstrar que seus hemisférios estão localizados em locais trocados. O direito está do lado esquerdo e vice versa.

    12. Claudio Borges

      Solitário e amnésico.