Blogs e Colunistas

17/12/2014

às 15:07 \ Opinião

‘No PT, acredita quem quer’, editorial do Estadão

Publicado no Estadão desta quarta-feira
O Partido dos Trabalhadores (PT), envolvido nos maiores escândalos de corrupção do Brasil na última década, está preocupado com sua imagem. Conforme dirigentes do partido discutiram em recente reunião da corrente majoritária da legenda “Partido que Muda o Brasil”, o PT precisa agir para resgatar a aura “ética” que criou e cultivou nos primeiros anos de sua existência. Mais uma vez, os petistas apostam tudo na propaganda como forma de construção da realidade. No entanto, está cada vez mais claro que a imagem de partido que abriga corruptos não está associada ao PT à toa – e será preciso muito mais do que golpes de marketing para alterar essa percepção.

» Clique para continuar lendo

16/12/2014

às 22:24 \ Direto ao Ponto

1 Minuto com Augusto Nunes: Assustado com o dragão da Petrobras, nosso São Jorge de bordel vai logo fugir do retrato

As provas de que Lula é um São Jorge de bordel estão expostas no post reproduzido na seção Vale Reprise. Não deixe de ler o texto publicado em 2 de maio de 2009. Sabem aquelas tremendas orgias que apareciam nos filmes épicos italianos sobre o período mais devasso da Roma imperial? Pareceriam festinhas de formatura se confrontadas com o acervo de safadezas que nosso padroeiro dos pecadores de estimação promoveu, abençoou e fingiu nem ter notado.

16/12/2014

às 20:15 \ Vídeos: Entrevista

Modesto Carvalhosa no Roda Viva: uma aula sobre a corrupção que infesta o país

No Roda Viva desta segunda-feira, o advogado Modesto Carvalhosa valeu-se dos conhecimentos acumulados em 82 anos para ministrar um cursinho intensivo de 90 minutos sobre a praga da corrupção e o que fazer para combatê-la. O escândalo que devasta a Petrobras foi o assunto dominante nas perguntas formuladas pelo advogado criminal Eduardo Muylaert e pelos jornalistas Frederico Vasconcelos (Folha), Sonia Racy (Estadão), Zínia Baeta (Valor Econômico) e Rodolfo Borges (El País).

Com a segurança de quem lida desde a juventude com temas de alto teor explosivo, Carvalhosa contestou enfaticamente a ofensiva destinada a desqualificar a delação premiada. Sem esse instrumento legal, afirmou, seria muito mais complicado desmontar uma organização criminosa do porte da investigada pela Operação Lava Jato. Além de complexa, observou o entrevistado, a quadrilha é protegida pelo Planalto, que continua empenhado em desfigurar a Lei Anticorrupção para assegurar a impunidade de bandidos de estimação.

Para Carvalhosa, é ingenuidade qualificar de omisso o comportamento do governo frente ao maior escândalo político-policial da história republicana. Os donos do poder, advertiu no Roda Viva, não param de movimentar-se para livrar os culpados de qualquer castigo legal. “O homem da CGU é Hage, que só fala, não age”, exemplificou o professor de Direito inconformado com o palavrório alarmista do ministro Jorge Hage, chefe da Controladoria Geral da União. A ofensiva dos comparsas nada tem de surpreendente: como o Mensalão, o Petrolão é fruto do projeto concebido pelo PT para eternizar-se no poder.

O partido do governo e seus aliados vêm aparelhando há 12 anos todas as instituições e todas as ramificações da máquina administrativa. A Petrobras é o caso mais ousado ─ e de consequências mais desastrosas. Mas não é o primeiro e dificilmente será o último. Depois de ressalvar que, neste momento, um pedido de impeachment seria prematuro, o entrevistado constatou que muito mais precipitada, além de insolente, é a tentativa de estigmatizar como “golpe” a eventual abertura de um processo do gênero contra Dilma Rousseff. Qualquer governante que tenha cometido crime de responsabilidade tem de submeter-se às normas constitucionais, ensinou o professor de Direito.

“O país não vai parar por causa disso”, reiterou. “A corrupção é que prejudica a governabilidade”. Para Carvalhosa, essa espécie de argumento é só uma esperteza diversionista encampada pelo governo para proteger os quadrilheiros. “O Brasil também não vai parar se as empreiteiras que infringiram a lei forem declaradas inidôneas”, emendou. “Parado o país está há tempos, porque os contratos não são cumpridos e as obras não são entregues”.

Modesto Carvalhosa recomendou ao longo do programa a imediata adoção de medidas de combate à corrupção já testadas com êxito em outros países. “O essencial é a quebra da interlocução entre o poder contratante e a empreiteira que for contratada”, resumiu, localizando nesse acasalamento promíscuo a origem da praga que infesta o país. Confira o vídeo. Somados, os ensinamentos do entrevistado atestam que o caminho que leva para longe das cavernas é menos extenso do que parece. Mas é preciso começar a percorrê-lo agora.

16/12/2014

às 10:15 \ Feira Livre

A biografia de um perdedor incansável

Publicado na edição impressa de VEJA

AUGUSTO NUNES

luis carlos prestes

Fregueses do noticiário político que passam dos 90 anos agarrados às mesmíssimas ideias que defendiam antes da chegada aos 30 costumam ser favorecidos por uma brasileiríssima disfunção visual que induz o portador a enxergar um monumento à coerência onde só existe um caso perdido de teimosia. O jornalista e governador de Pernambuco Barbosa Lima Sobrinho, por exemplo, foi festejado nos obituários pela fidelidade a dogmas nacionalistas contraídos ainda no berçário. O arquiteto Oscar Niemeyer enrolou-se na bandeira comunista já na infância da União Soviética e continuou a empunhá-la depois da queda do Muro de Berlim. Ambos se criaram nessa tribo que tem como pajé perpétuo o mito biografado por Daniel Aarão Reis no livro Luís Carlos Prestes — Um Revolucionário entre Dois Mundos.

» Clique para continuar lendo

15/12/2014

às 20:07 \ Direto ao Ponto

O faroeste à brasileira patrocinado pela Petrobras é o primeiro que vai terminar com a derrota dos chefes do bando de vilões

Em março deste ano, quando poucos imaginavam que a negociata em Pasadena seria reduzida a roubalheira de aprendiz pelas descobertas bilionárias da Operação Lava Jato, o post agora reproduzido na seção Vale Reprise recordou alguns episódios que precederam a aplicação do conto da Petrobras Maravilha. O elenco liderado por vigaristas de nascença foi engrossado por coadjuvantes que desempenharam com muita aplicação o papel de nacionalistas de galinheiro. A farsa sobreviveu a disputas eleitorais, CPIs, operações da Polícia Federal, advertências do Tribunal de Contas da União, denúncias de funcionários ─ tudo. Mas nenhum embuste dura para sempre.

A leitura do texto de março é essencial para a compreensão dos capítulos que vão desenhando o desfecho. Como se verá nos posts seguintes, os canastrões que protagonizaram a marcha rumo ao penhasco, a julgar pelo que seguem recitando no palco, ainda ignoram o que já está definido no roteiro (ou fingem ignorar, o que dá no mesmo). Também será demonstrado que o Petrolão será eternizado na história do faroeste à brasileira por duas singularidades. Nunca houve uma superprodução desse porte. E pela primeira vez numa obra do gênero, também os chefes do bando de gatunos, quem diria, serão derrotados no final.

15/12/2014

às 18:32 \ Homem sem Visão

Maria do Rosário conquista o troféu de Pior Ministra de 2014. Começa a luta pelo título de Homem sem Visão de Dezembro

maria-do-rosario

Com 3.399 votos (41% do total), a companheira Maria do Rosário, ex-ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, acaba de vencer a disputa na enquete que elegeu a pior das integrantes do mais bisonho primeiro escalão da história. Atualmente engordando a folha corrida na Câmara dos Deputados, a vitoriosa superou cinco concorrentes de grosso calibre: Gleisi Hoffmann (2.254 votos), Ideli Salvatti (1.482), Marta Suplicy (497), Miriam Belchior (494) e Iriny Lopes (106).

Agora é hora de escolher o Homem sem Visão de Dezembro! A votação na enquete já começou! Três feras estão na jaula dos campeões! Qual dos componentes dessa trinca merece a última vaga na finalíssima do ano, que elegerá o HSV de 2014?

» Clique para continuar lendo

15/12/2014

às 14:14 \ Opinião

Reynaldo-BH: ‘O estranho caso de uma empresa que quebrou um país’

REYNALDO ROCHA

O lulopetismo conseguiu outra proeza sem comparativos históricos: usar uma empresa estatal para quebrar um país. A Petrobras seria privatizada por tucanos irresponsáveis, diziam os companheiros. Foi privatizada pela quadrilha do PT. Antes da descoberta do pré-sal, tinha um valor de mercado superior ao atual. Chegou a valer 737 bilhões de reais. Agora, vale 127 bilhões.

» Clique para continuar lendo

14/12/2014

às 17:51 \ Feira Livre

Assombros de papel

Nascido em Los Angeles numa família de imigrantes japoneses o artista americano Jeff Nishinaka, 52 anos, funde o talento ancestral e a paixão pelo origami em assombrosas esculturas de papel. Nishinaka usa uma faca especialmente afiada para fazer os recortes e desenha uma a uma todas as peças. Em seguida, como mostra o vídeo, começa a juntá-las num minucioso processo criativo que pode durar até quatro meses. Confira.

Centro de Los Angeles

Centro de Los Angeles

» Clique para continuar lendo

14/12/2014

às 15:49 \ Feira Livre

Roberto Pompeu de Toledo: ‘O brilho do bronze’

Publicado na edição impressa de VEJA

ROBERTO POMPEU DE TOLEDO

Que dizem as lápides? Muita coisa. Para bem entendê-las pode-se começar analisando-as pelo brilho do bronze. Há as limpas, bem polidas, e as opacas e sujas. Anda-se pelo cemitério e vai-se distinguindo entre as abandonadas, condenadas a uma segunda e provavelmente definitiva morte, e as que reluzem de vida. O Brilho do Bronze é o novo livro dohistoriador Boris Fausto – ultimamente desdobrado em autor de livros de memórias e, desta vez, de um diário, cujo elemento central é a lápide num túmulo do cemitério do Morumbi, em São Paulo. Nas muitas visitas ao cemitério, o autor do diário se demorará diante da lápide, examinará cada um dos seus contornos, passará ternamente os dedos no nome ali inscrito, letra a letra. Trará flores para enfeitá-la. Contratará um funcionário para que a mantenha sempre brilhante. A lápide não é, definitivamente, só uma lápide. A certa altura, escreverá: “Não consigo e nem quero pensar que há ali apenas um memorial. Prefiro pensar que, de algum modo, nos comunicamos com muito amor”.

» Clique para continuar lendo

14/12/2014

às 14:42 \ Opinião

Oliver: ‘Brasileiros e brasileiras’

VLADY OLIVER

O brasileiro é um idiota. Para não parecer uma ofensa, é claro que me incluo nessa fauna. Ofensa mesmo é assistir todos os telejornais do sábado e ver até cansar a falência anunciada da maior estatal deste país de bananas. Se justiça houvesse neste país, ela teria essa carinha de cachorro escondido atrás de alguma criancinha? Tenha paciência. Não sei quantos barris de provas uma investigação tem que produzir dessa lama fétida para configurar um crime deste tamanho.

Não basta que o mensalão tenha virado um crime organizado sem criminosos e com os culpados todos soltos. Temos agora de aturar no lombo os presidentes que nada presidem, a dupla de velcros colada em nossa folha de pagamentos – fossinha e russefinha. É o preço a pagar por uma eleição visivelmente fraudada. Confesso que temo pela sanidade do país quando cada brasileirinho ou brasileirinha finalmente entender as dimensões e o significado dessa roubalheira impune.

» Clique para continuar lendo

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados