Blogs e Colunistas

16/05/2012

às 19:29 \ Feira Livre

O prêmio Kluge aprofunda o fosso que separa um estadista do sucessor rancoroso

MAURO PEREIRA

Ao receber do Congresso norte-americano o prêmio Kluge, versão alternativa do Nobel sueco, em reconhecimento à inquestionável obra intelectual e ao notável desempenho como chefe do governo brasileiro, Fernando Henrique Cardoso não só esparge um pouco de luz sobre a embolorada intelectualidade do País do Carnaval como também desagrava a Presidência da República, instituição tão vilipendiada nos últimos nove anos.

Hoje, todos os brasileiros desprovidos de rancores rendem homenagens ao risonho octogenário que mudou a história política e social do Brasil pós-ditadura. A lamentar, apenas a pouca disposição da imprensa para compreender a importância do evento. As publicações que noticiaram o acontecimento não foram além de textos comprometidos pelo espaço acanhado e pelo laconismo. Todos se abstiveram de contar aos leitores o que levou os julgadores a considerarem FHC o maior pensador da América Latina, e a premiá-lo com a soma de um milhão de dólares.

Democrata autêntico, avesso à retórica vazia e oportunista, Fernando Henrique retirou o Brasil da categoria de república terceiromundista para colocá-lo no patamar reservado às grandes nações.  Sábio, ensinou que é possível fortalecer a sociedade sem fragilizar o estado. Hábil, restituiu aos cidadãos o poder de definir os rumos do país.

O sucesso irrefutável de sua administração transformadora fez com que aflorassem sentimentos pouco nobres, como o ciúme e a inveja. Incentivados pela omissão dos companheiros de partido do ex-presidente, adversários políticos afundados em rancores e na miséria ética colocaram em prática uma sórdida campanha cujo único propósito era a desconstrução impiedosa do grande legado administrativo, político e moral deixado pelo governante formidável.

Abandonado por correligionários pusilânimes e injustiçado por grande parte da imprensa, o maior presidente de nossa história travou praticamente sozinho a luta desigual em defesa das grandes conquistas de seu governo. Liderados por Lula, seus algozes tentaram consumar outro linchamento moral com uma violência jamais vista. Bilhões de reais foram torrados na tentativa de apagar da memória política nacional o líder que venceu a hiperinflação que vitimava sobretudo os mais pobres, estabeleceu os fundamentos do equilíbrio macroeconômico ─ preservados até hoje por seus detratores, ressalte-se ─consolidou a democracia e fixou as diretrizes de programas sociais que, expropriados cinicamente pelo PT, desembocaram no Bolsa Família.

FHC saiu mais fortalecido da ofensiva permanentemente alimentada pelo ódio inexplicável do seu sucessor. Aos 80 anos, sereno e extraordinariamente lúcido, a vítima dos ataques virulentos coleciona demonstrações de admiração e respeito oferecidas por brasileiros decentes, pelas plateias das conferências que tem feito no exterior por leitores das obras que se espalham pelas bibliotecas das universidades de dezenas de países.

A conquista do Kluge aprofunda o formidável fosso que separa Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva. O confronto das inumeráveis diferenças atesta que FHC, sem nunca ter reivindicado tal status, é o estadista que Lula imagina ser, mas jamais será. O prêmio concedido pela Biblioteca do Congresso norte-americano não deve ser visto como mais um exemplo de que a justiça tarda mas não falha. No caso de FHC, um dos intelectuais mais reverenciados do século 20, a justiça jamais tardou, tampouco falhou. Seus inimigos é que se divorciaram dela.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

82 Comentários

  1. Sergio Nery

    -

    12/06/2013 às 14:40

    As nossas maiores homenagens ao sr Fernando Henrique, que sempre enobreceu esta Terra e merece com dignidade todas as honras.

    Quanto ao apedeuta, fica a esperança que um dia nos livraremos da PesTe.

  2. simili

    -

    03/06/2012 às 7:10

    Adoro esse blog, Napoleone é fera demais.

  3. simili

    -

    03/06/2012 às 6:59

    Se puder me dar mais dicas, seria muito grato.

  4. simili

    -

    03/06/2012 às 6:57

    Obrigado Augusto.Achei mais um que merece todo meu respeito.MAURO PEREIRA

  5. Antonio E. P.

    -

    29/05/2012 às 13:31

    É uma enorme lástima que as matérias e comentários aqui disponíveis não alcançam o grande público que é quem elege nossos governantes. Pelo contrário, o que alcança O POVO são só as mentiras e a ignorância que o PT e o PMDB querem que seja disseminada para continuarem com seu (des)governo indefinidamente. Fico triste pelo que o nosso país é, pelo que poderia ser e pelo que será, já que O POVO insiste em manter esta “cananhada” no poder.

  6. José Benedito Napoleone Silveira

    -

    27/05/2012 às 11:01

    Prezado Augusto,
    Sobre FHC, assino embaixo. Contra ele, só o fato de ter sido, talvez, decente demais com o sucessor. Sobre este último, o crápula de Garanhuns, faço seguir o texto que distribui (em inglês) para a imprensa européia e, com as devidas adaptações, para as instituições que, iludidas pela máquina de propaganda, cometeram o desatino de homenagear o boçal:

    O fato do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva ter recebido recentemente o título de Doutor Honoris Causa por parte de duas universidades européias – Coimbra, em Portugal e Science-Po, na França – representa uma ofensa para a parcela mais esclarecida da população brasileira.

    As pessoas se perguntam se isso se deve à simples ignorância em relação a realidade brasileira ou se é conseqüência da grande soma de dinheiro investida pelo governo brasileiro em bolsas de estudo para estudantes do Brasil nessas universidades

    É inaceitável que os dirigentes dessas instituições tenham sido enganados pelo mito do operário que virou presidente. É também inaceitável que eles tenham sido iludidos pela tática inspirada em Gooebbels de mentir, mentir e mentir, até criar uma verdade. Eles acham que Lula é popular? Hitler também era popular.

    Às expensas de bilhões de dólares, o ex-presidente Lula criou uma verdadeira máquina de propaganda, destinada a construir sua imagem no Brasil e no exterior. Ao mesmo tempo, esta máquina foi usada para desviar dinheiro de empresas públicas para as campanhas políticas de seus aliados. É esta a base de sua popularidade.

    O governo do ex-presidente Lula foi um dos mais corruptos da história do Brasil. A maior evidência disso é que seis ministros indicados por ele foram demitidos nos primeiros dez meses do governo que se seguiu, em função de escândalos de corrupção descobertos e denunciados pela mídia.

    De maneira torpe, ele criticou ferozmente o governo anterior, o qual, na verdade, havia sido responsável por livrar o Brasil do processo hiper-inflacionário e que havia também colocado as contas públicas em ordem, preparando o país para o crescimento econômico. Além disso, ele reinventou programas pré-existentes e bem sucedidos de transferência de renda, iludindo o público como se fossem novas idéias. Há que se registrar que ele e seu partido haviam combatido esses programas, assim como o plano de combate à inflação, enquanto estavam na oposição.

    Como um político mesquinho, ele sabotou medidas salutares recebidas do governo anterior, como a que criou as Agência Reguladoras, órgãos que deram um perfil mais técnico para a administração. Não satisfeito, como um exibicionista compulsivo, ele gastou todo o seu tempo em discursos demagógicos e cortejando os piores ditadores do planeta para mostrar-se como um grande estadista. Com o mesmo objetivo, ele abrigou no Brasil o notório criminoso Cesare Battisti, condenado na Itália por quatro assassinatos.

    No entanto, ele não teve competência para tirar vantagem do período de bonança da economia mundial e, no fim do seu governo, deixou o país com enormes carências de infra-estrutura, com estradas destruídas, portos e aeroportos sem investimento e os setores de saúde, educação e segurança pública em estado deplorável.

    Como um perfeito mafioso, ele aliciou com verbas públicas os sindicados, os estudantes e parte da imprensa. Adicionalmente, criou o maior esquema de compra de votos já visto no Congresso Nacional, que resultou no maior escândalo de corrupção da história do país, resultando em processo que está para ser julgado no Supremo Tribunal Federal. Por fim, ele não hesitou em aproveitar dos interesses e do relacionamento de empresas privadas com o governo para enriquecer a própria família

    Assim, cabe perguntar se é ou não é para causar indignação nas pessoas decentes do Brasil a atitude das universidades em homenagear uma pessoa com um curriculum como esse?

    José Benedito Napoleone Silveira – Campinas/SP – Brasil

  7. Sherlock

    -

    25/05/2012 às 10:27

    Parabéns, milhões de vezes, ao maior Estadista que o Brasil já teve.
    Enquanto um coleciona títulos “honoris causa” a baciadas, sem mais nem por quê, o outro é reverenciado pela obra que nos deixará como legado – sem querer comparar, é claro, já que são dois personagens cuja única semelhança é terem ocupado a cadeira presidencial.
    Lembro de uma expressão que diz: “a verdadeira grandeza de um homem não está em receber honrarias, mas em merecê-las”. FHC, sem dúvida, é merecedor de todas as homenagens.
    Parabéns novamente ao grande intelectual!

  8. Renato

    -

    24/05/2012 às 16:52

    Perfeito. Lula está pagando por ter pensado só em si mesmo e no PT e não no Brasil.

  9. SidneyCWB

    -

    21/05/2012 às 16:42

    O que separa FHC de Lula é o que separa o ser humano de um cachorro, por exemplo. Um é gente, o outro pensa que é, quando na realidade só sabe latir, rosnar e abanar o rabo para seu dono. Coitado, é de dar dó.

  10. William Robson Mattos

    -

    21/05/2012 às 16:34

    Prezado Augusto Nunes
    Impressionante a sus capacidade de sintetizar em tão pequeno espaço , o sentimento de agradecimento a que todos nós Brasileiros, temos por esse brilhante estadista e acima de tudo homem de bem.

  11. Henrique

    -

    21/05/2012 às 16:20

    O nome do prêmio é Kluge, não Klunge.

    Caro Henrique, a correção foi feita. Um abraço, Júlia Rodrigues.

  12. Maurício Oliveira

    -

    21/05/2012 às 15:01

    A serenidade, fruto de anos de dedicação e estudos para melhor compreender o que subjaz nos processos de desenvolvimento humano, a experiência como político num país de democracia ainda em construção, tudo isso faz de FHC um verdadeiro estadista nesse Brasil tão pobre de lideranças.

  13. fpenin

    -

    20/05/2012 às 19:31

    Lula é tudo, menos burro, porisso não acho que ele se possa imaginar um estadista à FHC. Ele adoraria ser como FHC, mas sabe que é impossível. Então, sem outra saída, e pelo caráter que tem, nada como cultivar a inveja, a dor de cotovelo, a raiva pelo sucesso de outrem. FHC é um pensador, todos reconhecem. Já Lula… só pensa em como arquitetar a próxima sacanagem, ou como urdir a defesa de quem não tem defesa, como é o caso de Sérgio Cabral.

  14. bereta

    -

    20/05/2012 às 10:00

    Com certo atraso, é bem verdade, pois passei a senama correndo de consultório em consultório, só hoje pude ler com calma o aritigo a ser comentado. As fábulas, muito em voga quando fui criança, nos serviam como ensinamento, alerta, exemplo de como deve ser o comportamento humano. Através dos animais, o autor falava aquilo que o homem precisava ouvir. Sobre o Doutor Fernando Henrique Cardoso e lula (não uso maiúscula de jeito nenhum), ocorre-me a fábula do sapo e o pirilampo. Este, sentindo-se coberto por nojenta baba, viu que seu algoz era um feio e asqueroso sapo. (O autor só levou em considerãção o aspecto físico. Naquele tempo não havia o politicamente correto. Que fazer, não é mesmo?)- Por que expele sobre mim sua baba? – Você brilha, respondeu o sapo. A nojenta, asquerosa e repulsiva baba do lula respinga sobre aqueles que sempre o sobrepujarão, seja pela superioridade moral ou intelectual. Respingará sobre os que não concordam com seus métodos escusos, sobre o que justamente ele usou como moto perpétuo em seus comícios, as maracutaias dos “outros” governos. E as maracutaias próprias, como ficam? E a amizade com sarney, collor e outros exemplares dessa nada digna fauna? Desde muito cedo comprovei a assertiva física de que iguais se repelem, não no gênero humano, porém! Iguais acabam por se atrair. Vistas a base aliada. Leem pela mesma cartilha, ensebada e velha cartilha da demagogia, do interesse partidário, do acobertamento de manobras pouco limpas ou muito sujas….Lembro-me de uma charge extraordinária, onde sarney vestia um paletó novo, que deixa aparecer fiapos. -Bonito paletó, senhor presidente? É pele? ou, é pêlo? – Sim, tudo pelo social! Lembram-se da frase? Vem de longe a demagogia que pauta a conduta do político brasileiro. E o povo acredita!

  15. Bidu

    -

    20/05/2012 às 7:37

    Só não existe fosso entre lulllllllalau e os hóspedes de bangu I, visto que até com um rato de esgoto o fosso é notável.

  16. Renato Guilherme Lebrão Nunes

    -

    19/05/2012 às 19:16

    Complemento pois deu pane no computador:
    Um ilumina com suas idéias. O outro é só escuridão.

  17. Renato Guilherme Lebrão Nunes

    -

    19/05/2012 às 19:14

    Espetacular! Só faço um reparo:
    A diferença entre eles não é um fosso, ELA É ABISSAL. Um ilumina com suas idéias

  18. Oliver

    -

    19/05/2012 às 19:02

    A DEMOCRACIA É ASSIM MESMO
    Acho que o contraditório é exercido por aqui com muita parcimônia e educação. E que bom que é exercido assim, não é mesmo ? Continuo a única voz dissonante neste discurso de homenagem ao grande estadista ( e note que não estou sendo irônico em designá-lo assim, porque votei nele e votaria de novo ) e pretendo continuar a sê-lo, sem tentar convencer ninguém a apoiar meu ponto de vista cético e nada lisonjeiro. Gostaria de pedir ao nobre mestre dos teclados a permissão de fazer considerações ao intróito do SANTANA- 21:50. É o retrato do pensamento da boa convivência política; “A educação e a classe que possui parece impedí-lo de desqualificar o autor da depravação moral e institucional do país”.
    Quisera eu ser tão condescendente com aqueles que resolveram “ficar dem na foto” ao lado de rematados meliantes, que todos aqui bem conhecem. Não é recato, nobre amigo. É alinhamento. Não há nada de deseducado ou deselegante em aparecer ao lado do oponente. Que o diga a senadora Katia Abreu e programas de sua defesa que a colocam lado a lado com a cumpanhera assaltanta. Nem por isso parecem se misturar. A agenda de ambas é clara; não vê quem não quer. Já no caso da exploração política rasteira das fotos ao lado do virgulino de Garanhuns, a agenda é a do oportunismo puro e simples. O que estou dizendo aqui é que sociologia, social e socialismo estão miseravel e intrinsicamente ligados neste país de tolos funcionais. Meu voto para ganhar um milhão de dólares por serviços prestados ao país continua a ser do nobre protagonista deste espaço. Não o vejo ao sabor dos ventos. Não o vejo defendendo o “não tem tú vai tú mesmo” para a dança das cadeiras administrativas. Não o vejo aliado de milícias, ideologias tortas, amizades de boteco e alianças trocadas por torpedos. Não o vejo fazendo “politicanalhada”. Não o vejo omisso, nos assuntos que interessa e na defesa de nossa combalida democracia. Pelo conjunto da obra, sou mais ele para ganhar prêmios e reconhecimento. Mas ele não ganha; sabem por que ? Não porque não é político, mas porque não é canhoto. Deu pra entender ou é preciso desenhar ?

  19. Oliver

    -

    19/05/2012 às 18:38

    AUGUSTO
    Me permite uma observação ao comentário da lucia s – 18:33 ? Tem gente que gosta de ler o que não foi escrito, não é mesmo ? A única voz dissonante entre os corretos elogios ao prêmio recebido – e merecido – por FHC, neste espaço, foi a minha, com a grande complacência do mestre das letras e dono deste nobre espaço. Não gosto de pensar com a manada. Tenho meus motivos para fazê-lo, incluindo aí ter trabalhado para a trupe que hoje não me convence como “opositores do regime”. Ninguém aqui cometeu a burrice de comparar o prontuário de um lula com a história escrita pela ética e pelo bom senso do ex-presidente ora agraciado com o Kluge, sem n. O que não significa endossar cada palavra, cada defesa, cada demonstração de apoio político do nobre estadista. Não dou meus “tapas na pantera”, não me deixo fotografar com bandidos e não endosso a candidatura de um vigarista para a sucessão presidencial do meu partido. Ou do partido que eu não tenho, melhor dizendo. Vamos parar um pouco com essa papagaiada pragmática e vamos ao que interessa: Eu votaria em FHC, como votarei em Serra. Puntualmente. Nada de partido, tucanato, ou ideologia rasteira de esquerda. Não comungo dessa cartilha torta, mas reconheço que o presidente fez ótimos DOIS PRIMEIROS ANOS de administração pública, antes de entregar os destinos do país a uma primeira súcia, sucessora da segunda. Olhem para o partido em frangalhos do ilustre ex-presidente e me digam: quem é o sucessor dessa bagaça ? Quem encarna a oposição consciente e combativa ? Quem defende algo além dos “fuminhos”, extermínios de sacolinhas e mutirões de catarata ? Tenha dó digo eu. Tenho dois olhos pregados na cara e um cérebro entre eles, em pleno funcionamento. Não vivo do passado e ele não paga minhas contas. Resgatar a história e seus valores tem um valor cívico que eu reconheço. Mas devolvo a questão: Quem é o herdeiro dessa política ? O sucessor ? Aquele disposto a virar essa mesa ? Enquanto não houver um candidato que responda essa minha perguntinha simples eu não premiarei ninguém pelo que não foi feito. Como diria minha nobre jurada Aracy da Almeida, “vou dar dez mangos pra esse indivíduo aí”, e olhe lá.

  20. fpenin

    -

    19/05/2012 às 18:08

    Não será o caranguejo quem matará Lula e sim a INVEJA.A percepção de que nunca chegará a FHC deve fazer grande mal ao inculto.Morra de raiva, Lula!

  21. calebi

    -

    19/05/2012 às 16:07

    Parabéns Augusto,você foi perfeito,disse tudo o que penso e não consigo expressar.Vou reproduzir guardare e divulgar.Admiro o seu talento,que Deus o abençõe.

  22. Paulo

    -

    19/05/2012 às 15:42

    O FHC, foi um grande presidente, governou o Brasil atendendo aos interesses dos EUA, por isso acho que merece essa premiação do governo dos EUA.

  23. Mako

    -

    19/05/2012 às 13:34

    A propósito, nos lembraremos sim do Lula, como o principal beneficiário do mensalão e como o ex-presidente que negou sua existência contra todas as evidências…

  24. Mako

    -

    19/05/2012 às 13:32

    O legado do modesto FHC sobreviverá e Lula fará apenas um papel folclórico na história como um fanfarrão sem convicções ideológicas e um oportunista que se apropriou de idéias e feitos alheios no afã de construir sua imagem de falso ídolo. Nada como um dia após o outro…
    A modestia é sinal de nobreza. Pena que o PSDB de hoje já não reflete os valores do de outrora.

  25. gertrudes mendonça

    -

    19/05/2012 às 8:29

    Foi isso mesmo. O prestígio do Brasil aumentou 100% durante FHC. Quanto à economia, FHC semeou e outros colheram e continuam colhendo…. mas ele é superior a tudo isso.
    E você, como jornalista, também merece um prêmio por colocar as coisas nos lugares certos.

  26. GlorInha de Nantes

    -

    19/05/2012 às 1:18

    Augusto, se você possibilitar, quero registrar aqui meu orgulho e minha homenagem ao Presidente, estadista e Mestre-Doutor, que dignifica o país com sua presença no universo político e acadêmico internacional. Na verdade, um comentário que fiz em 20/02/2011, neste Blog.
    .
    Elogio a FHC
    .
    Por sua elegância,
    postura responsável e consequente,
    probidade e excelência intelectual,
    atitude didático-pedagógica,
    FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
    permanece presente na mídia
    e na Política Nacional!  
    .
    É o habilidoso e eterno
    Presidente do Plano Real!
    O Presidente que ASSUME!
    Fez, faz e fará tudo
    o que o momento sócio-econômico-cultural
    exigir, possibilitar,
    tantas e quantas vezes
    for necessário e suficiente,
    no âmbito de seu campo de atuação.
    A face REAL do MESTRE PRESIDENTE
    sempre foi e sempre será
    a de um Político, Professor, Sociólogo,
    PRESIDENTE DOUTOR!
    e DOUTOR PRESIDENTE!
    .
    Quem não suportar esta REALIDADE,
    tente a virtualidade dos universos
    das quadrilhas llullo-petistas
    ou o buraco negro
    das areias movediças circundantes!
    Oriente-se, em tempo,
    para não perder o bonde da história!
    A DEMOCRACIA
    e AS LIBERDADES DEMOCRÁTICAS
    estão em pauta, mundo afora!
    Abra-se, atualize-se, vire-se do avesso,
    limpe-se e livre-se dos dogmas!
    É qual auto-análise, auto-terapia, auto-cura!
    Um processo que resulta
    em outro e melhor ser político!
    .
    O PRESIDENTE MESTRE / DOUTOR
    pode ser um bom caminho.
    A ARTE DA POLÍTICA, leitura de fôlego,
    pode ser um dos livros de cabeceira.
    A ser devorado ou consultado,
    como a um livro de crônicas políticas.
    Correto e sóbrio, no tom,
    no rítmo e na harmonia.
    Uma década da administração do país,
    diariamente registrada,
    é narrada, descrita, explicitada.
    Recomendo!

  27. Sandro Ferreira

    -

    19/05/2012 às 1:04

    O legado de FHC é tão extraordinário, que nem nove anos e meio de lulopetismo foram capazes de destruí-lo, apesar das incontáveis tentativas. Devemos ficar atentos, pois as manobras não vão parar. Eles sonham reescrever a História e minar a democracia. Não conseguirão.

  28. Mario Sammarco

    -

    18/05/2012 às 23:16

    Caro Nunes,espero que os politicos do PSDB leiam e coloquem em um quadro nas suas sala o seu artigo.É uma pena, ou melhor um desperdício o que o PSDB faz com a imagem e a memória de FHC.Sem nenhuma dúvida o melhor presidente que o Brasil já teve.E, com os que aí estão,

    será muito difícilde ser superado,infelizmente!

  29. SANTANA

    -

    18/05/2012 às 21:50

    O Brasil que presta, e que pensa, recebe com muita deferência o nobre, meritoso e justo prêmio concedido ao garboso, culto e democrático ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso, condutor da estabilidade econômica e democrática do Brasil, reconhecido mundialmente como um estadista.
    Infelizmente, contudo, apesar da inexplicável defesa pela legalização da maconha, a educação e a classe que possui parece impedi-lo e a outros mais, como José Serra, de desqualificar o autor da atual depravação moral e institucional do país, encoberto pelo comunismo, reduto ideológico de amparo a facínoras, em que a mentira e a defesa pela impunidade dos ladrões do povo o converte, paradoxalmente, no espelho de uma sociedade identificada com um semianalfabeto, detentor de aviltantes e injustificáveis honrarias concedidas pelos execráveis e repugnantes vendilhões e bajuladores do poder, tornando-o imbatível, mesmo quando ao disputar contra a chapa Fernandinho Beira-Mar e Marcola, com urnas eletrônicas aparelhadas e manipuladas, posto que inadmissíveis quaisquer concorrências aos cofres públicos, cuja sórdida luta pela hegemonia de sua posse é capaz de reviver o saudoso projeto genocida, com o qual se notabilizaram, hoje conhecido como cerceamento à imprensa livre, independente e democrática, a serviço da verdade, palavra defenestrada pelos cafajestes.

  30. Oliver

    -

    18/05/2012 às 20:14

    EU TAMBÉM PREFIRO FHC.
    Mas não conheço meio grávidas, meio ladrões, meio inteligentes ou meio socialistas. Ou são ou não são. Ou adotam a cartilha vagabunda de puxar metade da carroça com a outra metade ou são progressistas e liberam a sociedade ao mérito. Se não roubam, não deixam roubar, porque a omissão nestes casos é tão ou mais perniciosa que a ação. Presidente não tem amigos, não tem padrinhos, não tem apaniguados. Tem subordinados, na administração pública e É SUBORDINADO à sociedade que o elege. Elege-se por uma plataforma e espera-se que cumpra o que prometeu quando candidato. Do contrário, as instituições, partidos, oposição e a sociedade em geral NESSA ORDEM tem o direito e o dever de lhe cobrar explicações plausíveis, por vias legais e dentro da ordem democrática. Tudo isto está aí previsto e provado que funciona, ou deveria funcionar, em nossa democracia turva. Se não vem funcionando é porque fomos vítimas de um golpe. De um estelionato. De um roubo. Um roubo que começa NOS PARTIDOS POLÍTICOS e tem braços em todos os poderes e na administração pública. Um roubo sem ideologia, que abarca a política como um todo e a administração pública como método. Ser presidente da república é como ganhar uma vassoura para varrer a sujeira. Enquanto não for varrida, não está limpo. Simples assim. Não há meia faxina, nem mérito em meia faxina. FHC ganhou um milhão de dólares por fazer a metade do serviço que lhe foi confiado. Eu teria lhe pago dois, para completar o começou, se é que o que ele começou não desembocaria, mais cedo ou mais tarde, nesse mesmo farisaísmo esquerdopata, com mais ou menos mãos em nossos bolsos combalidos. É o sofisma da igreja católica, afogada em liturgias. Leva trezentos anos para reconhecer que a Terra é redonda. Não é pra menos que percam fiéis que prefiram um pouco de “ginástica da fé” e um terreninho no céu em suaves prestações. Até o câncer evolui, caros leitores, porque não a política ? Desconcatenada da realidade, virou palco de ladrões e dancinhas da garrafa. Vou me esgoelar de dizar que OS DOIS LADOS são culpados pela deterioração do nosso país, porque na verdade os dois lados SÃO O MESMO LADO ESQUERDO VIGARISTA. Uns com mais vigarismo, outros com mais fleugma. Basta ler o próximo post para termos a certeza de que o lixo que molda a petralharia é o mesmo que modela essa “oposição” enterrada na lama. Siameses. Xifópagos. Presos pelo rabo. Unidos pelo intestino grosso. Não sai nada que presta deste caldo, meus queridos. Ou será que teremos que engolir, cheirar e digerir o candidato ungido por esta turma ? Já declarei meu voto aqui, na senadora toda poderosa. Esta vale três milhões de dólares. Chega de socialismo chinfrim. Eu quero minha empresa chamada Brasil administrada por ADMINISTRADORES. Simples assim. Nada de piloto de torno que perde os dedos pelo caminho nem assaltANTA de bancos. Nada de encosto, megafone e quadrilha. CHEGA.

  31. lucia s

    -

    18/05/2012 às 18:54

    ma tremenda discussão nestes comentários a qual li, reli e fiquei confusa.Parece um pouco a história da galinha e do ovo : qual surgiu primeiro? Agora, sinceramente, tentar comparar lula com FHC, tenha dó, nem como tese de louco de hospício.Se for como partido contra partido, concordo que o psdb é inócuo como oposição mas considerar que civilização de um sociólogo é fraqueza, tenha dó.
    Aliás, de qual classe média estamos falando por aqui? a iludida, mergulhada em compras frenéticas ou a antiga, que existe desde que os burgos foram formados? a que realmente produz a revolução ?ou a que se torna bucha de canhão por ignorância.
    Tantos temas interessantes… estou louca pelos próximos capítulos!

  32. observador

    -

    18/05/2012 às 18:37

    Augusto

    Belo texto!
    Imagino ser frustrante, ao discursar, perceber que meus seguidores são analfabetos funcionais, oportunistas e/ou gente humilde o suficiente para me reverenciar em troca de migalhas que lhes garantam a sobrevivência. Esse sou eu me colocando no lugar de Lula. Porém, ao olharmos a questão por outro ângulo, poderemos constatar, em igual intensidade, que Lula talvez não tenha se dado conta de tal frustração pelo simples fato de ser mais um detentor das duas primeiras características acima citadas.

    Enquanto isso, em outra estirpe coloca-se FHC, entre seus iguais, recebendo os prêmios que engrandecem um homem e fazem valer lhe sua passagem por esta vida!

  33. lucia s

    -

    18/05/2012 às 18:33

    Acho que o Brasil divide-se entre: os que ganham muiiiiito sendo pt, assim o defendem com unhas e dentes; os que acham que estão ganhando muiiiiito com o pt e congeneres e vão levar um susto qualquer dia destes e finalmente, os que usam seus cérebros e sentem que há algo muito estranho e podre no ar e que refeição gratuita tem seu preço…
    Quem viver, verá.

  34. G. Carvalho

    -

    18/05/2012 às 18:08

    Excelente coluna. Ao ter conhecimento da escolha de FHC para receber o Premio John W. Kluge (sem o N no Kluge, por favor), escrevi a diversas pessoas, inclusive a vocês, por meio deste blog notável. Aplaudimos a decisão da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, outorgante do galardão que leva o nome de um empresário germano-americano já falecido, por algum tempo o homem mais rico dos Estados Unidos.
    Se vocês gostaram desta coluna, gostarão também da mensagem que a Associação dos Sociólogos Americanos enviou a FHC. É o intelectual respeitado por seus pares. É o humanista reconhecido com um tributo internacional do maior prestígio.
    Discordo, e não o faço por primeira vez, dos que exageram a aversão de Lula a FHC. O governo petista copiou, zelosa e devotadamente, as iniciativas mais importantes de seu antecessor, não obstante seu denuncismo irracional quando na oposição. Tem faltado ao lulo-petismo – nisso estamos todos de acordo – o ímpeto modernizante de FHC. Mas quem esperaria tal ímpeto de políticos convencionais? A FHC parabéns. Estamos felizes por ele.

  35. Julia

    -

    18/05/2012 às 17:48

    Tenho alguns rancores, isso é inevitável na vida. Não gosto do Lulla e da turma dele. Parabéns ao Fernando Henrique que sendo o que é sempre nos orgulha. Mais um premio, mais um reconhecimento, simples assim. Um homem que sempre nos orgulha, obrigada Fernando Henrique por ser um contemporâneo do nosso tempo. O mundo é melhor, hoje, também por causa de FHC.

  36. Rafael

    -

    18/05/2012 às 16:34

    O Brasil era bem melhor nos tempos em que escutava e aprendia com quem realmente tinha o que ensinar …

  37. Oliver

    -

    18/05/2012 às 15:43

    AUGUSTO
    Permita-me a réplica a nossa querida amiga Tina Boots ? Também acho um prazer discordar de você, querida amiga. Até porque concordamos mais que discordamos, não é mesmo ? Que tal uma metáfora ? Algo mais ou menos assim: O médico acaba de receber um prêmio de medicina, pelos bons serviços prestados a um paciente ilustre. É certo que o paciente só piorou, desde o tratamento. Teve um câncer que acabou se generalizando. Roubaram os remédios. Tiraram o leito e venderam a UTI. Lógico que sempre podemos alegar que a junta médica que hoje cuida do pobre deitado, na bordoada, não era a mesma que cuidava dele antes. Mas o método é igualzinho. Aliás, este seria o grande mérito dessa equipe de charlatães hoje aboletada no hospital de campanha. Não mudaram uma vírgula do tratamento, ministrado pela equipe anterior. Só trocaram o nome dos remédios. E aumentaram a dose para níveis alarmantes. O médico hoje premiado, injustamente satanizado pela equipe atual, já era satanizado pela própria equipe. Queriam o leito já naquela época, sabe-se lá para que. É a isto que me refiro, querida amiga. Não dá pra dizer que houve uma ruptura nos métodos empregados. É uma continuidade. Vou repetir aqui mil vezes; pergunte a um tucano em que resultou o Plano Real e ele lhe dirá que foi “incluir pessoas no consumo”. E a produção, onde é que fica, minha querida ? O Plano Real preparou as bases para uma economia de mercado, de empreendedorismo e livre iniciativa. E acabou com o sonho da classe média, ao dizimar suas poupanças empregadas em novos negócios populares, para privilegiar uma bando de famélicos que só sabem transformar mortadela em pinga. Ele fez as escolhas erradas sim, minha querida. Ele e só ele. Errou ao não aceitar que somos um presidencialismo capitalista, e não um sonhado parlamentarismo social-democrata. Aliás, apresente-me um socialista democrata, minha querida. Um só. Todos sonham com um elefante. Um elefante nas suas costas. O doutor aqui em questão não foi diferente. Não posso concordar que culpá-lo equivaleria a “culpar o inventor do avião pelo desastre de avião”, pois ele não inventou a democracia. Ao contrário de um Santos Dumont perneta, ele foi um “dono da Boeing” de turno. E “donos da Boeing” podem ser culpados sim, pela queda de seus projetos. O dele deu no que deu, por mais que queiramos negar que ele faça parte dessa equação sórdida. Acabou sendo, pela ação ou pela omissão, pura e simplesmente. O eleitor disse NÃO pra ele, você percebe ? Caiu nos braços do primeiro vigarista que encontrou porque cansou da política meia-bomba, sobre o muro, meio cá, meio lá, incerta como a cotação das verdinhas. O eleitor cansou da política NO GOVERNO DELE, junto com ele, talvez. E deu no que deu. O PSDB comemora vinte anos no poder, em Estados importantes da federação. Privatizou o que, neste período ? Centralizou que planos ? Fez oposição a quê ? Fala serio. O médico agraciado até posou para foto, com a equipe atual que está matando o paciente aos poucos, de socialismo chinfrim crônico. Eu até gostaria de achar, como você, que o prêmio faz alguma justiça. Que polarizou opiniões, ao confrontar um currículo com um prontuário. Infelizmente, só vejo semelhanças pela frente. Semelhanças, que fazem dos tucanos uns petralhas com pedigree. Só isso. E não é pouco. Pense bem; quem merece um prêmio pela contribuição à democracia no Brasil é o Augusto Nunes. Mas ele não parece um socialista; portanto ele não vale, he he he. Esse é o ponto. É uma confraria de bandidos, querida. Premiando o câncer menos agressivo. Vai indo lá e não me espera, kkkkkkk. Um beijo em ti e abraços na galera.

  38. Marlene Moura

    -

    18/05/2012 às 10:25

    Parabéns pelo belíssimo e emocionante texto!

  39. Maria Rosa

    -

    18/05/2012 às 10:14

    Desculpe, Mário Pereira.
    Os elogios ao belíssimo artigo deveriam ser direcionados a você. Ao grande Augusto Nunes, o mérito por trazê-lo a este espaço.

  40. Maria Rosa

    -

    18/05/2012 às 10:11

    Realmente, caro Augusto, o espaço que a imprensa em geral dispensa a FHC, no caso de (grandes) feitos positivos é minúsculo. Houvesse algo negativo, como suas piadinhas mal compreendidas que pudessem diminuí-lo, o espaço seria maiúsculo.
    O que importa é que, como você bem coloca, a justiça que não tardou nem falhou nos permitiu ver nosso grande presidente, com toda galhardia, receber as láureas que lhe são devidas.

  41. Márcio Domingos

    -

    18/05/2012 às 10:06

    Congratulações ao presidente FHC pelo merecido prêmio, e ao articulista, pelo texto preciso e que resgata a verdade. Lula seguiu o caminho traçado por FHC, eis o único mérito do ex que não quer largar o osso. Pobre Dilma, com amigos como esses…

  42. Valentina de Botas

    -

    18/05/2012 às 9:55

    Bom dia, Augusto!
    Gostaria de comentar as palavras do nosso querido Oliver. Novamente não reconheço o FHC descrito no seu texto, Oliver. Você elogia o governo de FHC pelas medidas econômicas, notadamente o espetacular Plano Real, para dizer que o período se encerrou com o dólar a 4 reais. Mas isso foi o tal efeito Lula, lembra-se?, a certeza de que o caudilho se elegeria assustou mercados, investidores internos e externos. Você desfia uma série de oportunidades que FHC teria perdido: impulsionar a classe média, concretar a moldura de uma economia ‘mais capitalista’, diminuir o Estado, e outras. Creio que ele fez de tudo isso um pouco e lançou as bases para ampliação. FHC tomou posse em 1994, nos últimos 10 anos o país sofrera choques institucionais – a morte de Tancredo que colocou Sarney na presidência, a eleição e a queda de Collor – acompanhados da vagarosa consolidação da redemocratização mais os solavancos traumáticos na economia. Não pretendo ensinar história, apenas resgato brevemente o contexto da época para relativizar as oportunidades perdidas por FHC e realçar os avanços do mesmo FHC. E por quê? Por que gosto dele? Sim, gosto. Por que ele é melhor do que a súcia que o sucedeu e para quem você diz que ele preparou o terreno? Não, ele não é melhor do que ela – ele sequer é comparável a ela. Tudo o que temos ainda de saudável nos dias atuais se deve à administração FHC. O que temos de ruim também, você diz, como o mensalão nascido no PSDB mineiro e as bolsas-esmolas concedidas pelo Estado; ora, Oliver, meu amigo, culpar FHC por isso é como culpar o inventor do avião pelo desastre de avião. O que tornou a administração FHC ruim foram o sucessor e o pusilânime comportamento do PSDB em renegá-la. O lulo-petismo desmantelou as agências reguladoras, hipertrofiou o Estado para que ele não servisse à nação, entre outros desatinos, só na dimensão institucional, quando deveria ter corrigido erros e aprofundado acertos. Na dimensão pessoal ─ em que o caráter do governante alinha a administração ─, com FHC, o governo, o Estado e o partido eram estanques e não personalistas. Com o caudilho e afilhada, o partido se serve do Estado através do governo e sempre com a marca degenerada do personalismo. Este, aliás, é a mão autoritária que lhes balançou o berço político. A social-democracia que FHC talvez tenha pensado para o país traumatizado e atrasado de 1994 não foi a ponte para esta nossa tristonha república de bananas e mortadela em plenas luzes do século XXI: o país obsoleto e moralmente apodrecido que pesa sobre os ombros do país decente seria fundado pelo lulo-petismo em quaisquer condições. Um beijo para você, outro para o Augusto, Valentina.

  43. Iara

    -

    18/05/2012 às 2:22

    Concordo com vc Augusto ao reclamar que a imprensa, em geral, não deu o devido destaque ao prêmio recebido pelo maior estadista, que verdadeiramente este país já teve. Em compensação ficam dando destaque ao facebook do rancoroso molusco. Está tudo errado, tudo de cabeça para baixo.
    Minhas homenagem ao digno e honrado PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO. O senhor nos enche de orgulho e emoção.

  44. mameluco

    -

    17/05/2012 às 22:05

    Como intelectual, é até maldade comparar FHC como qualquer outro presidente brasileiro. Ele fez história e produziu conhecimento. Presidiu como republicano sem se envolver com coisas mesquinhas, mesmo tendo uma oposição que flertava com a irresponsabilidade e o gangsterismo. Uma pena que ele seja considerado muito bom pelos americanos, mas seja ignorado pelas instituições de ensino superior brasileiras, para elas talvez seja mais importante o aumento salarial e identificação ideológica da década passada, FHC está além do hoje.

  45. Giovani P. de Oliveira

    -

    17/05/2012 às 21:29

    Inacreditável é ver Os Norte-americanos, que são frequentemente criticados pelos latino-americanos, reconhecerem e premiarem FHC. Nos vemos obrigados a aceitar o desprezo de seus adversários brasileiros, pois seus próprios partidários o renegaram quando mais deviam resaltar seus feitos.
    Só espero que não seja apenas um herói para ficar na história. É preciso que se tire proveito do que FHC fez e pode fazer pelo Brasil.
    Parabéns a vocês pelo reconhecimento, mas parece que são sempre os mesmos a verem isso.

  46. Pietro Guerriero

    -

    17/05/2012 às 20:40

    Obrigado ao Augusto e Mauro pelo texto. Mais que os ataques raivosos daqueles que o sucederam o que me impressionou foi o abandono de seu proprio partido. Qualquer partido que pudesse contar com um cacife desses, uma “senhora” reserva politica, deveria preserva-lo da melhor maneira.
    Todavia, em nosso pais, os partidos so’ conseguem enxergar a proxima eleicao e fazem toda sorte de malabarismos para vence-la, ainda que signifique virar as costas a quem os carregou nas costas por 8 anos.
    O adversario que o sucedeu, parceiro de passeatas das Diretas-ja’ e outras iniciativas, hoje abraca como aliados e incomuns, aqueles que combatia como ladroes, picaretas etc.
    Ser adversario em politica e’ saudavel e normal. Ser inimigo e fomentar a inimizade no campo politico pode incendiar a militancia mas faz regredir os pequenos avancos que possamos ter tido.

  47. Mãe Dinah

    -

    17/05/2012 às 20:01

    A declaração inusitada e surpreendente foi publicada, numa notinha, pelo jornal O Globo e reproduzida pelo sítio Comunique-se. Vale registrar e guardar:
    .

    PALAVRAS DE FHC:
    .

    “Temos hoje uma arquitetura democrática, mas não temos a alma. É uma ideia que ainda está sendo construída. É preciso apoiar mecanismos de regulação que permitam a diversidade”, afirmou FHC.”

  48. Ney do MS

    -

    17/05/2012 às 18:49

    O tempo é o senhor da razão: a rica história de FHC, o grande estadista brasileiro, começa a aflorar – enquanto a pobre história de Lula, o rancoroso chefe dos PeTralhas, começa a se apagar.

  49. Renato SC Vieira

    -

    17/05/2012 às 17:21

    Parabéns ao Mauro Pereira pelo texto, FHC merece todas as loas inerentes ao prêmio. Realmente, o único estadista no completo sentido da palavra que este país teve desde que me conheço por gente. Pessoas do calibre de FHC, de Mário Covas, Ulisses Guimarães, Tancredo Neves (Aécio, never), fazem uma enorme falta nestes tempos bicudos que atravessamos. Mais merecido ainda por ser dado por uma instituição acima de qualquer suspeita como o Congresso americano, totalmente diferente das baciadas de diplomas que uns e outros andam recebendo aqui pelo Brasil. Realmente, deve ter gente por aí roendo os cotovelos de inveja.
    Mas, apesar de todo o orgulho que sinto por ter no meu tempo um FHC para exemplo, ainda não consegui perdoá-lo pela instituição da reeleição. É certo que ele não tinha a mínima idéia do que viria a acontecer com o País após seus mandatos. E o que aconteceu, está acontecendo e ainda pode vir a acontecer, não nos deixa muitas esperanças.

  50. detinho

    -

    17/05/2012 às 17:02

    Tudo que o Mauro Pereira escreveu sobre o título recebido merecidamente por FHC é verdadeiro e inconteste. Porém o que me deixa mais triste não é o ciúme de Lula e dos Petistas, mas dos correligionários do ex-presidente – PSDB – que esconderam vergonhosamente em duas campanhas perdidas para Presidente tudo aquilo proporcionado pela política de Fernando Henrique e que não deveria ter acontecido jamais. Que sirva de lição para os próximas campanhas para presidente.

  51. celia maria

    -

    17/05/2012 às 16:51

    Parabens ao jornalista Mauro Pereira pelo texto maravilhoso; e parabens ao nosso querido Professor Fernando Henrique q recebe o premio mais q merecido como estadista, intelectual, e orgulho dos brasileiros decentes. Abraço, Mauro e Augusto

  52. ISABEL CAROLINA ELIAS

    -

    17/05/2012 às 15:24

    PARABÉNS AUGUSTO NUNES E MAURO PEREIRA POR TENTAR LEMBRAR AOS BRASILEIROS QUEM É O GRANDE ESTADISTA FHC…
    PARABÉNS PROFESSOR FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, O SR É MERECEDOR DESSE PREMIO.

  53. Ricardo

    -

    17/05/2012 às 15:19

    O Lula deve receber em breve o prêmio de maior mimiógrafo do mundo.É aquele que copia tudo o que os outros fazem,só que borrado.

  54. etiene

    -

    17/05/2012 às 14:50

    Augusto, pra esse eu tiro o chapeu, um verdadeiro estadista., Agora mo apedeuta, é um verdeiro diabo travestido de lulla!!!!!!!

  55. Jeremias-no-deserto

    -

    17/05/2012 às 14:50

    Magnífico texto, Mauro Pereira.O grande jornalismo se identificou com o que existe de pior em nossa política e cedo ou tarde, amargará os frutos dessa decisão estúpida.Mas o Brasil decente saberá sempre reconhecer o trabalho insano e meritório desenvolvido por Fernando Henrique Cardoso, um estadista de verdade e uma inteligência acadêmica reconhecida internacionalmente.

  56. rita

    -

    17/05/2012 às 13:22

    Parabéns e obrigada
    Presidente Fernando Henrique Cardoso

  57. Luís Roberto SBO

    -

    17/05/2012 às 13:12

    O Jornalista MP disse tudo q.gostaríamos escrever dessa grande pessoa e nosso formidável Estadista.
    Prêmio internacional merecido por trabalho executado, não foi preciso de puxas sacos ou fazedores de médias.
    O Brasil decente agradece ao nosso eterno Presidente, esse grande trabalho não vai ser preciso registrar em Cartório…rsrs…..e estará publicado em todas as Bibliotecas.

  58. ana soriano

    -

    17/05/2012 às 12:53

    Parabéns nosso eterno, querido, e melhor presidente do mundo.
    Merece o reconhecimento de todos os brasileiros.
    O Brasil com ele estva chegando ao status de grande e respeitada nação.
    Pena que o rancoroso e ignorante sucessor foi tão
    mesquinho.

  59. Alexandre

    -

    17/05/2012 às 12:52

    Que saudades!!!!!!

  60. Caipirão

    -

    17/05/2012 às 11:54

    Perfeito! Concordo plenamente com o texto. E digo que de todos os males o pior não é a inveja que o pequeno Lula tem de FHC. É a covardia.
    Quanto a Lula, ele deverá ser objeto de estudos, no futuro, não da história política mas da psicanálise.

  61. nina

    -

    17/05/2012 às 11:19

    Fernando Henrique nos honra com sua existência.
    Você nos honra com essa homenagem perfeita
    Parabéns.

  62. arilson sartorato

    -

    17/05/2012 às 9:55

    ENQUANTO O ESTADISTA FERNANDO HENRIQUE CARDOZO RECEBE O PRÊMIO KLUNGE, O ANALFABETO PÉ DE CANA LULA RECEBE TITULO DE ‘DOUTOR HONORIS CAUSA’ EM CORRUPÇÃO E VELHACARIA DE ENTIDADES SEM EXPRESSÃO ALGUMA.

  63. ROSANA

    -

    17/05/2012 às 8:55

    Excelente artigo Augusto, parabéns ao Grande Fernando Henrique Cardoso,merecedor desse prêmio e de muitos outros que virão. E quanto a Lula,está correndo através de votos para o incompetente do Haddad. É, quem nasceu para ser sindicalista, jamais dera um estadista”. Ponto final!

  64. Aldo Matias Pereira

    -

    17/05/2012 às 8:34

    Augusto,
    Aos poucos a verdade vai sendo resgatada a contragosto daqueles mafiosos que tomaram o país de assalto. Certamente tem muita gente se rasgando de ódio por conta desse premio. E a “imprensa” colonial silente e omissa, como sempre, quando o assunto contraria o poder das verbas que recebe para as loas ao poder.
    P.S.: Por alguma razão misteriosa não consegui “tweetar” ou publicar o texto no Facebook. Não sou especialista mas, que tá estranho ah, isso tá!!! Vou ter de buscar outros meios e, para isso, baixei em meu computador.

  65. eduardo gomes

    -

    17/05/2012 às 1:57

    Qual premio os americanos deveriam dar ao lula?? o FHC levou como reconhecimento do seu grande trabalho,o lula pelo trabalho feito por elle deve ganhar o que ?????

  66. Mozar

    -

    17/05/2012 às 1:40

    …Aliás, não sei o que faço por aqui!!!


    Tratamento de choque, miliciano. Que acabou de recomeçar com uma pernada pernambucana, uma voadora na testa e um abraço de jegue.

  67. Almir A. Neto

    -

    17/05/2012 às 1:34

    Texto conciso, perfeito, principalmente quando lembra que o próprio partido do presidente FHC o abandonou quando começaram os ataques desses petralhas que agora estão no poder. Pena! Os políticos do PSDB ainda vão se arrepender muito se não mudarem esta atitude. Espero que J.Serra e cia. tenham aprendido alguma coisa em 2010.

  68. ziu

    -

    17/05/2012 às 0:15

    Num momento de extrema pobreza intelectual, como a que vive o Brasil de hoje, é alentador saber que ainda podemos contar com um homem que possui a extraordinária capacidade intelectual para refletir sobre problemas dos mais simples ao mais complexos que afetam essa nossa América Latina e apresentar soluções, com a profundidade que isso requer, e ao mesmo tempo com a leveza de espírito que o caracteriza.
    Tão bom quanto é assistir ao reconhecimento desse grande pensador pelo Congresso norte-americano através da concessão deste prêmio, como que a não deixar dúvidas do grande valor que possui este brasileiro.
    Prêmio merecidíssimo! Parabéns doutor Fernando Henrique Cardoso!!!

  69. FM

    -

    16/05/2012 às 23:32

    Mauro Pereira é perfeito nos seus escritos, e redigir sobre uma personalidade que prima pela excelência facilita e enriquece seu texto.

  70. sofia

    -

    16/05/2012 às 23:24

    Obrigada por nos permitir fazer parte dessa homenagem que faz ao nosso presidente Fernando Henrique Cardoso, nobre jornalista, podendo também mesmo que de maneira simples podermos endossar as suas palavras. A Revista Veja teria que colocar este seu artigo nas paginas da revistaVeja desta semana, com certeza vai ilustrar ainda mais o seu texto, que é simplesmente inquestionável.

  71. Oliver

    -

    16/05/2012 às 23:13

    A SÍNDROME DA MONARQUIA
    Obviamente que concordo com tudo o que escreveu brilhantemente Mauro Pereira. Tenho comigo, no entanto, aquele incômodo que bem pode ser traduzido na máquina de “enfiar burro e sair linguiça” da piada lusitana. Não vou reproduzí-la aqui pela evidente falta de nobreza, mas posso adiantar suas semelhanças. Seria eu mais cético com alguém que acabou por entregar o país à esbórnia que ora nos avacalha. FHC é um estadista inconteste. Em tese, não teria nenhuma culpa pelo estado de deterioração ética e moral em que se encontra nossa política. Seria um “ponto fora da curva” como bem desenhou o próprio Augusto Nunes, aqui mesmo neste nobre espaço de debates e conceitos. O problema, no entanto, é a equação que não fecha. Seu governo começou como uma grande promessa, lastreada num plano econômico que tirou realmente o país de um buraco sem fundo. E terminou com o dólar a quatro reais, os fundamentos para o maior estelionato eleitoral que este país já viu – através das bolsas-misérias que perpetuam a ignorância, a dependência e a subserviência de uma claque de famélicos que desistiram de saber o que é mérito e o que é trabalho – e absolutamente ninguém para defender seu legado político INCLUSIVE EM SEU PRÓPRIO PARTIDO. Equivaleria a dizer que não deixou descendência, não fez um substituto ou sequer deixou um legado de mérito que não fosse tão facilmente achincalhado pela quadrilha seguinte à sua propria, mais “adaptada” para viver de engodos e estelionatos. Minha modesta impressão é que o nobre presidente desistiu, dois anos antes de entregar a faixa ao meliante que o sucedeu. E assim sendo abriu caminho para o pior do seu próprio partido. Nunca é tarde para lembrar a origem mineira do mensalão e seu efeito deletério na política. Nunca é tarde para lembrar que o “guarda chuva de proteção social” desabou nesse clientelismo ralo e vagabundo que sustenta essa esquerda vigarista e mentirosa no poder. Por este prisma, são siameses. Um milhão de dólares é um bom capital, para quem foi tão prestimoso ao social. Seu governo perdeu a chance de colocar o país na vanguarda DA PRODUÇÃO, e não do consumo ralo. Perdeu a chance de destruir as pontes que colocam essa seita aboletada na máquina pública, como um câncer interminável a ser extirpado de nossas costas. Perdeu a chance de reduzir o elefante governamental. Perdeu a chance de turbinar a classe média, verdadeira mola mestra do desenvolvimento de um país. Perdeu a chance de colocar o país na marcha por um modelo mais coerente de democracia capitalista, do pleno empreendedorismo e da livre iniciativa. Ao contrário. Moldou as bases desse socialismo ralé e assistencialista. Nivelou o terreno para essa turba de desocupados à soldo das milicias de esquerda, que gastam nosso dinheiro como deles, em causas próprias travestidas de fins ideológicos, se apropriando de nossos impostos e montando com eles uma máquina de enfernizar cidadãos decentes e engordar cuecas. Não vejo ruptura no modelo que veio a seguir. Pelo contrário. Cada dia vejo que são mais parecidos. Se assemelham no que de bom e de péssimo nos legaram. Merecem uma foto juntos, para a posteridade. Para lembrar que o socialismo pode ser uma lerda chique ou uma lerda vagabunda, mas nunca deixa de ser a lesma lerda. Agora com a conta gorda, he he he.

  72. cris

    -

    16/05/2012 às 23:10

    Parabéns Professor Fernando Henrique Cardoso, sem sombra de dúvida o Sr. é motivo de orgulho para o povo brasileiro.

  73. sofia

    -

    16/05/2012 às 22:54

    Quem dera os brasileiros se informassem corretamente sobre como esta o nosso Brasil de nove anos pra cá. É assustador saber que meios de comunicação, TV,radio,jornais e revistas são capazes de se vender e não fazer o seu trabalho corretamente para mostrar para os menos avisados, menos instrução que uma coisa é receber tituto de baciada sem ao menos ter escrito uma dissertação, e outro sem alarde, não fosse a imprensa internacional divulgar, recebe um premio dessa vergadura para um ex presidente, intelectual que nunca nos envergonhou nem dentro e nem fora do nosso País.Qual seria mesmo o valor desses premios? Infelizmente somente a imprensa independente que tem mostrado o orgulho que nos dá o nosso presidente Fernando Henrique Cardoso. Obrigada FHC,

  74. Teresinha

    -

    16/05/2012 às 22:35

    Belo texto, vale por uma homenagem entre tantas que Fernando Henrique Cardoso merece e o Brasil está devendo. Mais dias, menos dias elas virão.

  75. HUGO LEON

    -

    16/05/2012 às 21:15

    FHC merece também o nobel.

  76. juscelino

    -

    16/05/2012 às 20:56

    eu concordo com 99% do que o blog fala e ainda acho que não bate com a força necessária. mas para o autor da materia uma sugestão: menos, muito menos.nessa politicalha brasileira não tem santo não.como o AN é apartidario e acredito que seja vai concordar comigo..

  77. MAS

    -

    16/05/2012 às 20:45

    FERNANDO HENRIQUE CARDOSO É O VERDADEIRO ESTADISTA BRASILEIRO.TENTARAM DIMINUÍ-LO PORÉM, A SUA GRANDEZA É MUITO MAIOR QUE A DO EX-LULA.

  78. Reaça

    -

    16/05/2012 às 20:19

    Veio em excelente hora, para contrastar com aquela palhaçada das universidades públicas concederem ao Quadrúpede títulos tão vazios quanto desprovidos de sentido, numa clara puxação de saco. Ele deve estar bufando de ódio. Adorei!!!

  79. centro-direitaaaaaa

    -

    16/05/2012 às 20:19

    Depois de Rui barbosa, sobra FHC. Fato

  80. Marcus Borelli

    -

    16/05/2012 às 20:11

    Alguém já parou para pensar que quando uma pessoa é serena dificilmente ela fica doente? Será que a doença de lula da silva não teria origem em seu ódio?

  81. delmo oliveira

    -

    16/05/2012 às 20:04

    Caro Augusto:
    Quem nasceu para ser Luiz Inácio Lula da Silva, jamais chegará ao pé de um verdadeiro Estadista como o PROFESSOR FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, vou ficar por aqui. Parabéns MESTRE FHC pela homenagem e prêmio recebido da Biblioteca do Congresso do EUA!!!

  82. Lelezinha_09 (Zinha)

    -

    16/05/2012 às 19:54

    Parabéns,Augusto Nunes! Seu texto foi um dos,senão O texto mais completo,mais bem escrito a respeito do grande Fernando H.Cardoso!
    Ele nos enche de orgulho, e vc,sabiamente,falou por nós!
    Gde abç

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados