Blogs e Colunistas

13/05/2011

às 18:16 \ Direto ao Ponto

Os livro mais interessante estão emprestado

PUBLICADO EM 13 DE MAIO DE 2011

A frase reproduzida no título do post parece ter sido pinçada de alguma discurseira de Lula. Não foi. Mas os autores do livro didático “Por uma vida melhor”, chancelado pelo MEC, decerto se inspiraram na oratória indigente do Exterminador do Plural para a escolha de exemplos que ensinem aos alunos do curso fundamental que  o s no fim de qualquer palavra é tão dispensável quanto um apêndice supurado. O certo é falar errado, sustenta o papelório inverossímil.

A lição que convida ao extermínio da sinuosa consoante é um dos muitos momentos cafajestes dessa abjeta louvação da “norma popular da língua portuguesa”. Não é preciso obedecer à norma culta em concordâncias, aprendem os estudantes. Isso porque “o fato de haver a palavra os (plural) já indica que se trata de mais de um livro“. Assim, continuam os exemplos, merece nota 10 quem disser ou escrever “nós pega o peixe”. E só elitistas incorrigíveis conseguem espantar-se com a medonha variação: “Os menino pega os peixe”.

“Muita gente diz o que se deve e o que não se deve falar e escrever tomando as regras estabelecidas para norma culta como padrão de correção de todas as formas linguísticas”, lamenta um trecho da obra. Por isso, o estudante que fala errado com bastante fluência “corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico”. No Brasil Maravilha que Lula inventou e Dilma Rousseff vai aperfeiçoando, professores que efetivamente educam não passam de “preconceituosos linguísticos”. Haja idiotia.

“Não queremos ensinar errado, mas deixar claro que cada linguagem é adequada para uma situação”, alega Heloísa Ramos, uma das autoras da afronta à inteligência e à sensatez. Em nota oficial, o MEC assumiu sem ficar ruborizado a condição de cúmplice. “O papel da escola”, argumentam os acólitos de Fernando Haddad, ” não é só o de ensinar a forma culta da língua, mas também o de combater o preconceito contra os alunos que falam linguagem popular”.

A professora Heloísa sentiu-se insultada com a perplexidade provocada pelo assassinato a sangue frio da gramática, da ortografia e da lucidez.  “Não há irresponsabilidade de nossa parte”, ofendeu-se. Há muito mais que isso. Há um crime hediondo contra a educação que merece tal nome, consumado com requintes de cinismo e arrogância. O Brasil vem afundando desde janeiro de 2003 num oceano de estupidez. Mas é a primeira vez que o governo se atreve a usar uma obra supostamente didática para difundi-la.

Poucas manifestações de elitismo são tão perversas quanto conceder aos brasileiros desvalidos o direito de nada aprender até a morte, advertiu o post reproduzido na seção Vale Reprise. As lições de idiotia endossadas pelo MEC prorrogaram o prazo de validade do título: a celebração da ignorância é um insulto aos pobres que estudam.

A Era da Mediocridade já foi longe demais.

Clique na imagem e confira um dos trechos do livro “Por uma vida melhor”:

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

530 Comentários

  1. Filipe Leal

    -

    18/06/2014 às 1:35

    Pow Augusto qto precomceito limguisto! Issu são coisa de reassionarios!

    Parece que o governo quer iniciar um processo de involução no país…

  2. geroldo zanon

    -

    26/05/2014 às 7:53

    Errei é 2014

  3. geroldo zanon

    -

    26/05/2014 às 7:52

    Hoje é dia26/05/20124 querem ver como o PT deixou o BRASIL em termos de violência é só ligar o SBT a BANG a RECORD é de chorar

  4. Vera

    -

    28/12/2013 às 21:34

    Não posso deixar esta herança maldita para os meus netos ( com todos os esses). Pobre do meu Brasil! Ter que carregar um analfabeto nas costas e com muita $$$$.

  5. Walmir Graciliano

    -

    11/10/2013 às 11:08

    Estão se nivelando por baixo e bota baixo nisso. Viva o Lula!!! Ele deve ter ajudado na elaboração do livro. “Salvem as criança do nosso Brasil”. Se digo as fica subentendido crianças. Ok?

  6. Patrícia de Sampa

    -

    10/10/2013 às 4:44

    Típico do PT: igualar por baixo. Mas é também como se dissessem aos alunos para quem esse livro é dirigido: “Vocês não vão mesmo aprender, então isso é suficiente.” É como os que acham que ensinar essa meninada a bater lata, em lugar de tocar um instrumento de verdade, já estão fazendo um grande favor. Isso, na minha opinião, é falta de confiança na capacidade desses meninos de aprender, e uma grande falta de respeito: para filhos de pobre, já está de bom tamanho!!

  7. Iberê Paiva

    -

    09/10/2013 às 19:04

    Que abundância de comentários! Não dá pra competir com tantos. Mas sinceramente, aparte qualquer motivação política, e sem ter acesso à integra da cartilha, não posso negar que ali se está falando algo óbvio. Sou um homem culto, mas convivi e convivo ainda com pessoas da roça. Sei perfeitamente como essas pessoas se comunicam verbalmente. Elas falam “pegamos os peixe” mesmo. E eu falo assim com elas. Aliás, os franceses falam assim também, e escrevem com todos os esses e plurais. É muito mais prático. Acho que, deixando-se bem claro que é proibido e ridículo escrever da citada maneira, e que em ambientes mais cultos é errado… bem, não se pode dizer a uma criança que ela está proibida de falar desse jeito como todos falam em sua comunidade. É necessário esclarecer a ela que, como ela obviamente observa em sua realidade, é perfeitamente possível se comunicar economizando alguns plurais. Evidentemente, se o aluno já aprende em sua comunidade como se comunicar no linguajar daquela comunidade, não cabe à escola ensinar essa forma. Cabe ensinar a norma culta. Mas pense bem, não é crime nenhum lembrar ao aluno que o muno é cheio de facetas, e que existem comunidades com formas linguisticas mais econômicas no plural. Mais uma vez, não conheço o conteúdo completo da cartilha, nem o tom geral usado ali, mas por favor, o alarde feito pelo artigo faz parecer um crime, quando se trata apenas da constatação do óbvio.

  8. Carlos Magno Maia Dias

    -

    09/10/2013 às 17:59

    LEIAM ISTO, AMIGOS. AN

    Diante de tantos erros de Português que ouvimos diariamente nos dois últimos presidentes da República e do então Ministro da Educação, resolvi fazer uma palestra para professores de Maringá, que se estenderam pela Prefeitura, Secretaria da Cultura, Associação Comercial, Escolas municipais e Câmara dos Vereadores, com amplo sucesso e de forma absolutamente gratuita. Hoje, Maringá começou uma campanha com os erros por mim apontados e mais alguns que não observei e em cada rua, praça, jardim, há pessoas carregando faixas sonhando que tais erros não mais serão cometidos. Em torno do bosque do Ingá, principal local de preservação ambiental da cidade, há inúmeras faixas dizendo como se diz e como não se diz tal palavra. Seria uma ótima oportunidade para nossos dirigentes federais e agora o Prefeito de São Paulo, dar uma passada por aqui para não nos envergonharem Brasil afora. Se não têm tempo, mandem-me um pedido e lhes mandarei as lições com prazer, embora triste por ter que tomar tal atitude ante os descalabros dos que maltratam nosso idioma cotidianamente.

    Parabéns, caro Carlos Magno. Que o exemplo de Maringá seja seguido pelo país inteiro. abração

  9. GEROLDO ZANON

    -

    09/10/2013 às 7:30

    Agora este pessoal que votou no HADDAD ganhou um premio vão ter que pagar mais 45% de IPTU e ainda vão ter que sustentar mais as um monte de secretarias que criou para os companheiros

  10. Adilio Belmonte

    -

    09/10/2013 às 0:08

    Os apedeutas e idiotas de todo o gênero nunca antes nesse país fizeram tanto sucesso.

  11. Gerson (PR)

    -

    08/10/2013 às 18:00

    fpenin (03/10/2013 às 22:23),

    Exatamente! Aliás, o verbo francês para esta ação se chama “péter” (pronuncia-se petê, assim como seu particípio passado, “pété”). Exemplo: “Le PT a pété dans Brésil tous ces ans” (Todos esses anos o PT poluiu o ar do Brasil com seus vapores sulfurosos). Infelizmente isso não se resolve com Bom Ar, mas talvez os novos ventos que já começam a soprar logo deem um jeito nesta situação.

  12. wilsonrodrigues de oliveira

    -

    07/10/2013 às 21:19

    caro augusto gracÇAS A DEUS ELES NAO CONSEGUIRAO FAZER DO BRASIL UMA DITADURA CHAVISTA E O QUE O LULA QUERIA MAS COMO DISEM DEUS E BRASILEIRO

  13. GEROLDO ZANON

    -

    07/10/2013 às 12:33

    O HADDAD quando se elegeu prefeito da capital de SP estava tão eufórico agradeceu o LULA por ter ajudado já no primeiro projeto dele já queria muda o nome da marginal TIETE ia se chamar MARGINAL LUIZ INACIO LULA DA SILVA depois caiu nareal

  14. GEROLDO ZANON

    -

    07/10/2013 às 12:29

    A DILMA quando fala como um HOMEM com H maiscúlo

  15. Paulo Roberto Ramos

    -

    07/10/2013 às 10:51

    De um povo que elegeu Lula por duas vezes, o elegeu novamente na pessoa da “Presidenta” e mais, que nas pesquisas ainda a reelegeria em primeiro turno, esperar o que? É de admirar que ainda saibam falar.

  16. miguel

    -

    07/10/2013 às 10:33

    Não é o cão…, terem os paulistanos um Prefeito fanfarrão como o “Adadi”? Vão escolher um prefeito mal assim lá nos quintos do inferno, seu!
    Precisamos é acabar com o curral eleitoral do PT à custa do dinheiro público, pois, só assim colocaremos essa camarilha vermelha prá correr. Esse “Adadi” é outro igual a Sra. Dilma, que não sabe o significado das palavras que pronuncia. O pior e mais incrível é que os ofendidos são esses mesmos eleitores cegos desse curral eleitoral.

  17. razumikhin

    -

    07/10/2013 às 7:24

    Cumpanhêru Radáde, nóis qué o deproma, que portugêis nóis çabe! Quédi noço deproma, cumpanhêru?

  18. razumikhin

    -

    07/10/2013 às 7:23

    Cumpanhêru Radáde, nóis qué o deproma, que portugêis nóis çabe! Cadê noço deproma, cumpanhêru?

  19. roby

    -

    06/10/2013 às 9:09

    Depois de Lula — e dos “incrementos” trazidos por sua camarilha — o nome do Brasil deveria ser mudado para Labruscolândia.

  20. Reynaldo-BH

    -

    05/10/2013 às 10:17

    Pô, tá tudu inscrivido erado!
    É “O livrus mais intereçante tão imprestavéis”.
    (Só agora eu reparei que Vicente Matheus – se vivo fosse – seria o ministru da curtura de Lula!).

  21. Jaqueline Lage

    -

    05/10/2013 às 9:58

    Sempre fui apaixonada pela língua portuguesa e toda sua riqueza lingüística.Meu planejamento era me aposentar exuma sala de aula,ensinando a nossa língua.Mas essa matéria me fez pensar,ensinar o que, se as pessoas estão informadas de que podem falar do jeito que acharem melhor,só devem analisar a ocasião?Triste fim da língua portuguesa!

  22. Margareth Elias

    -

    05/10/2013 às 9:47

    O PT levou o Brasil ao fundo do poço. Cada vez acho que pior impossível, mas eles conseguem piorar o “impiorável”. O país esta acabando e a única coisa que funciona com eficácia de 100% nesse governo é a cobrança de impostos. Estamos trabalhando a cada dia mais, para sustentar essa corja, esses boçais.

  23. augusto correa de oliveira neto

    -

    04/10/2013 às 18:53

    O tempo que eles perdem se preocupando com preconceitos contra quem fala errado poderia ser usado para ensinar a falar certo.

  24. Patrick Jane

    -

    04/10/2013 às 12:44

    PT em ação. Rumo à novilíngua. Lamentável.

  25. Denise Marquez

    -

    04/10/2013 às 11:44

    Augusto, eu sou suspeita para comentar seus textos. Para mim, tudo quanto você publica é simplesmente perfeito. Mas, este texto conseguiu superar os demais. Vou imprimi-lo e colocá-lo na parede. Continue com esse tom mordaz, eu amo isso. Humor neles!

  26. Diogenes

    -

    04/10/2013 às 10:55

    O PT é o partido que não roba e não deixa roba! Pois estão robando o direito de professores ensinarem corretamente e alunos de aprenderem o certo. Esse poço de ignorância e prepotência, (prepotência sim) não tem fundo.

  27. UMACVIRG

    -

    04/10/2013 às 9:27

    Estamos no início da revolução petralha, vai ficar bem pior… é a treva irmão! Agora pegamo os peixe e fritamo nas brasa.

  28. Valentina de Botas

    -

    03/10/2013 às 23:48

    Contemplemos o Brasil. Do que ele vai viver quando crescer? O Brasil empírico, o mesmo que patrocina o Brasil Maravilha e só assim é percebido pelo lulopetismo, a apoteótica vigarice que patrocina o analfabetismo como quem sustenta uma causa. O Brasil real cujo cotidiano, desde o triunfo da mediocridade, é sucessão de notícias ruins. Esta, do aumento do analfabetismo, deveria tornar cada brasileiro um manifestante, armado de cartolina e indignação, a ocupar todas as ruas do país que se desmancha. Mas quê! Eis a péssima notícia a respeito daquela já tão ruim: a pasmaceira quase unânime, o enfaro quase consensual, a indiferença quase geral, o silêncio quase total, a preguiça quase fatal. Uma tristeza. Faço livros, querido colunista. Com paixão técnica, rigor maternal e amor profissional. Trabalho com os originais e sua massa de texto, checando remissões, batendo figuras, confirmando nomes e datas, padronizando termos, fazendo a revisão gramatical, de um lado; de outro, lido com o ego de autores e tradutores, discuto soluções que abrandem marcas de tradução, refaço trechos para desfazer ambiguidades involuntárias, reescrevo outros para liberar sentidos truncados e favorecer a fluidez da leitura, sempre respeitando autorias (e a tradução é uma autoria também), sempre para o bem do livro. Um tesão. De ambos os lados, a constatação desoladora: o analfabetismo já chegou aos livros. Outro dia, um professor de Direito entregou os originais do livro em que aborda o “ânus” da prova; o espantoso equívoco se repete, sem que o culpado use uma única vez o termo correto. Um tradutor do inglês entendeu “criminosos convictos” onde havia “convicted criminals”, no melhor estilo inglês da Copa. Temo, a qualquer momento, flagrar um between para o imperativo do verbo entrar. Analfabetos ilustrados reúnem negligência e arrogância com total desenvoltura. Uma vergonha. Há ainda a dramática impermeabilidade ao uso correto do “por que” e da crase; o abuso de repetições que empobrecem tudo; redundâncias risíveis como “incluir dentro” e “é possível que possa”; o assustador uso anafórico de “o mesmo”; os modismos; grafias surpreendentes como “por tanto” para a conjunção e “de mais” para o advérbio; concordância verbal virou charada e o sujeito acaba oculto. Fora o resto. Um desconsolo. Os fazedores de livros amamos fazê-los, o salário é um vexame, o que torna o trabalho uma devoção. Não gosto, mas sei viver com pouco. Pena que não dá pra pagar o aluguel assim, não é mesmo? Receio que a profissão tende a desaparecer na exata medida em que mais é necessária: quando comecei, passados mais de 20 anos, não havia agressões tão intensas e abundantes contra a gramática; hoje, quando a mediocridade vive sua apoteose também na língua, editoras e autores se valem cada vez menos de profissionais como eu. A contradição é só aparente: somos o insólito país onde autores analfabetos escrevem para leitores analfabetos. Talvez em alguns anos, a Branca Nunes faça uma linda reportagem sobre a profissão que se extingue. Eu e meus colegas podemos nos virar e arranjar do que viver, mas e o país que não sabe ler nem escrever o que escreve e lê? Não sei, só sei que é dele que vive os patronos da ignorância meticulosamente tramada. Uma lástima. Um beijo

  29. fpenin

    -

    03/10/2013 às 22:23

    Luís Ricardo,
    Discordo de ti, amigo. Sempre se sabe o que sairá de cabeça de petista; tu mesmo o disseste,sente-se pelo cheiro, puro gás sulfídrico. Não é?

  30. fpenin

    -

    03/10/2013 às 22:16

    Ministro de Educação em país sério é coisa séria. Já no Brasil…Tivemos a infelicidade de sentir a incompetência de Haddad quando dirigiu a pasta, agora temos de aturar o “irrevogável” Mercadante, que teve o desplante de dizer que a greve dos Correios em nada afetará a distribuição dos formulários do ENEM, isso num país de dimensões continentais como o Brasil.Ou estamos todos bêbados ou…É f…!

  31. Bruno Sampaio

    -

    03/10/2013 às 20:58

    Ë por isso que nois deve de valorizar os voto, que ë pra nao eleger gente inguinorante.
    Quando ë que esse pesadelo acaba, meu Deus!
    (desculpe a falta de acentos)

  32. Luis Ricardo

    -

    03/10/2013 às 18:15

    Essa é uma das “forma” “ridicula” de dizer para não mais se fazer “bulling” com o Ali-Babá.
    Veja aonde chega a Petralhada.
    Não dá pra imaginar, pois da cabeça de Petista e Juiz, nunca se sabe o que vai sair, só se sente o cheiro.
    A culpa é do povo que elegeu um analfabeto e sua quadrilha para governar “estepaiz”.
    Sempre aprendi com meu pai, tudo nesta vida tem um preço.
    Essa divida não é minha mas estou tendo que dividir a conta, por sinal cara demais para meu gosto.

  33. plinio ernani da fonseca

    -

    03/10/2013 às 16:04

    nóis vai levando… as coisa tá piorando.Houveram deslizes demais…os peixe tá fácil de pegarem…Difilcurtar o aprendisado é qui começa a aprendê.O PT num rôba nem deicha robá.

  34. Roberto Silva 51 RJ

    -

    03/10/2013 às 15:12

    Complementando meu comentário anterior…
    Isso é que significa levar o nivelamento por baixo ao extremo.
    Já que esse povo não aprende de jeito algum, o PT definiu que o errado é o certo, e não se fala mais nisso.

  35. Roberto Silva 51 RJ

    -

    03/10/2013 às 15:00

    A população brasileira é composta por uma maioria de ignorantes, conforme comprovam os resultados das últimas eleições.
    Dentro em breve o governo petista irá considerar desnecessária a forma escrita da língua portuguesa, para evitar o preconceito contra essa grande população de eleitores petistas, em fase de crescimento acelerado, que simplesmente ignoram o significado das letras.
    Em mais duas décadas de governos petistas, será possível abolir definitivamente os livros das escolas, ou melhor, será possível abolir até mesmo as escolas, pois esses templos da educação servirão somente para que os canalhas petistas difundam sua ideologia através da palavra falada, ou melhor, da palavra mal falada.

  36. Paul

    -

    03/10/2013 às 14:59

    Estudar para que? Hoje estamos caminhando a passos grandes para a mediocridade oficial. A etica, a educação, o trabalho, a qualificação, a dedicação ao fazer bem, a honestidade, tudo esta indo para a vala comum da desonestidade. Hoje muito mais que em outras épocas isso esta se tornando uma realidade, e’ só ver o pensamento dos jovens …, e’ o grande legado do petismo com seu grande líder de araque.

  37. silvia m

    -

    03/10/2013 às 14:58

    Pobre país, pobre Brasil. O Mal que fizemos ao eleger pessoas medíocres, nem em meio século conseguiremos reverter.
    Os idiotas perderam o juízo. Querem um país de ignorantes estão conseguindo: um aumento de 300 mil analfabetos e milhões de analfabetos funcionais.
    “Será que nós consegue tira eles?”

  38. Ronaldo

    -

    03/10/2013 às 13:17

    Não é a essência da burrice? Se é para “desensinar”, mais fácil não ir à escola, ué.

  39. Luiz Carvalho

    -

    03/10/2013 às 12:52

    Já não sei se fico triste ou revoltado. Mas desde que estas figuras indecentes assumiram o comando do Brasil a cultura vem se tornando artigo de última necessidade.Um país repleto de bobos da corte a louvar um ladrão ignorante.

  40. Luiz Eduardo Paes Leme

    -

    03/10/2013 às 11:49

    Quando fiz o antigo curso primário e a escola ainda era risonha e franca a nossa professora fazia questão que tanto na linguagem escrita como falada o português fosse usado de forma correta (hoje erroneamente chamado de norma culta). As vezes recorria a algumas reguadas para sublinhar o correto. Ah, benditas reguadas! Prova disso é o fato de que até hoje, e já se vão mais de 50 anos ainda nos lembramos de seu nome. Todos os alunos da minha época se lembram dos nomes de suas respectivas professoras (não era tia não, meu caro). Se hoje sou ainda capaz de ler e interpretar textos e escrever com poucos erros, devo muito as professoras de primeiras letras e suas exigências quanto ao saber. Nas nações desenvolvidas e com ensino de primeira, não existe a tal norma culta. Existe apenas o certo e o errado. Por isso tais nações são denominadas de primeiro mundo. O resto é idiotia e preguiça mental. Desculpe se me alonguei.

  41. tarciso

    -

    03/10/2013 às 11:45

    Analfabetos juramentados, juntamente com analfabetos funcionais, encontraram uma maneira rápida de se tornarem letrados: qualquer coisa que escrevam está certo, por definição. Assim, o estudo, por cansativo e elitista, pode ser ignorado uma vez que o certo se aprende nas ruas.

  42. Júlio - Curitiba

    -

    03/10/2013 às 11:31

    É o tal do “nivelar por baixo”, só assim poderemos entender os discursos da Dilma e entra na pele do exterminador de plural, o qual, recuso-me sequer a dizer o nome.

  43. GEROLDO ZANON

    -

    03/10/2013 às 9:25

    Quanto mais analfabetos mais fotos para quadrilha

  44. GEROLDO ZANON

    -

    03/10/2013 às 9:10

    É 2 + 2 são 5

  45. bereta

    -

    03/10/2013 às 7:05

    Há de continuar assim. O povo quer evoluir? Se naquilo que se houve por bem classificar como a melhor universidade do país a caneta foi trocada pela marreta, que resultado esperar? Ou houve falha no ensino primário?

  46. Elza

    -

    03/10/2013 às 4:11

    Nao aprendem a falar e escrever corretamente, e por isso sao reprovados nas entrevistas de trabalho em escritorios ou qualquer lugar em que eh imprecindivel voce ter dominio do idioma. Comecam a escrever errado ja no curriculum vitae. (Perdao pelas faltas do cedilha e outros sinais em algumas palavras, pois moro no Japao e o meu teclado eh o teclado internacional, no qual nao constam estes mesmos sinais).

  47. freed

    -

    03/10/2013 às 2:00

    Todos sabem o que significa “preconceito” na novilíngua petista. Aliás, todos os que usam esta palavra jogam no mesmo time. Preconceito é ensinar errado para esses coitados que nunca terão futuro, que nunca passarão em um concurso, serão sempre deixados de lado, nunca subirão na vida, isto sim é preconceito. Mas os petitas acham que estão ajudando….. É, por isso que temos um ex-presidente analfabeto e a atual também. O pior de tudo é que o povo ainda votam nessas excrescências. E viva o Mobral. Petitas, vocês por acaso viram que nas suas gestões o índice de analfabetismo cresceu? O índice de roubo dos cofres públicos também. Haja embargos infringentes! Prefiro inflingentes.

  48. Sonia

    -

    03/10/2013 às 1:51

    O professor evitar o preconceito é uma coisa; outra muito diferente é referendar a norma popular na linguagem escrita. É com leitura, muita leitura que a criança aprende tais diferenças e a conveniência do uso. Não com uma “lição” em livro. Isto é apenas para estudos linguísticos dos professores. Que confusão para a cabeça da criança!

  49. Flavio Costa

    -

    03/10/2013 às 0:24

    Não é à toa, que o legado do PT, está se confirmando: aumentou o analfabetismo no Brasil. Típico deles; estão afundando o país!

  50. Guilherme Vinicius

    -

    02/10/2013 às 23:31

    Regionalismos e sotaques fazem parte da cultura de um povo e, portanto, …

    Estou sem paciência para conversa fiada. Vai pegá os peixe.

  51. Vinícius

    -

    02/10/2013 às 23:29

    Esse artigo é só mais um indício do preconceito …

    Deixe de ser ignorante, miliciano.

  52. roxana filetti

    -

    02/10/2013 às 23:04

    PENÇO, LOGO EZISTO.

  53. RONALDE

    -

    02/10/2013 às 22:55

    É i n a c r e d i t á v e l!!!!!!

    Para o(a) estúpido(a) que escreveu esse “livro”, somente o artigo “os” numa frase toda no singular já serve para dar ideia de pluralidade. O aumento do analfabetismo constatado tem razão de ser no governo petista.

  54. André

    -

    22/04/2013 às 13:06

    De um pais governado por uma coisa que se auto intitula “presidenta” esperar o que?

    Impressiona-me a falta de uso do cérebro dessa fulana que escreveu este livro ao não entender que está empregando seu conhecimento para promover uma pseudo cultura emburrecente, onde a vítima que estudar por esta cartilha será mais um manipulado no futuro.

    E estas pobres vítimas são as que continuarão votando em presidANTAS.

  55. Elvio

    -

    03/02/2013 às 20:33

    “Só sei que nada sei”
    Quem disse que Lula nunca estudou filosofia.

  56. despetralhando

    -

    29/01/2013 às 14:54

    AN.
    Será que para Helena Ramos… “Os livro menos interessante são imprestável”?

  57. Daniel

    -

    21/01/2013 às 16:10

    Um ótimo esclarecimento sobre a pluralização dos substantivos compostos: http://bit.ly/gVp9jN

  58. Ademar amancio

    -

    20/01/2013 às 7:15

    Eu nunca uso o plural,eu acho pedante pra caramba.cultura não é forma é conteúdo.Mas a escola tem que ensinar a gramática tal como é.

    Comece a usar, Ademar. Deixe que o Lula extermine o plural sozinho.

  59. Bruno Sampaio

    -

    10/11/2012 às 17:22

    Meu Deus!!! Faltou alguém explicar que com esse tipo de português o sujeito só pode arrumar um único tipo de emprego: o de servidor público eleito por voto, aliás, BASTANTE popular. Experimente chegar em uma entrevista de emprego com um linguajar desses e ser contratado. Agora, para chegar à presidência da república, recomenda-se fortemente a leitura de “por uma vida melhor”. Aliás, Lula nem precisou ler esse ou qualquer outro livro para melhorar, e muito, de vida…

  60. sergio

    -

    12/10/2012 às 0:33

    MANDA ESSA PARA OS ELEITORES DE SAO PAULO

  61. Norival

    -

    09/09/2012 às 13:49

    A polêmica já passou e talvez eu seja ingênuo. Ao ler está coluna e alguns comentários como o de Vera (25/05) fico triste com a limitação do que as pessoas entendem por escola e educação.
    No dia em que a era da mediocridade acabar no Brasil, talvez não tenhamos uma coluna como esta, uma revista e um jornalismo como o de veja e seus colaboradores.
    Abraço sinceramente triste!

  62. Silvânia Maria Nogueira de Lima

    -

    08/09/2012 às 8:55

    Caro colunista. Não seria bem um preconceito linguístico mas sim um preconceito social, visto que, aquele que fala a norma popular ou do contexto doméstico é porque está longe dos bancos escolares. A nossa língua é viva dinâmica e criativa, não podemos fugir disso. Devemos sim, garantir escolas para todos e com qualidade; primeiro boa remuneração e valorização dos professores e isso está distante ainda. A língua é instrumento de poder e político, todos tem direito de ascenção social e por aí que nós revendicamos o direito de dominar a língua padrão.

  63. Cesario C

    -

    09/07/2012 às 20:01

    Estou atônito! “… o falante tem de ser capaz de usar a variante adequada p/ cada ocasião.” É INACREDITÁVEL! Estão destruindo o País, já precisaremos de muitos anos para corrigir os atuais desmandos,mas se ainda tivermos mais um governo deles em sequencia, vai ficar bem difícil reverter os estragos. Como é triste ver o NOSSO BRASIL gerido como se fosse deles…

  64. rcmro

    -

    29/06/2012 às 13:58

    Nois, os ignóbil interectuar do bazil qué qui os burro vá para Haya fazê dicurso igual Rui Barbosa, aquele homi burro qui só feis invergonhá o basil.

  65. Vera

    -

    27/05/2012 às 19:47

    Interessante é que os que defendem o livro não escrevem nem falam desse jeito. Faça o que digo, não faça o que faço. Sendo a linguística uma ciência, deveria ficar no seu lugar, quieta, pois a finalidade da escola É ENSINAR NORMA CULTA. Por isso, o ensino público está cada vez pior e as escolas particulares (que ensinam gramática) cada vez mais ricas. É, pobre tem de se ferrar, né?

  66. Beto

    -

    29/02/2012 às 7:56

    Esto impreçonado!! Leitor acídu da coluna, mas novato, ao ler este pôste – já antigo – fiquei bocaemaberto de ver a quãtidade de pessoas (?) tentânu defende esta istupideiz. Nunca vi tãtos cretinos de plantão nesta coluna. No intãtu, a esplicassão é çimples. Tiverão preguissa de estudâ e agora tentão desespere..ra…de…damente (ufa!) nos impni, impli, impigí, aimpigir ah, danesse! enpurrar essa fralde para se justifica. Ou ceje: se ocê teve paciênssa para ler e entender este com~etário (essa nem o computador aceitou), está pronto para a novilíngua portuguesa. Sinão, vaisse preparando, desculpe, preparânu.

  67. Beto

    -

    29/02/2012 às 7:18

    Exterminador do Plural… Maravilhoso!

  68. Elvio Antunes de Arruda

    -

    24/02/2012 às 16:06

    É simples: Apenas porque o Inglês é mais impotante, deixe o Portuga e vamos ao English, tudo para Ingreis vê.

  69. joao rodrigo

    -

    21/02/2012 às 16:54

    EM MARTE,NÃO HÁ REGRAS PARA FALAR OU ESCREVER,DE FORMA CORRETA,PORÉM,GRAÇAS Á DITADURA PETISTA,SOMOS AGORA A DIZER AOS NOSSOS FILHOS E NETOS A LÍNGUA DO PT,NA TERRA.

    ATENÇÃO!!!TAL JEITO DE ENSINAR ERRADO O PORTUGUÊS LEVARÃO A ALIENAÇÃO E O DESPREPARO DOS PROFISSIONAIS DA MÍDIA,SENDO OS JORNALISTAS.

    …E OCORRERÃO MUITOS ACIDENTES DE TRÂNSITO,EM FUNÇÃO DOS ERROS CRASSOS NA ORTOGRAFIA,CONTIDOS NAS PLACAS DE SINALIZAÇÃO!!!

    ACORDA MEU BRASIL!!! JOVENS E PROFESSORES:REAJAM A ESSE CRIME CONTRA A DIGNIDADE E O INTELECTO HUMANOS!!!

  70. Valentina de Botas

    -

    20/02/2012 às 16:47

    Debate interessante. Os comentaristas afiadíssimos, trazendo informações pertinentes e importantes observações. Os milicianos, sempre os mesmos, morrendo pela boca ou pelo teclado e levando junto a língua portuguesa, a compostura e a lucidez. Suas respostas, Augusto, a alguns deles são antológicas, deliciosas. Virgílio Almeida (14/05, 12:56) teve o que mereceu ao taxá-lo de ‘mero usuário’ da língua. Ignora que é o ‘mero usuário’ quem a faz. Mais meros usuários como você tivesse o nosso português e ele seria mais bem cultivado. Totalmente despropositada a fixação dos milicianos em fazer comparações com o inglês, como seria com o tupi, alemão ou chinês. E você matou todas no peito e bateu de pronto, sensacional. Mas se querem, aqui vai uma: Bush, o filho, foi duramente criticado e ridicularizado, nos Estados Unidos e aqui, porque escreveu errado o plural de ‘tomato’. Afinal, ele havia estudado em Harvard, era o presidente e o escambau. OK, e quanto a Dilma? Seu português torturado, impenetrável sem as ferramentas de um Celso Arnaldo (aliás, por onde anda o grande jornalista?), expressão convoluta de um pensamento oco, é uma inútil blindagem pernóstica da acabrunhante performance linguística da presidente. No entando, ela é poupada de si mesma. Não aqui, claro. A imprensa massacrou FHC quando ele tascou um apropriadíssimo ‘nhe-nhe-nhem’. Mas Dilma segue cometendo impunemente seus ‘ocês’. O livro cretino, não por acaso adotado pelo MEC lulo-petista, diz que errar está certo, mas, excetuando os exemplos dos erros certos reproduzidos da fala dos pobres humilhados pela elite linguística, o texto segue todas as regras da mesma elite. Tudo isso evidencia o ralo pretexto linguístico em mais uma frente da luta de valores dessa coisa toda, e a coisa é muito mais ideológica do que linguística. Valores, outra vez. Um beijo, Valentina.

    Um beijo, Valentina.

  71. Emanuel F Vanderlei

    -

    17/02/2012 às 10:47

    Fiz os acertos, caro Emanuel. abração

  72. Emanuel F Vanderlei

    -

    17/02/2012 às 10:36

    A correria que o estado cobrava das escolas para aprovarem os alunos, devido ao indice mundial, onde o Brasil aparecia bem abaixo da expectativa de populução alfabetizada. O tempo passou e alguns desses alunos estão no governo, aprovando o que entenderam como certo na seu aprendizado linguistico de uma lingua em que muitos que estudaram-na tem dificuldades em redigir textos,devido a gramática ser tão complexa. Espero que essa situação seja revista, e, pelo bem de uma escrita correta e uma educação bem aplicada, com hifens, acentos agudos e graves, possamos ser respeitados como um povo que conhece a lingua de sua patria mãe.

  73. simone fittipaldi

    -

    31/01/2012 às 20:14

    Crime hediondo cometido contra a língua portuguesa e contra a classe desfavorecida que vai à escola pública, pois duvido que alguma escola privada, por mais humilde que seja, tenha coragem de adotar tamanha aberração. A única chance que uma pessoa tem de melhorar sua condição de vida é ir à escola. O que acontece se a escola se nega a lhe dar as ferramentas necessárias a um futuro melhor e a condena a permanecer no estado de ignorância em que está? É cruel!

  74. Pérsio

    -

    14/01/2012 às 14:26

    Os erros no ensino brasileiro são estarrecedores; mas temo que, mesmo com maior rigor na revisão de textos dos livros didáticos, a famigerada aprovação automática dos alunos do ensino fundamental poria tudo a perder. E não é só caso do ensino fundamental e médio – quem não se lembra da noticia do “poderoso Thor” na Veja Rio sobre os textos de livros copados da internet? Dois motivos me levaram a desistir da profissão de professor: salários baixos e condições de trabalho ruins.

  75. Sonia

    -

    28/11/2011 às 20:19

    Nosso idioma tem suas redundâncias referendadas pela Gramática Normativa. Não há como fugir disso em se tratando da norma culta. Não adianta bater na tecla de que se trata de uma língua atrasada aquela que não evolui a ponto de ser usada de forma aceitável pela maioria. No estudo de Linguística, os argumentos são válidos porque se trata de uma ciência que observa e apresenta os resultados desta observação. Tudo isto apresentado com uso da norma culta, menos os exemplos extraídos dos corpus estudados. Melhor não confundir os estudos da Linguística com as lições de escola fundamental e do ensino médio.

  76. ulisses

    -

    23/09/2011 às 9:34

    Os imbeciu chegaro nu pudê

  77. Magdalena Avena

    -

    25/08/2011 às 13:26

    nao deixem isto cair no esquecimento. de vez em quando, vamos repostar

  78. aldo soares

    -

    13/06/2011 às 22:56

    Já que o governo tá “fazeno” um rodízio de “acento”nos ministéro: Indico para o da educação nada menos que o mito da linguística no país, tão esquecido pelos autores do livro: Seu “creysson”. “Somo todios uns ingnorantios” (soa até melhor que o livro)

  79. aldo soares

    -

    13/06/2011 às 22:34

    Não imaginava que chegaríamos a sermos induzidos ao arcadismo, a falta de sintaxe, é melhor pra o governo tornar aqueles que não gostam de gramática em outro tipo de cidadão, o inculto. O Brasil com sua dimensão continental e cultural miscigenada usa e abusa dos dialetos dos vícios de linguagem e que são usados por escritores, profissionais da literatura.Eu não consegui ainda perceber o quanto é relevante ensinar nas escolas o que é errado mas, com os resultados de pesquisas feitos em relação ao nível de ensino no país já estamos no caminho errado há muito tempo. E mais quem não sabe bem, interpretar um enunciado, um texto, não vai saber física, matemática ou melhor p… nenhuma. Lindo slogan: País rico é país sem pobreza ( óbvio) com uma “célebre” frase nesse molde nivela todos por baixo. Pra que estudar se chega-se a presidência sem grau algum de estudo.

  80. João Gustavo

    -

    01/06/2011 às 1:42

    Felizmente algumas pessoas pensam. Envergonho-me por ter chegado a ser condescendente com esta propaganda anti-petista divulgada pela grande imprensa. Vejam isso e tirem suas próprias conclusões:…

    A fonte é o Marcos Bagno? Pois é ele o pai dessa escola de linguistas doidos. Não é confiável. Prefiro o Bechara. Mas é interessante saber que você acha “campanha antipetista” a defesa do português correto. Faz sentido.

  81. wilclef

    -

    31/05/2011 às 12:55

    Para uma vida melhor??? Isso é um retrocesso linguístico, pelo o amor de Deus, como é possível o MEC aprovar um disparate desse? È inadmissível que um Ministério responsável pela qualidade no ensino seja cumplice desse terrorismo. Ao meu ver o ministro está com insanidade mental, e se juntou com esses bando de autores incompetentes e sem a mínima noção de responsabilidade, que certamente não tem nada de educadores e sim são MOBSTAS interesseiros.Essa história de preconceito já está chegando longe demais, está deixando de lado a razão e agindo com a emoção.Qual será a nova do MEC daqui pra frente? não precisa nem ter bola de cristal para saber que está vindo mais Merda por ai….

  82. Anelise

    -

    30/05/2011 às 0:49

    Leia, pelo menos, os comentários dos linguistas Sírio Possenti e Marcos Bagno…

    Não tenho tempo a perder. Prefiro ler o Ferreira Gullar e o Bechara.

  83. Anelise

    -

    29/05/2011 às 19:50

    Estou no 4º ano de Letras e posso afirmar que qualquer pessoa com o mínimo de conhecimento a respeito de Linguística, em especial, da variação e preconceito linguísticos, entende que o livro “Por Uma Vida Melhor” está correto.

    Leia o Ferreira Gullar deste domingo. E sinta-se envergonhada.

  84. ANTONIO MARCOS

    -

    28/05/2011 às 18:15

    Lastimável RL,
    Da próxima vez que for usar um codinome, tenha mais criatividade, ao invés de usar as iniciais do nome de um dos comentaristas do blog em questão. KSKSKSKS.

  85. Denílson Nascimento

    -

    28/05/2011 às 4:51

    Segundo Kant, esclarecimento(Aufklärung) é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado.
    Por que você abre o espaço para comentários? Para insultar os leitores?

    Só os imbecis.

  86. Ana Carolina

    -

    27/05/2011 às 13:03

    Só me resta uma coisa a dizer: ridículo!

  87. RL

    -

    27/05/2011 às 12:58

    Caro Augusto, percebo que você não sabe nada de gramática da Língua Portuguesa. Explique-me o uso de “Cai fora”? Se você não sabe, em contextos formais, usamos imperativo de terceira pessoa, ou seja, “caia fora”!

    Aqui o contexto é informal. Você vai ler pela última vez: cai fora. Diz adeus e desaparece.

  88. Prof.Wladir dos Santos

    -

    27/05/2011 às 12:10

    Meu Grande Augusto.
    Lendo novamente o caso dessa pretensa filóloga, veio-me à mente o seguinte (pura intuição de quem sabe com quem lidamos…).
    Não me lembro o nome daquele professor de música fajuto, que se delicia com barulhos das metralhadoras que manuseava (antes da formidável indenização que recebeu dos PeTralhas). Vai ver que o próximo passo do tal “ministro do cabeçário” será instituir também uma cartilha para que a música que o povão canta, os rapps, etc., acabem virando as únicas que podem ser executadas no país. Esse meliante malandro está é preparando a cama para se deitar e, quando menos esperar, será o “Ministro da Música” ou vai ocupar o lugar da ministra-irmã do ganhador do Jabuti.
    Ou não?
    Um abraço e parabéns pelos seus textos e sínteses.
    Fiquei fã e leio-os todos os dias.
    Prof. Wladir dos Santos

  89. Ana Carolina

    -

    27/05/2011 às 7:22

    Caro Augusto,
    já que me perguntou, respondo: em jornalismo minhas referências são poucas…

    Errado. O certo é “em jornalismo minhas referência é pouca”.

  90. RL

    -

    27/05/2011 às 2:52

    Respondendo a sua pergunta feita para a Ana Carolina…

    Cai fora, Ricardo Leandro. Falando como vocês ensinam, teus comentário já encheu o saco dos leitor.

  91. Raul Peralta

    -

    27/05/2011 às 1:28

    Para aqueles que se surpreendem com o jeitão de falar de milhões de brasileiros nas situações mais diversas, creiam, é importante conhecer a língua portuguesa, mas acreditem, conhecer “sôbre” a língua portuguesa e todas as suas variáveis é muito mais esclarecedor. A riqueza de uma língua está na sua flexibilidade, e não esqueçam, o latim vulgar é que se espalhou por todo o nosso continente, o outro?! bem.. talvez a aristocracia a tenha guardado para a posteridade! Deixem que os alunos apreendam de tudo, aos poucos ele vai decidir como falar, em qual situação, com quem..! Ora a ignorância é a condição de quem não é instruído.Quem ignora ou desconhece alguma coisa, falta de educação, estupidez, grosseria.

  92. Zé Mané

    -

    27/05/2011 às 0:40

    Tão certo, tem que defende nóis que fala errado, e acabar com os preconceito! hahaha
    E quanto mais ignorante eu sou, melhor para eles, que se elegem com a pura ignorância do povo! Cadê a educação?! Brasil almeja tornar-se uma potência com essa educação??! Por isso que só exportamos commodities! O que mais um país que incentiva esse tipo de coisa teria a oferecer para a humanidade ??

    VIVA BRASIL!

  93. Beatriz

    -

    26/05/2011 às 20:12

    Temos que ficar atentos, pois parece que querem que sejamos ignorantes, porque assim não teremos formas de questionar as injustiças que ocorrem no Brasil, afinal não iremos ter base para ler e entender a Constituição Brasileira, por exemplo. E assim não teremos como lutar por nossos direito.

  94. Ana Carolina

    -

    26/05/2011 às 19:23

    Caro Augusto,
    o mais interessante nessa polêmica toda é que a sua postura só corrobora teses que o livro defende. Percebe como o senhor não consegue lidar com o diferente, com a alteridade, com as opiniões contrárias? Você as desqualifica sem conhecer, com base em “ouvir dizer” (quais seus conhecimentos, suas referências em linguística para opinar alguma coisa a esse respeito?)….

    Paremos por aqui: para usar o mesmo argumento, quais seus conhecimentos, suas referências em jornalismo para dar algum palpite sobre o assunto?

  95. ANTONIO MARCOS

    -

    26/05/2011 às 13:02

    Eu,enquanto acadêmico do curso de Letras, sei que as práticas linguísticas possuem caráter interdisciplinar com várias ciências humanas, tais como a Filosofia, a Sociologia e a Psicologia. A interdisciplinaridade com o instrumental da paleontoligia é novidade para mim. Creio que, depois da discussão em questão, a sociedade espera que, nós (os professores de línguas) usemos um “espectrômetro” no lugar dos “textos” para tratar de assuntos reais do uso linguístico.

  96. Gabriel Jonatas Santos Netzlaff

    -

    26/05/2011 às 1:25

    vocês não entenderam?
    esse livro foi feito para mostrar que o Lula não é analfabeto (espero não ser trolado por petistas)

  97. Ary

    -

    24/05/2011 às 15:44

    Os gibi fôro emprestado: Tá certim (errado é forum)

    Os minino pega os pêxe: Tá certim (errado é peichi)

    Nois pega os pexe: Tá errado (Nóis e pêxe temos assento)

  98. PAULA ARAUJO

    -

    23/05/2011 às 23:43

    As opiniões colocadas até agora a respeito do livro “Por uma vida melhor” me fez lembrar a introdução…

    Paremos por aqui. Imagino que você seja professora. Você diz que falar errado está certo. Mas escrever errado já é demais: Esse “as opiniões…me fez lembrar” é de matar, companheira. Escreva aí 200 vezes: As opiniões… me FIZERAM”. NO PLURAL!!!

  99. chicobiblia

    -

    22/05/2011 às 23:33

    “Os livro mais interessante estão emprestado.” Quando a polícia apreende um carregamento de maconha ou de qualquer outra droga perniciosa, lança-a no fogo. Assim, o livreto escrito por essa vigarista, promotor do analfabetismo, deve ser recolhido e incinerado. Apesar de aprovado pelo MEC,não passa de porcaria!

  100. Pedro Geyer dos Santos

    -

    21/05/2011 às 14:49

    A busca desenfreada de votos para consolidar a ditadura petista chegou na educação. Condenando o acúmulo de conhecimento, de cultura e até mesmo de riquezas materiais, por mérito e esforços próprios, os destruidores do bem alheio conseguem a riqueza fácil e, sem embasamento científico, utilizando-se de pesquisas (pesquisas???) de rua, aprovam distorções linguísticas para elevar o moral de ignorantes que atualmente (do PT) ganharam notoriedade na política nacional, embora sejam de moral duvidosa. Não se pode ensinar nas escolas que é correto pronunciar Kreiton&Kredir, Vradimir, vrido, Vrotorantin. As mudanças em uma língua se dão em função da lei do menor esforço e o processo, que é muito longo, busca eliminar dificuldades, absurdos e excessos. Não tem nada a ver (menor esforço) com menor estudo. Paguem melhor os professores criem infraestrutura educacional, façam reciclagens. Só assim vocês estarão defendendo a cultura e a inteligência da nossa língua.

  101. Elvio Antunes de Arruda

    -

    20/05/2011 às 18:44

    Inté quiria falá eradu, mas tinha medo da gorzação, agora quem gozá nu meu palavrado, vaí pagá na pentencária, seu princuncitoso !!!, tem genti tiligenti por trais du cê !!! que sabi tuuuudo !!! e aminda mai…

  102. Elvio Antunes de Arruda

    -

    20/05/2011 às 11:00

    O Mistério da Inducarção. A educação no Brasil é um mistério, não um ministério. Vamo recebê inducação deis. vamu fazê um firme ou futebór !

  103. Massilon J. Araújo

    -

    19/05/2011 às 15:56

    Só para sentir um pouquinho das reações, veja o texto do jornalista baiano Samuel Celestino:

    “Eu acho mermo qui o Ministero da Educação tem razão. A doção do livros “Por uma Vida Melhor” qui insina usar a língua dos portuguêz cum erro é qui tá certo. Pruqui o qui vale é a tar da oralidade. E não escrevê bunitim. Basta qui me intenda. Acho suficiente pruqui tudo são a merma língua. Curpados de tudo é os portuga qui inventaro conjugação verbá, esse tá de surjeto e outras maluquez. Surjeto é o qui noiz chama de vagabundo. Isso mermo. Surjeto é vagabundo, muleque muito discarado.

    Fica os jornalista, as mirdia e mais os qui pensa qui sabe os portuguez dizeno bobage. Eles é qui num entende cuma agente falamos. O Ministero de Educação taí prá dizê qui é certo e qui é errado, como tá no tar livro do MEC. Pruqui falá agente fala. Mais sem desmunhecá cum palavra difice. Pruquê ninguém intende mermo treco difice. Só os pouco. Os doutô, a tar de mirdia e pulítico mintiroso qui pede voto ni eleição adepois somem. Currupto até a arma o disgraçado não faz nada. Ingana agente pidindo voto. Adepois desaparece cum sua nega. Vai pros estrangero. Agente ficamos a ver catraia qui navio é coisa de rico.

    Agente ficamos pensando pruqui eles num arespeita iscola verdadera. A iscola qui o livro qué nós qué também, mais eles num qué. Tá pensando qui a iscola purblica insina diferente? Insina cuma este livro diz. Agente tem qui iscrever é como fala mermo. Sem frescura. Num tá vendo o nosso Lula? Taí! Quero ouvi da mirdia o qui diz dele…

    Se fala má dele é pruqui ele tem voto de noiz, pruqui fala cuma noiz e não se mete a besta dizeno borbage. Fala cuma língua qui noiz intende. Não cum lingua qui só serve prá engana noiz. Lula, não sinhô! Ele chega no cumiços, todo suadão cuma noiz, abre a boca e fala o qui nós pensa. Pruqui ele é nosso pai. Pai de pobre, não de dotô nem de mirdia di m.., qui só faz atrapaiá a nossa inteligênça.

    Esse Ministero tá certo, sim sinhô. Num tem qui mudá nosso jeito di dizê a coisas qui nós pensa. Noiz se entendemo e se pulitico não intende noiz, Lula intende. E se qué sabê, basta Lula, nosso pai, qui paga borça famiia prá agente escolhê se qué trabaiá ou não. Eu pur inxemplo: trabaio prá mostrá qui sô macho. Num priciso de ismola. A não ser a qui Lula deu e qui vai dá mais pruqui ele vai vortá pro guverno e quando ele vié noiz vota maiz nele e manda professozim de m… pru lugar qui merece, pruqui agente estamos mermo é cum Lula e ponto finá.

    Ponto finar não! Qui num tô findando. Num tô, não. Digo maiz pruqui naquele livro qui Ministero adotô ponto finá acabô e já faz tempão. Falo e ponto finá. Intendeu? Veja, ponto finá não significa qui acabei. É jeito de dizê e tá no livro do Ministero qui noiz diz cuma agente sabemo. Num qué deixá nós falá maiz, num é? É contra agente?

    Tempo verbá… Tempo verbá num ixiste, não. Isso acabô cuma acabô esse tar de sujeto, prerdicado, regença nominá, a merda toda. Agora tudo são substantivo. Tem mais. Acabô genuro, numero e grá. Chegô a hora nossa de acabá cum este purtuguez di dono de padaria. O tar do MEC disse assim. Pronto!

    O sinhô num é da mirdia? Qué mesmo sabê? Ninguém, maiz ninguém mermo, me tira da cabeça, onde tá minha inteligença bem aqui no cucuruto, qui este livro num é coisa inscrita pru Lula. Só ele pudia fazer isso pur noiz. Lula num fica dizendo qui falamos errado. Errado fala a mírdia, os dotô, professozim di merda, pulitico currupto e sua nêgas. Tá certo é Lula e este tar do MEC, do Ministero qui num sei o qui é, maiz já tô de xodó cum ele. Pruqui Lula e o tar do MEC respeita agente e as tá da oralidade qui é outro bicho istranho.

    Qui bicho qui é oralidade num sei não! Nim quero. Acho qui Lula é capaz de sabê pruque arretado ele é e diz. Maiz só se quizé dizê pruqui macho ele é. O home diz na cara, suadão daquele jeito cum aquele barrigão di quem sabe bebê o qui presta.Teminei inda não! Terminei nadinha! Num sei se a mírdia permite qui diga palavrão daqueles danado de bom qui agente enchemos a boca na base da tar oralidade. Carmo! Fica aí carmo! Diga a seu jorná prá esperá qui tem maiz coisinha. Esse tar de MEC foi Lula qui fez nas escundida, antes de deixá o Pranarto pra fazê conferença prá gringo. Faça mais não, Lula! Gringo não entende seu ingrês, pruqui me dizeram qui você fala má, mas é só pra gringo doidar. Vou acabá sim! Carma! Carma aí! Faz cuma o MEC fez. Purtuguez é cum esta tar de oralidade. Manda a mirdia prá m.. e vem falá cumo noiz pruqui assim agente se compreendemo.

    Brigado pela intrivista! Ta entendeno mermo?

    Em tempo – O livro “Por uma vida Melhor” adotado pelo MEC, com tiragem de 450 mil exemplares, foi “inscrito” pela Profa. Heloísa Ramos. Segundo ela, é correto falar e escrever sem regras gramaticais”.

    (Samuel Celestino)

  104. Havana

    -

    19/05/2011 às 14:06

    Sou totalmente a favor do livro publicado.

    Coerentemente, escreve como um imbecil.

  105. Flavio Hermes

    -

    19/05/2011 às 11:54

    Seria cômico se não fosse trágico. Fico com a impressão de que existe um movimento orquestrado para institucionalizar o atraso. Neste ritmo, não demora a chegar o dia em que voltaremos a nos comunicar por meio de grunhidos.

  106. Leandro RJ

    -

    19/05/2011 às 2:40

    Caramba, o que esse Haddad faz tão bem feito que não é demitido? Ser Ministro da Educação é que não é.

  107. Especialista em linguistica

    -

    19/05/2011 às 1:34

    Vamu lá todo mundo tirano o s! Repitam depois de mim aluninhos:
    Jesui é o jardinero, e as árvere samu nozes.

  108. Antunio

    -

    18/05/2011 às 15:15

    Ser politico é saber qual problema que é bom negócio sem precisar solucioná-lo, pelo menos no meu país
    Elanklever

  109. Antunio

    -

    18/05/2011 às 15:12

    O interessante é que bota fatura nisso, e fumo em nóis

  110. Elvio Antunes de Arruda

    -

    18/05/2011 às 9:41

    Novo idioma Brasiguês, nóis fumus, ou fumus em nóis, assim nóis vai ao primero mundo !, coitado do Machado, está perdendo o corte, para tantas e notáveis inteligências. Crementina di Jiçuis

  111. Cristiane

    -

    18/05/2011 às 8:22

    Texto antológico.

  112. Raphael

    -

    18/05/2011 às 8:03

    Logo logo algum energúmeno vai apresentar ao congresso um projeto de lei instituindo oficialmente o preconceito lingüístico. Haja patrulha.

  113. Raphael

    -

    18/05/2011 às 7:51

    Esses pessoal são fogo !

  114. Sueli

    -

    18/05/2011 às 1:26

    Só para constar: este livro é para adultos, no curso de supletivo. Não é para ensino regular.
    Não é piada, não. É só ver a capa, que diz Ensino de Jovens e Adultos.
    O coitado volta a estudar em busca de perspectiva melhor de emprego ou para apenas ter a oportunidade de aprender. Eis que se depara com sra. Heloisa Ramos e seu livro didático “muito educativo na linguagem tabajara”!

  115. guilherme gonçalves

    -

    18/05/2011 às 0:12

    Vamos ver se a democracia aqui defendida aceita meu comentário, porque outros amigos não conseguiram.

    É bonitinho ler Oswald de Andrade, né?! Mas na hora de entender realmente o que diz o poema, a maioria parece contra. #Veja

    Pronominais

    Dê-me um cigarro
    Diz a gramática
    Do professor e do aluno
    E do mulato sabido
    Mas o bom negro e o bom branco
    Da Nação Brasileira
    Dizem todos os dias
    Deixa disso camarada
    Me dá um cigarro

    E onde é que você viu alguém discutindo próclise e ênclise? Quem é que falou em pronome? O que a tribo da Heloísa defende é “nós pega o peixe”, “os livro ilustrado estão emprestado” e outras vigarices. Tente encontrar alguma coisa parecida escrita pelo Oswald.

  116. Jean

    -

    17/05/2011 às 21:03

    Será que a Petrobrás, a jóia da coroa do estado brasileiro, aceitará como colaboradores profissionais que escrevam em qualquer um dos seus testes de admissão

    “Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado” ? (já virou um clássico)

  117. Elvio Antunes de Arruda

    -

    17/05/2011 às 18:34

    “Bem, demorou mas chegou: Do Português para o Brasigues, vamos a enquete, Lula, Dilma e outros, nem precisa mais polemizar (President(o) ou President(a), tanto faz..só sei que Presidente é errado porque parece mais com dentista.

  118. Elvio Antunes de Arruda

    -

    17/05/2011 às 18:25

    “Bem, demorou mas chegou: Do Português para o Brasigues, vamos a enquete, Lula, Dilma e outros..

  119. Gilberto Campos

    -

    17/05/2011 às 16:58

    Augusto, uma das professoras é consultora da Editora Abril. Revista Nova Escola, onde presta assessoria a outros professores e tem uma coluna fixa. Além de pertencer aos quadros da secretaria de educação de São Paulo. O nome é Heloisa Ramos:

    Sei disso desde o primeiro post. E daí?

  120. Moa

    -

    17/05/2011 às 16:35

    “Lasciate ogni speranza voi che entrate!
    O PT vai fazer deste país um inferno. O pior está por vir. Aguardem!!!

  121. Raphael

    -

    17/05/2011 às 16:34

    Vale a pena conferir. Outra coisa, propague menos o ódio. O Brasil não está dividido entre petistas e não petistas. Sou anarquista e votei nulo

    A fonte não merece confiança. Você está livre para escolher o partido ou a ideologia que achar melhor. E pare com essa história de “ódio”, “preconceito” etc etc. Essa conversa já cansou. Quem critica alguma coisa está apenas expressando o que pensa, não propaga ódio nenhum. E repito que preconceituoso é quem acha que ignorantes devem permanecer ignorantes.

  122. Renato Carvalho

    -

    17/05/2011 às 16:24

    Isso se chama: doutrinacao ideologica. “Preconceito linguistico”, que p_rr_ e isso? Eh o fim do Brasil. Me desculpem o uso do termo acima mas a indignacao e frustracao estao demais.

  123. Rosangela

    -

    17/05/2011 às 16:15

    É um absurdo! O que estão fazendo com nossas crianças? Como se não bastasse a questão da merenda escolar, a aprovação automática nas escolas públicas (que formam adultos praticamente analfabetos), a palhaçada que é a prova do ENEM (todos os anos envolve polêmica e má organização), agora os livros indicados pelo MEC estão com escrita errada.

    Desculpa Sr. Fernando Haddad (esse é o nosso CULTO ministro da educação), mas não tem essa de norma linguagem popular. Se eu receber um currículo com erros de português ele vai diretamente para o lixo.

    A escola tem obrigação de preparar pessoas para a vida, para o mercado de trabalho sabia disso? Os estudantes devem saber ler, escrever, interpretar um texto e raciocinar logicamente. É o mínimo que se espera para que uma nação realmente seja desenvolvida e civilizada. Sem educação e cultura não somos nada e continuaremos colocando no poder um bando de gente corrupta e despreparada!

    Tenho vergonha! Vergonha da nossa educação, da nossa saúde mas principalmente dos nossos governantes que não têm honestidade para fazer o que são pagos para fazer!

    O país do futuro está com os valores invertidos. Música de sucesso é funk, o que dá IBOPE são programas que escarnecem e humilham as pessoas (vejam os programas de domingo), mas o pior é ver que em breve, se nada for feito, nossos filhos podem falar assim: “Mãe, me dá os livro para mim fazer as lissão de caza”#indignadacomoMEC

  124. Nando

    -

    17/05/2011 às 15:39

    É Augusto aonde nóis vai pará
    O Errado é que tá certo
    Segundo o MEC – hetero sexual=reacionários
    Políticos honestos=demagôgos
    Agronegócios = atravanca o desenvolvimento
    Agricultura familiar/MST= superávit da balança comercial e fartura na mesa dos pobres.
    Respeito a lingua pátria=”frescura” e por aí vai.

  125. Julie

    -

    17/05/2011 às 15:08

    Isso é um absurdo! Por isso que o Brasil só é conhecido no exterior pelo carnaval, futebol e violência. Com esse Sistema Educacional nunca chegaremos a níveis europeus.

  126. Pacocci

    -

    17/05/2011 às 14:47

    nada como puxar o saco dos futuros eleitores da massa ignara pra continuar a entregar o País aos acefalos, descerebrados e espertalhões da quadrilha dominante.
    “Ai que saudade da ditadura.”
    Hino Nacional,moral e cívica,português …

  127. Elizabeth

    -

    17/05/2011 às 14:41

    Agora é só aguardar o Tiririca começar a ministrar as aulas. A vantagem, com este livro, é que nao mais será preciso testar os candidatos analfabetos!!! É a apocalipse cultural!

  128. edson

    -

    17/05/2011 às 12:21

    Falta de respeito com as crianças do nosso Brasil. Para eles a meninada não passa de massa de manobra e mercadoria para engordar o caixa 2.

  129. Marco Nunes

    -

    17/05/2011 às 12:02

    INDIGNAÇÃO!! É só isto que estou sentindo neste momento… uma profunda e dolorida INDIGNAÇÃO!
    (se bem que não poderíamos esperar nada melhor do nosso MINISTÉRIO DA DESEDUCAÇÃO, não é?)
    E que Deus nos ajude…

  130. Fabio Silva

    -

    17/05/2011 às 11:27

    Parabens Heloisa! Uma professora de coragem, coerente!
    Aos que criticam, a dona Helo esta alinhadissima com nossa linha governamental dos ultimos anos e também mega alinhada com os programas assistenciais e educacionais que temos! Bolsa Esmola e Auxilio Prisional variavel pela qtd de Filhos!! Eu quero só um poquinho do que ela e a editora faturaram com o MEC incluindo esse classico literario no programa… e Parabens também a Academia Bras. de Letras!! Entrei lá a pouco e, acho que li demais o livro da dona Helo, já que não encontrei nenhuma manifestação dos Imortais. Para que ser imortal se for para parecer Morto?? Ahh Va.

  131. Rosana

    -

    17/05/2011 às 11:24

    Tem lógica! Se passa a ser certo falar errado, o governo não precisa se preocupar em construir estabelecimentos de ensino e contratar professores. Assim, sem fazer nada, o miistro da (des)educação terá cumprido brilhantemente o seu papel sem fazer coisa alguma. Eu não votei no PT.

  132. Agenor de São Vicente

    -

    17/05/2011 às 10:58

    Comentei no blog do Reinaldo Azevedo. Acho que cabe aqui também: “Não me parece, de pronto, uma discussão sábia e produtiva. As medidas radicais já deveriam ter sido tomadas e pronto. Aos que se indignam com a postura do MEC e da dita professora há apenas uma solução imediata: A Justiça. Fica-se no vou, não vou, e a criançada emburrece-se cada vez mais para júbilo daqueles que as preferem ignorantes e fracas no futuro. Me parece um trabalho proposital de lavagem cerebral onde não cabe nem a chance de se falar corretamente, quanto mais expressar opiniões inteligíveis sobre qualquer assunto. Tenho um neto de três meses de vivência. Não gostaria de vê-lo entendendo-se com os seus contemporâneos do futuro em conversas ignorantes e descabidas. Chega! Pau neles. Cadê o Ministério Público? Onde está a defesa da sociedade? Tenho medo só em pensar como será daqui para diante a conduta política educacional perpetrada por imbecis de todas as estirpes. Preocupa-me,sobremaneira, meu neto a dizer: “Nós pega o peixe”.”

  133. Sergio Puccetti

    -

    17/05/2011 às 10:51

    Nóis merece… Cêis kizeram votá no pt, agora guenta…
    Eu, conscientemente, desisto do Brasil! Renego minha cidadania tupiniquim e vou em busca de novos horizontes longe daqui. Bye…

  134. Priscila

    -

    17/05/2011 às 10:19

    É muito revoltante ver uma professora, profissional da educação, dizer que há situações adequadas para se falar errado!!! Tudo bem enaltecer a trajetória de uma personalidade que foi de metalúrgico a presidente do país, mas aceitar, pregar e querer até perpetuar a ignorância vai muito além do imaginável…

  135. Lúcia

    -

    17/05/2011 às 10:02

    Mães do Brasil, vamos nos unir contra essa “barbárie”, afinal pagamos caro pela escola de nossos filhos e temos o direito de exigir o que queremos para eles.

  136. Cathia Zago

    -

    17/05/2011 às 9:57

    Meu Jesus Cristinho! Achei que já tinha visto de tudo na vida,e eles conseguem nos surpreender.
    Até onde nóis vai chegar?

  137. Lígia

    -

    17/05/2011 às 9:48

    Quanta boçalidade…

  138. Diogo

    -

    17/05/2011 às 9:03

    Quem é você?

    No momento, não sei. Estou em crise existencial, milicianodiogo. Mas você todo mundo sabe o que é. Uma anta.

  139. pedrugo

    -

    17/05/2011 às 8:56

    Nova Ortografia OFICIALIZADA PELO MEC

    Um burro, dois burro, treis burro, quatro burro…

    Um corrupto, dois corrupto, treis corrupto ….

  140. Emília

    -

    16/05/2011 às 22:27

    No livro, ela não precisava ter dito o óbvio, que é assim que se fala no português popular. O problema foi que escreveu!!! E ainda inverte a situação, chamando quem estuda de preconceituoso, alimentando o coitadismo e promovendo mais uma forma de perpetuar a vagabundagem. E como será a avaliação da redação no Enem? Na Fuvest? Só língua estrangeira pode ser ensinada pela norma culta, a língua pátria não? Apátridas!

  141. marluce

    -

    16/05/2011 às 21:04

    O MEC erra todas.

  142. João Albuquerque

    -

    16/05/2011 às 20:54

    Um grande post, Augusto!

  143. MS

    -

    16/05/2011 às 20:41

    Você olha para um quadro, vê um borrão na tela e afirma estar diante do pior quadro do mundo, que o autor é amador, que o quadro jamais deveria ser exposto nem na pior galeria do mundo, “quadrinho de borracharia”. Um outro cidadão, olha o mesmo quadro, observa o borrão mas, desta vez, decide olhar a obra como um todo, corre o olho pela tela até encontrar uma assinatura com o nome Portinari.

  144. Bruce

    -

    16/05/2011 às 19:38

    AJORA SIM! CUM ESTA JUDA DO GOVERNU, EI DE VEMSSER!

  145. Célio Maia

    -

    16/05/2011 às 18:50

    I pensá qui é o dinhêro dos impôstu qui paga exe licho. Ondi é qui vamu pará? O quê rai pintá de eluíza na praia do MEC prá pegá uma grana prêta às cústa dos otáro.

  146. Luiz Pereira

    -

    16/05/2011 às 18:04

    Augusto, boa tarde,

    Essa gente é tão puxa-saco do Lula, mas a tal ponto, que querem perpetuar sua fala tosca e sem plural, de modo oficial.
    Há nesse propósito uma grande covardia: quando os alunos que aprederam (?) por essa cartilha forem procurar emprego, e começarem a se expressar no dialeto lulístico, vão ser reprovados aos magotes.
    Ainda assim as Heloisas da vida não se darão por vencidas. Dirão que a culpa continuará a ser de empresas elitistas.
    Nesse caso, sugiro desde já que se preparem para um concurso público. Pela lógica isso vai ser aceito por esse governo!
    O Itamaraty, se observarmos bem, tem sido dirigido por gente tão tacanha ultimamente, que nem vai estranhar se receber pessoas falando e escrevendo em lulês.
    Abs

  147. Bernardo

    -

    16/05/2011 às 17:19

    É revoltante ver pra onde nos leva a ideologia de quinta dos petistas… De onde essa imbecil tirou essa maluquice de “preconceito linguístico”???

  148. Marcelo-SP

    -

    16/05/2011 às 17:13

    Augusto,

    Minha esposa tem como língua nativa o inglês. Morando há cinco anos no Brasil, esforça-se permanentemente para falar e escrever corretamente o português (no uso do plural, está milhas à frente de Dilma…). Até para deixar um bilhetinho para a cozinheira, faz questão de confirmar se tal palavra é escrita com “s” ou “z”, procurando destrinchar com a maior exatidão possível os mistérios da bela flor do Lácio. Mais que isso, vive a corrigir as frases de nosso filho de 2 anos, que dedica-se a experimentar nosso idioma tagarelando períodos cada vez um pouquinho mais complexos (nos plurais, eu acho que ele, também, já vai melhor que a Dilma…).

    Enquanto alguém que passou a vida inteira em outro país, falando outra língua, procura dar valor ao português, é simplesmente de arrepiar que exista gente disposta, por suas taras linguístico-marxistas de última categoria, a deixar nossos pequenos brasileiros, em seus bancos de escola, à mercê de “nóis vem, nóis vai, nóis veio e nóis fumo”. Não é apenas medíocre. O MEC está sendo criminoso com a infância do país.

    Parabéns pelo blog e pela luta! Um abraço, se me permite, de um admirador de seus textos.

    Parabéns a vocês todos, caro Marcelo. Sua esposa e seu filho estão dando aulas ao MEC. Grato pela força. Abração.

  149. Diogo

    -

    16/05/2011 às 17:03

    Ah, se estes jornalistas estudassem mais. Não sabem o que falam. Se ao menos perguntassem a quem estuda (séria e cientificamente) as línguas. Ninguém pergunta. A questão das variações linguisticas já vêm sendo abordas em materiais didáticos há pelo menos 15 anos…………..

    Se você estuda (séria e cientificamente) a língua portuguesa, então tem o miolo mole. Se não tivesse, pouparia o idioma desse “vêm” com o circunflexo que identifica o imbecil. Anote aí, milicianodiogo: “A questão das variações linguísticas (com acento) vem…” O vem concorda com “questão”, não com “variações…” Chega por hoje. A aula continua amanhã. Mesmo horário.

  150. Moraes

    -

    16/05/2011 às 16:46

    Elles enlouqueceram!

  151. antonio carlos

    -

    16/05/2011 às 16:42

    O que a “professora” Heloisa acha da frase: “Os Palloci enriqueceuse muito no ultimos quatros anos”

  152. Lin

    -

    16/05/2011 às 16:19

    Muito bom! Vamos zerar as verbas para educação e distribuir junto com o Bolsa Família arquivos de áudio com a(s) fala(s)do Doutor por Coimbra e da PRESIDANTA. Assim, todos os brasileiros agraciados com o maior programa de up grade social da história, terão a oportunidade de expressão sem sofrer preconceito e de entender o Dilmês castiço, sem precisar frequentar a escola.
    O Doutor que conseguiu tranformar roubo em mal feito, desvio de dinheiro público em numerário não contabilizado, corrupção e formação de quadrilha em distração dos companheiros agora transforma, finalmente, a própria ignorância em regra linguistica oficial. Viva!

  153. louis cyfer

    -

    16/05/2011 às 15:48

    Augusto,

    o modelo de educação proposto por essa canalha lembra muito a educação bantu, na Africa do Sul no tempo do apartheid, onde os negros eram ensinados a falar errado e fazer trabalhos inferiores para se perpetuar a ignorancia e o racismo no pais. a base é a mesma, apesar do discurso dito “inclusivo”.

    um abraço e siga sempre assim

  154. Julio Mad

    -

    16/05/2011 às 15:15

    É o Brasil ladeira a baixo, em plena era da mediocridade, rumo ao fundo do poço… e além…

  155. Sírio Possenti

    -

    16/05/2011 às 14:56

    O comentário não corresponde ao que está na página anexada (da qual se pode discordar, argumentando). Não bastam “ss” no final dos nsomes (mas ele está no artigo…) para salvar va cultura. É preciso saber ler.

    É preciso, antes de mais nada, reler o que se escreve e fazer as correções devidas. Todos devem agir assim. Principalmente quem se apresenta como professor de tudo.

  156. júnior

    -

    16/05/2011 às 14:22

    Boa tarde Augusto.
    Como diz o defundo que não consegue se calar: “nunca na história desse país” houve tanta incompetência e desmando por parte dos governantes. Acho que a turma do PT está tentando perpetuar a ignorância do nosso defunto falante. Não vai faltar muito tempo e vão começar a mandar contar o dedo mínimo das crianças nas escolas. Cuidado minha gente.
    Abraços.

  157. Roberto Fernandes

    -

    16/05/2011 às 14:13

    Augusto,

    Deiche de çer xato, pomba!Qué qui tem falar “de sábado”, “janta”, “nóis vai”?

    Lembremo-nos de que mesmo SP, que tem uma Educação de melhor nível do que a do resto do País não faz nenhum esforço para sair do lamaçal em que se encontra. E isso com um governador letrado, médico e que fala um português correto. Imagine só onde iremos parar com o advento de uma figurinha do PT a sucedê-lo, coisa que é bem possível de acontecer dada a incompetência política generalizada do PSDB.

  158. Pedro Geyer dos Santos

    -

    16/05/2011 às 13:14

    Na história deste país, apesar da enorme profusão de ditos que trazem, vindos do meio popular, grande contribuição à lingüística, nunca, talvez nem mesmo nas camadas mais iletradas, antes, tivemos um presidente que bafejasse, apesar da beleza da “última flor do Lácio”, tanta esquisitice, tanto cheiro de cachaça. Se ele ler o parágrafo acima, vai dizer: “O adversário que escreveu isso daí não soube adequar a colocação dos termos para que eu entendesse a idéia que pretendeu expor”. Mesmice não, palestrante de araque! Por que você não se oferece para uma “lecture” em Harvard ou na universidade do “Golden State”?

  159. profa. Sueli

    -

    16/05/2011 às 12:00

    E eu que tentava entender porque muitos alunos tem chegado semialfabetizados à universidade. A postura da autora Heloisa Ramos e do MEC nesse episódio explicam tudo…

  160. BENÉZIO FERREIRA

    -

    16/05/2011 às 11:33

    “As pessoa que trabalha no MEC estão doida”
    “Os político do Brasil são tudo ladrão”
    “Os governante desse país é tudo incompetente e ignorante”
    “Os brasileiro tá ferrado com estas porcaria de governante.”
    “Os ladrão está morando em Brasília”
    “Os brasileiro está sendo iludido há oito ano”.

    REALMENTE O S NÃO FAZ FALTA PARA SE ENTENDER O
    SENTIDO DE UMA FRASE.
    TAÍ, ESTOU COMENÇANDO A GOSTAR DA IDÉIA.

  161. Marina

    -

    16/05/2011 às 11:12

    Façamos um minuto de silêncio pela Língua Portuguesa e pelo Brasil…

  162. arilson sartorato

    -

    16/05/2011 às 11:11

    MEU PAI QUE FOI DIRETOR DE ESCOLA ESTADUAL, E MINHA MÃE PROFESSORA PRIMÁRIA,RESUMIRAM ESTA ABERRAÇÃO EM UMA FRASE ‘ NÓS NÃO MERECIAMOS MORRER SABENDO QUE NOSSO TRABALHO FOI EM VÃO”

  163. rodrigues

    -

    16/05/2011 às 11:00

    Está cada vez mais evidente a insistencia dessa canalha em insinuar que qualquer ignorante e analfabeto pode ser presidente, desde que, naturalmente, seja filiado ao PT.
    Ainda sobre as diárias da Ana de Holanda, seria interessante que o irmão dela regravasse as músicas que fez no tempo dos militares falando em “tenebrosas transações”, “a coisa aqui tá preta” , etc., músicas muito apropriadas para a realidade do país a partir do ano de 2003.

  164. AIRTON COLAÇO

    -

    16/05/2011 às 10:34

    Onde está aquele procurador que foi aa bairro de Higienópoles verificar se os elites tinham influenciado na escolaha da estaão de metrô?O que ele está fazendo agora? Porque não aciona o MEC contra esse “assassinato” da lingua culta? Iso sim merece uma ação e uma reação de todos os advogados, professores, e de toda a população brasileira pois se está institucionalizando a “ignorância”.

  165. Gilberto

    -

    16/05/2011 às 10:31

    Augusto, além do prazer em ler seus textos, que são ótimos, as respostas que você dá ao PETRALHAS, são divertidas e impagáveis.
    Sobre o livro, os erros grosseiros de português (e de raciocínio) é um perfeito retrato dos últimos anos de escuridão moral e intelectual que assolam o país.

  166. Ze Santos - BAHIA

    -

    16/05/2011 às 9:25

    A escola pública é número, o aluno é número, passa-se todo mundo, coitadinhos, ignorantes, não vamos exigir nada, os pais são analfabetos, trabalham o dia todo, não podem ajudar. pensamento absurdo!!! Que horror!!!O importante é a prova brasil, números, estatísticas, IDH e verbas, muita verba para a educação.

  167. eleonora

    -

    16/05/2011 às 1:31

    Perfeito, Augusto.

  168. Tunico

    -

    16/05/2011 às 1:31

    Eu nem vou me estender nos comentários porque os brilhantes colegas comentaristas já esgotaram o assunto. Parabéns Augusto pela defesa da nossa língua que deve sim, ser ensinada corretamente nas escolas.E aos milicianos e aos maus professores como a Sra. Heloísa, meus pêsames. Vocês estão querendo matar a nossa língua, mas não deixaremos.

  169. Wesak

    -

    16/05/2011 às 1:04

    Os menino pega peixe mas quem encaçapa tudo é o Palocci !!! Pô*****a.

  170. Prof Helena

    -

    15/05/2011 às 23:35

    Acho que vou por meu diploma no saco. Esta novidade, assassinato da Flor do Lácio, é de chorar. Pior que ainda querem aumentar a carga horária nas escolas. Os alunos irão fazer o que, se vão para aprender o que já sabem? Só comer merenda, suponho.

  171. Betsy

    -

    15/05/2011 às 22:52

    Você está fazendo um trabalho admirável, Augusto Nunes!

  172. Cláudia

    -

    15/05/2011 às 22:39

    E o Exterminador do Enem, não vai dizer nada?

  173. AEduardo

    -

    15/05/2011 às 21:39

    Augusto, filho de Deus!
    Acompanho-o faz tempo. Nunca tinha visto até aqui, tanta participação sua na área de comentários. Deu trabalho, eu sei, mas as aulas ministradas merecem uma cartilha pelo menos! Li todas as postagens. Tem de tudo, amigo. Do aconselhamento zangado e hilariante, à sova corretiva oportuna e necessária que desmonta o argumento. Vemos um alegre “Viva Tia Aurora” a esta senhora lúcida, uma demonstração que a decência e inteligência não possuem idade(14/05-14:47). Até “as maria-maria de zóio na missa, pega peixe graúdo!”(14:05-17:25).
    Portanto caro jornalista, meu agradecimento por esta “palestra” com seus leitores. Você a cada dia que passa, vai ficando indispensável àqueles decentes que ainda possuem um mínimo de racionalidade.
    Bom final de domingo. Vida longa ao brilho deste espaço.

    Abração, grande AEduardo.

  174. Fernanda

    -

    15/05/2011 às 21:27

    Bem, não posso mais guardar isso só para mim, preciso confessar: quase morro de preconceito contra ignorantes e analfbetizantes.

  175. AndréT

    -

    15/05/2011 às 21:20

    Não lembro da origem, mas já ouvi algo como:
    O realismo fantástico não prosperou no Brasil por que o nosso realismo é muito mais fantástico.

  176. Guina

    -

    15/05/2011 às 21:17

    O que poderíamos esperar de um grupo de pessoas (petistas) que tem o Lula como exemplo, como figura maior? Eu também não conseguí entender por que alguém que “domina as duas variantes” vai optar por falar errado. Será por medo de apanhar do interlocutor ou de ser preso por “preconceito linguístico”?

  177. José

    -

    15/05/2011 às 21:14

    Augusto,
    O que esperar de um país que teve um presidente eleito e reeleito, que se orgulhava (e se orgulha) de ter chegado onde chegou sem estudar.
    De um país que teve um presidente que vivia (e vive) tagarelando asneiras pelos quatro cantos do mundo, trucidando a língua culta, hoje na condição de principal líder político do país.
    De um país cujo deputado federal mais votado é praticamente analfabeto.
    O livro do MEC está em consonância com esse quadro.
    Representa a consagração da mediocridade.
    Da mediocridade do governo do PT.

  178. AndréT

    -

    15/05/2011 às 20:57

    É muita arrogância nossa, caro Augusto, imaginar que um brasileirinho que pisa na bosta – já que vive onde não há rede coletora de esgoto – merece atenção pública, inclusive educação.

  179. AndréT

    -

    15/05/2011 às 20:27

    Essa besta sequer escuta os privados da educação formal, que pensa representar. Explico:
    A expressão “os livro ilustrado mais interessante estão emprestados” não existe. Um personagem real diria: “os livro bacana já se foi”.

  180. valderilio

    -

    15/05/2011 às 20:26

    É notório que se trata de politica de governo e não de Estado. De forma quase subliminar os que administram o poder na esfera da educação querem nos fazer aceitar que temos que tolerar a ignorancia dos ignorantes, inclusive os da língua. Os principais eleitores do PT são os que falam e escrevem de forma errada o idioma. E ainda tentam nos incutir que, se não o fizermos(aceitar tamanha falácia) somos preconceituosos.

  181. Faies Farah Saliba

    -

    15/05/2011 às 19:35

    essa patrulha ideológica do mec esta apavorando os alunos…nas redações do enem minha filha sabia que não poderia escrever nada contra o governo atual,pois sua redação seria “bombada”, isto é dito nos cursinhos pelos professores de um modo velado…é uma vergonha essa patrulha esquerdista

  182. Thales

    -

    15/05/2011 às 19:31

    Uma das disciplinas do meu mestrado na UFRJ foi realizado junto a um núcleo de pedagogia. Lá aprendi que o foco nos resultados e nas notas é uma maneira anglo-saxã de lidar com os problemas, assim como testes e provas. Aprendi também que colar e copiar trabalhos é válido, já que somos um país explorado da periferia e temos que utilizar todas as artimanhas possíveis. Faltei metade das aulas e fui com A, bastando estudar meia dúzia de textos politizados de cunho socialista latino-americano (sem contexto com a matéria) para tanto.
    Os professores e seus sindicatos, que já estão há tempos completamente doutrinados, agora sentem-se livres para transmitir esta ideologia de maneira incisiva aos seus alunos.

  183. Sofia Maria

    -

    15/05/2011 às 19:11

    Parabéns para a cambada de idiotas que votou na cambada petralhada(e que sempre estão rondando por aqui),é isto aí “gentem”,se vocês queriam acabar com o país de uma vez por todas já estão conseguindo,se não há ética e respeito ao patrimômonio público,se vocês aceitam e protegem a roubalheira,a falta de postura e educação,os apadrinhamentos,a incompetencia,por que não “havera”de aceitar e apoioar mais esta afronta,mais esta estupidez não é “messs”?É isto aí cambada,o nosso destino final é o fundo do poço,já estamos chegando…segura “os freio que tamo ladera abacho”!ste negócio de pronunciar os “s”,de falar e escrever corretamente é coisa das zelites de olhhos azuis.Viva a “inguinorança”!

  184. Marcelo

    -

    15/05/2011 às 18:59

    Augusto, permita-me, uma correção no título da matéria. Os livro mais interssante “tão” emprestado.

  185. Goncalves

    -

    15/05/2011 às 18:55

    Cada vez mais aumenta minha indignação pelas aberrações que estamos presenciando. É uma completa inversão de valores que, cedo ou tarde, apresentará sua conta desastrosa a nosso país.

  186. Enio

    -

    15/05/2011 às 18:47

    O milicianobraulio, embora seja inimigo do imperialismo estadunidense, quer que o português, como o inglês, faça o seguinte com o verbo poder: “eu posso, tu posso, ele posso, nós posso, vós posso, eles posso”. Não sabe que idiomas têm normas diferentes. Anglo-saxônico ou latino, pra ele é tudo grego.
    Em qualquer idioma, milicianobraulio é uma perfeita besta quadrada. Merece uma surra diária de rabo-de-tatu e um martelo de Mossoró no miolo mole toda noite.

  187. Craterus

    -

    15/05/2011 às 17:35

    Não li todos os comentários porém, esta “cartilha” não é um fato isolado. Há evidências e, em verdade, mais do que evidências, que a correção do ENEM possui um cunho político, principalmente no que tange as correções das redações.
    As notas das questões e das redações estão condicionadas à doutrinação. Resumindo, não importa o domínio da língua portuguesa (isto, pelo visto, é anátema) mas sim o “engajamento” (????)com questões sociais (!!!!!!!!)…Bem entendido: a capacidade do estudante escrever “capitalismo mau, muito mau; socialismo bom, muito bom”.
    Qualquer repórter pode verificar essas posições a partir do acesso às correspondências do MEC (ou órgão agregado) para os examinadores e, também, pelos díspares resultados que o ENEM gera (excelentes alunos com péssimas notas).
    Portanto, qual é a surpresa que um Ministério que condena Monteiro Lobato e torna o “excesso de melanina por motivos genéticos” mais importante que inteligência, conhecimento e esforço promova o fim da língua?

  188. Shirley

    -

    15/05/2011 às 17:29

    E pensar que somos nós que pagamos por isso. O melhor vem daqui alguns anos quando esse pessoal que não encontrou “os livro” for fazer vestibular ou concurso ou buscar emprego. Será mesmo que alguém acredita que todo mundo pode ser parlamentar ou presidente sem saber ao menos ler e escrever?

  189. Law

    -

    15/05/2011 às 17:24

    Esse é mais um quinhão da herança maldita (e macabra) deixada pelo Cachaceiro Imbecil Analfabeto e Inculto, sua quadrilha e seus SS, (Seguidores e Simpatizantes). E quinhão dos piores, subvertendo os padrões do idioma, uma marca de nossa unidade nacional, com o que se subverte também o pensamento.
    Um flagelo, uma desgraça, um crime.
    A esse (des)propósito, recomendo enfaticamente o artigo de Olavo de Carvalho de Fevereiro deste ano, “O Brasil Falante” em:

    http://www.olavodecarvalho.org/semana/110228dc.html

    Sim, o Brasil continua sendo é um país ordinário

  190. La Pasionaria

    -

    15/05/2011 às 16:30

    Os patrulheiros das trevas não passarão!

  191. Marcia

    -

    15/05/2011 às 16:18

    Eu si divirto com as cacetadas que os petralhas levam aqui.

  192. Oliver

    -

    15/05/2011 às 16:13

    AUGUSTO
    Sou de um tempo meio estranho, querido amigo. Um tempo onde se costumava dizer que “irmãos se matam mas não furam os olhos”, o que tenta significar que a discordância deveria ser tão natural quanto a lealdade. Lealdade que, neste caso, também deveria significar o respeito a princípios, e não a forma cega de se subjugar à quadrilha de plantão, na busca de seu quinhão de mortadela. Seu post mexeu num vespeiro, nobre amigo. Basta ler a quantidade de kamikases da língua que se atiram por aqui na tentativa desesperada de defender o que não tem defesa, nem pela tolerância, nem pela discordância. O que estamos vendo em ação aqui é Ku-Klux-Klan do funcionalismo público. Pagos por nossos impostos, Raphaels, Ricardos, Andrades e más companhias se revezam na tentativa de salvar, com argumentos torpes e vigarismos, alguns dos seus mentores pilhados na ação de destruir nossas instituições democráticas ( a língua é uma delas ) de forma determinada e paulatina.
    É provável que tenham ganho do politburo petralha o direito de exibir seus letrados traseiros no evento-churrasco ocorrido em Higienópolis, dias atrás. Isto é método. Tenta parecer um movimento espontâneo, gerado da indignação da sociedade e suas novas ferramentas sociais, mas não consegue passar de um ajuntamento de cretinos, bancados pelo nosso dinheiro e eternamente de plantão, com um olho na tela e outro na mortadela. É compreensível que urrem seus argumentos por aqui, brandindo as quatro patas no teclado na tentativa de fazer parecer um preconceito, aquilo que na verdade é uma tentativa de linchamento. A “linguagem dos mano” é só um código. Uma senha. Dominá-la ou conviver com ela significa um atalho fácil para o dinheiro público, via onguismos, assistencialismos diversos ou transferência pura e simples de recursos para a cumpanherada, para que continuem o trabalho de gafanhotos num país a ser pilhado. Essa gente não me engana. Querem dar um verniz de “trabalho intelectual” naquilo que é mera vigarice ideológica.
    Parabéns, Augusto. Continue escrevendo divinamente como sempre, com verve e substância. É tudo o que este medíocres precisam para entender que não se revoga o bom senso, nem a lei da gravidade. E sou fã da Vânia Cavalcanti também. Abração.

    Grande abraço, Oliver.

  193. Alberto

    -

    15/05/2011 às 15:47

    Desculpe, o PT e seus eguidores SÃO a vergonha nacional. E SÃO mesmo…

  194. Alberto

    -

    15/05/2011 às 15:46

    Convido todos vocês a ler PRECONCEITO LINGUÍSTICO: MISÉRIA, TERRORISMO E FALÁCIAS, que vocês podem conseguir na Internet. O autor simplesmente arrasa o autor (um tal de Marcos Bagno) e seus ineptos adeptos de baboseiras de um opúsculo: Preconceito linguístico. Um LIXO, que alguns professores universitários petralhas andam a adotar como uma bíblia. O PT e seus seguidores é a vergonha nacional.

  195. Mauri

    -

    15/05/2011 às 15:41

    Caros milicianos, comparar Português com Inglês, num pais sério, é comparar batata com banana.
    Podem até tentar inadvertidamente comparar com o Italiano, que não usa o S, mas que tem plural exatamente como no Português. Daí a explicação para os imigrantes Italianos não usarem o S e terem influenciado o idioma falado no bairro do Bexiga, que talvez tenha tido influência em como o Paulistano fala.
    Não deixa de ser errado um Paulistano falando “dois pastéu” mas se tornou cultural. Cabe aos que sabemos a forma correta ajudarmos e não ficarmos quietos e ver uma pessoa falar errado.
    Podemos e devemos perdoar os Italianos que falam assim, pois para eles trocar o “I” nas palavras plurais masculinas e o “E” nas palavras plurais femininas pelo S é uma tarefa complexa, que demora a ser assimilada.
    Espero ter ajudado…
    Abraços

  196. Mel Bustamante

    -

    15/05/2011 às 15:37

    Otimo texto, Augusto… Bom saber que nao somente eu fiquei com esta estupidez entalada na garganta!
    A escola definitivamente, neste governo está perdendo perdeu a sua função social básica… que é garantir a aprendizagem de conhecimentos, habilidades que possibilitem a leitura e interpretação das mensagens e informações que hoje são amplamente veiculadas (isto pode ser um ponto chave, hein…), preparando-o para a inserção no mundo do trabalho e para a intervenção crítica e consciente da vida social (outro ponto a ser observado). E para isso, é necessário que a escola propicie, sim, o domínio dos conteúdos culturais básicos, da leitura e da escrita, das ciências, das artes, e da lingua ( ou das letras, como gostam de falar os educadores de hoje…). Sem estas aprendizagens, dificilmente ele poderá exercer os seus direitos de cidadania… (hummmm, será que nao seria por ai…?). E isto, ela nao faz mais… e o pouco que faz, faz mal feito… E agora, para completar, vem com estes novos conceitos, insisto, clichés… que quer empurrar-nos goela abaixo… O povo brasileiro tem de se cuidar, precaver e tomar uma atitude… Já! Se o cultivador nao cuida da sua lavoura, vem os gafanhotos e a comem!

  197. Suzy

    -

    15/05/2011 às 15:22

    Sr. Augusto, o enriquecimento meteórico de Palocci deve merecer as suas considerações. Que tal? Abraços.

  198. Suzy

    -

    15/05/2011 às 15:20

    Pois bem, Sr. Augusto, é assim que a educação vai se tornando uma grande mentira. Alunos, que nem sabem escrever o próprio nome, saem do ensino médio e vão, via cotas, para a faculdade num país que teve Lula como presidente e que se gabava de não gostar de ler, que tirou a obrigatoriedade de título para jornalistas e desdenhou o ensino de inglês nas escolas, além, claro, de nunca ter estudado, embora tanto tempo teve para isso. Vamos ver que país esses jovens terão no futuro. Uma nação que não coloca como prioridade a educação, NUNCA será uma grande nação. O PT precisa de analfabetos para poder permanecer no poder. Que gente desclassificada.

  199. Diego Rocha

    -

    15/05/2011 às 15:19

    Nao queira comparar o mirandês com a fala popular brasileira pois esta última nao tem características suficientes para constituir um idioma independente. Elevar a fala do povo em segunda norma culta é um absurdo.

  200. GOSTOSO PACAS

    -

    15/05/2011 às 15:07

    É assim, Augusto !! Acabou-se a civilização sob a batuta louca do PT:
    financiamento das Farc, perseguição à liberdade de expressão, intimidação e assédio moral dos funcionários nos orgãos estatais, cargos de chefia para analfabetos subservientes, projeto político totalitário, corrupção deslavada e enriquecimento da quadrilha Petista: STALIN VIVE !!! (e MAO também) Começou a Revolução Cultural !! O Gulag, quando virá ???

  201. MALDONADO

    -

    15/05/2011 às 14:44

    ESTA É A EXPRESSA E FAMOSA SOLUÇÃO FINAL DE PERPETUAÇÃO DO “ESPECIME PAQUIDERME JURÁSSICO PT” ONDE O VOCABULÁRIO POBRE 300 PALAVRAS MESMICE COTIDIANO, VENCERÁ TODOS OS PRESENTES EM QUE VIVE O “PAIZ” E SE PROJETARA COM “NÓS EU” “nois vai” E AI por diante. nOTA: nÃO ENCONTRARÁS “ARGO” NO SEMELHANTE NO “pRANETA” ONDE CONSEGUIRAM “COMUNICÇÂO” ONDE TODO MUNDO FALA IGUAL a mesma “mesmice” E ACABOU A DIFERAÇA POR TOTAL. oBS.: E O NOSSO vIVA A “MARTA”, A “russeffe”, “univ. coimbra”, a todos demais que com maestria estão conseguindo concluir esta solução final, os maiorais mesalão Pt, delubio e sua cia, e todos os demais que contribuiram e contribuirão, com esta cartilha lixo.

  202. Jorge

    -

    15/05/2011 às 14:44

    O negócio deles não é aumentar o nível,é nivelar por baixo.

  203. Amir R. Diel

    -

    15/05/2011 às 14:21

    Prezado Colunista.

    Certamente ainda teremos pela frente três anos de idiotia governamental. No mínimo.

    Acrescente a isso o “emburrecimento” (permita a flexão do verbo emburrecer -inexistente- mas, nessas circustâncias, plenamente aceitável, e por que não?), resultante das programações oferecidas pela nossa TV Aberta (potenciais “Formadores de Opinião”), com seus BBB, quase toda a grade da Rede TV, Gugus e Faustões, etc. etc. Some também a completa ausência de uma campanha agressiva pela “Paternidade Responsável”, a qual contribui para o eterno “Criança Esperança”; a formação profissional (??) de inúmeros professores do ensino fundamental e médio; a política da aprovação escolar automática e outras, tantas outras aberrações. O resultado final não será, ou não deveria ser, SURPRESA ALGUMA.

    Já estamos quase lá. Veja o que presenciei em um mercado próximo à minha casa.

    Uma jovem mãe (e põe jovem nisso) pediu para o filho: “Entra na fila e pede trêis pão”.
    Um senhor, exaltando-se, o que é compreensível, procurou corrigí-la em parte. “Três pães! Três pães! Ensine-o a falar direito ou será tão ridículo quanto o Lula, esse imbecil que governa nosso país”.
    Ao que ela, se mostrando muito ofendida, também compreensível, visto à cultura que aparentava, respondeu: “É, mas ele é que tá fazendo as coisa pros pobre. Todo mês a gente recebe 80 real por cada filho como bolsa.”

    O que caracteriza a fantástica e já institucionalizada compra de voto, fato que somente o STE não consegue enxergar e que faria o Brizola, se vivo fosse, se morder de inveja do “sapo barbudo”.

    Então, prezado Augusto, temos ainda pela frente um enorme caminho a percorrer. Continuemos trabalhando para que futuramente possamos sentir orgulho de ver o país governado por pessoas competentes, o que ocorrerá, ainda que leve uma ou duas gerações, após o início do voto facultativo.

    Amir Diel – Niterói, RJ (por enquanto)

    Muito bom, caro Amir. abração

  204. Lia

    -

    15/05/2011 às 14:12

    Esse livro só pode ter sido encomendado pelo PT para justificar o semi-anafalbetismo de Lulla. Mais uma estratégia inserida no ensino para a garantia da formação do exército de jovens ignorantes facistas petralhas. Não vejo outra explicação para tal aberração. Puro uso político. Além do mais, é um verdadeiro deboche daqueles que não tiveram oportunidade de uma educação melhor.

    Augusto, você viu que a justiça arquivou o inquérito que apurou a conduta daquele professor de matemática de Santos (das questões sobre armas e drogas)? O juiz disse que o professor não fez apologia ao crime!!…

  205. julio

    -

    15/05/2011 às 13:50

    Dê uma ida e uma lida, mas terá de ser desde cima até embaixo. o comentário
    Está em curso e em prática o fruto daquilo que se pode chamar
    materialismo dialético, marxismo, socialismo cientifico, cominismo,
    e no mais deslavado gramscismo através do movimento proletário,
    desencadeado um devastador arrastão para rebaixar do nível cultural
    em todas as áreas, e com a desculpa mais esfarrapada da inclusão social de um lado,
    o supremo bem, e do outro no blefe do preconceito os supremo mal.
    E nem seria trágico não fosse a manutenção da regra culta
    e os que a tenham de manter execrados, como se fossem inimigos do povo!
    Quando na verdade lutam estes heróis para manter o seu espírito,
    que a norma culta e a inteligência abstrata mantêm e alimenta!
    Nunca duvidem disso traidores e oportunistas se lhes restar
    ao menos num pingo de dignidade!
    http://julio-cavaleiro.blogspot.com/

  206. Bráulio Silveira

    -

    15/05/2011 às 13:49

    Vou repetir o comentário que fiz no Blog do Noblat.
    Mediocridade é falar sobre variação linguística sem qualquer autoridade sobre o assunto. “Os menino joga bola” deve soar horrível para os puristas que comentam neste blog, mas “I can do it / You can do it / He can do it / We can do it / They can do it” (oh, sem concordância!) da língua franca planetária é o primor da sofisticação.

    O milicianobraulio, embora seja inimigo do imperialismo estadunidense, quer que o português, como o inglês, faça o seguinte com o verbo poder: “eu posso, tu posso, ele posso, nós posso, vós posso, eles posso”. Não sabe que idiomas têm normas diferentes. Anglo-saxônico ou latino, pra ele é tudo grego.
    Em qualquer idioma, milicianobraulio é uma perfeita besta quadrada. Merece uma surra diária de rabo-de-tatu e um martelo de Mossoró no miolo mole toda noite.

  207. Cyro Meirelles

    -

    15/05/2011 às 13:49

    A corrupção no Governo é tão grande, que esse lixo didático não vai alterar substancialmente a saúde financeira dos autores e responsáveis por essa excrecência ” Por uma Vida Melhor”.

  208. Dario Martinsem

    -

    15/05/2011 às 13:38

    Augusto, o Governo do PT poderia incluir em seus projetos um Curso de Português para MILICIANOS. Porém iria faltar professor para tanto aluno…..

  209. nena

    -

    15/05/2011 às 13:31

    “Os livro mais interesante estão emprestado” – há um erro grasso: o correto, para ser fiel, deveria ser “Os livro mais importante TÃO emprestado”.
    Argh! a gente escreve e tem que corrigir porque automaticamente coloca os esses no final das palavras.

  210. nena

    -

    15/05/2011 às 13:21

    Augusto, pelo que vi em comentários de milicianos, muito bem tratados a toque de rabo de tatu (adoro!), percebo que o que eles querem não é discutir o conteúdo ou o mérito da questão, querem é vencer a discussão a qualquer custo; os argumentos vem daquela ladaínha decorada de manuais revolucionários patológicos.

    Veja um exemplo:
    De Noam Chomsky, neurolinguista americano, SOCIALISTA, o ‘aiatolá do ódio antiamericano’ segundo David Horowitz.

    7- MANTER O PÚBLICO NA IGNORÂNCIA E NA MEDIOCRIDADE.
    “Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que paira
    entre as classes inferiores às classes sociais superiores seja e permaneça impossíveis para o alcance das classes inferiores”.
    O decálogo pode ser visto no vídeo:
    DEZ ESTRATÉGIAS DE MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA
    http://youtu.be/gk9kTDglLVU

  211. Márcia Maria

    -

    15/05/2011 às 13:14

    Sr. Augusto, mais uma do Ensino Idiotalizante e Bovino do partido.

  212. Jonda Lopes O B Serva

    -

    15/05/2011 às 12:59

    Ô gente. Não eZaJera. Vamos faCilitar o aprendiSado e a educaSSÂO; pelo menos na KomunikaSAUM pela esKrita, Kê é muMto Komplicada pelo uZo em dúvida de tantas letras em Sons diferentes SEm SE GUIar pela lóJiKa. SI
    voSSê está entendendo pra Kê KompliKar eZiJindo
    primEIro demonstraSÃO e prova di Kultura I KoNIECimento de tantas regraS? ISSo é elitiZaSSÃO e Êrro dI pràtiKa.

  213. Anonimo

    -

    15/05/2011 às 12:50

    Eles estão acabando com as piadas do Brasil !!!
    .
    De papagaio, não pode, é crime ambiental, tratar com o IBAMA…
    .
    De viado, não pode, não é homo-afetiva
    .
    E agora, do Juquinha na escola, não pode também…Tudo o que ele falar ou fizer não vai ter mais graça, vai estar certo…
    .
    O PT quer o monopólio do ridículo para ele…
    (olha a foto do Lula de beca…)

  214. Carlos Martinez

    -

    15/05/2011 às 12:07

    Resposta ao seu argumento:
    A frase “Os meninos pega peixe” está errada.

    Isso até bebê de colo sabe. Não banque o malandro. Diga o que você acha do livro chancelado pelo MEC.

  215. Mayco

    -

    15/05/2011 às 11:52

    Portugal tem duas línguas oficiais – o português e o mirandes, poucos sabem disso. O Brasil está inovando, vamos com o tempo oficializando que falar e escrever a nossa língua errada é algo certo, até justificável. Em tempos “lulescos”, viva os livros do MEC!

  216. Anonimo

    -

    15/05/2011 às 11:52

    Que “peixe” é esse, tão emblemático, quue a autora e sua gang fala que “pegam”?
    .
    Será a mamata do MEC? (distribuição nacional da droga do “livro”?)
    .
    É…Os minino e a minina pegaram o peixe na mão grande…

  217. Ronald

    -

    15/05/2011 às 11:37

    Seu comentário está quase perfeito. Para a perfeição basta substituir a frase “avisam os acólitos de Fernando Haddad” por “avisam os alcóolicos de Fernando Haddad”. Recordo e adapto uma antiga piada, sem sentido nos dias de hoje:
    A professora Heloísa pede exemplos de verbos para seus alunos:
    Pedrinho?
    - “bicicreta fessora”.
    - Faz sentido Pedrinho! Zezinho?
    - “prastico fessora”.
    - Também faz sentido Zezinho! Inacinho?
    - Ospedá!
    - Muito bem Inacinho! Foi o melhor exemplo! Agora venha ao quadro e escreva uma frase com esse verbo.
    Inacinho foi ao quadro e escreveu para receber nota 10:
    “ospedá da bicicreta é de prastico.”

  218. Dilermando Neto

    -

    15/05/2011 às 11:35

    Lembra um pouco o que fez o Khmer no Camboja dos anos setenta. Levando morte e disseminando a ignorância entre seu povo. Queimaram seus livros alegando que eram coisa de capitalistas ou a elite intelectual do Camboja, no nosso, “AZELITES”, desculpe, “AZELITE” de Lula.

  219. HENRIQUETA

    -

    15/05/2011 às 11:31

    NAO PODEMOS FUGIR DA RAIA !!!

  220. lodisval

    -

    15/05/2011 às 11:31

    E assim vamos difundindo a máxima petista que nos “alerta” que toda crítica esta basicamente assentada no preconceito e que todo crítico é basicamente um preconceituoso. Na sua cartilha conhecimento não é mérito se não talvez demérito e com isso essa era de escuridão ameça tornar se absoluta engalfinhando as novas gerações que nem sequer podem reagir. O Brasil avança sem nenhum passo para frente e muitos para trás. Onde isso nos levará quem tiver a “sorte” de sobreviver verá.

  221. Rodrigo

    -

    15/05/2011 às 11:23

    Perfeito, Augusto! Agora descobrimos que a esquerda quer manter a ignorância em que se encontram milhões de brasileiros. E se um menino pobre quiser estudar Medicina ou, sei lá, Filosofia? Que educação recebeu nas escolas? Como vai escrever uma dissertação ou preparar um trabalho escrito na conclusão do curso?

  222. Fernando Maciel Rodrigues

    -

    15/05/2011 às 10:51

    Caro Augusto:
    Esse tal livro, faz parte do esforço petelho de justificar o lulismo: nivelar tudo por baixo. Isso prova o caminho pretendido por eles. A “liberdade”, em tudo, somente para quem adota pela bandeira vermelha.
    Aprendo mais um preconceito: o de falar errado! O cardeal petralha se corrigiu quando trocou “interviu” por interveio. Seguidores transversos, pagos pelo assalto ao bem coletivo, devolvem dividendo agredindo inocentes crianças e adolescentes. Isso se chama covardia, deboche, desrespeito, ofensa grave a todos!
    Bravo, bravo, Augusto.
    Grande abraço.
    Fernando M Rodrigues

  223. Régio Menezes

    -

    15/05/2011 às 10:41

    Ainda bem que existem pessoas conscientes e de vergonha nesse mundo. Pelo menos nessa lista de comentários, me deram alento os nobres depoimentos de pessoas que pregam a difusão da cultura e da correta maneira de se expressar, em contraste aos ridículos pseudo-intelectuais que vêem luta de classe até na mistura de café com leite. Sempre achei esse povo esquerzóide tupiniquim paranóico e aloprado, muito são adoradores de Stalin para se ter idéia, e lamento muito ver o Brasil descer ladeira abaixo, se tranformando num pandemônio cultural e institucional. Amigos, vamos nos reunir, trazer esse país ao rumo correto, vamos usar nosso poder intelectual e moral para expulsar essa récua do comando da nação.

  224. f tavares, na resistência

    -

    15/05/2011 às 10:26

    - us linguista acha que pra guardá a istoria precisa rancá as lingua dele e mandá pro muesu de istoria naturau, invez de guardá na bibrioteca… num sabia que tinha tãto linguista, inda prucima das canaia petista. deça veis foro panhado em fragante, roubano até os esse e as concordança…

  225. ANTIPETISMO

    -

    15/05/2011 às 10:15

    Com os petistas o Brasil imergiu na m@$da.

  226. José Augusto - BH

    -

    15/05/2011 às 10:14

    Prezado Augusto. Repito aqui o repasse de dúvida que mandei para o blog do Reinaldo:
    .
    Repasso ao Sr ou a algum seu comentarista experiente uma dúvida trazida a mim por uma professora de alfabetização, que eu não soube responder:
    .
    - dentro da atual grafia escolar-institucional-sociolingüística-petista-não-precoceituosista adotada, do vernáculo castiço com influências que vão de Gil Vicente, Camões, Pessoa, até Suplicy, Aldo Rebelo e Haddad, como se escreve em português corrente o termo “KIT GAY”?

  227. Carlão

    -

    15/05/2011 às 9:51

    Lembra do miliciano Enio? Me contaram que ele é que está distribuindo os livro nas escola.

  228. léo guedes

    -

    15/05/2011 às 9:45

    Prezado Augusto. Há uma lógica por detrás da intenção dos autores. É colocar tanto a Dilma como também Lula no universo das elites. É assim: diante da dificuldade que eles têm de falar em linguagem culta, adapta-se a linguagem ao que eles sabem. Isso é espertaeza meu caro. Se a realidade não está de acordo com a intepretação, assume-se a interpretação e dane-se a realidade. Simples assim.

  229. PoPa

    -

    15/05/2011 às 9:43

    O livro está errado! É “nóis” pega o “pexe”!

  230. Titônio

    -

    15/05/2011 às 8:47

    Sei que este post é sobre o livro da deseducadora Heloísa, mas gostaria de mostrar um trecho de um outro livro aprovado pelo MEC para crianças a partir de 10 anos e que tenta assassinar a linguagem de outra forma também muito grave. Além de conter inúmeros conceitos absurdos sobre temas como sexualidade, drogas, etc ainda ensina que a linguagem chula se tornou natural a partir do momento em que é repetida constantemente por boa parte da população.
    “Fuck… bem, acho que todo mundo sabe o que isso significa. Apesar de que, dito assim toda hora, meio solto, acho que não significa mais nada. É incrível como as palavras vão perdendo o significado até se transformarem em simples força de expressão. Que merda! Já pensou se cada vez que a gente dissesse isso se lembrasse do significado puro e literal da coisa? Eca! Acho que ninguém mais falava, muito menos escrevia. De qualquer
    jeito, não deixou de ser engraçado eu imaginando a situação inversa: um americano vindo pra cá e ouvindo a gente dizer: ”Não enche o saco, porra!”

    O livro é utilizado pelas escolas para combater o tal “preconceito”. Mais detalhes :

    http://jafaley.spaceblog.com.br/

    http://www.ipco.org.br/home/noticias/8056

  231. LABOR

    -

    15/05/2011 às 8:30

    Transcrevo comentário que fiz , ontem, no blog do Reinaldo: “Não há fatos isolados. Quando o pior presidente que o Brasil já teve (a história confirmará) faz um comentário para gerar discussões, está seguindo a cartilha. Assim também essa professora, vereadores, deputados, sindicalistas. O objetivo é minar as bases da sociedade para, do caos, terem mais facilidades no conseguimento de seu desiderato maior. A tática é manjadíssima, própria da pequenez desse partido. Alguns comentaristas ficam surpresos com as novidades que surgem quase toda semana. Não há razão, pois sabemos que mentem, fingem, negam, agridem, são unidos num fim já definido. Cabe a nós, no dia-a-dia, dentro do que é possível, neutralizar as suas ações”.

  232. Carlos Martinez

    -

    15/05/2011 às 8:17

    Teremos algum post ?

    Só depois de você dizer o que você acha da frase “os menino pega peixe”.

  233. Lia/SP

    -

    15/05/2011 às 7:53

    O objetivo do PT é mesmo transformar o nosso país em uma terra de ignorantes.
    Quanto menos gente informada, com menos discernimento e nenhum espírito crítico, que só se pode adquirir com educação de boa qualidade, melhor para políticos mal intencionados que se elegem e se perpetuam no poder graças à propaganda enganosa que ilude os incautos.
    O MEC é uma vergonha nacional. O Ministro que o PT mantém no MEC é abaixo da crítica. O PT no poder é a apologia da ignorância, da vulgaridade, do baixo calão e de tudo de pior que se cultiva nesta pobre “Terra de Santa Cruz”.

  234. Cristiano

    -

    15/05/2011 às 7:31

    Tenho informação segura qui foi a turma do PT qui pressionô pra mudá a gramática pro mode legitimá os discuso do Beato e da dona Lunga, e também legitimá o diproma qui ele recebeu em portugá, afinal de contas eles pode tudo, até ajustar as regra da gramática ao grau de instrução deles. Naõ se assustem se eles logo mais mudarem o código penal para ajustá-lo aos meliantes do PT e PMDB e torná-los cidadãos cumpridores da lei e num lance mais ousado mudarem a constituição para ficarem eternamente no poder. AGUARDEM !!!

  235. HENRIQUE

    -

    15/05/2011 às 7:13

    ENTAO PORQUE … ?

    É “por que”, não “porque”, miliciano. A professora Heloísa quer te cumprimentar na hora do recreio.

  236. Carlos Costa

    -

    15/05/2011 às 5:55

    Que país é este!!!!o meu Brasil,está sendo sucateado aos pouquinhos,e ninguém faz nada…
    A moda atual, é usar a palavra ” preconceito”,para tudo…POBRE BRASIL.
    Isso não vai, acabar bem,….

  237. mike

    -

    15/05/2011 às 5:52

    ENQUANTO ISSO:PALOCCI MULTIPLICA POR 20 SEU PATRIMONIO EM 4 ANOS FOLHA SP 15/05/11
    Em novembro de 2010, pouco antes de assumir a Casa Civil do governo Dilma Rousseff, o ministro Antonio Palocci comprou, em São Paulo, um apartamento de luxo por R$ 6,6 milhões. No ano anterior, ele já havia adquirido um escritório na cidade por R$ 882 mil, revelam Andreza Matais e José Ernesto Credendio. Essas aquisições multiplicaram por 20 o patrimônio de R$ 375 mil que o petista declarou como candidato em 2006.OU SEJA OS PETELHOS FAZEM O QUE QUEREM NESSE PAÍS DE M..S A RECEITA FEDERAL NAO FOI ATRAZ DELE NEM DE LULA E DO RESTO DA CAMARILHA…TRANSFORMAM UM PAÍS INTEIRO NUM PUT..RO ASSIM SE GANHA MAIS DINHEIRO SEM OPOSIÇÃO E COM UM POVO QUE VIVE DE VALE ISSO VALE AQUILO E CADA VEZ MAIS ANALFABETO…

  238. Laudelino Marcos Silva

    -

    15/05/2011 às 5:27

    GUERRA DE TRAFICANTES
    Semana passada detonaram Zé Dirceu por tráfico de influência a favor da empreiteira Delta, coisa de muitos milhões. Hoje a Folha detona Palocci que comprou dois imóveis por mais de sete milhões zona nobre de São Paulo. Fica evidente que a origem da bufunfa é o tráfico de influência. Não precisa ser nenhum Sherlock para deduzir que a denuncia sobre Zé Dirceu foi “fogo amigo” da turma do Palocci, descontente com o golpe de Zé Dirceu na eleição da presidência do PT. E até o tonto Dr. Watson deduziria que a reportagem da Folha saiu do “fogo amigo” de Zé Dirceu. Melhor seria se toda a turma marcasse um duelo no OK Curral e terminasse tudo num “zero a zero”…

  239. Jovem

    -

    15/05/2011 às 3:28

    Caro Augusto,

    De inicio, esclareco que meu teclado nao tem c cedilha nem da a possibilidade de acentuar as palavras e ainda escreve palavras que nao escrevo.

    Nô tocante ao artigo em tela, agradeco a eloquencia da defesa de nossa lingua inculte e bela, ultima flor do Lacio.

    Houve paises e comunidades que nao cuidaram de ensinar corretamente sua lingua e o resultado foi a necessidade de se criar uma nova lingua que so os nativos entendem, como em certos paises em que a lingua original era o Frances.

    Nô caso da Lingua Portuguesa, verifica-se uma tendencia de se incorporar certas deformacoes linguisticas que acaba por empobrecer nossa lingua, como se viu recentemente na ultima revisao feita, a qual nivelou por baixo e adotou deformacoes linguisticas de outros paises que tem o Portugues como lingua oficial.

    No caso aqui discutido, o ensino da deformacao linguistica como regra, ainda mais quand se trata de obra dirigida ao ensino fundamental, so cria ainda mais confusao e deformacao linguistica.

    Infelizmente, a atual quadral vivida pela historia de nossa nacao eh marcada pelo estimulo ah cizania, ai incluida a da lingua nacional.

    A divisa “Dividir para conquistar” nunca foi tao utilizada como por esse governo mediocre e abissal.

    Os agradecimentos pela defesa dos direitos fundamentais de uma nacao, dentre eles a lingua.

    Abração, amigo.

  240. THIAGO TRINDADE

    -

    15/05/2011 às 2:51

    Serei radical…

    Seja. Longe do camburão, de preferência.

  241. Walkiria

    -

    15/05/2011 às 2:50

    Como professora, tenho vergonha desse MEC aparelhado e corrompido.

  242. pedro simon bolivar

    -

    15/05/2011 às 2:34

    o permissivismo petista, que se traduz em revolucionar tudo, transcendeu o plano moral espiritual e etico…invadiu e passou a mao na bunda da ortodoxia da lingua.

  243. meier

    -

    15/05/2011 às 2:03

    Onde eu compro o livro “Por Uma Vida Mais Melhor”?

  244. J. Andrade

    -

    15/05/2011 às 1:53

    Augusto, você tem o direito de comentar sempre, mas não de distorcer. O livro fala em “falar” de forma informal, ele trata do “falante”, e você escreveu “Escrever errado está certo e é correto falar errado”. É isso mesmo que está no lovro? Agora cá entre nós, não é assim na linguagem informal e popular?

    Começando pelo fim. Não existe uma “linguagem informal e popular”, escrita ou falada, que autorize, por exemplo, a erradicação do plural. Quem erra deve ser corrigido por parentes, amigos e, sobretudo, professores. Alunos vão à escola para aprender.
    Transcrevo um trecho do livro: “Você pode estar se perguntando: ‘Mas eu posso falar os livro?’ Claro que pode”. Em nenhum momento os autores ressalvam que ninguém pode escrever dessa forma. Nenhum.
    Em outro trecho, aparece a frase que está no título do post. Escrita, naturalmente. Os autores dizem que o artigo “os” dispensa os plurais da frase. O que pode deduzir um aluno que lê isso?
    De novo: falar corretamente não é capricho da elite. É dever de todo brasileiro que frequentou a escola. Os professores estão lá para ensinar.
    Devolvo a frase: você tem o direito de comentar sempre, mas não de distorcer. O livro é criminoso.

  245. THIAGO TRINDADE

    -

    15/05/2011 às 1:44

    Nenhum paciente vai ao médico para dizer a ele que remédio prescrever; nenhum paciente vai ao dentista para dizer a ele o melhor para o tratamento da cárie; ninguém contrata o serviço de um engenheiro para dizer a ele qual deve ser a profundidade da base para a construção do edifício, ou coisa parecida. Agora me respondam: por que, no trabalho dos linguistas, muitos “sábios” se dão o direito de meter a colher onde não devem?

    Vou desenhar:
    1. “Os linguistas” não são um rebanho que segue o pastor como a companheirada segue o Lula. A maioria dos linguistas acha absurdo transformar o errado em certo, como tentam fazer os irresponsáveis que escreveram esse livro.
    2. Nenhum linguista é dono da língua portuguesa. Nenhum tem o direito de agredir o idioma (como tentam fazer os integrantes dessa tribo que você segue).
    3. A língua deve ser defendida por qualquer pessoa alfabetizada.
    4. Se o médico prescreve a receita errada, deve ser denunciado ao CRM. Se um dentista arranca o dente errado, merece ser enquadrado. Se um engenheiro usa areia em vez de concreto na construção de um prédio, merece cadeia. Se um linguista tenta assassinar o plural, a concordância e a sensatez, não vai escapar da reação dos que não perderam o juízo e a vergonha.
    5. Isso que você chama de “trabalho dos linguistas” é só um livro de quinta categoria.
    6. Vá dormir.

  246. esther correa

    -

    15/05/2011 às 1:22

    Oi Augusto
    Sou do interior e todas as empregadas dos meus pais estudaram na mesma escola pública que eu onde minha mãe era diretora.
    Ao mudarmos p/ São Paulo, todas as empregadas que minha mãe teve eram por ela alfabetizadas, já que sempre foi professora de “PORTUGUÊS
    Sempre demos a maior importância p/ a cultura que é sim educação.
    gora, escutar e ler as barbaridades que estão acontecendo nesse país é de gemer de tristeza.
    Dá pena das brasileirinhas e brasileirinhos da mainha Dilma. Serão tão analfas quanto ela.
    Esses petralhas querem e estão nivelando os brasileiros por baixo, já que é a única maneira de se igualarem a eles.
    Sempre tive o maior orgulho de vir de família intelectuais, onde meu avô paterno era médico, assim como 2 de seus filhos e o meu pai dentista. O meu avô materno era advogado, assim como eu, ambos formados pela São Francisco.
    A minha filha fez Faculdade, Mestrado e Doutorado na Universidade de Delaware, Newark, USA, onde mora há 16 anos e trabalha nessa mesma Universidade. O meu irmão tb. era advogado. O escritório aqui de casa é qualhado dos diplomas de todos eles.
    Isso p/ mim é que é tradição e educação.
    Negar para as crianças de hoje educação de qualidade é de uma crueldade revoltante.
    Vamos ver até quando essas barbaridades conrinuarão acontecendo.
    E a oposição se fazendo de morta é a maior responsável pelo que está acontecendo, já que não está exercendo o seu papel. Aff, “Cansey”

  247. wilson

    -

    15/05/2011 às 1:16

    Augusto pela cachola da “fesora” Heloísa e dos liguistas chapa branca o Obama teria que discursar
    em Ebonics.
    È a gramática lulo-tirica !

  248. luiz antonio - rj

    -

    15/05/2011 às 1:11

    Lula 8 anos na presidencia assassinando a gramática, Haddad 4 anos destruindo a Educação e criando dificuldades para a estudantada e agora Dilma com dificuldade de juntar lé com cré. Esses “intelectuais de esquerda” só podem ser idiotas, gostam mesmo é de puxar um saco.

  249. Oswaldo

    -

    15/05/2011 às 0:48

    Acho que a Era da Mediocridade passou da conta. Os professores que trabalham honestamente também precisam reagir.

  250. Marie

    -

    15/05/2011 às 0:37

    Desculpem-me pelo erro grave, mas no meio de tanta barbaridade, até eu caí em tentação. Leiam “mau costume”, por favor, em post anterior. Obrigada.

  251. E Bartlett

    -

    15/05/2011 às 0:30

    Augusto, na minha casa tambem ninguem fala “vamo no mercado”. Ate meus filhos, para quem o portugues e a segunda lingua -, um nascido em Oslo outro em Montreal, ja viveram em varios paises, e nos ultimos anos estabelecidos em Houston, pronunciam o S perfeitamente quando o plural exige.
    A escola existe para que, se nao for para ensinar e corrigir.
    Morri de rir com o “as muie”.
    (Meu teclado nao tem acento) Sorry.

  252. Vênus

    -

    15/05/2011 às 0:22

    Lamento por tudo isso. Lamento pela grande maioria dos comentários, uma vez que possuem erros, como problemas de concordância e alguns outros como o emprego de letra maiúscula na inicial de termos como Ministério da Educação, ou a falta de acentuação gráfica. Muito fácil criticar e não enxergar que até a sua própria educação muitas vezes foi falha. Não vou entrar nos méritos das discussões acadêmicas sobre o uso do plural, o que acredito seja o grande problema, alguns assuntos extremamente específicos de uma área de estudos e pesquisa serem tratados como assuntos de botequim. O que, ao meu ver é importante, é justamente o que alguns comentários ressaltaram: a escola não ensinar o que posteriormente será cobrado em todas as instâncias da vida do aluno, seja no vestibular, seja numa entrevista ou em situações mais simples que exijam uma expressão linguística oral formal.

  253. nirley

    -

    14/05/2011 às 23:53

    cara, voce é o &*$$$%¨$%## que eu tive o prazer de confrontar com minhas ideias. ce fala ingles. por que portugues. em 30 anos aqui é só chines.

    Mais um ex-aluno da professora Heloísa. Dos bons.

  254. Julio

    -

    14/05/2011 às 23:45

    Prezado Augusto,
    Tenho a honra de ostentar o sobrenome de um professor de português e literatura que não deixava passar um “s” sem pronúncia, uma concordância errada, um verbo mal usado, ao redor da mesa onde sentávamos, uma família de dez filhos, para almoços ou jantares. Cresci com a exata noção da importância de uma comunicação sem falhas como ferramenta básica para a compreensão do interlocutor e, por consequência, do controle do diálogo. Hoje, quase sessenta anos passados, sempre rendo àquele professor, meu pai já falecido, a justa homenagem a um homem que me preparou verdadeiramente para a luta pela vida dentro do espectro de sua especialidade que era o ensino do idioma. Não me conformo, como ocorreu ontem diante da TV durante o Jornal Nacional, quando percebo a violência com que essa gente que está no comando do país, eleita afinal de forma democrática pela parte que não pensa, avilta o conhecimento usando os mais deletérios recursos sempre disponíveis e jamais usados ainda que por regimes que sequer se preocupavam em mascarar-se de democracia. Seu artigo não foi uma surpresa, foi apenas aguardado ansiosamente como outros, sobre a gritante agressão que sofre nosso país por esse grupelho que o comanda.
    Mais uma vez, e com muito prazer, PARABÉNS !!!

    Quem merece cumprimentos é você, caro Julio. Pelo texto e pelo seu pai. Grande abraço.

  255. hellyétt mamede

    -

    14/05/2011 às 23:27

    Depois desta baboseira fenomenal do MEC,sinto-me ” diuturnamente e noturnamente ” desgastada.Ainda bem que Olavo Bilac não está vivo para presenciar tanta sandice…

  256. Rodrigo Kruppa

    -

    14/05/2011 às 22:59

    De fato senhor (faltou a vírgula entre ‘fato’ e ‘senhor’) Augusto Nunes, você (senhor ou você?) demonstra que jornalistas, quando se tratam (ou você escreve ‘quando tratam’ ou ‘quando se trata’. ‘Quando se tratam’ é cretinice) de linguagem, são ótimos palpiteiros, demonstrando total desconhecimento (desconhecimento do quê) e (vírgula) o (esse ‘o’ está sobrando) pior de (que) tudo, o preconceito linguístico que contamina até os ossos (ossos só podem ser contaminados pela idiotia).
    Preconceito Linguístico é conversa fiada?

    Bota conversa fiada nisso. Eu acho que você, por exemplo, escreve como um imbecil e deveria começar tudo de novo, voltando ao jardim da infância. Você vai dizer que é “preconceito linguístico”. Não é: as observações que fiz em negrito no seu comentário provam que você é mesmo uma besta quadrada.

  257. rossini thales couto junior

    -

    14/05/2011 às 22:56

    Caro Augusto:
    É impressionante que certas pessoas como o grande “mestre em liguística” Raphael não se cansam de levar bordoadas, mas mesmo assim ainda insistem em tentar nos convencer que certos são os seus argumentos e os da tropa de milicianos da qual ele faz parte. No mais, tratamento de choque neles!! Um abração e um bom fim de semana

  258. Vânia Cavalcanti

    -

    14/05/2011 às 22:55

    Olá, Augusto!
    Neste seu blog a gente aprende não só com os seus posts, um melhor do que o outro, mas também com os comentaristas – realmente, é um timaço; o Oliver é um dos meus preferidos. E, claro, as piabas pedagógicas que você aplica nos milicianos já merecem uma antologia! Sou formada em Linguística pela USP, onde já havia então essa conversinha esquerdopata de equiparar a norma culta às variantes ditas populares e acusava-se Machado de Assis de “falar e escrever a língua do império”! Mas havia os professores que rechaçavam essa interpretação e faziam com que os alunos vissem que nenhum professor que a defendia se expressava por outra forma que não a norma culta. Além do mais, esta não é uma questão linguística, é ideológica: se estes cretinos fossem, por exemplo, matemáticos, defenderiam que 28+15=33 é válido porque é assim que “o povo” (este ente idealizado) sabe fazer conta, é com este saber que ele chega à escola. No final desta semana, as más notícias sugerem que o art.5 da Constituição que prevê o direito à livre manifestação não se aplica a 3500 moradores de Higienópolis; que piadas infames juntando Auschwitz, velhinhos e trens são só isso – piadas – e que a norma culta do português é só mais uma forma de a elite humilhar gente pobre. Há entre elas um odioso e não casual fio condutor. Abraços para você, Augusto, e para o timaço que você inspira

    Muito bom, Vânia. Observações oportuníssimas. Um abraço.

  259. Luiz Pereira

    -

    14/05/2011 às 22:50

    Augusto, boa noite,
    Pois é, essa gente se esmera. E alguns que postam comentários aqui nesse espaço embarcam nessa canoa furada.
    “Variantes linguísticas”… Sabe que isso faz sentido? Ao menos para aqueles que, p.ex., dizem que caixa dois é apenas dinheiro não contabilizado.
    É uma variante, não é? Marcio Thomas Bastos e Saulo Ramos, “homens de elite”, acham isso (embora no caso de supressão do plural não fossem concordar, creio).
    Como sou do tempo em que variante boa era a Variant, da Volks, penso que essa escumalha tem por princípio que todo mundo tem a sua estatura moral, que é mínima.
    E como também sou otimista, creio que o mesmo povo que elegeu a tal escumalha vai defesnestrá-la em breve.
    Abs.,
    Luiz Pereira

  260. Sellba

    -

    14/05/2011 às 22:28

    Morei um tempo numa cidadezinha do interior do Brasil, e lá as pessoas diziam com a maior naturalidade: “as muié da cidade vai na academia prá esmagrecer”. Ouvir aquilo era de doer, mas por educação ouvia calado, sem reclamar. É claro que as pessoas tinham aprendido aquela forma errada de falar com familiares e professores. Agora querem me convencer que esta forma de falar está correta?

  261. Brasileira

    -

    14/05/2011 às 22:28

    Uma professora de ensino básico explica o plural para os alunos da terceira série, “se for um só é lápi, se for dois é lápis”, a diferença de ” folha é de árvore, foia é de papel” . Para chamar a atenção do fulaninho ela disse a seguinte frase, ” minino, distrepa da sulera da jinela que ocê tá chujando a parede”.
    É inacreditável, mas é a mais pura verdade.
    O mais triste é saber que ela, a assassina de mentes, continua na ativa efetivou no cargo e de lá só sai quando se aposentar.

  262. Mídia

    -

    14/05/2011 às 22:12

    O Lula anda espalhando que foi o melhor aluno da Heloísa Ramos. Faz sentido.

  263. Rejane

    -

    14/05/2011 às 22:09

    Sou professora, Augusto. Muito obrigado pelo texto. Um abraço.

  264. Jeremias-no-deserto

    -

    14/05/2011 às 22:04

    O que me põe ainda mais furibundo é constatar como uma intervenção cretina em nosso idioma como essa, que certamente deveria ser repudiada veementemente por estudiosos, ainda encontra eco nos chamados linguistas ou estudiosos. É uma atitude de puro cinismo, é falta de vergonha na cara, é picaretagem da cumpanheirada petista querendo criar seus cânones próprios e destruir com as normas eruditas estabelecidas pelo idioma ao longo de quatro séculos.A cupinchada pelega tem essa capacidade inaudita de nos surpreender a cada dia com novas atitudes cretinas, onde a gente já pensava que não havia mais espaço para novidades dos comandados do conferencista-cervejeiro.

  265. Maria

    -

    14/05/2011 às 21:50

    sabe porque o governo incentiva tanto o homossexualismo nas escolas? Para implanar a cultura gay e destruir a cultura. veja que a maioria dos gays são materialistas, consumistas, pessoas emotivas e fáceis de manipular e dominar.

  266. gaúcha indignada

    -

    14/05/2011 às 21:47

    Os eleitores da ANTA estudaram com a professora Heloísa, TODOS. Que futuro tem nossos jovens????

  267. Revoltante!

    -

    14/05/2011 às 21:47

    E agora cotas para negros, bolsas para gays nas universidades e cotas para professores gays. Será que eles só pensam nisso? A prioridade do governo é implantar a cultura gay no país? e aos outros nega até mesmo o direito da educação?

  268. edna

    -

    14/05/2011 às 21:43

    a cartilha caminho suave que ajudou a muitos na aprendizagem foi proibida, e agora colocam estes livros, tá mais que comprovado que o governo quer perpetuar a ignorancia em nome do fim da miseria e promoção da igualdade. até quando vai isso?

  269. Ricardo Leandro

    -

    14/05/2011 às 21:39

    Novamente, peço a você (sem nome!)…

    Pedido indeferido. Primeiro, porque já ocupou espaço demais para defender o indefensável. Segundo, por não saber que é o colunista quem responde aos comentários. A resposta só é assinada quando não estou cuidando disso pessoalmente. Entendeu ou quer que eu desenhe? AN

  270. Marcelo

    -

    14/05/2011 às 21:33

    Augusto, o próximo passo será a matemática popular:
    2 + 2 = 5, porque devem ser considerados também os recursos não contabilizados.
    Abraço,
    Marcelo.

  271. wilson1

    -

    14/05/2011 às 21:32

    Augusto, ELES não têm limites.

  272. Tião bento, rj

    -

    14/05/2011 às 21:26

    Esqueci de comentar que o MEC afirma que em provas do Enem e de concursos será exigida a noma culta da língua. È ou não é uma intenção de assassinato anunciada como se fosse uma promessa de um mundo melhor no céu?

  273. Sr. Brasil

    -

    14/05/2011 às 21:19

    Em um país onde o “voto de cabresto é lícito” através das bolsas…isso, axil….aquilo, vale….+ isso, não devemos nos espantar com a corrupção da língua portuguesa como mais uma das varias formas de manipular o brasileiro tão carente de conhecimento. Infelizmente a realidade esta aos olhos de todos que compreendem a importância de nossa língua, mas muito distante da compreensão dos que deveriam aprender.

  274. jboga

    -

    14/05/2011 às 21:15

    Num país onde as escolas não têm teto, cadeiras, professores e merenda, quem vai sentir falta de um “essezinho” aqui e ali. E se de quebra blindar as barbaridades ditas pelo CARA e pela CARA, melhor ainda. Pára de ser implicante, Augusto.

  275. Roberto

    -

    14/05/2011 às 21:13

    Augusto, leio seu blog faz algum tempo mas nunca tinha atentado para a área de comentários. Como lamento!Pretendo recuperar agora o tempo perdido. É um show à parte. Rolo de rir com a “surra de rabo de tatu” que você dá nos milicianos. É preciso mostrar o ridículo dessa gente. Abraços e bom fim de semana!

    Como você é titular do timaço de comentaristas, não pode deixar de acompanhar o bom trabalho da turma da portaria quando aparecem penetras, caro Roberto. Nenhum escapa do tratamento de choque. Grande abraço e bom fim de semana. Abração

  276. Tião bento, rj

    -

    14/05/2011 às 21:07

    Você disse tudo, a era da mediocridade foi longe demais. È assim sempre que se dá espaço a gente mal intencionada, acabam exagerando. Que diabos está acontecendo nesse MEC? não basta querer ensinar sexo e pregar homosexualidade saudável para crianças de 9 anos? então agora aparece a condenação de pessoas pobres menos esclarecidas à ignorância eterna?. Dá dó ver o que alunos do ensino médio do Rio escrevem nas provas, eu corrijo algumas, de química, minha mulher é professora, eles não entendem o que é pedido,pois não sabem português, é a tal linguagem achada na rua e agora oficializada dentro da escola pelo petismo mais voraz, creia Haddad é taleban, que nada mais é que uma leitura (re) do alcorão, significa estudante do livro sagrado. Como não pode entortar a Bíblia tenta matar a língua . Emburrecer e não permitir que estas pessoas, nós, evoluamos é a meta. Só quem pode deter isso é a sociedade, não contemos com partidos sindicatos ou afins, eles são parte do problema. Nasci na roça e sei o que custou para ter mais chances ser uma parte mais evoluída de meu pai, que repassei á minha filha, me falta muito ainda, mas sei o bastante para repetir e endossar o que disseste, esta era da mediocridade está indo longe demais. Vamos ver qual será a sandice de amanhã.

  277. maria rita

    -

    14/05/2011 às 21:06

    Correção feita, Maria Rita. Um abraço

  278. maria rita

    -

    14/05/2011 às 21:04

    Não estou acreditando no que acabei de ler na matéria do Augusto Nunes, porque estão assassinando a “Língua Portuguesa” de um jeito tão calhorda? Após oito anos de cafonice e breguice, onde nossos ouvidos se tornaram pinicos do ex lula, agora somos obrigados a conviver com o analfabetismo que tomou conta do ministério da educação no qual a muié do lula é a chefe mor dessa barbárie, que irá se perpetuar nas gerações futuras.

  279. Leonardo X

    -

    14/05/2011 às 20:42

    Virgilio Almeida – 14/05/2011 às 12:56

    Esse professor petralha deve ter estudado nas universidades que mencionou, e em outras que por modéstia deixou de citar, e tirado o diploma de linguista por correspondência. Lá na Boca do Mato Dentro ninguém precisa ter nem o curso primário para falar “nós vai”. Se pedirem a um aluno dele para comprar um quilo de fígado, o infeliz vai perguntar se é figo fruta ou “figo” pra fazer bife.

  280. Dexter

    -

    14/05/2011 às 20:34

    Não resisti e voltei.
    Na década de 60, o jornalista Sérgio Porto, sob o pseudônimo Stanislaw Ponte Preta lançou uma coleção de 3 livros de nome FEBEAPÁ – Festival de Besteiras que assola o País, a saber:
    -1966 – FEBEAPÁ 1 – Editora do Autor -RJ;
    -1967 – FEBEAPÁ 2 – Editora Sabiá -RJ;
    -1968 – FEBEAPÁ 3 – Editora Sabiá – RJ.
    Era um apanhado de notas jornalísticas parecendo noticiário sério. Muito atual e muito bom.
    Faleceu aos 45 anos, de infarto, em 1968.

  281. Marcos Teixeira de Souza

    -

    14/05/2011 às 20:17

    Nunes:

    Agora fiquei preocupadíssimo: será que essa energúmena que inventou esse “nóis vamu” vai mexer também na lingua do “i”? Aí a coisa vai complicar de “veis”

    Sem mais comentários…e um grande abraço a você!

  282. Marie

    -

    14/05/2011 às 20:13

    Novamente. Li o texto a seguir em um endereço sobre linguística. Fico a me questionar se não será por arrogância e orgulho? que alguns linguistas brasileiros não querem admitir que é exatamente o que está acontecendo no Brasil (como mostra o texto anterior que postei):
    “A escola precisa livrar-se de alguns mitos: o de que existe uma única forma “certa” de falar – a que se parece com a escrita – e o que de escrita é o espelho da fala – e, sendo assim, seria preciso “consertar” a fala do aluno para evitar que ele escreva errado.”
    A pessoa que escreveu o comentário de futebol que postei fez exatamente o que o texto nega, com certeza escreveu da forma como fala.
    E agora José?!

  283. Luiz Adams

    -

    14/05/2011 às 20:10

    Caro Augusto: No verso 19 do Canto I dos Lusíadas, há várias palavras no plural. Sendo reescrito de acordo com as novas”regras” sugeridas pela sumidade que pariu essa obra-prima, poderia ser identificado, sem problema, como “Osmar coberto de escuma”. A conferir:
    “Já no largo Oceano navegava,
    As inquieta onda apartando;
    Os vento brandamente respirava,
    Das nau as vela côncava inchando;
    Da branca escuma os mar se mostrava
    Coberto, onde as proa vai cortando
    As marítima água consagrada,
    Que do gado de Próteo são cortada”
    Para os apóstolos da ERa da Mediocridade, nada é longe demais.
    Abs.

    Boa, Luiz. abração

  284. Oliver

    -

    14/05/2011 às 19:57

    AUGUSTO
    É incrível o modus operandi desse gente. Destacaram um tal miliciano “Raphael”, professor de platitudes e chefe de um bando de avalistas da nossa linguagem para vir defender o outro bando, do marcos bagos e da professorinha heloló. Com o cara tropeçou na primeira piaba e pegou mal, passaram a reclamação para o gerente, como se faz em empresinhas de telemarketing. Aí entra em cena o Ricardão. ” Bom pessoal, é necessário alguns esclarecimentos” – kkkkkkkk. Onde essa cara pensa que está ? Quem é este “pessoal”, cara pálida ? Você também é daqueles que “dá bom dia pros internautas: – Bom dia, internautas !!!” Quanto você ganha para defender o indefensável, no lugar do Raphael, caro Ricardão ?
    O politburo petralha te paga em espécie ou vale-mortadela ? A gramática, tanto quanto a vida real, é coalhada de imbecilidades. Arrancar o “s” dos plurais é só uma delas. Pior é carregar crucifixos alheios, roubar jabutis, enfiar a mão nas diárias ministeriais, fraudar Enens e tudo mais que essa gentinha faz para continuar a dar ao pobre estudante a opção de continuar pobre. Tem gente que não serve nem pra adubo, caro Augusto. Esse Leandro tem cara de Ricardo. E ambos tem cara de bos.

  285. Marie

    -

    14/05/2011 às 19:51

    LEIAM ISTO, AMIGOS! ABRAÇOS, AN

    Não pude resistir e envio este texto, que li dias atrás. Não alterei absolutamente nada, é um texto original, vírgulas, infinitivos, ortografia, tudo. Venho coletando aberrações pelos comentários de notícias na internet. Como professora, ando assustada e muito preocupada.
    “eu vejo futebol quase todos os dias o impresionante de todo e que contra o asenal van perse foi espuço e o time ficou com dez contra o inter de milam thiago mota espuço outra vez e champions o primeiro classico entre baça madri ,madri termino com dez e o jogo empate segundo jogo os dois jogaram com igualdade e madri ganhou no outro jogo pepe nen acetou dani alves e espuço e mourinho tambem espuço ate ai o jogo tava igual se o baça tivece ganhando o jogo eu nao falava nada mais nao foi assim bom madri com dez baça ganha ultimo jogo gol legitimo se vale esse gol o
    baça ia defende pra nao leva outro porque com um gol mais o madri tinha mais posibilidade de ganha ia se ensentiva mais e as faltas que o arbitro nao apitol faltas de perigo que cristiano podia fazer um gol seguro i nada o jogo terminou empate o baça foi superio sim mais o jogo 11 comtra 11 terminou empate”
    O que seremos em muito pouco tempo?!! Qualquer coisa, menos um país. Assim, “nós fica aqui e pega o peixe”, enquanto outros países investem pesadíssimo em educação DE QUALIDADE (e não em experimentalismos anacrônicos e de viés social) pois já perceberam que é a única maneira de se tornarem grandes países, não só em extensão territorial ou em PIB.

    Obrigado pelo material, Marie. Grande exemplo. É isso o que os vigaristas que defendem o assassinato da educação chamam de “linguagem popular”. Um abraço.

  286. fpenin

    -

    14/05/2011 às 19:47

    Augusto,
    Você sempre acerta na mosca, meu caro. Entre indignado e surpreso li o seu excelente artigo. Confesso, ficou-me uma dúvida: os livros foram emprestado?A quens ? Aos petista*?

    *inconsistente:eles num gosta de livro!

  287. Ricardo Leandro

    -

    14/05/2011 às 19:44

    Em nenhum momento acusei alguém de imbecil. Você que está afirmando isso (e que não quis colocar o nome, não sei porquê!), peço que leia novamente meu comentário. Meu comentário reflete apenas o que está posto na sociedade. Há modos diferentes de falar, e os alunos precisam saber disso para que não haja mais preconceito. Infelizmente, as pessoas classificadas de “caipiras” sofrem muita discriminação pelo ao seu modo de falar. E isso é inadmissível. É só se colocar no lugar deles. O que devemos é parar com essa atitude de que tudo que foge à norma é errado. Se vamos olhar desse modo, quando escrevermos um e-mail ou teclarmos no msn,vamos ter de colocar tudo conforme a regra. Esqueçam o “vc” (você), “tão” (estão)…

    Essa história de “preconceito” é conversa fiada de paternalista malandro. Preconceituoso (e paternalista malandro) é quem acha que pobre não precisa aprender a falar e escrever. Você não entende nada de caipira. Nasci numa cidadezinha do interior e sei o que é isso. Nenhuma criança se sente humilhada por falar com erros, muito menos com sotaque. Quem se sente assim é o adulto que não aprendeu, e que será discriminado por não ter aprendido o que gente como você acha desnecessário ensinar. O resto é vigarice.

  288. Marina Elisa

    -

    14/05/2011 às 19:38

    Caro Augusto…depois de ler o que vc escreveu hoje eu tow se sentindo pecima….affff

  289. HENRIQUE

    -

    14/05/2011 às 19:37

    VOCE SENTE VERGONHA DE PAULO MALUF ??

    Sinto, milicianenrique. Nem vou perguntar a você se sente vergonha da quadrilha. Vocês perderam a vergonha há muitos anos. Se é que tiveram.

  290. Marie

    -

    14/05/2011 às 19:34

    Tive o desprazer de entrar em contato uma vez com um dos linguistas citados aqui, porque já venho de longo tempo em crise com nosso português, com certas coisas que leio nos comentários de notícias e ouço por aí. Aprendi então que eles, os linguistas, têm o péssimo e grosseiro mal costume de mandar as pessoas estudarem, como o fez também o sr. Virgilio Almeida aí embaixo. Acabei desistindo do contato, porque não houve possibilidade de diálogo. E só pra deixar registrado, passei 24 anos de minha vida estudando e hoje tenho doutorado e sou professora universitária. Pois bem, faço não um convite, mas uma solicitação: que venham aqui então os linguistas, já que são tão “estudados”, e nos expliquem, a nós, pobres ignorantes em questão de língua, o que tanto defendem quanto à “língua em movimento” e o embasamento para tal aberração EM LIVRO DIDÁTICO. Neste momento de indignação dos “iletrados” é que eles têm que se “desencastelar”, descer de seu pedestal intocável (afinal, só eles são estudiosos!) se misturar a nós e nos dar “aquela” aula, pra nos deixar de queixo caído com seu domínio do assunto e sua sabedoria, e provar sua capacidade didática, seu espírito de professor. Vamos lá, aqui ninguém morde! … Não se espantem, meus amigos. Daqui a poucos anos estaremos nos comunicando não mais com palavras, mas como faziam os homens das cavernas, por sons e sinais. Lamento muito, pois um dos pontos de união e identidade de um povo é sua língua, e a nossa está sendo enviada para o ralo com propriedade e sob aprovação do governo. Espero que os linguistas sobrevivam a isto, depois voltamos a conversar.

    Muito bom, Marie. Ótimas observações. Um abraço

  291. Paulista indignado

    -

    14/05/2011 às 19:29

    Raphael-13/05/2011 às 23:53
    Que vergonha, heim!!!!
    Plagiando blog dos outros como se fosse sua autoria?
    Bem, se tratando de petralhas tudo é possivel, o exemplo vem do chefe da quadrilha.

  292. sandovalsader

    -

    14/05/2011 às 19:03

    poucas coisas nos assustam no Brasil de Hoje. Mas, este negocio incomoda muito…será a educacao do PT? muda todas as regras conhecidas?

  293. To Fora

    -

    14/05/2011 às 18:55

    Se a montanha não vai a Maomé, Maomé vai ‘a montanha.
    Não necessariamente nesta mesma ordem.
    Trocando em miúdos: já que ninguém entende o que Dilma fala, então Dilma não entende o que ninguém fala.
    Repetindo: não necessariamente nesta mesma ordem.
    Um povo que aprende a mentir, que aprende a ser desonesto, porque para cadeia ninguém vai,
    que aprende que sem estudar se vai longe, o que mais esperar?
    “Nada é tão ruim que não se possa piorar”.
    Um país com Sarney na ABL, uma retardada vcs sabem onde e um bebado como ex…

  294. emanuela barreto

    -

    14/05/2011 às 18:39

    Sr. aloisio, é óbvia a intenção do MEC: FAZER OS COTISTAS TIRAREM 10 em redação e passarem no vestibular!
    O pessoal de classe mais baixa fala assim: “nóis vai”, a classe média não fala assim.

  295. indio véio

    -

    14/05/2011 às 18:34

    aguuusto AUGUSTO, o texto é 10, porem o q me fez rir d +, foi o comentario do samuel- 13.34 – quando diz q o 3º é igual aos 2 anteriores porem c virgula. risos a parte estamos ladeira abaixo e não sabemos quando será a ultima -ainda tem acento no u? a capacidade d superação dessa galera é quase infinita. abração

  296. Wesak

    -

    14/05/2011 às 18:14

    NOOÓÓÓOOOSSAA !! A paulada no tal Virgílio ali embaixo, um certo senhor linguista de m****a, foi de rachar o crânio e espalhar matéria cinzenta pelas paredes.
    A morte do Bin Laden foi mais “clean” que esta cacetada, GRANDE AUGUSTO. E eu acho que ainda podia ter sido um bocadinho mais cruééééell….

    Cada cretino que aparece por aqui, hein, grande Wesak? Ñão resisti à tentação de imaginar o cartão de visitas da figura: VIRGILIO ALMEIDA. LINGUISTA. RUA AURORA, BOCA DO LIXO, SÃO PAULO. abração

  297. Anonimo

    -

    14/05/2011 às 18:06

    ABACHO OS PRECOMSSSEITO MATEMATÍCO.
    .
    Vejam a lição dos PROFESSÔ-DOTÔ Lula e Delúbio:
    .
    1+1 = 2 ? …pode ser
    .
    1+1 = Caixa 2 ? …pode ser também

  298. Carnicero

    -

    14/05/2011 às 18:00

    Ah, sim, tudo vai ficar dependendo do contexto. E iremos regredindo, regredindo até chegarmos a poucas palavras que terão vários significados. Tudo suprimido chegaremos a duas letras que terão vasto, infinitos significados: PT. Ou, “a era da mediocridade”.

  299. Oséas R. Oliveira

    -

    14/05/2011 às 17:57

    Em um país onde o ministério da educação não é capaz de medir o nível de aprendizado dos alunos, onde um ex-presidente (que não consegue desencarnar) sempre defendeu a ignorância só faltava isso. E a autora se diz ofendida. Ofendido estamos nós brasileiros com tanta estupidez.

  300. chen

    -

    14/05/2011 às 17:56

    Concordo quanto a esse livro lamentável, mas culpar a esquerda é também de uma ignorância sem tamanho. Deve-se cobrar mais qualidade do MEC na seleção dos livros. Ponto. O assunto é educação e não politica.

  301. Ricardo Leandro

    -

    14/05/2011 às 17:53

    Bom pessoal, é necessário alguns esclarecimentos.
    Em primeiro lugar,o livro aprovado pelo MEC em nenhum momento despreza a norma padrão da língua portuguesa. Se observarem, apenas o exemplo dado pela autora está na linguagem coloquial. E o restante do livro é todo em norma padrão. Isso é para demonstrar aos alunos que a Língua Portuguesa não é composta apenas pelas regras gramaticais. Em segundo lugar, a autora e o MEC não pretendem ignorar a gramática, tampouco dizer que “vale-tudo” na língua, como alguns afirmam. Há sim uma grande preocupação em respeitar a fala das pessoas, da criança que traz de casa o seu modo de falar, do caipira, dos mais humildes… As pessoas, infelizmente, não sabem (aliás, não percebem!) que a língua é composta de variedades, modos de falar. Essa ideia, para quem não sabe, está documentada, e numa obra muito conhecida de todos: os PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais). É só ir lá e conferir. Então, o que os pesquisadores querem é que o sujeito saiba “adequar” a sua fala. Todo mundo nesse mundo fala “Vamo no mercado” (duvido quem pronuncie esse “s”).
    O que não se pode fazer é levar isso para contextos formais e para escrita. E esse é o papel do professor. Observar a escrita dos alunos e passar a ideia de que ele tem situações em que é exigida a norma padrão do Português. Afinal, ninguém ouvirá um dia o Willian Bonner apresentando o JN em linguagem variedade caipira, pois se trata de um contexto mais formal. Tampouco ele usará a norma padrão com sua família em casa. Algum brasileiro faria isso?

    Você está confessando que diz “vamo no mercado” em casa, como faz a Dilma em público. Até aí, tudo bem: azar de quem ouve. Mas não acuse os outros de imbecilidade. Eu digo “vamos ao mercado”. E todas as pessoas que frequentaram a escola também. Que história é essa de proibir a linguagem correta? Não pode mais? É proibido falar certo e escrever sem erros? O Lula mandou o plural para a guilhotina? Essa conversa fiada aqui não cola, companheiro. Na cidade onde nasci, todo mundo dizia “as muié” até aprender que não era assim. Estudei ao lado de dezenas de alunos pobres, que aprenderam o que vocês querem negar às novas gerações. Graças a isso, conseguiram o que os pais não puderam ter. Vá brincar de protetor dos pobrezinhos em algum blog estatizado.

  302. Adriana Rolando

    -

    14/05/2011 às 17:47

    Querido Augusto,
    Consentir o assassinato da língua é usual, embora, via de regra a gramática correta deveria ser ensinamento obrigatório. Concluo que a era Lula é insaciável não apenas nos desmandos éticos, em que moral, bons costumes, foram jogados sem parcimônia alguma no esgoto. Isso mesmo. Nunca os escândalos foram tão volumosos, e nunca também, os autores identificados se portaram como doutores, ao invés, de serem levados rapidamente a cadeia para que a experiência os aproximasse do que são, ratos, da pior espécie, travestidos de homens. Como se a canalhice peculiar não fosse suficiente, eles surgem com a burrice ensinada em série, provavelmente com olhos ambiciosos voltados para o futuro, porque com a cartilha distrubuída pelo MEC é provável que daqui há alguns anos, lulas e dilmas sejam perpetuados. A proposta inicial foi embasada na velha máxima:”os fins justificam os meios”.
    Faz todo sentido a frase de Nelson Rodrigues: “A BURRICE É ETERNA”. Vislumbrar a saída do território ocupado está fora de cogitação, melhor apostar na ignorância de quem vai votar amanhã. Eles só não conseguiram ser originais, em 1927 Hitler declarou publicamente que o “alfabetismo seria para classe privilegiada”, ou seja, determinada pelo ditador. A cartilha foi entendida pelos seguidores atuais.

    Ps. A Xuxa tentou fazer o mesmo e fez, trocando o s pelo x, inicial do seu nome. Irresponsabilidade e por que não crueldade?
    Beijo.

    Um beijo, querida Adriana.

  303. Ana Paula

    -

    14/05/2011 às 17:44

    Agora tudo é preconceito. Até se expressar e falar corretamente virou um absurdo. Isso não pode ser chamado de livro. Pior ainda é ser “escrito” por uma dita “doutora” na língua. É um atentado a estupidez , é a imagem e semelhança do molusco e da sua turma. Parece que nós que com muito sacrifício estudamos,escrevemos e falamos corretamente o bom português somos criaturas de outro mundo. . O mais engraçado é que segundo os idiotas do “MEC” você pode falar errado, agora nas provas dos vestibulares isto não será permitido.

  304. maria-maria

    -

    14/05/2011 às 17:41

    Alguém falou em marcos bagno; esse “professor” tem um livreto em que se declara doutor contra o que chama preconceito linguístico, mas pôs na capa um casal de roceiros, sogro e sogra do “distinto” e declara-os analfabetos. Baita cretino, principlamente porque usa o padrão culto para preconizar a extinção dele (padrão).

  305. maria-maria

    -

    14/05/2011 às 17:25

    Será o mesmo? Se for,está explicado.
    Virgílio Almeida deve ocupar a Secretaria de Política de Informática do MCT

    O professor do Departamento de Ciência da Computação do Instituto de Ciências Exatas (ICEx) da UFMG, Virgílio Almeida, deve ocupar a Secretaria de Política de Informática (Sepin) do Ministério da Ciência e Tecnologia em substituição a Augusto César Gadelha. A nomeação já passou pelo crivo da presidente Dilma Rousseff e deverá sair nos próximos dias. Almeida ocupava a representação da comunidade científica no Conselho Deliberativo do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

    Vou conferir, minha querida amiga. Um beijo.

  306. f tavares, na resistência

    -

    14/05/2011 às 17:24

    - não é demais lembrar a esse bestalhão, que no rio de janeiro alguns juizes – os que sabem ler e escrever, certamente – estão devolvendo as iniciais que estejam escritas pelo critério da linguagem popular. se não escrever direito, o processo nem começa…

  307. beto1

    -

    14/05/2011 às 17:20

    Prezado Augusto
    Devo considerar que esse Brasil é rico em talentos ocultos. A heloisaaramos e seu fiel escudeiro, o nebuloso raphaer (23:59 e com r), estão clamando pela inscrição no HSV.
    Admito que esses talentos ainda estão em processo de crescimento e devemos dar um voto de confiança às suas performances.
    Colocando-os na marca do penalti, não tenha dúvida, “nóis chuta”. Fico imaginando-os eleitos HSV com os votos da elite golpista! Chocante!

    Certíssimo, Beto. A candidatura será lançada nesta segunda-feira. abração

  308. Marco

    -

    14/05/2011 às 17:14

    Amigo A. Nunes: Pois é , a nossa Educação verdadeiramente foi arrastada por uma paixão ideológica cega e estranha, como se aprendesse sons vagos e estranho. Por essa ideologia colorida e intensa, todas as avaliações mudaram e se depreciaram. O objetivo é transformar o aluno em vítima idiota de palavras e opiniões estranhas como seu único direito.
    Abs.

  309. f tavares, na resistência

    -

    14/05/2011 às 17:11

    BRASIL DO LULA:ORDI E PROGREÇO!

  310. Angelo

    -

    14/05/2011 às 16:56

    Senhores,este livro Por uma vida melhor,já foi por
    obra do MEC,traduzido para várias linguas,inclusive
    para a Tasmânia,Ilhas Galápagos,Paquistão cujo um
    exemplar estava guardado no cofre do Bin Ladem,e
    recentemente descoberto pelos americanos.!!!!

  311. celinha

    -

    14/05/2011 às 16:55

    Caro Augusto,
    Espero q estejas bem e aproveito pra desejar um fim de semana sensacional pra vcs.
    Estão querendo acabar com a língua brasileira… Não sei nem o q mais dizer, de tanta insensatez desse governo. Já não basta como postamos na internet (ausência de letras e mtas vezes de palavras), mais abreviações e as siglas q inventamos, q é meio caminho do suicídio?
    Assassinar a língua brasileira à luz do dia, sem o menor pudor e ainda por cima, culpar a Educação pela ignorância dos desvalidos… Acho isso um despropósito! Revelam sinais de gente tremendamente recalcada e incapacitada de buscar melhoras no crescimento; como se só bastasse alcançar as metas almejadas através de falcatruas e crimes; assim rezam pela cartilha petralha! A partir daí não é mais necessário recorrer ao esforço e aprendizado para atingirem seus objetivos. O incentivo dessa proposta é: Vamos todos ser ignorantes… q sejamos analfabetos… O q seremos num futuro próximo??? Who cares???
    Holly Cow!!!!

  312. j.freire

    -

    14/05/2011 às 16:53

    Augusto,
    depois de esvaziarem os cofres públicos, querem surripiar a nossa língua. Esse pessoal só pensa em roubar.

  313. Dexter

    -

    14/05/2011 às 16:53

    Essa é só mais uma etapa da estratégia petralha de nos enfiar guela abaixo o Brasil maravilha inaugurado em 2003.
    Eles acham que, com o tempo,ninguém mais se lembrará de como as coisas eram. Doravante, o certo é falar igual ao líder.
    É a tentativa de implantar a máxima que diz:”___Uma mentira deve ser dita à exaustão, até que se torne verdade.”
    Só esqueceram de combinar conosco!
    Bem que tentaram…

  314. Francisco de Taubaté

    -

    14/05/2011 às 16:51

    Em nove anos de desgoverno, já conseguiram transformar o Brasil nessa mediocridade. Imaginem se ficarem os 20 anos que tanto desejam. E essa burra petralha ainda se acha educadora. Que vergonha!

  315. Enides

    -

    14/05/2011 às 16:50

    Agora acho que não falta mais nada… descambou de vez. Pobre futuro dos nossos estudantes!

  316. Juliana

    -

    14/05/2011 às 16:43

    “Os petista mandarum o plural para o mesmo buraco onde enfiarum a moral”

    http://umaeducadora.blogspot.com

  317. Glorinha de Nantes

    -

    14/05/2011 às 16:30

    Dias piores virão! Brinco! 
    Ainda não chegamos ao fundo 
    do poço das asneiras federais! 
    .
    A realidade sempre supera a ficção!
    .
    Jamais imaginei que a jato, 
    um jegue convenceria o ministrinho!
    .
    Nosso ministro merece um puxão de orelhas! 
    Uma hora de castigo! Ajoelhado no milho, 
    de cara  junto ao canto da sua sala, 
    no Ministério! Com grandes orelhas de asno! 
    .
    A palmatória?! Coitadinho! Vamos deixar 
    essa repreensão enfática para o caso 
    de insistir na estultície!
    Abraços, amigos!

  318. Dario Martins

    -

    14/05/2011 às 16:22

    Augusto boa tarde!!!
    Os milicianos se orgulham de um vagabundo semi-analfabeto que chegou ao poder, de uma presidente que quando faz um discurso de improviso mais parece uma brincadeira de trava-língua, nada mais normal que eles defendam um livro desse tipo, ainda mais quando é tudo pago com dinheiro público….

  319. bruno

    -

    14/05/2011 às 15:53

    E tem petistas enrustidos que ainda defendem esta irresponsabilidade…… cambada de salafrários…

  320. Agejota

    -

    14/05/2011 às 15:46

    Esse livro custa “2 real”. É por essas e outras que me recuso a adotar as tais mudanças da língua portuguesa estabelecidas pelos asininos governantes. Minhas idéias continuam acentuadas.

  321. Diego de Lareina

    -

    14/05/2011 às 15:46

    Um dos imensos danos irreversíveis, em forma de “legado”, que o pres. apedeuta, detrator do ensino fundamental e acadêmico, deixou para o país.
    Deve achar ele: “-É uma herança bendita”.
    Seremos uma nação de mais ignorantes no futuro; em % maior do que neste presente que se desmancha.
    Além de “pobres, desdentados, sem luz, água e esgoto sanitário”, definitivamente semianalfabetos.
    Telefones? Bem, aí a coisa é diferente. A “privataria” pôs o brasileiro no mundo das comunicações telefônicas.

  322. horta

    -

    14/05/2011 às 15:41

    Eu sou…

    Nem precisa dizer, milicianorta. Todo mundo aqui sabe que você é uma besta quadrada.

  323. NARA NÁPOLES

    -

    14/05/2011 às 15:34

    Prezado Augusto…
    Creio que você conhece essa realidade, mas vou explicitá-la aos profissionais do MEC. Nas escolas públicas alemas os alunos (pobres, da classe média e ricos) estudam OBRIGATORIAMENTE a língua alema,a língua inglesa, o Latim e ainda devem escolher uma terceira língua(pode ser o russo, o francês,etc.). Nas escolas públicas do Brasil as línguas estrangeiras nao sao valorizadas e agora, se nao bastasse , a própria língua materna está sendo violentada, abusada. Sao verdadeiros ASSASSINOS!!! MATRICIDAS!!!

  324. LIVIO LUIZ SOARES DE OLIVEIRA

    -

    14/05/2011 às 15:31

    Aqui vale lembrar uma frase memorável do grande Ruy Barbosa:

    “A degeneração de um povo, de uma nação ou raça, começa pelo desvirtuamento da própria língua.”

  325. Carioca Atônita

    -

    14/05/2011 às 15:22

    A presunção de que quem nasce entre falares regionais ou num meio inculto não poderá dominar a norma culta é de uma burrice incomensurável! Machado de Assis é a contraprova: não só falava francês e latim, como foi revisor em jornais. Por que privar a população desta oportunidade e ainda com a desculpa de preconceito?
    A confusão deliberada entre falares regionais, coloquial vulgar e norma culta serve a uma torção ideológica da linguística. Contorcionismo acadêmico…Parece projeto de manutenção do analfabetismo funcional- alarmante.

    Sinceramente, a esta cartilha prefiro a outra, aquela que ensina a ler e escrever, sem firulas.

  326. Fernanda

    -

    14/05/2011 às 14:53

    corrigindo o comentário anterior:”… mas sendo este o exemplar faço questão de pedir a todos, que tiverem a oportunidade, queimá-lo!

  327. Fernanda

    -

    14/05/2011 às 14:51

    Eu era contra a queima de livros, mas sendo este o exemplar faço questão de pedir a todos que tiverem a oportunidade de queimá-lo!

  328. G. Carvalho

    -

    14/05/2011 às 14:47

    Prezado Augusto,
    Você tem concluído, em vários momentos e com diferentes palavras, que é uma falta de respeito com os pobres estudiosos e diligentes essa tentativa indisfarçável de glorificação da necedade. Como você está certo, Augusto. Visitei minha tia Aurora, que é poliglota e se pós-graduou no exterior na área de ciências numa época em que suas colegas, bem mais abonadas, pareciam contentes com um diploma da escola normal, e li para ela esta coluna. Apesar de doente, Aurora não perdeu seu senso de humor e, terminada a leitura, me fez duas perguntas curiosas: 1) O sequestro de diplomatas por acaso prepara alguém para sequestrar carbono, revolucionando o setor energético? 2) Assaltar banco implica treinamento adequado para quem queira especializar-se no ataque sistemático contra o erário? O que essa senhora culta e discreta parece sublinhar, ao fazer perguntas cujas respostas conhece de antemão, é o conjunto de oportunidades sociais oferecidas pelo autoritarismo a fanfarrões, soldados da fortuna, e arruaceiros de todas as categorias e condições. Instalados no poder, eles tendem a fazer do exercício da autoridade uma tragicomédia.

    Viva Tia Aurora, amigo! abração

  329. LUIZ OLIVEIRA

    -

    14/05/2011 às 14:45

    Desde que a “pedagogia do oprimido” do barbudo Paulo Freire (como os esquerdistas gostam de usar barba!) começou a fazer sucesso em nosso país, a educação no Brasil, influenciada pelo método do dito cujo, só fez piorar. E existem milhares que julgam esse cidadão um gênio. Só se for um gênio da destruição da educação. Realmente, um gênio do mal que precisa ser exorcizado de nosso meio.
    Muitos vêem Paulo Freire como uma espécie de Marx da pedagogia da esquerda. Certamente. A sua obra Pedagogia do Oprimido é equivalente a um Manifesto Comunista da pedagogia. O seu lema pode ser resumido assim: Estudantes de todo o mundo: uni-vos! Nada tendes a perder, a não ser as correntes que vos prendem a uma educação autoritária e paternalista.
    Claro, os estudantes foram libertos do antigo modelo “opressor” de educação, que os ensinava a aprender a ler, escrever e contar, essas coisas inúteis. Agora todos os “estudantes” aprendem eficiente e eficazmente a construir seu próprio conhecimento e a desrespeitar seus professores, esses “trabalhadores da educação”. Claro, isso sem mencionar o desempenho escolar terrível, o depredamento constante de escolas e colégios e o espancamento e até a morte de mestres por “alunos” que “pensam criticamente”.
    Isso é que é revolução na educação! Nem Marx poderia ter feito melhor!
    Augusto,pare de ser preconceituoso. Você é um elitista incorrigível. O importante não é ensinar as “pessoa” a pegar os “peixe”. O importante é dar os “peixe” para as “pessoa”.
    Você, a quem acuso de elitismo linguístico crônico, saiba que o importante não é dominar a norma culta da língua. O importante é que cada “estudante” , venha a “construir o próprio conhecimento” e aprender a “pensar criticamente”. Por isso os estudantes brasileiros estão muito bem, liderando o ranking do PISA, enquanto sul-coreanos e chineses, coitados, que só se preocupam em estudar usando “métodos autoritários” de educação, estão a anos luz de distância dos brasileiros em termos de desempenho, nas últimas posições. É que eles ainda não adotaram o método freiriano. Quando fizerem isso, verão uma epifania, descobrirão, em êxtase genuflexório, a luz do conhecimento e se igualarão a nós, brasileiros, os primeiríssimos colocados no PISA. Quando chineses e sul-coreanos seguirem a cartilha freiriana irão se perguntar como viveram até aqui sem aplicar a “pedagogia do oprimido”.
    Êpa!. Alguém me avisou que eu estava olhando o ranking do PISA de cabeça para baixo. Vixe! Toda essa conversa sobre pedagogia do oprimido acabou oprimindo o meu cérebro!

  330. ERS

    -

    14/05/2011 às 14:43

    Saudade do tempo em que a estupidez se resumia a mudar o nome da Petrobras para Petrobrax.

  331. julio

    -

    14/05/2011 às 14:43

    Caro Nunes, está tudo rigorosamente de acordo com a cara do cara, “doutor em coisa nenhuma” e sua turma.
    Afinal, os doutorados já rendem excelentes frutos e exemplos!

  332. Abdalla

    -

    14/05/2011 às 14:41

    Corrigindo… é RECORDE e não redorde….

  333. Abdalla

    -

    14/05/2011 às 14:40

    Num país em que o Lula foi presidente, auto-louvando o fato de ser analfabeto, num país que elege o Tiririca com redorde de votos (EU NÃO VOTEI NELE!!!!), num país que quer sediar Olimpíadas e Copa sem conseguir acabar com a Cracolândia de SP, num país que cria a progressão continuada, num país que dá indulto pra traficante, estuprador e assassino pra esvaziar cadeia, vai se esperar o que?
    Senta e chora, brasil (com letra minúscula mesmo!!!)

  334. Juju

    -

    14/05/2011 às 14:32

    Isso é um deboche! Essa senhora, autora do livro, só pode estar querendo aparecer e o MEC, incompetente como sempre, ratifica esse tipo de distorção…mas, na Era da Mediocridade, nada é impossível…o MEC já provou que, no quesito educação, não há fundo do poço…

  335. Otavio

    -

    14/05/2011 às 14:11

    Tenho pena dos alunos! Podem até passar de ano, mas serão reprovados em qualquer entrevista para conseguir um emprego decente.

  336. Rofraro

    -

    14/05/2011 às 14:06

    Prezado Augusto:

    Com a introdução desta “invencionice” que eles chamam de “variedade popular”, talvez eles possam igualar ou superar os discursos do Lula aos Sermões do Padre Antônio Vieira ou à prosa de Eça de Queiroz; assim, será mais fácil depois destas equiparações do brilho e encanto de Vieira e Eça,Lula ser aceito como imortal na Academia Brasileira de Letras, como aconteceu com Sarney.Acorda, povo inculto…..

  337. duduvieira10

    -

    14/05/2011 às 13:58

    Meu Prezado ANunes;
    Fiquei horrorizado! (vendo ontem os telejornais do JN e do sbt). Só porque tivemos um Presidente semi-analfabeto que odeia livros, não somos obrigados a sermos eternos caipiras! Não temos direito de aprender a nossa língua corretamente como faz todos países do mundo? Negar nossa linguagem e negar nossa identidade, negar nós mesmos, sem língua o país não existe, e olha que o Português é uma língua riquíssima e admirada, não é um DIALETO tribal! Francamente meu poupe!!

  338. Nora

    -

    14/05/2011 às 13:43

    Nota 10, como sempre.

  339. Luiz

    -

    14/05/2011 às 13:37

    Misericórdia!!

    Desde quando professor ensinar a falar corretamente é preconceito contra o aluno.!!!!
    Eu custo a acreditar que essa ideia (?) saiu da cabeça de alguém do MEC.
    Fica, assim, decretado o fim do curso de língua portuguesa.

  340. samuel

    -

    14/05/2011 às 13:34

    O constrangimento criado por este livro da professoara Heloísa e pelo MEC vai além do ensino de língua. Está-se criando no Brasil uma terceira ideologia.
    TEMOS O CAPITALISMO que por vias tortas visa o aprimoramento cultural do ser humano. Nesta ideologia são capazes de fazê-los estudar só para ver se melhoram culturalmente, se enriqueçam, eliminando a pobreza.
    TEMOS O COMUNISMO que por vias diretas, impositivas, visa também o aprimoramento cultural do ser humano, fazendo deles bons burocratas.
    TEMOS AGORA O POBRISMO. Pobrismo se encastela no fato de que o povo desenvolveu valores que lhe são próprios, que o distinguem da chamada “cultura da elite”. E devem ser respeitados por isso e mantidos nisso como uma finalidade em si.
    Existem ramificações:
    Pobrismo do PT – Os petistas amam tanto os pobres que fazem de tudo para mantê-los pobres.
    Pobrismo do B – O povo deve ser respeitado pelos valores que lhe são próprios. Deve-se fazer de sua pobreza uma cultura alternativa.
    Pobrismo do PT do B- igual aos anteriores, mas com vírgula.

  341. beaujolais

    -

    14/05/2011 às 13:29

    Como forma alternativa de “combater o preconceito contra os alunos que falam linguagem popular”, sugiro dez chibatadas em cada criança que zombar do coleguinha menos favorecido. Se for menino, que também perca o direito às 21 virgens quando morrer.

  342. sueli gutierrez

    -

    14/05/2011 às 13:24

    Essa autorazinha vai abocanhar nosso dinheiro na moleza,porque ninguém precisa de um livro que ensine errado. Fechem então as escolas! Se as crianças não precisam aprender a ler, escrever e falar corretamente, pra que as escolas???
    Desde que os ptralhas tomaram o poder, a única intenção que elles tem é a de adestrar o povo, formar um rebanho a ser conduzido por elles, sem direito a questionamentos….. E, sem cultura, sem educação, não há quem saiba enxergar o que é certo ou errado. O pior é que nessas horas, não se vê manifestação de nenhum professor, porque será???? Estão tb coniventes com isso? Temo que este país não tenha mais solução se isso for realmente distribuído nas escolas, e fizerem disso um método de deseducação…. Lamento pelo povo que ainda trabalha honestamente, que paga seus impostos, e que está vendo a juventude de seus filhos ser destruída por esses canalhas.

  343. jhomer

    -

    14/05/2011 às 13:10

    Ôceis tá reclmando di quê? Se a gente não podemos com elis, se juntamos com elis. Qué dizê: se a gente não inducação prá elis, aceita elis. Acho qui elis, pt, pensu assim; dispois di nóis o dinluvio.Afinal, a gente são indescendente do Luiz.
    Como dizia o Nersu Rodrigui nóis ainda vai xorá olagima de isguinxo. PQP!

  344. Virgilio Almeida

    -

    14/05/2011 às 12:56

    Todos têm direito à opinião. Mas para falar com propriedade, há que se estudar, meu caro. Você é um mero usuário da língua, não estudioso. Sua opinião sobre linguística merece tanto respeito quanto a minha opinião, como um linguista, sobre economia ou direito internacional. Ou você acha que Yale, Harvard, Stanford, Sorbonne, MIT, etc. gastam milhares de dólares por ano mantendo departamentos de linguística para que seus doutores falem abobrinhas?

    Se Yale, Harvard etc gastam dinheiro para formar gente como você, acho. Não tenho nenhum respeito por um doutor em abobrinhas que se considera linguista.

  345. Agilmar Machado Filho

    -

    14/05/2011 às 12:54

    Não tenho nenhum preconceito contra o modo de falar de um homem do interior, por exemplo, que fale diferentemente do português das gramáticas.
    Já contra um presidente que fala barbaridades, e o que é pior, mentiras bárbaras, com certeza não é preconceito, mas considero algo inaceitável.

  346. edson

    -

    14/05/2011 às 12:51

    Caro Augusto.
    A resposta ao suposto professor Raphael foi um tapa na cara que ele vai sentir pelo resto da vida, a denunciar toda sua ignorância. Foi simplesmente desmoralizante. Fico perplexo ao constatar que existem pessoas a defender o indefensável, e penso que jamais atingiremos o grau de cultura que nos transformará num pais civilizado. Tenho pensa desse tipo de gente porque renegam os próprios direitos, seja a educação, seja a saúde. Não compreendem que podemos cobrar o melhor, e não nos contentar com o pior.

  347. samuel

    -

    14/05/2011 às 12:41

    Comentário à Fabricio Gomes – 13/05/2011 às 23:07 “Aqui na Inglaterra” Óoooo como é superior!
    Provavelmente bolsista do MEC. Está somente retribuindo o favor. Nada como o compromisso moral com os bemfeitores!

  348. Jane

    -

    14/05/2011 às 12:38

    Os artigos do Augusto Nunes mostram que a gente não está imaginando coisas. O pesadelo é real.

  349. Regina Mara

    -

    14/05/2011 às 12:36

    Para o Raphael, 13/05/2011 às 23:53h:
    Só uma pequenina observação: quer defender seu ponto de vista? Ótimo! É saudável e democrático. Mas não use dois parágrafos inteiros de um blog como se fosse a SUA opinião, sem ao menos citar a fonte.
    http://www.conversadeportugues.com.br/2011/01/nao-e-errado-falar-assim.html
    Na minha terra, isso tem outro nome.

    Boa, Regina Mara! Pegou na testa. Um abraço.

  350. HENRIQUE

    -

    14/05/2011 às 12:34

    CARO AN , …

    Ou comenta o tema ou cai fora.

  351. Fernanda

    -

    14/05/2011 às 12:33

    Augusto, às vezes você é muito intrsnsigente com essa gente.
    A regunta é: que tipo de profissional o MEC está formando com estes livros?

    Acho que “catadô de recicráve”

    E também os catadores deveriam ter uma educação muito melhor. Talvez passassem de catadores a recicladores.

  352. f tavares, na resistência

    -

    14/05/2011 às 12:30

    asil do lula: ordi e progreço…

  353. Arlindo

    -

    14/05/2011 às 12:23

    Eu sou Lula e Dilma…

    Nem precisa dizer. Basta ler uma linha para identificar uma mistura dos dois, que também estudou com a professora Heloísa Ramos. Você aprendeu a ser analfabeto com muita competência. Parabéns, milicianarlindo. Como prêmio, vai levar uma surra de rabo-de-tatu e uma voadora na testa pra ver se o neurônio pega no tranco.

  354. Renan Martins

    -

    14/05/2011 às 12:18

    Genial! Que outra forma haveria de dizer que Dilma e Lula dominam o português, além de transformarem-no em uma nova língua?

  355. Geraldo

    -

    14/05/2011 às 12:15

    O próximo passo é dar cabo à idéia de alterar a letra do hino nacional (desejo de muito tempo) porque a letra é muito culta. A vontade desta gente é que nosso amado país seja
    “BRASIL, UM PAIS DE BURROS”

  356. Dona Lindu

    -

    14/05/2011 às 12:04

    Língua culta é coisa de patrão!

  357. Régio Menezes

    -

    14/05/2011 às 11:58

    Amigos, o “professor” Raphael , lá embaixo está correto: os estudos linguísticos estão avançados, no sentido de “petezar” o português, de “revertê” o “istrago” que “aselitis” , fizeram ao povo brasileiro. Os novos sábios da língua transformarão o português em “Petês”.
    Em que mundo vivemos?

  358. Dilermando Neto

    -

    14/05/2011 às 11:48

    Nada mais previsível, para os semianalfabetos que estão formando no ensino médio, qual a diferença? Serão os futuros cotistas das faculdades públicas, DELLES, de qualquer forma. O povo deu o aval, mesmo com a mesma urna eletrônica que os EUA abominaram.

  359. Sandro.jp

    -

    14/05/2011 às 11:45

    Absurdo, absurdo e absurdo!

    E pensar que pagam por isso!

    Longe de meu país, esforco-me para falar e escrever corretamente e me aparecem com esse troço???? Quando retornar ao Brasil, precisarei contratar um tradutor para entender o “neo-português”?

  360. Arlindo

    -

    14/05/2011 às 11:43

    (*&(%%¨%$ fundação padre amchieta… Gente sínica………

    Deve ser um ex-aluno da professora Helena.

  361. Mako

    -

    14/05/2011 às 11:43

    É aterrador o que esta acontecendo. Este governo é de uma incompetência e cinismo sem igual. Sobreviveremos mas a sequelas perigam esta e as próximas gerações.

  362. arilson sartorato

    -

    14/05/2011 às 11:40

    NADA MAIS NATURAL ESTA ABERRAÇÃO DO MEC,PARA UM PAÍS QUE TEVE UM PRESIDNTE ANALFABETO E QUE SE ORGULHA DE NUNCA TER LIDO UM LIVRO NA VIDA,E QUE NÃO CONSEGUE PRONUNCIAR UMA FRASE SEM DIZER ‘ SABE”.VIROU BONITO FALAR ERRADO E ESCREVER ERRADO. ATÉ ISSO O MOLUSCO CONSEGUIU. ESTRAGAR NOSSA LINGUA.

  363. Susana

    -

    14/05/2011 às 11:38

    Este post é que deveria ser distribuído nas escolas brasileiras.

  364. Joel

    -

    14/05/2011 às 11:37

    Atenção, pessoal do Jurídico: mais um que quer ser convidado a repetir o que escreveu no tribunal:

    joelmattos@hotmail.com
    187.55.155.205

  365. morg

    -

    14/05/2011 às 11:36

    Segundo o pensamento essa professora, a frase mais objetiva e simplista seria : “Os livro mais interessante está emprestado.” Por que concordar só o verbo?
    morg

  366. Prof. Wladir

    -

    14/05/2011 às 11:36

    Medonho mesmo! Inconsequente! Parece surrealismo…
    Passamos todos, da minha geração, ensistindo com as crianças para que aprendessem ler, interpretar, escrever manifestando pensamentos universalmente, e agora vem essa energúmena querendo fazer com que o linguajar sem vergonha dos Petralhas em geral (incluindo o da PresidentAAA), sejam considerados certos e, quem criticar, é passível de penalidades por ser preconceituoso???
    O molusco e seus áulicos já haviam ordenado que os nomes homenageando praças, ruas, etc., de militares, fossem substituidos por nomes de trambiqueiros sindicalistas e de até de assassinos como guevara, e ele fosse marcado como o início da nossa nova nação. Até Agora, cônscio de que nada fez pela elevação do nível da escolaridade em nosso povo, simplesmente coloca como sendo “verdadeiro” esse linguajar canhestro, destemperado, ridículo, só para que, daqui para a frente, nossos índices de “notas boas” sejam mais elevados??? Ou será que isso é uma tentativa de “tornar culto” o linguajar jagunço para que possa, de alguma forma espúria, dizerem os PeTralhas que, afinal de contas, os tais “dipromas” obtidos pelo molusco em Viçosa e em Coimbra não seriam, assim, tão ridículos e destituidos de significado?
    Como diria o Boris Cazoi…”isso é uma vergonha”.

  367. Oliver

    -

    14/05/2011 às 11:35

    AUGUSTO
    Já faz um tempo que ronda minhas “ideia” ( no singular agora pode ) um tratado sociológico sobre essa gentinha. Afinal eu vi nascer uma daquelas vertentes religiosas que praticam os “pitstops da fé” com grande desenvoltura e consigo perceber uma relação causa – efeito nas intenções dessa gente. O que está acontecendo no Brasil é um fenômeno social movido a muito rancor e alguma doutrinação. Partidos, religiões e instituições ditas “tradicionais” vão perdendo suas legitimidades sem direito à defesa, porque esta é a orientação dos novos insurgentes. É um trabalho de cooptação que dá resultado, pois encontra terreno fértil no descompasso entre essas instituições e a sociedade, ávida por encontrar algo ou alguém que represente seus anseios pela modernidade. A falta de um discurso mais moderno e menos oligárquico para a sociedade cabe como uma luva nas intenções funestas dessa gentinha. Isto não é um país; é um ajuntamento. De um lado os talebans de todas as novas seitas, urrando seu direito de falar errado sem serem molestados, e de outro “aquela gente grã-fina de Higienópolis” que, segundo eles, não aceitam um churrasquinho na rua, debaixo de seus luxuosos condomínios. Para mim, o problema é justamente este; os grã-finos aceitam a perda da finesse com muita complacência. Os rituais de condenação pululam em todas as partes, como método de controle e linchamento. O que eles querem é uma militância azeitada, fazendo barulho, enquanto eles saqueiam o que podem de uma sociedade incauta e inculta. Sabem que serão enquadrados um dia, mas esperam até lá roubarem o suficiente para uma aposentadoria tranquila, de preferência num auto-exílio em Nova York ( em Cuba nunca ) ou em Paris, de onde ainda balbuciarão algumas palavras de ordem, entre uma taça de champagne e outra. É um golpe em andamento; não vê quem não quer. Usar a “luta de classes” é só uma senha para manter a sociedade ocupada e mobilizada contra os fantasmas errados. O que me espanta mesmo é que, no ritual da cooptação, foi até fácil domesticar a imprensa tradicional e seus miquinhos amestrados pelo socialismo barato e empenado. Não é pra menos que a última trincheira da verdadeira luta ideológica se dê por aqui, na internet, em blogs e sites cuja “conta para depósito” não pôde ser encontrada. Eles nos odeiam, Augusto. Por um motivo simples; jamais terão competência, disciplina, ética, valores e conhecimento suficientes para nos enquadrar. E no jogo democrático que terão de jogar, então piorou. Não há passaporte diplomático que chegue para essa gangue de muambeiros. Nem churrasquinhos de gato.

    Impecável, Oliver. É exatamente isso. Grande abraço.

  368. Fred SP

    -

    14/05/2011 às 11:29

    Caramba, AN, vim aqui postar “os link” de “outros site” sobre este assunto…. Rapido no gatilho, hein?! Agora para ser professor precisa mostrar que nunca cursou uma escola! Nunca na história deste país,…. E viva a HIGUINORÂNÇA!!!!

    Agradeço da mesma forma, caro Fred. Abração.

  369. Sérgio Mota

    -

    14/05/2011 às 11:19

    A coisa mais bonita que temos, é a cultura, infelizmente hoje vivemos a “DESCULTURA” se é que podemos chamar assim, visto os absurdos que andam fazendo com nossa Lingua Portugue, tudo acaba sendo normal, bonito e chique para alguns que querem aparecer.
    Nada melhor do que querer fazer e ensinar a coisa certa para quem precisa aprender oque é certo… Agora uma pergunta, por que a Sra. Heloisa Ramos não dá entrevista falando da forma como ela acha correta, isto que eu gostaria de saber.

  370. O Vampiro de Curitiba

    -

    14/05/2011 às 11:14

    O que esta doutora petista está dizendo é o seguinte: 2 X 2 = 4, mas como eu não saberei lhe ensinar matemática direito mesmo, 2 X 2 = 5 ou 3 ou 6, conforme o contexto.
    Surrealismo pobrista!

  371. Quaker

    -

    14/05/2011 às 11:11

    PESSOAL:
    O MEC TEM QUE ADEQUAR A LÍNGUA PORTUGUESA AO ANALFABETÍSMO PETISTA. ESTA INVASÃO IDEOLÓGICA, PILANTRA,CANALHA,VAGABUNDA,CORRUPTA DESSES ILETRADOS,COMO ELES IRIAM SE COMUNICAR COM A TROPA DE ANALFABETOS FUNCIONAIS?
    MUITA GRANA CORREU PELO VALE DOS DOS TRAPACEIROS
    ONDE UMA SÓ CABEÇA IDEOLÓGICAMENTE DEFEITUOSA, LANÇA A LAMA FECAL EM LIVROS DIDÁTICOS ONDE OS PAIS DE HOJE SEM QUE SE IMPORTE EM CONFERIR O CONTEUDO QUE AS ESCOLAS ESTÃO DEPOSITANDO NAS CABEÇAS DE CRIANÇAS INOCENTES QUE O PT SEM QUALQUER ESCRÚPULO,AS USAM PARA PROGAMA-LAS PARA UM FUTURO NEGRO ONDE A APOLOGIA AO CRIME,AO COMUNISMO,AO FACISMO É A PRIMEIRA META PARA MUDAR A CRENÇA,A MORAL,A DESCÊNCIA DE UM PAÍS QUE A QUINHENTOS ANOS LUTA PELA IGUALDADE SEM SE QUER SABER QUE CADA UM TEM E DEVE SER DIFERENTE.
    TODOS PODEM SER IGUAIS MAS NUNCA IGUAIS AOS LADRÕES FORMADOS NOS PORÕES DA LATRINA LULO PETISTA.O MEC AGORA DEVERIA SER CHAMADO DE:
    MERCADO DE EXTRUME DOS COMPANHEIROS…
    ANTES AS ESCOLAS ERAM DIRIGIDAS POR PROFESSORES.
    HOJE? QUALQUER UM QUE TENHA FEITO O ARTIGO 99 PODE SER MINISTRO DA CULTURA OU DA EDUCAÇÃO.
    O CARGO DE PRESIDENTE SÓ PARA EX VAGABUNDO E EX TERRORISTA. ESTÁ É A ÚNICA DIFERENÇA QUE eles CONHECEM…

  372. BETHS

    -

    14/05/2011 às 11:04

    Esse mesmíssimo MEC já avisou que, está tudo muito bom, está tudo muito bem, mas, na hora das provas, será cobra a norma culta. É de lascar! Cada vez mais me torno pessimista quanto ao futuro do país. É a treva!
    Em tempo: “professor” Raphael, não seria mais inteligente ensinar aos pobres o idioma “da elite” – aquela que vai dar emprego para os mais capazes – do que bater palmas para suas deficiências, mantendo-os indefinidadmente no mesmo patamar, sem qualquer chance de ascensão social ou econômica? Não seria mais lógico ELEVAR o nível educacional dos “tidos como inferiores” para que, finalmente, ninguém mais fosse “tido como inferior”? Ah, claro! A lógica não deve ser o seu forte, embotado que está pela esquerdopatia bocó, crônica, incurável.

  373. Titônio

    -

    14/05/2011 às 10:57

    Essa professora é tão desqualificada que nem falar errado ela consegue fazer direito. Não se fala “Nós pesca”, pois o correto é “Nóis pesca”. E também o certo é “Os livro tão emprestado” e não “estão emprestado” (há uma variante: “os livro tá tudo emprestado”). Se é para ensinar a falar errado então ensina direito.
    Agora falando sério, ela inverteu as coisas. É sim importante entendermos o que quer dizer uma pessoa que está falando errôneamente, mas nem por isso temos que também falar dessa forma e muito menos passar isso para a linguagem escrita. O fato de se falar corretamente e preferir que os outros também o façam não é questão de preconceito. Se assim pensarmos daqui a pouco ser honesto e tentar promover a honestidade será considerado preconceito contra os desonestos e ser inteligente e tentar promover a busca pela inteligência será considerado preconceito contra os ignorantes, assim como já está acontecendo com quem é heterossexual e quer promover a heterossexualidade, nem que seja só para seus filhos, está sendo considerado preconceituso contra os homossexuais.

  374. Carlos Domingos Alberti

    -

    14/05/2011 às 10:53

    Culpado? As urnas.

  375. Ana Muniz

    -

    14/05/2011 às 10:52

    Quando ouvimos em um comercial de tv a voz em off dizer “para eu”, ou quando acessamos um site de notícias e lemos que o “terremoto confirma a professia (sic), isso mesmo, profecia grafada com ss, concluímos que a educação e a cultura, no Brasil, estão indo para o ralo. A propósito da publicação,considero como um Manual do Preguiçoso, coisa de gente que por total falta de empenho e capacidade para dignificar a sua própria atividade, prefere que os demais permaneçam no erro, desconhecendo a máxima – errar é humano, persistir no erro é ignorância. É mais cômodo fazer de conta que o errado está certo, que errado são os outros. Isso é de uma maldade sem medida. Vivessemos em um país que se dá ao respeito, essa pseudo professora teria o diploma cassado, anulado e seria proibida de transpor o portão de qualquer escola. Mas, como diz o moço do blog, vivemos a Era da Mediocridade, comandada por um povinho miúdo que entre outras coisas, desconhece a beleza que existe na sonoridade do falar corretamente.Mas,não dá para exigir nada da “otora” afinal papagaio velho não aprende a falar.

  376. Not funny

    -

    14/05/2011 às 10:51

    Retrato dum sistema dominado e comandado por gangues que se desdobram para impor lorotas aos jovens, idolatria a um cafajeste, e querer justificar o vergonhoso nível intelectual do seu líder 51. Isso só pode desembocar neste tipo de contorcionismo, uma aberração.
    A maioria dos país que impuseram doutrinação ideológica sobre a educação caminharam para o abismo do caos social, o colhendo invariavelmente milhares de cadáveres. Exemplos catastróficos existem aos montes, mas estes insistem na repassar o filme nefasto, só para garantir as suas mamatas, seus privilégios, as BOQUINHAS.

  377. luciane

    -

    14/05/2011 às 10:51

    Como sempre caro AN seu texto é um primor.
    Coisa mais linda é a nossa língua bem falada e bem escrita. Não vou aceitar em hipótese alguma esta estupidez. Aliás Einstein disse uma frase ” Só duas coisas são infinitas: O Universo e a estupidez humana”

  378. Leonardo X

    -

    14/05/2011 às 10:41

    Raphael- 13/05/2011 às 23:59

    Seus alunos, pobres criaturas, fariam melhor se fossem tomar aulas de português no bar com um
    “garçon etilista” a serviço do ProsTíbulo, como Babalula. Eles teriam mais chances de ganhar a vida sem precisar de uma carteirinha vermelha de petista ju(ra)mentado como você.

  379. gustavo

    -

    14/05/2011 às 10:32

    Augusto….esses petralhas não tomam jeito mesmo… querem emporcalhar até a nossa Língua Portuguesa…
    nunca vi nada mais patético e imbecil…
    é risível se não fosse trágico…..

  380. Vera Scheidemann

    -

    14/05/2011 às 10:32

    Estou pasma, sem palavras. Realmente
    não dá para acreditar numa loucura dessas.
    Vera

  381. j.freire

    -

    14/05/2011 às 10:17

    Augusto,
    o MEC já está reprovando quem escrever corretamente. Inclusive nos cursos de mestrado e doutorado. O Planalto já prepara uma MP obrigando todos os brasileiros escreverem e falarem a “voz do povo”. Você, o Reinaldo e o Setti terão de aprender com o livro dessa anta. O Arnaldo perderá seu cargo de tradutor da “mamãe”. Este é o Brasil da canalha.

  382. José Augusto - BH

    -

    14/05/2011 às 10:11

    Prezado Augusto:
    Pelas novas regras gramaticais adotadas pelo MEC, a expressão “Nós vai” pode?
    “Se nós vai estar podendo escrever do jeito que fala, então nós que nunca escreveu nenhuma linha de redação vai estar podendo receber título de Doutor Honoris Causa em Coimbra?”
    Já houve alguma manifestação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, ou da Academia Portuguesa de Ciências, ou da própria Academia Brasileira de Letras? Uma inovação dessa, tão próxima ao Acordo Ortográfico de 1990 ( http://pt.wikipedia.org/wiki/Acordo_Ortogr%C3%A1fico_de_1990#Ver_tamb.C3.A9m ), até hoje em discussão nas altas esferas intelectuais dos países lusófonos, adotado aos poucos e com restrições, não é brincadeira para burocratas populistas desocupados empenhados em agradar “as chefia”.

  383. Brasiliano

    -

    14/05/2011 às 10:09

    Boa tarde a todos.

    Amigo Augusto, desculpe mas voce nao entendeu!!!

    Se como o dilmes é mais dificil do que o chines,estao ensinando o dialeto lulles.

    Sem a sua coluna e os seus comentaristas, meu tédio aqui na Italia seria muito maior.

    brasiliano1@gmail.com
    00393470195534

    Da Italia, acompanhando o blog.

  384. Rose

    -

    14/05/2011 às 9:58

    Tem que trocar o nome do livro:
    ” Por uma vida pior”

  385. Pedrugo

    -

    14/05/2011 às 9:44

    Vi e ouvi a explicação da Professora Heloísa sobre o seu livro ao Jornal Nacional. Notei que ela não soube se expressar durante a sua entrevista. Usou um vocabulário pobre com frases desconectadas.
    Acho que Dilma…desculpem-me…deve ter aprendido português utilizando esse livro didático…

  386. Gil

    -

    14/05/2011 às 9:44

    ATENÇÃO, São Paulo! Não é esse Fernando Haddad que está sendo cogitado pelo PT para concorrer à prefeitura da capital nas próximas eleições? ATENÇÃO, paulistanos. É uma boa hora para mostrar a ele e aos demais candidatos do partido com quantos “paus se faz umas canoa”.

  387. Mariazinha

    -

    14/05/2011 às 9:44

    Uma vez ouvi uma música abominável que tinha o seguinte verso: “Os moleque são teimoso”. Hoje a tal música faria parte de alguma aula para exemplificar a nova gramática da finada língua portuguesa. Que tristeza, meu Deus!

  388. Luiz Antonio

    -

    14/05/2011 às 9:43

    Natural caro Augusto.
    Depois de violentarem os dados para que os resultados econômicos brasileiros fossem mais positivos do que a realidade, preparamos as novas regras de forma a termos resultados mais positivos nas futuras avaliações do ensino.
    Vamos comprovar para o mundo, que o Brasil “maravilha” registrado em cartório, realmente existe.

  389. suburbano

    -

    14/05/2011 às 9:36

    A PTzada não param diante de nada o incrivel está acontecendo os ordinarios inclusives os psudos-intelctos de araques que por serem jumentos juntos com a Heloisa BURRA-CHEFE estão assassinando nossa gramatica por pura ignorancia, eles erraram mas ao inves de assumirem e corrigirem querem nos fazer-nos de idiotas que será mas facil, como vc disse AZELITEZ fingindo que não está acontecendo nada pra não perderem suas benesses, ñ importam que seus filhos aprendam errados que SIFÔ…das tetas não saio daqui ninguem mim tira BANDO DE SALAFRARIOS SEM VERGONHAS o pior já está acotecendo estamos perdendo nossa indentidade por causa de (12)dz. de PTralhas F.D.Ps que em suas ideias já são donos do País com tudo que está dentro bando de ladões sem vergonhas.

  390. Sergio S. Oliveira

    -

    14/05/2011 às 9:30

    Camões, Fernando Pessoa, Machado de Assis, Manuel Bandeira, Cecília Meireles, todos os grandes nomes da língua portuguesa devem estar se revirando em seus túmulos. Camões, por exemplo, que já não é tão compreendido e entendido numa primeira leitura por esta casta de medíocres, imagine então com essa “elasticidade” da língua, como propõe essa pseudo professora e este ministério da “deseducação”. Vou conversar com dois professores de português (um, inclusive é doutor), para saber o que acham disto tudo. Depois eu conto. Fosse eu professor de português, tenham a certeza absoluta, turma minha iria arrancar as páginas deste manual de ignorância. Para quem emprega as regras da língua ao falar, tal como se usa as regras da matemática para fazer contas, isso é uma afronta. Existe algum abaixo assinado deplorando esta cartilha, estas idéias? Me avisem para assinar. Ah sim, eu sou preconceituoso lingüístico, com muita honra.

  391. Francisco

    -

    14/05/2011 às 9:28

    URGENTE! Queremos escolas que ensinem analfabetismo. Todos os já alfabetizados “estará inscrito”.

  392. Pedro Erik

    -

    14/05/2011 às 9:26

    Caro Augusto,

    Permita-me agradecer a rossini thales couto junior
    - 13/05/2011 às 23:26, e a Vânia Cavalcanti que comentou em meu blog. Vocês são ótimos leitores que devo ao grande Augusto Nunes.

    Abraços aos dois.
    Pedro Erik
    PS: Augusto, demais suas porradas e a de seus leitores neste Raphael. Parabéns.

    Chesterton tem uma frase ótima para lidar com os estúpidos das faculdades: “whithout education, we are in horrible and deadly danger of taking educated people seriously”.

    Essa é a trincheira mais importante, educação das crianças, que devemos vencer. Esses caras são completamente estúpidos, como disse Oliver,

  393. roberto ulhoa dos santos

    -

    14/05/2011 às 9:26

    Será que mais esta imbecilidade do mec não é proposital? Não seria interessante manter a população analfabeta para, a exemplo do ocorrido no governo militar, ter uma massa de manobra a vida inteira?
    Daqui a pouco o mec vai dizer que 2+2=5 está correto do ponto de vista regional!!!!
    O duro é pensar que esses (i)responsáveis encarregados de aprovar os livros usados na rede pública de ensino (?) são mantidos com o MEU dinheiro!

  394. Elisabeth Barros

    -

    14/05/2011 às 9:10

    Nota mil na forma e no conteúdo!

  395. celsogama

    -

    14/05/2011 às 9:06

    Creio que a intenção da autora, fosse aparecer na midia… “falem mal, mas falem de mim”, oras poderia ter usado uma melancia no pescoço ou um espanador no rabo…. definitivamente estamos precisando de profissionais qualificados neste país.

  396. Itamar Piffer

    -

    14/05/2011 às 9:04

    Agora o Lula vira erudito. He He he

  397. f tavares

    -

    14/05/2011 às 8:47

    raphael, 23:59h de ontem,
    - professor, podia dormir sem essa, hein ? vai passar o texto pros seus alunos como sugerido ? aproveite pra passar no bazar da esquina e comprar um nariz de plástico vermelho, pra ficar a caráter em sala de aula… por gente igual a você, que o apalude, esse ministro frauddad não se envergonha de empurrar o ensino básico pro buraco, em busca de redução do índice de analfabetismo. é a versão curupira do ensino: deixa pegadas de quem está indo pra frente, mas está caminhando pra trás… seu diploma é de professor ou de técnico de ensino(?), esse chaveco que inventaram pra engordar o quadro de docentes ? por aí pode estar a explicação…

  398. Sergio S. Oliveira

    -

    14/05/2011 às 8:42

    É o fim. Quando ouvi a notícia pela CBN fui tomado por um ódio sem limites. É a derrocada, a estocada final ao ensino, à educação de qualidade. Onde nós estamos? O que é isso, minha gente? O que essa gente ordinária, que “se acha” muito esperta, pensa que está fazendo? Então corrigir quem fala errado agora é “preconceito lingüístico”? Esta cartilha é o absurdo dos absurdos. Isso não existe em lugar nenhum do mundo. O jeito de falar errado deve ser corrigido. Eu nunca me canso de corrigir um tio de minha mulher que, morando no Rio Grande do Sul há muito tempo, incorporou o tal “tu vai”, “tu fez”. Eu sempre disse a ele: ou ele diz “tu vais” e “tu fizestes” ou usa “você vai” ou “você fez”. Misturar os dois não dá. Não largo do pé dele, tanto que perto de mim, ele se cuida e fala certo. Então, “pau” na gauchada e cariocas que têm mania de usar pronomes sem plurais verbais, sem o “s”. Quando, algumas vezes, vi Xuxa falar para crianças “tu mora onde”, “tu faz o que”, eu a xingava, perguntava como é que podia uma comunicadora falar daquele jeito? Ela não estava falando só com pessoas do Rio, estava falando para o país. O professor DEVE corrigir o aluno que fala mal em sala de aula SEMPRE. E não só o de português, mas o de matemática, o de ciências, de história e por aí vai (claro, se souberem usar o português, não forem iguais ou piores que os alunos). Essa cartilha, essa recomendação do Ministério é o fim da picada. Indignação é o mínimo que sinto por este fato.

  399. Leopoldo Dogher

    -

    14/05/2011 às 8:40

    Heloisa Ramos no Ministério da Educação!
    Só assim nóis vai podê pegá essa tal de língua culta e dar um nó nesses liberalzinho metido a besta do tipo Fernando Henrique.
    É isso aí: Heloísa Ramos no ministério da Educação e Lula na Academia Brasileira de Letras.

  400. f tavares

    -

    14/05/2011 às 8:37

    - faz parte do compromisso ideológico desse frauddad, nivelar o grau de instrução de nossas crianças – claro que por baixo – ao das crianças do equador, de cuba, da bolívia, dessa mulambada banano-cocaleira que falseia resultados estatísticos com soluções do gênero… querem deixar o atoleiro do imobilismo de que não conseguem sair há oito anos, com soluções semelhantes à que aplicaram para inclusão de trinta milhões (êpa!)na classe média: mudando os paradigmas. eles vai, eles pode, eles sabe, provavelmente farão com que o índice de analfabetismo dentro das escolas (!) caia de 9% para 6.5%… no irã, os aiatolás cortariam as línguas dessa gente incompetente, em praça pública…

  401. Ana Maria

    -

    14/05/2011 às 8:36

    Quem essa senhora Heloisa Ramos pensa que é para destruir a gramática e os professores de Português dessa forma? No mínimo deve ter sido professora de Lula. Se vê cada uma….minha senhora vá tentar chamr atenção e ganhar dinheiro de forma mais honesta…..o governo muda sempre para pior.

  402. Carlos Honda

    -

    14/05/2011 às 8:32

    “oh oh seu moço do disco voador me leve com você pra onde você for”,quero fugir daqui!É a intromissão completa do estado na vida do cidadão.Tudo nesse país agora é preconceito!

  403. nedinho

    -

    14/05/2011 às 8:31

    intã qui é qui tu acha dissu? nóis vai chegá lá cum certesa e antis da copa, viu.
    qui é qui é issu cumpanhero, democracia é issu aí manu, tá tudo dominado. afinal até o sarney tá lá na acadimia di letra.
    para de pegá no pé. o brasil tem muitu otro ploblema prá nóis ajusta. e como dissi a cumpanhera dilma são ploblema bão, tipo os airoporto, as estrada, a saudi e a educasão que fica por últimu.
    abraço

  404. Maya Felix

    -

    14/05/2011 às 8:31

    Não se modifica língua por decreto nem por impressão de livro didático bocó. As mudanças linguísticas são graduais, lentas e em constante diálogo com a norma padrão, sistematizada na Gramática. Há um jogo de forças necessário e natural no processo linguístico que está sendo solapado em benefício de uma suposta “linguagem popular”. É por conta desse jogo de forças, que proporciona a evolução e as mudanças linguísticas, que hoje não falamos mais como Machado de Assis e nem ele escreveu tal qual falava a sociedade de sua época. Existem dois registros: o escrito e o oral. Mas o tal livro didático mistura tudo, e mistura usos de variantes… Cabe diferenciá-los, e não tentar nivelar um pelo outro, como se ambos se equivalessem. Eu queria que essa gente bonita que defende os absurdos politicamente corretos da esquerda, como esses desse “livro didático”, dissessem para as crianças na escola que usando a variante “nós pega o peixe” o indivíduo nunca vai ser aprovado em concurso público nem se sair bem em uma entrevista de emprego nem – muito menos – defender uma tese de Doutorado em qualquer universidade do Brasil. O que há é uma estupidez gigantesca e uma confusão maior ainda acerca da adequação do uso de registros diferentes. Se bem que se o Lula e o Tiririca foram eleitos, “nós pega o peixe”, nós é da Comissão de Educação e Cultura da Câmara, nós é brasileiro e nós pode fazer qualquer coisa!

    De pleno acordo, Maya. Um abraço

  405. gláucia

    -

    14/05/2011 às 7:04

    Mais um post para distribuir entre todos os amigos. Parabéns, Augusto.

  406. veiaco

    -

    14/05/2011 às 5:37

    Isso é só prá (norma inculta) justificá (norma inculta) o Dotô Lulla (norma inculta e preconceito dedistico) do Doutor FHC (norma culta preconceito zelite (norma inculta).

  407. georgia

    -

    14/05/2011 às 5:21

    Nao sei o que escrever Augusto, por que é muito triste ser brasileiro, com tanta falta de vergonha.
    Onde está o Brasil nunca mais????
    Tá certo, vou para Passargada???meu querido Mario. Nao sou Oswaldo e nem Pagu.
    Abs

  408. marias

    -

    14/05/2011 às 5:01

    O Brasil ACABOU!!!!!

  409. Julio Cesar Lancia

    -

    14/05/2011 às 3:40

    Caro Augusto,
    O livro é claro: “é importante que o falante de português domine as duas variedades”. ou seja, o autor não está dizendo que não é necessário aprender a norma culta, mas que não devemos condenar o que é dito nas ruas, pois as línguas são dinâmicas e sofrem alterações significativas com o tempo. Se daqui a algumas décadas pessoas de todos os estratos sociais deixarem de utilizar os plurais nos substantivos, essa construção será incorporada à língua e nem você reclamará porque também terá se acostumado a ela.
    Veja, por exemplo, a utilização de alguns pronomes. Você utilizaria hoje em dia, sem medo de soar antiquado, alguma construção semelhante a “fi-lo porque o quis”? Ou “Bebo-o porque é líquido, se fosse sólido comê-lo-ia”? Pois bem, a mesóclise já desapareceu do nosso dia-a-dia e alguns pronomes oblíquos já estão seguindo o mesmo caminho. Alguém sente falta deles?
    Agora vamos examinar a língua inglesa, que foi mencionada em um comentário abaixo. Os substantivos têm plural, o artigo definido “the” não. Adjetivos também não. Na frase “The poor boys ate every fish” (Os garotos pobres comeram todos os peixes) apenas a palavra “boy” tem plural (“fish” é um “uncountable noun”, e portanto, sempre singular). Isso afeta o significado? Não. Você condenaria a estrutura da língua por isso? Não, porque você está habituado a essa estrutura. Não há ideologia política por trás disso.
    De qualquer maneira, é uma obrigação aprender a norma culta atual para falar adequadamente dentro do que a situação exigir. Ser um poliglota dentro de um mesmo idioma, essa é a ideia do livro e dos estudos sobre preconceito linguístico que o precederam. Você não vai conseguir um bom emprego se não souber se expressar dentro da norma culta, mas não passará vergonha pedindo “seis pãozinho” na padaria.

    O livro é claríssimo, Júlio Cesar: para os autores, não há diferença em dizer “Os menino pega os peixe” ou “os meninos pegam os peixes”. É uma violência contra quem precisa e merece aprender a falar e escrever corretamente. Falar errado os alunos pobres sabem. Querem aprender a coisa certa. A comparação com o inglês é absurda. É um idioma completamente diferente do nosso, com regras próprias, que são respeitadas. Achar que daqui a algumas décadas todo mundo vai assassinar o s é tão crível quanto achar que, no fim deste século, os ingleses estarão dizendo “you is”.

  410. Agenor de São Vicente

    -

    14/05/2011 às 3:22

    É, amigo Augusto: quanto mais se lê se dá de frente com agruras que não deveriam estar alí! Quando digo a amigos que a primeira coisa na vida é aprender a ler, escrever e entender ambos, me tacham de exigente demais. Então, tá! O que estou fazendo cá? Não vou tomar seu tempo com minhas revoltas. Mas digo, de coração: be com a é ba, be com i é bi e poraí vai.

  411. FERNANDO

    -

    14/05/2011 às 3:14

    Nobre AUGUSTO, desse jeito nóis vai se ferrar! Quanto mais eram desvendados, mostrados e divulgados atráves da imprensa as “Babaquices, Desmandos e Burrices” dessa turma do “MEC” no desgoverno passado do PTralha-chef(Lula), “eu” pensava: já vi de tudo dessa turma, vou relaxar um pouquinho no da Dilmona, no entanto, por um instante esqueci que todos são farinha do mesmo saco. E, assim continuam igualdades nos desmandos em apenas (04) meses deste desgoverno-PTralha-canalha. Me enganei feio mais uma vez! Como posso relaxar, que relaxar que nada! E tome cacete no lombo dessa turma! A cada dia aparece uma coisa mais esdrúxula que outra, e o pior, produzido por esse grupo de PTralhas-canalhas-comunas mestres e doutorados em nada, ou seja, analfas de carteirinhas do MEC. Deus nos acuda!!!

  412. Wesak

    -

    14/05/2011 às 2:28

    Os petralhas todos têm mitocôndrias congeladas. E têm os grandes glúteos também congelados, como o tal sr. raphael aí de baixo, que vai dar aula a “alunos” sobre coisas congeladas.
    Começando pela parte anatômica com a qual “se assenta”. Uma aula dada com as nádegas !! Assombro.

  413. Vânia Cavalcanti

    -

    14/05/2011 às 2:25

    Olá, Augusto!

    Mas estas orientações são os píncaros da estultícia! Quando li a respeito, a primeira coisa que me veio à cabeça foi um belo de um palavrão. O que esta cambada de professores que não sabe ensinar, preferindo o fácil trabalho de doutrinamento, tem contra os filhos dos pobres? Sim, pois esta cretinice vai vitimar os alunos da escola pública. É claro que a “militância” de Marcos Bagno é famosa, segundo diz seu discípulo Raphael (23:53, 23:59), pois aqui não é a Finlândia, Coreia do Sul, China, Canadá ou mesmo o Chile! Nesses países, também o ensino da língua pátria é coisa séria, não um experimento sociológico criminosamente bisonho e sabotador. Gostaria de saber como se expressam os filhos desses professores “militantes”. Súcia! Ora, querem saber? Vão lamber sabão!
    Um abraço

    Um abraço, Vânia.

  414. Oliver

    -

    14/05/2011 às 2:18

    AUGUSTO
    Para cada imbecilidade dessa gente tem sempre um Raphael de plantão para defender o indefensável. Ele diz que é professor. Bela bos de docente indecente. Defende um cara que era pra se chamar Carlos Magno, mas o pai estava resfriado no dia e o escrivão tascou-lhe um marcos bagos que o transformou em um anti linguista militante convulsivo. Compulsivo não. Um osama bem de lado das letras. Um sujeitinho perigoso, que vê a pobre inculta e bela como sintoma de sua luta de classes e do preoconceito linguístico. Achou um filão para os seus cinco minutos de fama dentro do politburo, carregando uma manada de asnos consigo. O mortadelo ainda ameaça usar sua didática lastimável para analisar seu texto, junto com seus alunos cumpanheiros de boteco, para provar que “uma elite elitista” se instalou por aqui para fustigar os seres inferiores, que vem aqui tropeçar na língua e “nas ideia” para desafiá-lo. Fala sério. Quem paga o salário de um cretino desses para estar por aqui ? Tenho um casal de professores petralhas em meu condomínio, justamente no apartamento acima do meu. Subiram na vida, mas continuam a atirar restos de comida pela janela, quebrar o apartamento a cada nova amante que o marido arranja e queimar o elevador com gimbas de cigarro. Acho que é isto o que acontece quando se enaltece um bando de cretinos. Eles urram, esperneiam, roubam jabutis, recebem diárias indevidas e ainda se sentem no direito de falar a língua “dos mano” para se sentirem mais “descolados” e insurgentes. Vai estudar, cretino. Se você fosse professor de um filho meu já tinha levado um “bolsonaro” nas ventas, para iluminar as ideia. Idiota é no plural ou no singular ?

    Perfeito, grande Oliver. abração.

  415. Giovani Faria de Miranda

    -

    14/05/2011 às 2:14

    Isto é terrorismo lingüístico e atenta a Segurança Nacional.

  416. Anita

    -

    14/05/2011 às 2:05

    Augusto, demorou para um miliciano invocar Marcos Bagno e sua indigesta obra “A língua de Eulália”. Os estudos lingüísticos podem ter avançado, mas não no Brasil. A Itália de Gramsci utiliza o toscano como língua oficial não por questões econômicas como afirma Bagno, mas pela sua gramática perfeita, reconhecida até por Norberto Bobbio, que era da região do Piemonte, em sua obra “Autobiografia”, ao se referir a um amigo de origem judia e que vivia na região da Toscana: “Ele falava italiano melhor do que nós”.
    Voltando ao Brasil, as variações lingüísticas ocorrem nas respectivas comunidades, mas os que desejam matar a nossa gramática insistem na tese de que a escola deve respeitar o falar de cada criança ou adulto em fase de alfabetização. Ora, a lógica é nivelar por cima o ensino da língua para que todos aprendam a norma culta ou padrão, como acontece com o inglês, o espanhol, o italiano, o alemão, francês etc.

  417. nena

    -

    14/05/2011 às 2:00

    Augusto,
    um dos comentaristas indaga quando esse ministro da educação vai ser exonerado.
    Tira o cavalinho da chuva, amigo (não sei se esta é uma forma culta ou popular), ele será exaltado como um grande inovador de costumes e os nossos pequenos estudantes vão amargar por muito tempo as escolas existentes apenas no papel, com a merenda roubada, e vão continuar sem chances na sociedade porque ensinaram a eles que não precisam aprender nada, são privilegiados por nascerem onde se fala dessa forma, e já nasceram sabendo tudo. E dizem a eles que é bobagem estudar nessa terra em que um analfabeto pode ser presidente da república ou doutor pela unicamp. Dizem tb, que não sabem como uma pessoa que estuda não entende o povo e diz coisas que contrariam o sentimento de respeito aos pobres.
    Alô, Portugal, que tantos esforços fez para, não digo padronizar, mas tirar os excessos de diversidade da língua portuguesa.
    AlÔ, Universidade de Coimbra, olhem a gestação que vocês estiveram alimentando, e agora mais um filho do sr. lulla é nascido.
    Alô,professores, bravos e grandes guerreiros que resistem, apanham, e ainda assim lutam sem medir esforços para que o menino aprenda e se torne um cidadão! Vocês são a resistência heróica desse país.
    Esses pequeninos são vítimas passivas, indefesas, e só com Educação poderiam sair desse estado de letargia e exclusão. Os senhores, petralhas, muitos dos quais trazem o título de professor e educador, insaciáveis, os mantém assim, destroem todos os valores em nome da ambição ideológica de se perpetuarem no poder.
    Já me indignei com coisas monstruosas que vejo a cada dia, mas essa foi demais. Tremo de indignação e nojo.
    Sobre o sr raphael, deve ser uma das crias do magnifíco ex-reitor da UNB, o sempre petista cristovam buarque, que adora uma mídia de autoglorificação como O mestre, e fez da universidade um ninho de ratos esquerdistas.

  418. LC Albino

    -

    14/05/2011 às 1:45

    - Criaram a cultura do pobre-coitado, para que a ignorância, a falta de formação e informação, que poderiam levar ao crescimento e a prosperidade da nação, através do conhecimento, que trás discernimento, fiquem longe do gado. Assim, essa classe perversa dos nossos dirigentes, tira proveito disto para ficar à frente do balcão multi-bilionário de negócios que é o Brasil. A perversão dos valores deu margem a todo tipo de absurdos, usando o famoso “complexo de vira-lata”, exaltando o êrro. Temos de educar: através da educação, poderíamos atingir um melhor grau de civilidade; estamos em rumo ao caos – nossos políticos adoram a miséria, e não farão nada para eliminá-la. Quanto mais à vontade o ignorante se sentir, menos razão para mudar. Por isto é que estes péssimos exemplos são cultuados por estes demagogos, esta cruel inversão de valores, que nada mais é do que um instrumento de domínio. Uma democracia só funciona com uma população esclarecida, o que temos aqui é um totalitarismo disfarçado, com leis dúbias e um sistema de contrôle muito eficiente: a união de “esquerdistas” com a vêlha oligarquia, e a apropriação do estado para seus fins torpes. Ainda bem que temos pessoas que enxergam, no meio de tanta podridão, obrigado.

  419. Marcello Levy

    -

    14/05/2011 às 1:42

    100 + 1 Comentário…
    Assassinaram o português!!! Unificação? Nem no quintal! Diplomacia portuguesa interpretará como atentatado ideológico e batizará com justiça ‘isto’ como dialeto “Heloisano”?

  420. Mauri

    -

    14/05/2011 às 1:20

    Sabendo que a pena é mais forte que a espada, estão tentando entortar a pena!
    A ignorantização do pais atravessa oceanos, como demonstra nosso amigo Fabricio Gomes (13/05/2011 às 23:07). Muito boa sua explicação, Augusto. O Inglês é mais que um idioma, é uma instituição que tem órgãos cuidando para que seja uno e que seu uso se expanda pelo mundo, como a BBC, assim aprendi e creio estar certo. Amo idiomas, falo também o espanhol, que tem a Real Academia de España, que desaprova até os regionalismos latinos e americanismos, você deve saber também. os franceses procuraram até traduzir jargões técnicos, linha seguida pela Espanha e Portugal, isto para manter a força cultural que tem o idioma.
    No Brasil, para vencer o pior inimigo da ditadura branca, a palavra escrita, estão quebrando a ponta da caneta. Cabe a nós com os dedos no teclado esbravejar e impedir essa atitude covarde.
    Vi a reportagem no JN, não gostei, foi sem sal, não mostrou que é um crime o que esta professora e o MEC fizeram. Temos normas e desrespeitá-las é crime, vamos exigir a punição. Dela e, principalmente do MEC e aquele gestor-de-fundo-de-quintal que o dirige!
    AbraçoS aoS amigoS que amam nosso idioma tão rico!

  421. A. Cabral

    -

    14/05/2011 às 1:16

    Nosso português deriva diretamente do latim vulgar da Lusitânia (a provícia romana). Quase tudo que nós dizemos, dizemos em latim. Uma funcionária minha, inteligente, porém pouco letrada, perguntou: é verdade que o português vem do latim? Vamos lá. É (latim) verdade (latim) que (latim) o português (latim) vem (latim). Qual o problema de ensinar o português correto? A pessoa fala de forma mais precisa e bonita. Quando se fala na norma culta, o respeito é imediato, os ânimos arrefecem. Seu cérebro é obrigado a funcionar. Eu não entendo o porquê de ensinar errado. Havendo a opção de fazer a coisa certa, por que fazer a coisa errada (sim, existe certo e errado.)?
    Abraço, Augusto.
    Keep walking.

  422. Wesak

    -

    14/05/2011 às 0:59

    Também sou da comissão dos catimbeiros. Às vezes “me dá um nervoso…”

  423. Wesak

    -

    14/05/2011 às 0:51

    PÔXAAA!!! Como eu adoro quando você (Augusto)baixa o sarrafo e reduz a´pó o povo CRETINO que infecta este espaço ELITE!!! ADOREI o cachação sentado em cima do bocó “aqui na Inglaterra” Fabricio Gomes. E ele escreveu Ingalterra, o OTÁRIO! Nem sabe onde está!!!! Toma aí um tabefe meu também…

  424. dito e feito

    -

    14/05/2011 às 0:50

    Duvido que voce tenha coragem de,

    Só respondo se você tiver coragem de assinar o comentário. “Dito e feito” é coisa de poltrão.

  425. Alice

    -

    14/05/2011 às 0:49

    Vergonhoso, absolutamente. Como parar essa teia de crimes? O PT já assassinou o passado e o presente do Brasil; a partir de agora, esmera-se para assassinar o futuro.

  426. Corinthians

    -

    14/05/2011 às 0:45

    Nosso país é uma piada.
    É tudo uma grande piada… de mau gosto…

  427. Francisco M. G. de Paula

    -

    14/05/2011 às 0:40

    É estarrecedor tomar conhecimento que o MEC aprovou e defende a publicação de um livro de português que vai de encontro ao ensino da língua culta nacional. O país convive com um ensino de péssima qualidade e isto só piora a situação. Por trás desta estupidez estão setores do PT incrustados no ministério da Educação que, de certa forma, tentam envernizar a figura do ex-presidente Lula. No decorrer de oito anos Lula espancou a língua pátria e se gabava de ser um deseducado que chegou ao poder para fazer o que os cultos não fizeram. Lula não estudou por que não quis. O Brasil que estuda deve protestar. O obscurantismo não pode prevalecer.

    Francisco M. G. de Paula

  428. Vinicius Santos

    -

    14/05/2011 às 0:39

    Em 1993, fui eleito (com mérito e louvor) o pior aluno do Colégio Santo Adriano, encrustado no folclórico bairro da Freguesia do Ó, em São Paulo.

    Se eu soubesse que em 2011 haveria livros didáticos bancando o uso de “Os menino pega o peixe”, e ainda dizendo que qualquer reprovação era “preconceito lingüistico”, eu certamente teria agido de outra forma.

    Ao ser chamado de burro, bateria no peito e diria: “Alto lá!…Burro não, sou um visionário!”.

  429. Mirian

    -

    14/05/2011 às 0:38

    Minha nossa! Nem sei o que dizer. Estamos em um estágio onde já nos faltam técnicos, mao de obra qualificada. Será que falta muito para o fundo do poço, ou posso deduzir que quando chegarmos à idade da pedra, nos comunicando através de gestos e grunhidos, essa cambada estará satisfeita.
    ps. nao acho o ponto de interrogaçao… nem o “til” … nao tem importância, logo perderao a razao de ser.
    Que mer..

  430. brasileiro de luto

    -

    14/05/2011 às 0:36

    Augusto, “creiu qui tam fazendo tempestidi em copu dagua. O qui ouvi foi so demora na ezecução, pos era tra ter saído no governo Lula…. não deu, tamntu é verdadi qui o Lula egigiu que o Addadi continuace no cargu. Com a Dilma no pode, poça coisa muda, e nois tem de ensinar os jove a falar como os nosso governantis”.
    -
    Por acaso você não leu ou ouviu a justificativa do MEC (int)
    -
    ME RECUSO A REPETIR… SÓ PERGUNTO: Onde anda o MP, o Congresso, a OAB, as Pastorais, a UNE, os Caras Pintadas e Bundas Sujas, os Partidos, e os “partidos”, a Mídia em geral, o PRÓPRIO LULA, pois querem roubar a patente ……
    -
    NÃO QUEREM QUE EU VOLTE!!!!!!!!

    Prezado, o que você poderia esperar do Addad, se os grandes feitos na gestão foram as máquinas de camisinhas, o Kir gay…O ENEN, foi sempre um sucesso… as “dezenas” (quatro ou cinco) de universidades criadas, em cartório e na propaganda estão as minguas. A VALORIZAÇÃO DOPREFESSOR, CNATADA EM VERSO E PROSA NA CAMPANHA, TEVE ATÉ PROPAGANDA ESPECIAL, EM JANEIRO… o Professor era chamado em diversas línguas… GRANA, NADA!!!!!!!!!!!
    -
    -
    LULA FAZENDO PALESTRA…

  431. Lorival

    -

    14/05/2011 às 0:18

    Parece que querem ensinar, na contramão do desenvolvimento do ser humano, que para melhorar na vida o indivíduo não precisa estudar, não precisa aprender. Alguns, num golpe de sorte, podem até conseguir, mas é como esperar arrumar a vida ganhando na loteria. Nesse andar da carruagem, daqui a pouco vão dizer que ninguém precisa mais ir à escola e, assim, o governo estará desobrigado de criar escolas, pagar professores e cumprir seus deveres constitucionais. Daqui a pouco vão baixar um Decreto, estabelecendo que ninguém mais é analfabeto, da mesma forma que ninguém mais será pobre. Este país já é primeiro mundo, a gente é que não percebe, pois que outro país pode se ufanar de, tão rapidamente, ter erradicado o analfabetismo e promovido todos os pobres à classe média? Viva!

  432. Pedro

    -

    14/05/2011 às 0:14

    As Organizações Tabajara “ganhou as licitação” para fornecer “os material para as criança”, composto do conjunto Gramaticator e o Escrevinhator, para os estrudio das língua. É o Brasil no século XXI.

  433. Leonardo X, na Resistência

    -

    14/05/2011 às 0:07

    Esta não é uma questão de ortografia ou gramática da língua. Insere-se na ideologia ensinada pelos marxistas embebidos da “colère du peuple” exaltada por Marat, terrorista da revolução francesa que elevou a guilhotina à honra dos altares da infâmia. Insufla-se o arrivismo e o ressentimento contra toda a cultura estabelecida pelo regime vigente, na visão doentia dessa gente esquerdopata. Tem precedentes famosos na queima de livros pelos nazistas, na humilhação a professores pela guarda vermelha maoista, na execução sumária dos mestres de escolas rurais pelos bolcheviques e outros que tais. A “revolução bolivariana” avança em nosso país diante da nossa cara de assombro, mas nenhuma reação política das instituições ditas democráticas e da imprensa. Onde estão o parlamento e a igreja católica, que é a mais tradional educadora do Brasil? Dormem?

  434. campineira

    -

    14/05/2011 às 0:07

    Caro Augusto
    Argumentos do MEC:
    – valorização da linguagem do aluno
    – descriminação e preconceito linguístico
    – uso da língua com flexibilidade
    – “abordagem de uma situação de interlocução socialmente contextualizada” (seja lá o que isso significa!)
    No IG, Prof. Bechara “…o aluno não vai para a escola aprender – nós pega o peixe -, isso ele já diz em casa .O aluno vai para a escola para se ascender numa posição melhor… O papel da educação é justamente tirar a pessoa do ambiente estreito em que vive, para alcançar uma situação melhor na sociedade… essa ascenção social, não vai exigir só um novo padrão de língua, mas vai exigir também um novo padrão de comportamento…”
    Vale perguntar: Qual é mesmo a função da nossa Escola Pública ?
    Estaremos produzindo gerações de jovens fadados a uma vida miserável e medíocre, enquanto prevalecer essa filosofia perversa que considera o aluno pobre, um “coitadinho”, sofredor de preconceitos linguísticos e outros tantos…,e que precisa de “afago e ajuda”. Chega de salvadores da pátria!
    Ele precisa sim, de uma escola eficiente, de uma educação de qualidade, que lhe de condicões de andar com suas próprias pernas, de ter uma vida decente! E de liberta-lo dos Lulas e das Dilmas da vida!

  435. Raphael

    -

    13/05/2011 às 23:59

    Utilizarei sua postagem e os comentários dos leitores para analisar com os meus alunos como uma parcela elitista quer se diferenciar de outros tidos por inferiores. Os estudos linguísticos estão bem avançados atualmente, apenas o pensamento retrógrado de nossa elite é que parece estar congelada.

    Tenho uma ideia melhor. Mostre aos alunos duas versões de um mesmo comentário: a que você mandou e outra com o seguinte texto.
    “Utilizarei sua postagem e os comentário dos leitor para analisar com os meu aluno como uma parcela elitista quer se diferenciar de outros tido por inferior. Os estudo linguístico estão bem avançado atualmente, apenas o pensamento retrógrado de nossa elite é que parece estar congelada”.
    Diga a eles que as duas estão certas. Explique também que o MEC considera correto escrever “PENSAMENTO… CONGELADA”. E conte que eles podem, no exame do Enem, usar o plural ou não. Tente sobreviver à gratidão dos que usarem a fórmula que só a elite acha errada.
    É por causa de professores como você que o Brasil está cada vez mais cretino.

  436. Raphael

    -

    13/05/2011 às 23:53

    Marcos Bagno é professor do Instituto de Letras da Universidade de Brasília e é famosa sua militância em favor de uma educação em que se privilegiem as variedades linguísticas e não apenas aquela ofertada pelas gramáticas e pelos livros didáticos. Bagno é autor de Preconceito linguístico: o que é, como se faz em que discute os conceitos de certo e errado no uso da língua e mostra ao leitor que a escola sempre se preocupou com a discriminação social e racial, mas reforça o preconceito linguístico. No blog Conversa de Português, já foram publicadas resenhas sobre duas outras obras do autor: A língua de Eulália e Nada na língua é por acaso, sendo esta uma contribuição da professora Maria Lúcia Marangon. Em Não é errado falar assim – em defesa do português brasileiro, o linguista dedica-se a analisar as construções linguísticas presentes no Brasil e consideradas erro por aqueles que equivocadamente ainda não entenderam que a língua (qualquer língua!) não é um fenômeno estanque.
    Ao contrário do que se pode pensar, o livro de Marcos Bagno não é uma exaltação da ignorância linguística como pode parecer a muita gente. O autor apenas afirma, com base em estudos sérios, aquilo que os modernistas disseram no início do século XX: existe uma língua brasileira decorrente de nossa miscigenação cultural.

    Faça o seguinte, Raphael. Primeiro, ensine a sua família inteira a falar assim. Depois, sugira ao Marcos Bagno que faça palestras ou dê entrevistas usando os dialetos que admira. E tentem sobreviver. Boa sorte.

  437. Wesak

    -

    13/05/2011 às 23:48

    Os menino pega o peixe e essa muié maluca devia pegá cadeia.

  438. Wesak

    -

    13/05/2011 às 23:47

    Os cretino estão cada veiz mais safado !!!!!!!!!!!

  439. Ricardo Trovão

    -

    13/05/2011 às 23:42

    A gente não sabemos escolher presidente,inútil,a gente somos inútil!!!!!!!!!

  440. Julio

    -

    13/05/2011 às 23:33

    Neste país o deputado campeão de votos é analfabeto e participa da Comissão de Educação. Você queria o que? Ignorância também é cultura!!!

  441. rossini thales couto junior

    -

    13/05/2011 às 23:26

    Caríssimo Pedro Erik:
    Parabens pelo niver do seu competente blog. Quero que saiba que sou um leitor assíduo da sua página. A exemplo do blog do nosso mestre AN, ela é mais uma trincheira nesta guerra interminável contra tudo que passa perto da canalice e do autoritarismo. No mais, continue na luta, pois não lhe faltarão parceiros. Um abração do Rossini

  442. Odivar Meneghetti

    -

    13/05/2011 às 23:23

    De donde aparece tanto petista ingnoranti.
    Pareci praga.

  443. Paulista indignado

    -

    13/05/2011 às 23:21

    Está começando a campanha presidencial de TIRIRICA com aval de mulla.

  444. Paulo Ladeira

    -

    13/05/2011 às 23:20

    è uma corja de imbecis e deveriam ser denunciados pelo MP a justiça.

  445. Odivar Meneghetti

    -

    13/05/2011 às 23:18

    Caro Augusto, lembrei do goleiro Neneca do Guarani de Campinas nos idos de 1970.
    Perguntado por um repórter como ele tomou aquele frango, respondeu na lata, fiz que fui não acabei fondo e a pelota durmiu na rede.

  446. Fernando M. Pereira

    -

    13/05/2011 às 23:16

    Existe uma frase em inglês, que se ajusta bem à essa parvalhice:
    “If you cannot beat them, join them…” Se você não pode derrota-los, junte-se a eles… Este é o caminho mais facil para os covardes e matreiros…

  447. Otavio

    -

    13/05/2011 às 23:15

    Presado Algusto, xega de preonçeito contra os petista. Eles é que tão serto. Nois vai formá ingenheros que num sabe fazê cárculo e médico que num sabem escrevê uma reçeita. Não tein pobrema: os prédio vaoum continuá caino e oz doente vão continuá morreno do mezmo geito! E eles inda vão podê cer eleito prezidente, como eu acabei fondo.
    Açinado,
    Luiz Inaçio Lula da Çiuva

  448. Titônio

    -

    13/05/2011 às 23:10

    O erro “pois esse aluno mediocres viraram ” não foi intencional, mas fica em homenagem à professora que escreveu o livro “Por uma vida melhor”. Quem sabe ela não vai ser homenageada também lá em Coimbra (só homenageada, pois para receber diploma HC tem que ser bem mais ig…).

  449. Maria

    -

    13/05/2011 às 23:07

    Onde é que isto tudo vai parar?

  450. Fabricio Gomes

    -

    13/05/2011 às 23:07

    Ao ler essa noticia, fiquei bem preocupado e pensei comigo, “não pode ser!”. Até que fui conferir na fonte (o livro, coisa que todo leitor de Veja deveria sempre fazer) e já percebi que a colocação aqui é exagerada e sensacionalisata (como tudo na Veja).
    É muito estranho: nos livros didáticos de Ingles, aqui na Ingalterra, e no dicionário da Oxford, existem todos os termos informais usados no inglês: gonna, wanna, gotta, ain’t, dentre vários outros termos ainda mais chulos. Todos estes termos são considerados informais, ou seja, o Inglês falado pela população. E são todos ensinados nos livros de ensino basico como corretos de se usar no dia-a-dia, mas incorretos para se usar formalmente. Ou seja, nada diferente do MEC.

    Deixe de ser malandro. Ninguém aqui é idiota. Os termos que você citou em inglês equivalem aos nossos “pra”, “tá bem” etc. “Wanna”, “gotta” e outras expressões do gênero só são chulas para cabeças indigentes ou ignorantes em inglês. Aparecem em milhares de letras de música de ótimos compositores. Nada a ver com a supressão do plural. O livro que o MEC aprovou defende o equivalente a escrever “he have” ou “you is”. É o primeiro passo para a institucionalização do “nóis vai”, “as muié” e outras imbecilidades. Vá estudar inglês. E tente não esquecer o português. Aqui não há espaço para conversa de vigarista.

  451. Titônio

    -

    13/05/2011 às 23:03

    Faz algumas décadas diminuiram o valor da nota mínima a ser alcançada por um aluno para ser aprovado. Não precisava aprender nem 50% do que era ensinado, pois além dos trabalhos para facilitar (não precisava conteúdo, bastava apresentar o trabalho para garantir a notinha), ainda tinha dois ou três tipos de recuperação. E se nem assim o aluno conseguisse sua média 5, ainda tinha a chance de ser “passado” pelo conselho de classe. O resultado é o que vemos hoje, pois esse aluno mediocres viraram professores, políticos, funcionários públicos (nomeados, por concurso não conseguiriam). Alguns deles até escreveram livros e outros deles até aprovaram esses livros para ensinar as crianças a, quando crescerem, serem iguais a eles. Em vez de tentarem se melhorar, tentam piorar os outros para não se sentirem inferiorizados.
    Veja esse link para ter uma idéia da capacidade lógica desses professores: http://jafaley.spaceblog.com.br/

  452. Henrique

    -

    13/05/2011 às 23:03

    Diversidade? Não. Isso é simplismente a confirmação do fracasso de um plano nacional de educação que padroniza o conhecimento mínimo para alguém ser chamado de cidadão.

  453. Oiram

    -

    13/05/2011 às 22:57

    Se o Lula não aprende Português, que o Português aprenda a ser Lula.

  454. Regina Mara

    -

    13/05/2011 às 22:57

    Augusto,
    POR FAVOR, me diga que você inventou isso, me diga que isso é mentira. Não posso acreditar, não é possível. Estou boquiaberta há uns 15 minutos.
    “A professora Heloísa sentiu-se ofendida…” É louca? Ofendidos estamos nós! Professora Heloísa. Professora. Pro-fes-so-ra?!?!?
    Um beijo!

  455. Francisco

    -

    13/05/2011 às 22:54

    Augusto, de um modo geral, diante das barbaridades que esse governo aborta, ou fico irritado ou acho graça, rio mesmo. Dessa vez foi diferente: já faz mais ou menos três horas que eu soube da notícia, e sou incapaz de esboçar uma reação, de tão perplexo. O negócio realmente tá muito sério.

  456. PARASITOLOGO

    -

    13/05/2011 às 22:54

    A familia petralha é capaz de tudo para manter o jumento em evidência e até um livro foi gerado para manter a nossa juventude amarrada ao analfabetismo a besta continua a solta .,precisamos arrumar um canto para essas parasitas ficarem se contorcendo e ler esse livro 5 vezes ao dia e 10 a noite e depois tomar a lição.

  457. Titônio

    -

    13/05/2011 às 22:45

    Nessa onda de “direitos humanos” tem mais esse: “Todos tem direito a ser ignorântes e é obrigação do estado promover todas as condições para que isso aconteça”. Logo vai ser criada uma lei onde quem for denunciado por criticar alguém por ser ignorante ou, pior ainda, tentar convencê-lo a deixar de ser ignorante vai sentir os rigores da justiça. Se alguém for pego tentando ensinar alguém a escrever ou falar corretamente poderá pegar prisão perpétua, sem direito aos benefícios comuns a qualquer bandido e com possibilidades de ser extraditado para a Itália. Logo também vai ser criada a lei de cotas para ignorantes nas universidades e os cotistas não precisarão fazer provas para poderem competir em pé de igualdade com os não cotistas.

  458. ISIDORIO

    -

    13/05/2011 às 22:37

    Concordo com algumas mudanças na nossa lingua ,pois exisem uma infinidade de regras bobas. E como o Presidente LULA CHEGOU ao topo do poder falando o seu Português “cumpanheiro” e foi endeusado no poder todos agora pensam que podem repetir esta mesma façanha, mesmo sendo participante do “bolsa família”

  459. Kátia Bacana Bahia de Oliveira

    -

    13/05/2011 às 22:35

    A autora, certamente, quis fazer um agradinho ao Lula, desaparecendo com os esses das palavras.
    Não sei o que é pior, neste caso: se alguém escrever uma coisa dessas e dizer que é livro português, se o MEC distribuir, a explicação da tal autora ou se algumas pessoas começarem a achar que falar corretamente não tem importância alguma.
    É vergonhoso.

  460. 18 de maio - dia nacional da luta pelo fim da violencia sexual contra crianças e adolescentes

    -

    13/05/2011 às 22:33

    pra ver o quanto os politicos estão preocupados com o povo. Acrescentando a esta enorme preocupação com a educação, agora teremos os kits gays, o governo não quer que os alunos aprendam mas se preocupam imensamente que se transformem em homossexuais.

  461. Fibonacci

    -

    13/05/2011 às 22:32

    A diferença entre o mec e o atirador suicida de realengo, é que o mec não se suicida e vai usar balas de papel, que sempre acertam o alvo.

  462. chorei antes de nascer

    -

    13/05/2011 às 22:31

    Prezado Augusto. Minha compreensão para esta barbaridade, é que trata-se de uma programada desconstrução da linguística. É mais uma das técnicas da estratégia gramsciana na implantação do socialismo macunaímico no Brasil.

  463. Sandra

    -

    13/05/2011 às 22:30

    Que barbaridade. Sem mais palavras para o MEC.

  464. Capobiango

    -

    13/05/2011 às 22:29

    Já não existia reprovação. Agora o português não tem mais regras. Qual o próximo passo? Acabar com as regras da matemática também? 2+2 =5. Meu Deus que medo do futuro!!!!!!!!!! Estão desalfabetizando nossas crianças!!!!!!!!! Meu estomago chega a doer ao ler uma notícia como essa. Imaginem as novas gerações que trabalharam conosco?

  465. Titônio

    -

    13/05/2011 às 22:27

    Já não bastava o MEC indicar o livro denunciado neste link http://www.ipco.org.br/home/noticias/8056
    que, além do que diz o site, é um livro onde se usa palavrões o tempo todo e, em uma de suas passagens, ainda explica que os palavrões já se incorporaram à linguagem cotidiana então não tem problema nenhum fazer uso constante deles. Livro para crianças a partir de dez anos de idade (segundo o MEC). Estão querendo deseducar mesmo.

  466. rossini thales couto junior

    -

    13/05/2011 às 22:27

    Caríssimo Augusto:
    Deixe-me ver se eu realmente entendi: quer dizer que, dependendo do contexto, os nossos futuros cidadãos podem, sem nenhum remorso, assassinar a nossa língua, como já o faz de maneira exemplar o nosso inimitável animador de palanque?
    A propósito, acabei de assistir no Jornal Nacional as justificativas da “douta” professora Heloisa Ramos para as barbaridades cometidas contra o nosso idioma no livro do MEC. Confesso que não consegui entender o que ela tentou dizer, pois foi uma mistura de “nada com coisa nenhuma”, sempre acompanhada do gestual típico daqueles pretensiosos e arrogantes que se acham os donos da verdade. Pobre país, cujo ensino, já tão precário, está entregue nas mãos de gente incompetente como essa…Um abração

  467. fernanda

    -

    13/05/2011 às 22:21

    A frase deveria ser: “O livro mais mió de bão é aquele das figura,pra nóis que num sabe lê nadica de nada!Tiraram o inglês do Itamarati, baguçaram com as cotas pra todo mundo,sobrou até pro Monteiro Lobato,priorizaram tudo menos o mérito daquele aluno que se esforça.A ignorância tá na moda!E quem discorda é preconceituoso!

  468. Toni Silva

    -

    13/05/2011 às 22:17

    Prezado Augusto,
    Creio que este livro foi editado para legitimar o linguajar dos Presidentes anterior e a atual, conhecidos espancadores da língua portuguesa. Assim, os futuros cidadãos vão achar normal tratar a língua portuguesa na “porrada”. O próximo passo é oficializar que a terra é quadrada.

  469. Carlos A.

    -

    13/05/2011 às 22:14

    Desisto…Não consigo encontrar palavras para comentar esse absurdo!

  470. Paulo Nanô

    -

    13/05/2011 às 22:11

    É extremamente impressionante como o PT e seus asseclas pretendem instaurar uma nova ordem neste país. O modelo é do apedeuta. Ele aponta e todos seguem. É o fim da picada.
    Nunca antes neste país a moral, a ética, a cultura e os valores foram tão aviltados.
    Acorda oposição!!!

  471. Marcelo Gonçalves

    -

    13/05/2011 às 22:03

    São nossos alunos aprendendo português com o livro da sra. Heloísa, história com o livro de “História Crítica” do sr. Mario Schmidt e matemática com as provas do professor amigo de traficantes. Joguem logo a próxima geração no lixo que esse país vai longe !!

  472. AEduardo

    -

    13/05/2011 às 22:01

    Como os maomés descalços não conseguem escalar a montanha por absoluta e criminosa falta de quem lhes deveria suprir os sapatos e indicar o caminho, que então a montanha agache-se aos milhões de maomés opilados pelo pejo de um país cada dia mais obsceno.
    Este lixo sim, merece pela pregação do preconceito
    explícito e o desensinamento boçal, arder em uma grande fogueira pública.
    Augusto,perdi a serenidade com o absurdo que você nos traz. Doeu muito, amigo.

  473. Fernando

    -

    13/05/2011 às 21:57

    Caro Augusto,
    vamos levantar uma bandeira, para que esse Senhor que ocupa uma cadeira no MEC seja exonerado imediatamente e que no lugar dele seja colocado um EDUCADOR, onde estão os grandes educadores deste país, será que não os temos mais? Impossível!
    Como esse Senhor foi para no ministério?
    Não podemos desistir de nosso país, um país que tem tudo para dar certo, mas que joga a educação no lixo de forma tão irresponsável, é um crime fazer isso com o Brasil. Mas um país no qual subitamente o MEC se dá conta que não temos engenheiros e que precisamos de mais engenheiros, como se bastasse mandar alguns milhares de secundaristas para um curso rápido de engenheiros, quem sabe um curso por correspondência, ou um curso de finais de semana.
    Precisamos de uma reforma na educação com a máxima urgência, vamos levantar esta bandeira, “Educação Já!”, basta de bandalheira, vamos nivelar por cima e não por baixo. Vamos enxergar o Brasil como a nação que ele é (como disse Peter Drucker), não vamos fabricar iPads, vamos conceber os sucessores dos iPads, não vamos fabricar navios, vamos conceber navios, o que conta é a concepção e não a fabricação, embora nossa educação esteja tão fraca que sequer formamos montadores médios que saibam absorver um treinamento, ler um manual, e entender um inglês básico de manuais técnicos. Tenho vergonha de nosso país!
    Mas nunca é tarde para recomeçarmos e acertarmos, vamos acertar, vamos fazer do jeito certo. Chegou a hora de o Brasil crescer, com educação, com responsabilidade, com intelecto.
    Chegou a hora de nosso país deixar de crescer por estar pegando a onda de crescimento, mas por ser uma nação intelectual, que domina sua língua, que concebe e não apenas segue manuais fabris.
    O país que quero para meus filhos não é um país de fábricas que seguem instruções de matrizes na Europa, EUA ou Ásia, mas um país que concebe, que cria, que domina a tecnologia.
    CHEGA!!!!
    Peço a todas as pessoas de bem que leem esta coluna e que querem que nosso país seja um país melhor, que comecem uma grande campanha “Reforma Educacional Já!”.

  474. O Brasil na zona

    -

    13/05/2011 às 21:54

    Ossêis num çabi qui us cumpanhêru taliban tá intrano in assão pá iscoiê os ômi e as muié bomba pá fazê raiva nessis qui iscrevi usanu letra difíssiu qui us mitidu iscrevedô di livru i di rivista xama di úrtima fror do lasso incurta i bela. Dipois qui igualá tudu é só buscá o titu di dotô na univerçidadi di vissoza, qui fica qui neim us ôtu dotô dus diproma di verdadi. I num priciza di istudá bobajêra pá dipois iscrevê i falá di ôtu geitu qui issu é tudu bestêra i ossêis pódi candidatá i virá prisidenti purquê us igual vota nus igual.

  475. Luiz A.

    -

    13/05/2011 às 21:52

    Mas vem cá gente…se no país maravilha do molusco emplumado, tem estradas perfeitas, comida na mesa de todos os brasileiros, miséria extirpada, moradia e esgoto para todos…enfim, tudo que um pais maravilha possa ter…e, porque não poder ter esses “errinhos” ou melhor essa “deliciosa” forma …digamos….”erudita popular” da fala “culta” do povo…
    É só continuar votando nessa turma, que mais dia menos dia…vai ser mais que normal dizer…”Nois vai”, “Nois vamo”…
    è de chorar de rir, se não fosse tão sério.

  476. Ariel

    -

    13/05/2011 às 21:49

    Com essa língua estraçalhada não vamos chegar a lugar nenhum. 1- Quem diz: ‘Os livro mais interessante estão emprestado’, nunca leu um livro.
    2- É mentira que os livros mais interessantes estejam emprestados, porque no Brasil a maioria da população nada lê.

  477. josevar

    -

    13/05/2011 às 21:44

    Caro Augusto.No Brasil PETRALHA, o errado é que é o certo.Tivesse o país congressistas de valor, o MEC ( diga-se Haddad) seria chamado às falas.Essa gente quer o pobre sempre pobre e por cima analfabruto, para que possa ganhar sempre às custas de proselitismos.Essa gente não sabe o que é ter limites.O MEC é a porta aberta para a desconstrução do país. Para quem aprovou e distribuirá o material contra a homofobia, esse livrinho é troco. Grande abraço.

  478. maria-maria

    -

    13/05/2011 às 21:43

    Os idiotas vão levar esta sbórnia à idade das trevas com essa compulsão por igualar pelo padrão mais baixo. É dever da escola ensinar ao aluno o padrão culto da língua, compromisso reconhecido até pelo guru petista Paulo Freire.

  479. Roy Rogers

    -

    13/05/2011 às 21:35

    É acabou. Eles ganharam. Reconheco.

    PTizarao até os livros escolares.

  480. Meg

    -

    13/05/2011 às 21:30

    Caro Augusto,
    Nao podemos ficar de bracos cruzados!
    Precisamos reagir…
    Conte comigo.
    Abraco
    Margarete

  481. pedro simon bolivar

    -

    13/05/2011 às 21:21

    inominavel. soh soltando alguns cachorros.
    heloisa ramos: vtnc!
    vai ensinar seus “filho” !
    cai fora do magisterio !
    padrao lula de educacao soh na sua casa!

  482. Lilian Trevizanutto

    -

    13/05/2011 às 21:17

    omg!

  483. aninha

    -

    13/05/2011 às 21:17

    Inacreditável. Agora ser culto e ter um bom nível de educação vira vergonha, viramos preconceituosos quando corrigimos alguém? Querem transformar o Brasil num país de bestas quadradas pra fazerem o que bem entenderem? A educação brasileira já é absurdamente medíocre, mais essa agora? Nunca, jamais tinha visto algo semelhante, ensinar o errado como opção correta é pra cortar os pulsos e chorar no canto da sala. O que podemos fazer além de discutir em blogs como esse? Ninguém da área da educação vai se manifestar? 4 anos ainda disso tudo e mais o pavor de que isso não acabe nunca mais, é só o que vejo.

  484. marcia castro

    -

    13/05/2011 às 21:16

    Esta deve ser a “ingnorança que vai astravancar o progressio”.

  485. Alessandro Menon

    -

    13/05/2011 às 21:13

    Excelente artigo. Acabei de saber dos detalhes através do noticiário da televisão. Sempre lamentei a falta de recursos para a educação nas escolas de nosso país. Neste momento eu choro por todas as nossas crianças que serão incentivadas a falar e escrever de forma incorreta. Seu eu fosse professor, certamente arrancaria do(s) livro(s) as páginas referentes a tal “desensino”! A princípio, eu havia pensado que se tratava de alguma piada, porém vejo agora que foram capazes de frustrar, mais uma vez, as esperanças que tento manter por uma nação mais digna. Fico agora a imaginar qual será a próxima grande idéia de nossos governantes. Me perdoem, mas creio que o congresso pretende ensinar a todos nós a falarmos como eles.

  486. José Augusto - BHj

    -

    13/05/2011 às 21:10

    Prezado Augusto:
    Os livro mais intereçante estão emprestado, poristo é queu vou estar leno esta merda (expreção popular – feminino, singular) de livro do MEC – kkkkk
    Não seje preconceituoso (eita palavra difíci ;) HuAhAuHaUaua). Vou estar falando merda, que é jíria das minha classe de funkeiro escluído socialmente das ideologia, mas 100 preconceito =) \o/ Blz? Falõ mermão!!!!!!!!
    Taí o doctor Adad e a dona Eloísa gente fina do PT Uauhauuua que sabe se comunicar na bôa, cumpadi ;( FUUUUI! kkkkkk Vai uns barato aih?

  487. Elisangela

    -

    13/05/2011 às 21:09

    Ok, escuto desde criancinha, o quanto é importante pro país, a nossa burrice e ignorância. Meu pai com muito sacrifício me deu boas escolas, afim de que eu pudesse ao menos me comunicar com o mundo. Por conta desse sacrifício, estudar pra mim, não é tarefa fácil, não tenho direito a nenhuma ajuda ou desconto. Valorizar a educação no nosso país, é ir de encontro ao moral e bom costume imposto pela situação, estamos agora oficializando nossa miséria, enterrando nossas esperanças. Em vez de investir na educação dos meus filhos, penso seriamente em mandá-los fazer pós-graduação na Colombia, com o melhor guerrilheiro das farc’s do lugar.

  488. Paulo Bomfim

    -

    13/05/2011 às 21:02

    Mamãe…
    Sempre que venho aqui para comentar esses assuntos mais, digamos, ácidos, me seguro para não xingar ninguém. Mas é difícil.
    Medalha pro José Genuíno? Não aceito, mas não tenho vontade de xingar porque é só o governo do PT mostrando coerência (ora, quem esperaria outra coisa?); Renan Calheiros no Conselho de Ética do Senado? Pfff: em casa que José Sarney manda, tudo pode.
    Porém, acima de tudo isso, passando de todos os limites da decência e da vergonha, do respeito á população, de tudo quanto é moral (falo da moralidade pública), o Ministério da Educação diz claramente: quero que todos os brasileiros sejam tão ignorantes quanto meu chefe.
    Só o que esses imbecis não sabem é que, diferentes do Lula, esses brasileiros que serão vítimas da ignorância do governo mais estúpido de todos os tempos não receberão Bolsa Ditadura por terem ficado uma semana hospedados e sendo bem tratados pelo delegado amigo; não receberão salário de sindicato nenhum para se manterem sem trabalhar por 30 anos e, ainda assim, continuarem ricos e, por fim, não receberão 200.000 reais por palestra para falarem bobagens em mau português.
    É inaceitável!!!
    E o pior é a justificativa de que a escola tem de ser um local acolhedor para que o aluno não se sinta rejeitado!!! Minha paciência foi pro saco! A escola que servia para corrigir os erros técnicos, agora, serve para manter a ignorância!!!
    Minha mãe me criou a mim e meus cinco irmãos com salário mínimo. Me orgulho disso? Não: me orgulho de ser filho de uma mulher que, sozinha, teve coragem e força de criar seus cinco filhos sem nunca fraquejar e que, hoje, em vez de invejar quem tem muito mais dinheiro do que nós, ela diz: “Não tenho inveja de nada disso: esse povo que ganha milhões e milhões… tenho inveja de quem tem conhecimento, que sabe das coisas… se eu pudesse…”. É que ouço, JURO!!!, de sua boca, numa voz com um quê de nostalgia, do tempo em que ela não podia estudar o quanto queria porque meu avô queria que ela lhe ajudasse a trabalhar na roça – “mas”, diz ela, “ainda consegui chegar à quarta série, indo estudar de noite, depois de trabalhar”.
    Ouvindo isso, valorizando a cultura, o conhecimento, a inteligência, a honestidade, mesmo sem recursos, me tornei mais culto do que todos de minha idade, li coisas que, aos 15 anos, poucos fariam, sem vergonha nem medo, digo que gosto de política e critico, para quem quiser ouvir, o governo mais sem vergonha de todos os tempos.
    É por isso que essa gente quer a ignorância. Sim, sim, parece tese velha, mas é o que é: imaginem se eles aceitariam uma população culta que ouviria o que Lula diria e pensaria: “Meu deus, mandem ele calar a boca!”.
    Não sei mais o que dizer…
    E, sim, a Era da Mediocridade já durou tempo demais. O problema é que está avançado.
    Abração, Augusto.

  489. Decker

    -

    13/05/2011 às 21:00

    O tema é a imbecilização do país promovida pela tua cambada. Algo a dizer?

  490. Jorge Chequer

    -

    13/05/2011 às 20:52

    Essa diarréia mental (pt & cia) está se tornando crônica.

  491. Jonas Sanderlann

    -

    13/05/2011 às 20:51

    São essas barbaridades que milhões de brasileiros que não sabem votar arrumam para os demais.

  492. Sergio

    -

    13/05/2011 às 20:49

    Nóis tá f………

  493. Thadeu Furtado Barros

    -

    13/05/2011 às 20:43

    É mais um passo para nivelar o Brasil com o Haiti, por baixo

  494. Fernanda

    -

    13/05/2011 às 20:43

    Ora, tão simples: já que não conseguem aprender, emburrecem os outros, é mais fácil.

  495. Julio Cesar

    -

    13/05/2011 às 20:43

    A autora deveria ser presa

  496. Rudnei

    -

    13/05/2011 às 20:42

    Da vontade de desistir. E pagamos impostos para esses parasitas nos governar. Vergonha!

  497. VICENTE CAVALIERE

    -

    13/05/2011 às 20:40

    E para as redações do ENEM, o que será válido????
    O candidato que escrever errado, nessa nova língua, será reprovado???

  498. Pimenta

    -

    13/05/2011 às 20:36

    Augusto,
    Parece que eles querem nivelar a todos por baixo.
    Querem mesmo que todos nós sejamos seus iguais.

  499. Gil

    -

    13/05/2011 às 20:33

    É isso o que se chama de “uma vida melhor”? Isso é a perpetuação da ignorância, nada mais. Daqui a pouco a tal Heloísa (merece o título de professora?) vai reproduzir linguagens de MSN, Orkut, Twitter e SMS (celular) em seus livros. E onde vão parar as provas de redação em vestibulares e em concursos públicos? Vão para o lixo ou vão abolir isso também? Hoje adolescentes e adultos mal sabem escrever, imagine se esse tipo de proposta vingar. Vai ela concordar com isso para defender a tal “diversidade” do nosso povo? Que haja diversidade onde a Heloísa quiser, mas que haja ao menos um mínimo de decência. Não é porque tivemos um analfabeto na presidência que a ignorância deve se perpetuar. Se Lula colocou as classes C e D dentro de aeroportos e shoppings, que ao menos dê a elas uma educação adequada para que essas pessoas saibam no mínimo ler, entender e falar decentemente.

  500. Oliver

    -

    13/05/2011 às 20:31

    SINHÔ AUGUSTUS NUNIS
    Hora, cumpanhêro, pusquê a bronca ? Nóis, dissípulos ( pusque dizemos muito ) du deputado titica nus peguntamos a si mesmos, comparecidos diante de nossas póprias peçouas. O chefe num pode mais falar da Pétubrais ? Num pode mais esquecer us acentos, onde ele se acentou com sua buzanfa sagrada na cara dos incauto ? Axo você um ilitista, sinhô Augusto Nunes. Deixa nóis aqui bradar nossa guinoranssa crassa. Deixa nóis tungar a inteligencia dus coitado. Nóis roba jabuti, nóis caça feriado, nóis aprova verba pra cartilha. Nóis num é pouca massa não. Nóis é pinico cheio. É nóis nas frita, no Congresso, no MEC, no MEP e onde mais pricisar de um militonto cheio de tecla pra teclar contra vossa senhoria.
    Eu já fui cara pintada e hoje é só pintada na cara. Deçe geito você vai querê qui nóis aprenda us plural tudo, de todas as palavreadas que nóis sorta. Deixa nóis. Um país de burros é um país sem enteligências. Tá ferro.

  501. roberto

    -

    13/05/2011 às 20:30

    Caro Augusto.
    A última coisa que poderia imaginar (apesar da petralhada ser cada vez mais imaginativa )ser obrigatório do ensino de Lullês nas escolas públicas.
    Primeiro foram as cartilhas de incensamento ao megalomamado fazendo comparações esdrúchulas com presidentes anteriores ( já caiu no esquecimento ) com loas ao inventor do Brasil.
    Agora mais essa.
    O complexo de inferioridade intelectual do petralhismo os leva aos bancos primários (ou seria primitivos?)com suas já tão famosas cartilhas,sempre inventam uma nova.
    Essa invenção do Stalinismo farofeiro com muita corrupção,coação e coopção (os poderes estão todos tomados) assusta .
    Abraços.
    Não sabes o bem que faz sua coluna.

  502. Giuseppe Santargila

    -

    13/05/2011 às 20:30

    Estão preparando os “futuro presidente” da república.

  503. Francisco

    -

    13/05/2011 às 20:24

    O PT além de trazer de trazer de volta a inflação que atinge diretamente as classes mais baixas da população querem tirar deles a melhor forma de saírem dessa situação a educação.

  504. BOB

    -

    13/05/2011 às 20:17

    No Brasil de hoje existe preconceito não contra quem fala errado, mas contra quem fala certo.

  505. Sérgio

    -

    13/05/2011 às 20:12

    É isso. Daqui a pouco vão ensinar que a Terra é chata e quem acha que não é um elitista eurocêntrico. Depois, e essa opressão da Matemática? Está claro que ela foi criada para oprimir os pobres e reduzir sua rica existência a um mero número, seu salário. E essa coisa de evolução? Claramente é uma manobra da Zelite contra a natureza compassiva e cooperativa dos oprimidos. É preciso ensinar Física feminista, Informática indígena e Genética chavista. Mas nada de criacionismo, viu, que isso é coisa da Igreja.

    Entre em cena El Bigodón Republicano, que fará uma grande reforma na ciência nacional, trazendo experts do MST, das ONGs, das comunidades ahuayasqueiras, churrasqueiras e tribalistas.

  506. Henrique

    -

    13/05/2011 às 20:11

    Os melicianos estão subjulgando a racionalidade dos 42 milhões de eleitores de oposição. Pena que o único refugío da resistência dos atos racionalmente executados pelos petralhas seja a Veja e os Blogs do AN e RA. Há também o Estadão, que sofre certa patrulha e que não possui um detector de melicianos para os comentários.Caro Augusto, juntamente com Demítrio e Dora, vocês conseguem, cirurgicamente, dissecar a mente autoritária e dos mentores do petismo e expor a fragilidade mental dos seguidores, quase sempre, vagabundos a soldo que conseguem uma boquinha nas abas do partido. Fora a era a mediocridade.

  507. CW

    -

    13/05/2011 às 20:10

    Augusto, boa noite. Isso não lembra uma certa “revolução cultural”, que ocorreu em um país asiático de um certo Mao? Com a finalidade de diminuir a distância entre o povão e a intelectualidade nacional, mataram os intelectuais.

  508. Régio Menezes

    -

    13/05/2011 às 20:03

    Sim,Prezado Augusto, infelizmente vivemos a era da mediocridade moral, educacional e institucional. Essas pessoas que em nome de uma lógica ininteligível atentam contra a cultura, contra a língua, contra o mínimo de conhecimento têm apoio justamente naqueles que desejam a imbecilização da massa. São a “nova elite”, fomada por ricos barbudos, uns muares,ladrões de dar inveja a Ali Babá, egoístas, que quando encontram alguém que os revide,se tornam violentos. Os broncos de cuecas cheias de dólares, tal qual uma horda,dizimam o resto de dignidade que essa nação ainda tem. Essa senhora que escreveu a patacoada financiada pelos cofres públicos deveria escrever mais títulos para a petezada. Nesses termos, eles entendem…

  509. fontana

    -

    13/05/2011 às 19:56

    Depois dessa, vou botar minha viola no saco e me escafeder. Sou alérgico a larvas.

  510. Marli

    -

    13/05/2011 às 19:51

    Augusto!
    Precisamos nos livrar desses petralhas que estão destruindo o nosso País em todos os aspectos.
    Sugiro aos leitores seus, do Reinaldo Azevedo e do Ricardo Setti,para que nos mobilizemos a fim de salvar este país abencoado.
    Os caras pintadas que foram às ruas,hoje estão no poder e é óbvio que não podemos esperar nada deles.
    Precisamos sim,sair às ruas,sem pintar a cara,pois somos pessoas decentes e não necessitamos usar máscaras para protestar e defender os brasileiros de bem,que trabalham duro para sobreviver,pagando impostos altíssimos para o governo gastar mal,principalmente com a roubalheira que se instalou no poder.
    Afinal de contas somos os patrões desse desgoverno.
    Vamos dar um basta em tudo isso.

  511. Nei Duclós

    -

    13/05/2011 às 19:51

    É o extermínio do país, sob nossos olhos e nossa perplexidade. Você usou a palavra certa: medonho. Aonde vamos parar? costumávamos perguntar. Agora sabemos.

  512. nino

    -

    13/05/2011 às 19:51

    Caro Augusto, depois dessa, eu vou canta os botão da brusa, xaú.

  513. Siará Grande

    -

    13/05/2011 às 19:49

    Oh, Augusto, o primeiro de abril já paçou, né, o MEC, se Você não sabe ainda, é o Ministério da Educação, o MEC é pra ensinar a falar certo. Este livro deve ter sido escrito pelo pessoal do Caceta e Planeta, jamias por uma professora de português.

  514. Lúcia Helena

    -

    13/05/2011 às 19:48

    É o maior absurdo que li nos últimos anos!!!!!!!!!

  515. julio

    -

    13/05/2011 às 19:43

    haja tempo, e eu sei que irá!

    Gostei dos meus puns do MC… rsrsrsrsrs

    http://julio-cavaleiro.blogspot.com/

  516. julio

    -

    13/05/2011 às 19:39

    Caro Nunes, consegui ver com tão bons olhos tudo que até o lula com o cahapeu de doto ma fez rir de engasgar rsrsr
    de repente.
    Caro Nunes, agradeça, dirão eles, agradeça pois realmente não fosse “nós pega o peixe” não teria criado este maravilhoso texto, para até também polverizar esses puns do MEC

  517. Any Time

    -

    13/05/2011 às 19:37

    Pois é Augusto, encuanto isso, nóis vai pagano os imposto pra mode sustentá essa camarilha de cinicalista que tomo o puder. E tome polca.

  518. marcel

    -

    13/05/2011 às 19:36

    É um absurdo. Isso tudo está indo longe demais. Meu Deus que país é esse? que corja é essa que está no poder? Isso é a dissolução da língua consequentemente do pensamento forte, saudável.Esta senhora, meu Deus onde estás nessa hora maldita que estamos passando. Que provação terrível. Em ti confio.

  519. Adriano

    -

    13/05/2011 às 19:35

    É inacreditavel! Estou pasmo! Então é verdade o Lula falou que “os pedar da bicicreta é de prastico!”. Isso é um assassinato do português.

  520. melicia

    -

    13/05/2011 às 19:34

    Ou comenta o tema ou não entra aqui.

  521. Mauri

    -

    13/05/2011 às 19:33

    Enfermeiros!!!!!!!!
    Como você mesmo diz!
    Vou processar a informação para poder colocar um comentário, pois a era da mediocridade REALMENTE foi longe de mais!
    Vamos ver o que “os miliciano” vão escrever…

  522. MArcos

    -

    13/05/2011 às 19:25

    Embrulhou o estômago!

    MAM

  523. Hamilton

    -

    13/05/2011 às 19:20

    Por favor… O ultimo que sair apague a luz!

  524. Diuma a MÃE da INFLAÇÃO

    -

    13/05/2011 às 19:18

    … Até parece que o livro foi escrito por um POSTE !!!!!!!!!!
    É o MEC aparelhado por petistas criados em sindicatos………..Deve ser por isso que eles tem tanta inveja de FHC ……….

  525. Mag

    -

    13/05/2011 às 19:16

    Augusto:
    Trabalha na minha casa há muitos anos uma pessoa de origem alemã, nascida na roça.
    Já na cidade, completou estudos, terminou o primeiro e segundo grau.
    Ela estimula que sua sobrinha estude, faça faculdade.
    Quando comentei com ela hoje pela manhã o absurdo da valorização da ignorância nos livros do MEC, minha funcionária respondeu: “eu sei que falo errado, mas falava muito pior, e leio muito porque eu quero aprender a falar certo, cada vez mais.” Ela sabe que é através dos livros que se aprende, que se modifica, que se vai avante. Ela não tem vergonha dos seus erros, ela quer corrigir e mudar. Ela valoriza o aprendizado.
    O Ministério que deveria cuidar disso prestigia a ignorância.
    Realmente, a Era da Mediocridade ultrapassou todos os limites.

  526. maria cristina

    -

    13/05/2011 às 19:09

    sem comentáriosss

  527. jose

    -

    13/05/2011 às 19:07

    Me assusta esta sua morbidez, Augusto. Como você escreve um post deste na sexta-feira? Quer aniquilar com nosso fim de semana? Quer que passemos os próximos dois dias pensando em uma maneira menos dolorosa de cometer suicídio? A mim você não pega: chega de ler, vou pescar. Já que os livro melhor estão todos colorido, a gente vamos ver se pega mais peixe que os menino.

  528. Nélio

    -

    13/05/2011 às 19:02

    Augusto, vejo nisso o ápice da omissão de quem, pelo conhecimento alegado ou real, deveria alertar a Nação dos equívocos que, eventualmente, poderia cometer se fizesse determinadas escolhas. Escondida no manto covarde do isentismo, parcela substancial da imprensa age como se não vivesse no país; como se os seus filhos e netos não fossem herdar deles o Brasil fruto de suas escolhas. Como consequência, vemos chamarem de gerentona eficientíssima uma pessoa que, apesar de somente ter ocupado cargos públicos de confiança na sua vida profissional, não possui um único fato relevante que corrobore essa fama; que administra com uma equipe de quarenta, repito, quarenta ministros e é chamada por analistas políticos com cara de pão amanhecido de competente; que nomeia ministro Fernando Haddad, um incompetente à toda prova, deixando claríssimo sua preocupação com a educação; que deixa Guido Mantega, um ignorante econômico nunca testado na iniciativa privada, fazer mandracarias com o futuro econômico do país, e por aí vai. Augusto, creio que alguns colegas profissionais seus já abdicaram do direito de serem chamados de jornalistas; para todos os efeitos, são cúmplices.

  529. Pedro Erik

    -

    13/05/2011 às 19:01

    ATENÇÃO, AMIGOS. COMEMOREM COM UMA VISITA O ANIVERSÁRIO DO BLOG DO NOSSO PEDRO ERIK. ABRAÇOS

    Grande Augusto,

    Hoje é aniversário de meu blog. Eu ia falar de N.Sa. de Fátima, mas, ao ver um vídeo sobre educação no Afeganistão da CNN, fiquei muito triste com o que o mundo faz com as crianças.

    O seu texto toca no mesmo assunto amigo.

    Tocamos de ouvido.

    Abraço,
    Pedro Erik

    Parabéns, meu grande parceiro. Um abraço muito especial. Augusto

  530. Mauro Pereira

    -

    13/05/2011 às 18:57

    Caro Augusto Nunes, boa noite.
    Quer dizer, então, que de acordo com a nova regra linguística “cumpanhera”, de hoje em diante não existem regras? Então tá.
    Nós vamo liberá os analfabeto de uns preconceito de que eles são vítima. Essa frescura de falar difícil é coisa do FHC e dos loiros de olhos azul!
    Com essa medida o governo e o MEC resgata uma grande dívida com boa parte dos brasileiro. Somente uns político que são oriundo das camada popular e que realmente se preocupa com os povões é capaz de se sensibilizar com as humilhação que diariamente os aluno que não estuda são submetido.
    A própria bíblia nos ensina que somo igual, portanto a partir de hoje está liberado o livre arbítrio arbítrio. Cada um escreve como lhe der na telha. Obrigatório permanece somente o voto nos candidato apoiado pelo nosso amado mestre Lula da Silva.
    Pois é, caro amigo. Eles pega o peixe e nós paga o pato!
    Estamos fud… Vou parar por aqui pois estou cedendo à tentação de iniciar um desfilar interminável de palavrões. Interna!!!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados