Blogs e Colunistas

23/03/2012

às 18:24 \ Direto ao Ponto

O genial inventor de personagens partiu acompanhado por 209 criaturas imortais

Chico Anysio talvez não soubesse que todo brasileiro com mais de 30 anos e mais de cinco neurônios lhe deve muitas, muitíssimas gargalhadas, além de incontáveis momentos suficientemente divertidos para induzir ao riso até um mal-humorado profissional. Foi o que fiz questão de dizer-lhe na tarde de 5 de julho de 1995, no estúdio da RBS em Porto Alegre, já na abertura do programa Perguntar não Ofende, que apresentava ao lado da jornalista Cláudia Nocchi. Agredido pela má notícia desta sexta-feira, conforta-me lembrar que me inseri, diante do próprio credor, entre os seus milhões de devedores. Essas coisas precisam ser ditas em vida.

Já conhecia Chico Anysio, e voltaria a encontrá-lo depois. Mas nunca o vi tão feliz quanto naquele inverno. Planejava o retorno à tela da Globo, andava bem de saúde e fazia muito sucesso com o show que iniciara na véspera a temporada gaúcha. No meio da conversa, a animação do entrevistado me induziu a perguntar-lhe se toparia incorporarar ali mesmo as figuras que encarnava na TV. Respondeu que sim. Combinamos que, assim que eu mencionasse determinada criatura, ele assumiria sua identidade enquanto repetia o bordão de cada uma. E então Chico promoveu o mágico desfile de personagens eternizados na memória afetiva do Brasil.

─ Tavares ─ comecei.

─ Sou, mas quem não é? ─ ele replicou, com a voz pastosa e o sorriso debochado do simpático canalha que, sempre com um copo nas mãos, ensaiava a consumação do golpe do baú.

─ Alberto Roberto ─ continuei.

─ Não gaaravo ─ entoou o entrevistado com tamanha convicção que, sobre os cabelos grisalhos, enxerguei os fios negros protegidos por uma redinha do adorável canastrão.

─ Justo Veríssimo.

─ Eu quero é que pobre se exploda! ─ ouvi a exclamação endossada em silêncio por todos os políticos governistas que frequentam o grande clube dos cafajestes.

O cortejo hilariante prosseguiu com Coalhada, Azambuja, Bozó, Salomé, Bento Carneiro, Pantaleão, Painho e mais um punhado de integrantes da soberba galeria. Sem maquiagem, adereços, barbas ou bigodes postiços, sem recorrer a figurinos que sublinham o estilo e a alma de cada personagem, o mais brilhante criador de tipos do humorismo brasileiro valeu-se exclusivamente do talento imenso para povoar o estúdio da RBS com os frutos de sua assombrosa imaginação. Entrevistadores, câmeras, iluminadores ─ todos caímos no riso solto enquanto durou o espetáculo improvisado pelo gênio.

A lembrança daquela sequência deslumbrante me avisa que, para tristeza dos que ficam e consolo de quem parte, um artista dessa linhagem não morre sozinho. Com o criador, vão-se também as criaturas. Junto com o grande Chico Anysio, morreram outros 209 tipos inesquecíveis. Todos merecem de cada brasileiro um beijo e uma lágrima.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

120 Comentários

  1. Valentina de Botas

    -

    07/07/2012 às 23:56

    Alberto Caieiro, na sua paradoxal filosofia do não pensar, diz que “há metafísica bastante em não pensar e que o único sentido das coisas é elas não terem sentido nenhum”. Virgílio repreende Dante no verso 37 do canto III do Purgatório, na Divina Comédia, por sua inquietação em ver apenas uma sombra no caminho que seguiam. Virgílio aconselha que a “gente humana” não deveria se meter a querer saber as causas das coisas, privilégio divino. Mas Santo Agostinho diz que “a inquietação conduz o homem por toda a vida” e Kierkegaard falou “do elemento inquietante que se oculta na alma” humana. Arruisco-me a afirmar: a inquietude salva o homem porque o faz criar, produzir, imaginar, sonhar, descobrir-se, ser. Sejamos todos serenos, e tudo se apagará. Assim como você, querido Augusto, Chico Anysio transforma a inquietação em genialidade. Muito inquieta também, não tenho, claro, nem a menor fração do talento de vocês; canalizando “o elemento inquietante que se oculta” na minha alma para o conhecimento e a observação dos fatos e das pessoas, no sonho de morrer o menos ignorante possível, surpreendo-me encantada, ainda a essa altura da vida, com a “espantosa realidade das coisas”. Tenho esta amiga há 24 anos. Íntegra, inteligente, gentil e bilíngue, foi minha assistente numa empresa. Em seu atestado de nascimento constava “desconhecido” no lugar do nome do pai, não o conhecera. A mãe, uma senhora de quase 80 anos e adoravelmente rígida, é doméstica aposentada e morou quase a vida toda na casa dos patrões que pagaram para minha amiga a mesma escola e cursos dos próprios filhos. Ela jamais perguntara à mãe quem era seu pai. Quando percebi a importância gigantesca desta falta e quando o aconchego da amizade permitiu, eu a incentivei que perguntasse. Vencidos não sei quantos desertos, finalmente ela o fez. A mãe disse tudo: trabalhava em outro estado e aquele empresário estrangeiro, hóspede por alguns dias na casa dos patrões, veio ao quarto dela na noite anterior à manhã que partiria. Quando se despediu, pediu-lhe que não contasse nada a ninguém porque era casado. Ela prometeu que se ninguém perguntasse, ela não contaria, mas não mentiria se alguém perguntasse. Dias depois, pediu demissão. Queria vir para São Paulo, alegou. Com uma carta de recomendação, chegou aos novos e excelentes patrões dizendo-se grávida, sem ter certeza. Eles só perguntaram se o pai reconheceria a criança, ela disse que não. Incrivelmente, ninguém nunca lhe perguntou quem era ele. Revelados o nome e a nacionalidade do pai, minha amiga pediu ao respectivo consulado que enviasse a ele uma carta contando a história deles. Conheceram-se alguns meses depois. Ver os dois brincando de pai e filha aquece a alma. Mas o breve casal não se reencontrara. Até há alguns meses. Viúvo há quase 3 anos, ele a convenceu a deixá-lo “ficar perto dela” e está aqui por tempo “a definir”. Quem testemunha o doce e insólito ensaio dessa convivência não imagina que quatro décadas os separaram. Ou será que os uniram? Um beijo

    Um beijo, Valentina.

  2. Carlos Henrique

    -

    28/03/2012 às 12:21

    Isso, sem falar nos seus outros talentos!

  3. carlos

    -

    28/03/2012 às 10:09

    Numa de suas últimas entrevistas chico terminou assim sua fala. “Vou tentar renovar meu contrato por mais vinte anos. Eu aguento mais vinte anos, … devo aguentar,… talves aguente.”
    Coisa de gênio.

  4. FRANCOIS

    -

    27/03/2012 às 1:50

    Vi o Chico por acaso, uma única vez. Não me recordo o ano, creio que no fim de 2005. No saguão do aeroporto de Salvador. Era já alta noite. Pouca gente em circulação. Em direção ao banheiro, vinha ele, conduzido numa cadeira de rodas, quando de passagem, pude vê-lo de perto. Tomei um susto quando o reconheci, debilitado pelos anos – e pelo ostracismo, pensei depois. Acho que ele me viu. Ao menos olhou em minha direção. Não dissemos nada. Avesso a tietagem, passei como se passa por um desconhecidoo, embora soubesse de quem se tratasse. Passada aquela oportunidade única, lamentei por me faltar presença de espírito e um tanto de audácia para reverencia-lo ali mesmo, de pronto, fazendo o Tavares, numa de suas falas marcantes, num quadro em que a Biscoito (Zezé Macedo) perguntava quando ele, Tavares, pararia de beber, ao que ela ouvia: “Céus, Biscoito! Eu só vou parar de beber quando leite de cabra virar uísque e titica de carneiro virar gelo, certo?”. Invoco o Tavares sempre quando, copo em mão, perguntam-me quando vou parar de beber. Acho que ele teria recebido bem minha singela homenagem, dada a generosidade de que era portador, algo que se revela ainda mais claramente, diante da perda irreparável, num coro uníssono na voz de tantos que como eu o amava, mesmo sem disso se dar conta…

  5. Raimundo Cazé

    -

    26/03/2012 às 21:11

    CHICO ANÍSIO NO ALÉM
    (Raimundo Cazé)

    O Brasil sem Chico Anysio
    Ficou órfão de humor
    Entretanto, o paraíso
    Com sua morte lucrou
    Hoje, lá tudo é sorriso
    Depois que ele chegou.

    Junto com Chico seguiram
    Suas geniais personagens
    Bem Carneiro na frente
    Pra espantar as visagens
    Justo Veríssimo somente
    Para pagar as passagens

    Na achegada, o primeiro
    A cutucar o portão
    Foi o contador de “causos”
    Sobre as coisas do sertão,
    Ao lado de sua Terta,
    O velho Pantaleão

    Entrou, dando meia volta
    O admirável Paim
    Queixando-se de dor nos quartos
    Aqui na terra era assim
    Apresentou os colegas
    Com perfume de jasmim

    São Pedro ficou sem jeito
    Com tanta gente animada
    Liberou um auditório
    Sem cobrança na entrada
    Apenas de personagens
    A casa ficou lotada

    Chico Anysio interpretou
    O seu professor Raimundo
    Deu a aula inaugural
    Vivendo o seu novo mundo
    Mostrou o seu cabedal
    Dentro de poucos segundos

    De posse de um telefone
    Já estava Salomé
    Fazendo uma ligação
    Pra falar com Lucifer
    E oferecer sugestão
    Sobre o dia da mulher

    Justo Veríssimo mandou
    Um e-mail ao satanás
    Pra saber se no inferno
    Existem pobres demais
    Chegou a se oferecer
    Pra mostrar como se faz

    Repetiu o seu refrão
    Com aquela arrogância toda
    Dizendo que o bom político
    Quer que o pobre se foda
    Mas pra não ser pornográfico
    Criou a expressão “se exploda”

    Chico não gostou do Justo
    Falando com boca suja
    E logo o repreendeu
    Triste como uma coruja
    Mas usou os argumentos
    Do seu oculto Azambuja

    Nisso, chega de repente
    A personagem coalhada
    Passando a língua nos lábios
    De forma desajeitada
    Já escolhendo os atletas
    Para uma breve pelada

    Enquanto coalhada armava
    Seu time de preferência
    Chico Anysio incorporava
    À sua platéia imensa
    Humoristas falecidos
    Em forma de recompensa

    Foi logo dando de cara
    Com o tal Rolando Lero
    Ex-aluno da escolinha
    Um cara metido a sério
    Com seu lenço avermelhado
    Todo cheio de mistério

    Depois abraçou Golias
    Velho amigo no passado
    Mas tarde Zé Vasconcelos
    Um gago muito engraçado
    E até mesmo o Zé Trindade
    Com seu sorriso invocado

    Quando foi falar com Deus
    Lembrou-se de Antônio Marcos
    Falou de outros cantores
    Os talentosos e os fracos
    Mencionou Raul Seixas
    Com seus grandes espetáculos

    Chico Anysio comoveu
    Aos que se achavam na hora
    Soltou um canto de Orfeu
    Doado a Nossa Senhora
    Em seguida agradeceu
    Por ter alcançado a glória

    Pediu para os que ficaram
    Na terra fazendo humor
    Um gesto de caridade
    Por parte do criador
    Dito isso, de repente
    Da sala se retirou

    Em seguida abraçou
    Com um gesto de carinho
    Seu antigo diretor
    Senhor Roberto Marinho
    O homem que o adotou
    Abrindo o seu caminho

    Pediu que ele perdoasse
    Sem sentir ódio nem medo
    O pessoal da Record
    Junto com Edir Macedo
    Um pregador messiânico
    Que hoje vive em degredo

    Assim que chegou no Céu
    Chico logo fez piada
    Arrancou até dos anjos
    Um coro de gargalhada
    Disse que não mereceu
    Chegar àquela pousada

    Depois murmurou assim,
    Arrancando mais sorriso
    Não esperava pra mim
    As luzes do paraíso
    Não sou nada especial
    Sou apenas Chico Anysio

    Um filho de Maranguape
    No estado do Ceará
    Não era pra estar aqui
    Gozando desse manjar
    O diabo é que cearense
    Está em todo lugar

    Dito isso se deitou
    Numa rede de tucum
    E contando as personagens
    Numa alegria incomum
    Foi quando viu os amigos
    Zacarias e Muçum

    Com os olhos rasos d’água
    Chico Anysio murmurou:
    Sei que na terra deixei
    Muita lágrima, muita dor
    Mas eu tive que partir
    Pois foi Deus que me chamou.

    FIM

    Beleza, grande Raimundo Cazé. Parabéns. abração

  6. pablo

    -

    26/03/2012 às 15:30

    Caro Augusto.

    Conhecia Chico Anysio, como quase todos os brasileiros, por meio de seus personagens e também sou seu devedor. Porém, acompanhei neste sábado a reexibição de uma entrevista qua o humorista concedeu ao programa roda-viva. Confesso que me surpreendi com a lucidez e desassombro com que ele tratou de temas polêmicos sem fugir de qualquer pergunta, sem isentismos e dando, inclusive, nomes aos bois. Diante da mediocridade geral que tem marcado estes dias difíceis, a morte de Chico nos deixa a todos mais tristes e o país muito mais medíocre.

  7. neto

    -

    26/03/2012 às 13:13

    Console-se, Augusto. Chico Anísio foi, mas resta-nos o Rafinha Bastos, o Danilo Gentili… Meu Deus, até no humor estamos empobrecendo a cada dia pós Lula…

  8. e bartlett

    -

    26/03/2012 às 12:42

    Deixara saudades… Justo Verissimo forever!

  9. Luis Guedes

    -

    26/03/2012 às 11:27

    Seu A.NUNUES, com todo respeito, só o Chico morreu. Pena.

    Estou triste, mas feliz por ter tido tempo para viver com ele. Por 60 anos.

    Gênio!

    As mais de 200 – 209 – pessoas que “incorporaram” nele estão vivas. Muito vivas… E nós ainda estamos em condições de viver com elas. Com todas.

    Incorporaram? Sim, claro, o Chico NUNCA foi ator! Ele era MÉDIUM !!!

    Ator… Ator é o Tiririca, o Aragão, etc etc e esse time da segunda divisão…

    Ave CHICO! A felicidade, a alegria e a risada ficarão por o todo sempre!

  10. Acir

    -

    26/03/2012 às 10:48

    Augusto, uma bela e justa homenagem a um dos maiores humoristas que esse país já viu.

  11. Gilberto

    -

    26/03/2012 às 9:34

    Concordo com Jô Soares, que afirmou com muita tristeza, que a morte do genial Chico Anísio desmente o bordão de que ninguém é insubstituível.
    Ele era, é e será insubstituível.
    Faltam adjetivos para esse Mestre do humor.

  12. Fortes

    -

    26/03/2012 às 5:24

    Parabéns pelo belo adeus a Chico Anysio.

  13. Luiz Caldeira

    -

    26/03/2012 às 1:02

    Justo Veríssimo
    -Achei a solução para acabar com os pobres!
    -Qual deputado ?
    -Mandar metade para o sul e metade para o norte
    -Mas como escolher quem vai pro sul ou pro norte?
    -Simples, cortando ao meio. Da cintura pra baixo para o sul, da cintura pra cima para o norte!

  14. Luiz Caldeira

    -

    26/03/2012 às 0:57

    “Na Corruptolândia, capital Corruptília, não havera honestidade, logo não haverá pobres, pois pobre é que tem mania de ser honesto, assim como honesto tem a desgraça de ser pobre. E eu quero que pobre se exploda!” Frase do Deputado Justo Verissimo, um dos 209 personagens de Chico Anysio

  15. mts

    -

    26/03/2012 às 0:54

    Uma lagrima para o grande Chico Anysio.
    Que realmente me fazia rir junto com meu pai, em seu programa humoristico, muito antes da escolinha , que nao reputo como seu maior momento.
    Me perguntava naquela epoca qual dimensao teria Chico Anysio se fizesse seu humor nos EUA. O talento era imenso.
    So n fiquei mais triste pq era uma morte prestes a acontecer, dado seu estado de saude.

    Enquanto Chico vai, Lulla maldito posterga sua ida ao inferno. Injustiças que tornam o mundo mais triste.

  16. e bartlett

    -

    26/03/2012 às 0:49

    Ah, que falta Chico Anisio vai fazer! Estamos todos de luto.

  17. Marcia Castro

    -

    25/03/2012 às 22:33

    Uma homenagem resumida numa frase do poema Para Sempre do grande Carlos Drummond de Andrade: “Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio…”

  18. fernando pawlow

    -

    25/03/2012 às 18:04

    Bravo Augusto,tive hoje infelicidade de ler mais uma obra do “Coral Vozes do Esgoto”,de autoria de “Doutor da USP” sobre o Chico Anysio, acredito que seja a mesma à qual aludiram aqui.Inveja do Chico, que se livrou do fardo de viver no mesmo mundo que estas ratazanas.
    Aqui ficamos , ” e o salário,ó”.
    Abraços do Pawlow

  19. Delcimar Bezerra

    -

    25/03/2012 às 13:50

    Nós Brasileiros vivemos tristes tempos (lula, pt, dilma, etc. etc.) e o país ficou ainda mais triste com a partida do grande Chico Anysio. Perdemos o maior ícone do humor Brasileiro. É uma pena. A rede Globo ganharia muito mais se tirasse do ar esse lixo de zorra total e reprisasse os programas do Chico. Parabéns Chico por ter nos dado tantas alegrias. Descanse em paz.

  20. Airton

    -

    25/03/2012 às 13:18

    Simplesmente um genio , principalmente da comédia , do humor .

  21. Sergio Corrêa

    -

    25/03/2012 às 13:01

    Bom Augusto
    Sou, como você e milhões de pessoas, fã incondicional do talento do Chico. Seria possível a colocação de um endereço no qual pudéssemos assistir a entrevista que mencionou?
    Grato.
    Um abração
    Sergio Corrêa

  22. Sínter.

    -

    25/03/2012 às 12:20

    foi o melhor.

  23. arilson sartorato

    -

    25/03/2012 às 11:04

    O BRASIL FICOU MAIS TRISTE, E CÉU MAIS CONTENTE, AGORA O MESTRE VAI SE JUNTAR A ROGÉRIO CARDOZO,FRANCISCO MILANI,VALTER D’AVILA E RONALD GOLIAS.

  24. LUG

    -

    25/03/2012 às 9:42

    Talentoso. Foi o maior de todos os humoristas brasileiros. Nossa saudade. Nosso carinho. Fique em paz, Chico Anysio.

  25. Deonísio da Silva

    -

    25/03/2012 às 9:39

    Augusto, gostei da chamada: os personagens criados por ele, com ele se vão! Que parem com essa babaquice de dizer que eles ficaram. Quem os fará como ele? Ninguém!
    Estou em Porto Alegre desde ontem para lançar LOTTE & ZWEIG. Zero Hora, que você dirigiu, deu apenas uma notinha e o evento foi ótimo: Voltaire Schilling e eu falando sobre Zweig, holocausto, presença judaica no Brasil, especialmente no RS etc. Se você ainda estivesse aqui…Mas o tempo passa, como dizia Fiori Gigliotti, e de repente “fecham-se as cortinas e termina o espetáculo”.
    Algumas coisas pioraram no fantástico show da vida. Estou meio revisionista, hoje, pela memória que brota aqui no Sul, meu terrum. Ainda no aeroporto, nem bem tomei o táxi, vi um enorme cartaz de meus colegas professores denunciando o governador Tarso Genro como um fora da lei: não cumpre o a lei que manda pagar piso de algumas merrecas aos professores! Caramba! Levei um soco nas ventas! O Tarso, do PT, denunciado e levado aos tribunais por não querer pagar os professores! Ele merece a recomendação que Nazareno dá à mulher: “Calada!”. “Tá com pena? Leva pra você!”. Tarso Genro está mais Justo Veríssimo! Sou seu amigo, mas sou mais amigo da verdade, como no célebre dito. E essa não há como negar!Pegue um pouco das verbas que foram destinadas ao albergue e à porteção do assassino Cesare Battisti e pague pelo menos uma merenda aos professores!

  26. Neile

    -

    25/03/2012 às 9:37

    Engraçado ! Ninguém fala do TIM TONES ,o pastor que representa os “cidadãos” mais espertos desse BRASIL varonil.Esse personagem do Chico ,como todos os outros ,é de uma caracterização espetacular ,mas parece que ninguém se lembra dele.Tomara que o Canal Viva volte a veicular o Chico City e o Chico Total !

  27. Sofia Maria

    -

    25/03/2012 às 8:00

    Augusto querido,com todo respeito,voce esta um gato na foto!Rssss
    O primeiro personagem de Chico Anisio que eu conheci foi o Coronel Limoeira ,que tinha uma esposa muito jovem, a Maria Teresa.Eu era ainda muito crianca e portanto nao tinha condicao de “sacar” que era uma brincadeira com o Presidente Joao Goulart.E outro que nunca me esqueci foi o Prefeito Valfrido Canavieira,cuja esposa torrou uma grana preta comprando sapatos e ele mandou incluir a despesa nos gastos com “Calcamentos” da Prefeitura,rsss…sim,”morreram”Chico Anysio e sentirei muitas saudades deles.
    Um grande abraco `a voce Augusto!

  28. Sergio - SJC - SP

    -

    25/03/2012 às 2:12

    Aos familiares do Chico Anysio, o mestre do humor e do riso, nossas sinceras condolências. Que Chico nos perdoe, mas nesta sua partida eterna a tristeza é imensa e não temos do que rir de nada.

  29. Genivaldo

    -

    24/03/2012 às 22:50

    Jorge – 24/03/2012 às 17:29

    Cala a boca, Jorge!!!

  30. Marin

    -

    24/03/2012 às 22:04

    Grande amigo Augusto Nunes, costumo dizer as pessoas que mais prezo, aos amigos e também quase todos de um modo geral que, certos fatos e acontecimentos devem ser guardados na memória de cada um de acordo com tudo aquilo que representaram de bom, e os bons exemplos que ficam de uma forma ampla para todos, seja na família, na sociedade, para o País e para o Mundo inteiro.
    E a cada geração ou gerações que passam são marcadas por aqueles que através de sua Biografia e passagem por este Planeta, marcam para a História da Humanidade seus bons exemplos, isso se evidencia desde que DEUS criou o Mundo e tudo que nele habita.
    E se fosse mencionar aqui neste espaço todas as pessoas que já partiram desta para outra, e o legado que deixaram para o bem da Humanidade, seria quase impossível, mas é possível de mencionar os mais recentes, como é agora a morte do Chico Anísio, o melhor Humorista de todos os tempos, e nem é preciso dar maiores detalhes sobre ele, pois quem acompanhou a sua trajetória sabe muito bem do que estou falando.
    Digo e afirmo com toda convicção que, a exemplo de outras pessoas, Chico Anísio foi para o Humor, o
    que Michael Jackson foi para a Música, o Papa João Paulo II para a Religião e a Igreja, o Presidente Juscelino para o Brasil, e assim por diante, e tantos outros.

    Um abraço.

  31. monica

    -

    24/03/2012 às 21:05

    me lembro da infância quando esperava ansiosa pela 5a. feira dia do “Chico City”. Que delícia curtir com a família um programa tão divertido. Chico pra mim é sinônimo do bom, do inteligente, do simples e fantástico humor que só ele tinha. Obrigada Chico. Me sinto privilegiada de pertencer a uma geração que conheceu o seu talento. Que saudade!!

  32. Luis Gonçalves

    -

    24/03/2012 às 20:55

    Augusto, vc mencionou uma das vindas de Chico à Porto Alegre. Lemrei-me de uma das facetas do Chico: a do bom debatedor sobre o futebol. Sempre que vinha ele participava do “Sala de Redação”, da Rádio Gaúcha, programa de debates esportivos (futebol). Mostrava amplo domínio sobre o tema, do nível de grandes comentaristas. Era atualizado e bem informado. Prendia o ouvinte. Talvez seja uma faceta pouco conhecida do grande público.

  33. Marco

    -

    24/03/2012 às 20:41

    Brilhante e comovente a sua homenagem.Me incluo entre os devedores…Devo e não nego, não sei se pago.

  34. Kenjiro

    -

    24/03/2012 às 20:19

    Acabei de ver uma página de jornal que achei muito feliz em sua manchete: Morreram Chico Anysio.
    Realmente eram tantos e tão formidáveis que a perda não pode ser no singular.

  35. PAPAGAIO

    -

    24/03/2012 às 19:23

    …É MENTIRA TERTA?
    NUNCA PRECISOU APELAR, COMO OUTROS HUMORISTA POR AI !!!!!
    SEU HUMOR ERA EXPONTANEO, FLUIA NATURALMENTE.
    É!!!! LÁ SE FOI MAIS UMA EXCELENTE PESSOA.
    ADEUS CHICO, VÁ COM DEUS !!!!!!!!!!

  36. Cláudio Pereira

    -

    24/03/2012 às 18:54

    Caro Augusto, se foi o Pelé do humor brasileiro.
    o homem Chico Anysio com quem tive o prazer de passar uma tarde em sua casa no Rio, me ensinou em algumas horas muito mais do que ele poderia supor.
    fica mais uma lacuna no humor brasileiro, pois Chico era desses poucos que aqui nascem como Pixinguinha, Noel Rosa ou Nelson Gonçalves.
    GÊNIO!

    .
    um abração!

    .
    p.s.-Nessas horas nem é bom lembrar desses ratos que infestam a internet. lhes falta ética, moral e principalmente noção do quanto pode ser baixo num momento como esse evocar supostas posições políticas do humorista. só por isso revelam sua extrema ignorância!
    .
    intelectualmente o país não esta mais pobre, pois atingiu a indigência mental ao entrar na era da mediocridade!

    .
    FIQUEM COM DEUS!

  37. RitaZ

    -

    24/03/2012 às 17:50

    Augusto,
    as lágrimas rolaram…Digna homenagem.

  38. Jorge

    -

    24/03/2012 às 17:29

    Respeito quem gostava, mas jamais achei graca em seus personagens. Na verdade sempre os achei chatissimos – seu sucesso se deve aa inercia de audiencia da Globo (anything goes). Inventar personagens nao eh necessariamente demonstracao de talento: fazer com que um personagem nos faca rir eh outra coisa. Pessolmente prefiro Laurel & Hardy, Chaplin, Golias, Ari Toledo…

  39. josé benedito amaral rocha

    -

    24/03/2012 às 16:59

    Perdemos o mais completo e Genial Artsta de nossa historia. O Brasil Perdeu o Riso, A Intéligencia e a Imensa Cultura Humanistica.

  40. Raimundo Cazé

    -

    24/03/2012 às 16:45

    Após ter lido o seu belo texto, Augusto, só consegui esta modesta definição: “O BRASIL SEM CHICO ANYSIO PERDEu MUITO DO SEU RISO”.

  41. ana soriano

    -

    24/03/2012 às 16:08

    O único autógrafo que pedi foi o dele e o conservei por alguns anos sob o vidro de minha mesa de secretária.
    Ele está dentro de cada um de nós, em nossas melhores memórias. Cumpriu sua missão.

  42. Franklin

    -

    24/03/2012 às 15:52

    Grande conterrâneo. Esse, sim, era ídolo de todo mundo.

  43. Eliana

    -

    24/03/2012 às 15:07

    um beijo, uma lágrima, saudade….e pra vc, Augusto, minha grande admiração pela tua

    Sim lágrima, beijo, saudade, gratidão.
    E a vc Augusto, minha enorme admiração pelos seus escritos, que, não importa o motivo ou inspiração, sempre me tocam.
    um abraço

  44. César Lemos

    -

    24/03/2012 às 14:15

    Chico Anísio foi o Simonal do humor. Tão reaça quanto…

  45. Revoltado

    -

    24/03/2012 às 14:09

    Nós, simples mortais, temos apenas 24 horas do dia para administrar entre o sono e outras atividades. Chico, como é eterno, devia ter bem mais horas para fazer tanta coisa ao mesmo tempo. É talvez o mais incrível ser humano que tive a imensa felicidade de ver durante algumas décadas, desde a minha infância. Jamais mudei de canal quando era ele que se apresentava, mesmo em programas repetidos. Realmente uma pessoa extraordinária que vai deixar uma enorme saudade. Que Deus o tenha, Chico!

  46. Angelo

    -

    24/03/2012 às 13:38

    Senhores,bem lembrado amigo Sr.Augusto,que a alma deste grande artista que em minha juventude me
    proporcionou divertidos momentos de alegria,
    encontre em nosso Mestre Maior o eterno descanso,e
    nós com orgulho sempre o lembraremos,como aquele
    capaz de transformar o maú-humor em riso e alegria.

  47. ana muniz

    -

    24/03/2012 às 12:21

    Primeira viagem de avião ( Avro, da Varig), destino Rio de Janeiro. Amigos cariocas me levaram para assistir o show do Chico, no Teatro da Lagoa. Era finalzinho da década de 1960, 68/69, por aí. Ri às lágrimas. Ri de correr para pipi room no intervalo. Ele interpretando Canto de Osanha foi divestidíssimo, inesquecível. Hoje os patrulheiros de plantão torceriam o nariz. Ontem, um tanto saudosa, agradeci – Chico Anísio faz parte de um dos melhores momentos da minha vida. Mas antes disso, radiola ligada na Rádio Nacional ou Mayrink Veiga, ouviamos o Coronel Limoeiro gritar – Maria Tereza!. Que coisa boa é viajar no tempo e lembrar do que continua sendo bom pois a alegria é eterna. É isso que conta, o que fica em nossos corações e mentes. Obrigada, Painho!

  48. Sergio the original since 1ª Leitura

    -

    24/03/2012 às 12:11

    que pena!

  49. Delmar Fontoura

    -

    24/03/2012 às 11:57

    .
    Do: http://jpfontoura.blogspot.com/
    .

    Nos últimos atos da peça que interpretava, já tendo descido do palco do humor, Chico Anysio permaneceu junto ao proscênio do teatro da vida, vendo se apagarem as luzes da ribalta, mas não deixou… …e não deixará… …de ser o gênio Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho.
    .
    Um dia tentaram cortar um pedaço de sua genialidade, inverso de quando obrigaram o personagem Carlitos falar emudecendo a expressão do artista Charles Chaplin… …mas a alma de Chico ectoplasmou nas formas de uma “Escolinha do Professor Raimundo” e de um “Chico City”… …O tempo e o Espaço nos privarão, apenas, de sua matéria, mas não dessa sua alma, Chico Anysio, que permanecerá entre nós…
    .
    Até daqui um pouco gênio Chico!…
    .
    .
    Delmar Fontoura.

  50. Marcus

    -

    24/03/2012 às 11:55

    Gênio!

  51. Leopoldo Dogher

    -

    24/03/2012 às 10:34

    Bonito texto, parabéns!
    Concordo: Chico Anysio foi um gênio,um artista raro. O cara foi o melhor humorista, um grande ator, redator,compositor, pintor…E ainda por cima, era um cara legal.

  52. Luiz

    -

    24/03/2012 às 10:03

    A alegria amanheceu mais triste hoje.

  53. nena

    -

    24/03/2012 às 9:49

    Chico Anísio: um homem de muitos personagens, muitas esposas e muitos filhos. Humorista, redator, ator, pintor, escritor e ainda por cima, músico. Tudo nele foi plural e superlativo. Teve posturas que não agradaram a todos mas não se nega que sabia do mundo em que vivia e sabia analisá-lo.
    Sua partida nos deixa uma suave sensação de ternura. Adotou a crítica de forma bem direcionada sem perder a suavidade do olhar. E nos deixa na lembrança justamente esse olhar meigo e o bom sorriso dos que sabem! Como disse sua esposa, ontem ligaramm os refletores do céu para seu mais novo espetáculo.
    Obrigada, Chico, pelos momentos inteligentes que nos deixou por herança. Muita paz!

  54. Santos Leal

    -

    24/03/2012 às 9:33

    Duas que não esqueço:
    Justo Veríssimo
    -Achei a solução para acabar com os pobres!
    -Qual deputado ?
    -Mandar metade para o sul e metade para o norte
    -Mas como escolher quem vai pro sul ou pro norte?
    -Simples, cortando ao meio. Da cintura pra baixo para o sul, da cintura pra cima para o norte!
    Vampiro Brasileiro
    (Revirando um latão de lixo)
    -O que é isso Vampiro, é fome?
    -Nãããoo ! Estou só procurando um modess pra fazer um chazinho…
    O segredo do sucesso ? Como fazer rir homossexuais e homofóbicos imitando um gay? Como se pintar de preto e não ofender os negros e os racistas? Como ser erudito sem jactância? Como ser popular sem ser popularesco? Como agradar crianças, jovens e velhos? Só Chico Anísio sabia. Descanse em PAZ !!!

  55. Tuco

    -

    24/03/2012 às 9:15

    .

    Justíssima homenagem a um gênio,
    que parte de um Nobre Jornalista
    que honra seu trabalho.
    CAnísio merece. Permanecerá vivo
    na lembrança de todos nós.


    .

  56. Santos Leal

    -

    24/03/2012 às 9:13

    O segredo do sucesso ? A medida certa ! Nem muito nem pouco. Malícia sem baixaria. Erudição sem exibicionismo. Popular sem ser popularesco, o que fazia rir homofóbicos e homossexuais imitando gays, o que se pintava de preto sem ofender os negros. Adeus Chico, perdemos tudo isso !!

  57. mrbooz

    -

    24/03/2012 às 9:09

    Chico Anísio é a exceção da regra “ninguém é insubstituível”. Chico é insubstituível e inigualável.Sua genialidade fez os brasileiros privilegiados.
    Sorte sua, Augusto, ter ficado frente a frente com ele.

  58. Sergio S. Oliveira

    -

    24/03/2012 às 8:54

    Poucos artistas ou pessoas públicas me emocionaram tanto com sua morte quanto Chico. Devo-lhe muitas horas passadas em frente à Tv, desde “Chico City” até os dias de hoje. Que Deus o abençoe e o receba de braços abertos.

  59. Natal Santana

    -

    24/03/2012 às 8:32

    Quando o também grande e imortal Rogério Cardoso (Amado Mestre…) se foi, Chico com sua imensa generosidade declarou: “não tem mais sentido fazer uma nova Escolinha sem Rolando Lero”… ele chamava os grandes comediantes pelo seu mais famoso personagem que encarnavam no humor. Disse-o também quando morrerram Francico Milani, Walter D`Avila, Brandão Fiho, Costinha… na sua generosidde, Chico homenageava cada alma sublime que subia ao andar de cima. Agora que o humor ficou porfão, quem vai homenageá-lo senão seus 209 personagens? Sugiro Augusto, que você poste o um vídeo com um quas impossível resumo dos tipos que ele fez. Talvez seja a mais justa da homenagens a esta pessoa inesquecível!

  60. Marco Gaúcho

    -

    24/03/2012 às 8:04

    …deixei a parte melhor do comentário anterior, para agora:Eis a revelação – Essa banca de advocacia, que está mandando MILHARES DE CARTAS aos professores para que cobrem na justiça o que tem direito…É DE UM DEPUTADO PETISTA!!! QUE VOTOU A FAVOR DO PROJETO DO GOVERNO, dando um reajuste muito abaixo do piso nacional, aos professores!!! Não é de rir???

  61. Marco Gaúcho

    -

    24/03/2012 às 7:55

    Chê, uma grande perda essa do Chico.

    Se Chico anisio tivesse mais tempo de vida, poderia ter criado um personagem ainda muito mais cômico, se não fosse de chorar: “o petista”.

    Dentre muitos exemlos para inspiraçao, poderia pegar um deputado petista aqui do RS. Todo mundo sabe que foi o atual governador do RS, Tarso Genro, que assinou como ministro de Lula, o PISO NACIONAL DOS PROFESSORES…pois bem. Agora como governador, eleito com a força do professorado, que confiou nas promessas do então candidato de pagar o piso nacional, por ele instituído, agora diz que não tem dinheiro. E pronto. E mandou para a Assembléia um projeto prevendo um AUMENTO MUITO ABAIXO DO PISO, aos professores…(pasmem: ele propõe pagar o piso em …2018!!!)
    Buenas…os deputados petistas e acompanhantes, contra a vontade do magistério, aprovaram o reajuste abaixo do piso, devido à imposição do executivo…agora, ontem, a OAB-RS vai apurar a quebra do código de ética de profissionais de uma banca de advocacia (atenção por favor)…que está mandando MILHARES, MILHARES, milhares de cartas aos professores estaduais, dizendo que ELES TEM DIREITO AO PISO NACIONAL, E DEVEM ENTRAR NA JUSTIÇA CONTRA O GOVERNO…
    …pena queo Chico não esteja mais conosco, prá criar um personagem que fizesse o Brasil rir, e não chorar de raiva pela “ÉTICA PETISTA”, ou, “O JEITO PETISTA DE GOVERNAR…” abraços…

  62. Teresa

    -

    24/03/2012 às 7:36

    E nos cearenses temos um orgulho grande, temos aqui uma espécie de fabrica de humorista, mas o grande mestre foi Chico Anísio. O Brasil perde um excepcional talento!

  63. Leonardo X, na Resistência

    -

    24/03/2012 às 6:07

    Foi uma grande perda para o nosso país. Ele foi uma das raras unanimidades nacionais. Seus admiradores não se distinguem por credo religioso ou político, cor, conta bancária ou grau de instrução. Uma criatura assim, com qualquer idade que deixe a gente, sempre o fará prematuramente.

  64. maria helena rubinato rodrigues de sousa

    -

    24/03/2012 às 4:16

    O beijo e a lágrima para Chico Anysio, sim, ele merece a nossa saudade. Só não concordo com a ideia de que seus 209 personagens partirão com ele. Não, eles ficaram e sempre estarão conosco. A imortalidade de Chico Anysio está neles. Assina Maria Helena, a filha do seu sensacional Bixiga.

  65. Renata

    -

    24/03/2012 às 3:13

    Belíssima homenagem, Sr. Nunes! Parabéns pelo texto! Grande Chico…

  66. arilson sartorato

    -

    24/03/2012 às 2:53

    EU CHOREI DUAS VEZES NA MINHA VIDA,QUANDO O NELSON GONÇAVES MORREU EM 1998,ESTAVA EM BAURU COM UM GRANDE AMIGO,RENOMADO CIRURGIÃO PLÁSTICO,E AGORA COM A MORTE DO CHICO ANIZIO,SEMPRE LEMBRANDO QUE EU QUE EU NÃO ENTREI EM PROBLEMAS FAMILIARES, AGORA ESTOU ESPERANDO A NOTICIA “BOA’ DO LULA E DO HUGO CHAVEZ O CHURRASCO ESTÁ PRONTO.

  67. Luiz Albino

    -

    24/03/2012 às 1:50

    - Chico é incomparável, único, magistral; seu humor, com seus personagens ímpares, e impagáveis, representa um momento de criatividade, honestidade, e humanidade, retratada pelo artista com fino humor, não intelectual, mas com o senso refinado de conheçedor do caráter humano – suas sutilezas, defeitos e exageros, expondo nossas malícias e virtudes. Hoje, infelizmente, a referência é Rafinha Bastos, e outros, que espelham o momento atual – onde a soberba, o escárnio puro e simples, e a chula grosseria, substituem a graça e a arte. Sinal dos tempos, onde a idiotice impôs sua ditadura pelo “políticamente correto”, distorçendo a condição humana. Pobres os que habitam neste abismo.

  68. ZULEIKA AMARAL

    -

    24/03/2012 às 1:35

    Ai,AUGUSTO,que triteza a perda do CHICO:dói na alma
    da gente,que chora por aquele brasileiro decente,honrado,super inteligente,gênio,mesmo,que não podia ir agora,e após tanto sofrimento.Há muita
    injustiça na vida:tanta dor e sofrimento para alguns que só fizeram o bem,fazendo rir este povo
    triste e desprovido de tudo,enquanto outros que só
    fazem maldades para o país escapam de doença mortal!E,talvez,ainda tente um retorno,conforme suas próprias palavras no seu blog de ontem,feliz-
    mente para ele sobreviveu e que fique só nisso!!!
    Desculpe-me,querido,a morte do CHICO foi um golpe
    para mim e milhões de brasileiros!Saudades e um abraço caarinhoso!

    Zuleika

  69. toninho malvadeza

    -

    24/03/2012 às 1:30

    Um beijo Chico .-AFF…(painho)

  70. Claudio Lessa

    -

    24/03/2012 às 1:03

    Caro Augusto, tive a honra de conviver profissionalmente com Chico Anysio em dois momentos distintos de minha carreira de jornalista e gostaria de compartilhá-los com você e seus leitores: numa, ainda em Brasília (onde trabalhava para a Radiobras), fui escalado para cobrir como repórter um evento no Palácio da Alvorada em que Chico, caracterizado como Salomé, iria fazer gargalhar os ministros de João Batista, além do próprio presidente. Só na hora é que descobri que “cobrir o evento”, neste caso, significava “apresentar” o show de Chico, improvisando uma fala (que ele mesmo sugeriu e me fez ensaiar) a respeito de uma convidada que estava ali mas que, por algum motivo, tinha desaparecido… (e aí, abriam-se as cortinas e surgia Salomé, ao telefone, numa sequência de piadas impagáveis diante daqueles mesmos que eram os protagonistas das gozações).
    Na outra, já em Washington, como correspondente da CBS TeleNotícias, cobri um festival de cinema latino americano promovido por Cesar Gaviria (secretário geral da OEA na época) que trazia um filme brasileiro estrelado por Chico Anysio e Sonia Braga, entre outros. Além da entrevista gravada (que pode ser vista no YouTube – http://www.youtube.com/watch?v=1tYGjy8vKP8) batemos um longo papo em que ele resgatou, para mim, muitas das memórias do meu tempo de criança e de sua amizade com meu pai, o cantor Abílio Lessa, contemporâneo dele no rádio e nos primórdios da tevê brasileira.
    Fica, sem dúvida, a tristeza da perda física do inigualável Chico Anysio — mas a certeza de que ele está num plano bem menos turbulento, depois de todas as dificuldades pelas quais passou, sobretudo no final de sua existência terrena.

  71. Adriana Rolando

    -

    24/03/2012 às 1:02

    Amar uma pessoa quando ela não é
    mãe, pai, marido,tio, irmão, amigo, parente,
    facilita.
    Você não diz, não se cansa dela, só ama.
    Quando ela não vêm, você se recolhe, quer esperá-la e sonhar…
    Você ri e chora, há necessidade desse realismo, mesmo quando
    o amor é seu, e, o outro nem sabe do seu amor, tampouco de você.
    O amor é invasivo, principalmente quando pertence, no sentido literal, à você.
    Você não divide, não divulga, vai guardando, e, mesmo assim não se enche dele,
    ele preenche você.
    Esse amor, sem contrair outros, humanos e dependentes, nos aprisionam mesmo
    Quando a porta fica aberta e a gente sai, para espiar se está na hora daquele amor voltar.
    Se ele foi embora sem se despedir, dói, porque a partida definitiva a gente não espera.
    Melhor não romper com ele, deixar ali,presente.
    Amar o Chico Anísio não é esforço algum, aliás, é uma gostosa piada.
    Um beijo grande para você!Saudade

  72. regina santana

    -

    24/03/2012 às 0:25

    e uma grande perda, va com Deus grande Chico, fez a minha infancia, juventude e a minha vida adulta mais feliz

  73. Solange

    -

    24/03/2012 às 0:23

    Parabéns pelo texto. Chico Anísio declarou “Não tenho medo de morrer, tenho pena”. Hoje, nós é que estamos sentindo pena de te-lo perdido. Abraço, Solange

  74. Santeófilo

    -

    24/03/2012 às 0:19

    Não foi com Chaplin que eu aprendi a rir. Nem tampouco com os irmãos Marx. Esses, o Gordo e o Magro e os Três Patetas vieram muito depois. Risadas mesmo, daquelas incontroláveis, que terminavam descambando numa maravilhosa gargalhada, aprendi com o mestre dos mestres do riso. O maravilhoso e incomparável Chico Anísio. Dizer mais o quê, não é mesmo? Saudades, saudades, saudades.

  75. wilson

    -

    24/03/2012 às 0:05

    Sr. Rolando Lero o que é odisseia?
    Amando Mestre por acaso Odisséia teria sido um famoso travestí da praça maua?
    È acabou agora temos “panicos” com boçalidades e
    sem graça tiradas para pré-adolecentes, rir só de
    raiva.

  76. José Figueredo

    -

    23/03/2012 às 23:58

    Chico
    Pois é,Augusto…quem tinha só o tico e o teco via no Chico um papagaio falador sem se comunicar com a platéia.Mas quem tinha uma trinca ou alguns bilhões,chorava de rir.Hoje,se fosse possível,com o menestrel tupiniquim sem mais anedótas para contar, a conjuntura política ainda ajudando,o aperto nas contas disfarçados de renda melhor,eu particularmente riria de “chorar”.Chico representou duzentos e tantos personagens bem característicos do nosso Brasil.para ele foi facílimo fazê-lo,dada a inteligencia e a sutileza criadora.Ele só aproveitava as piadas que já vinham prontas,direto da fonte:o povão e a elite mandatária do turno.Entre os mais significativos,representou os corruptos desalmados de carteirinha:o bigodudo.O vampiro brasileiro,já que este País é povoado desses monstrengos,que vivem chupando o sangue dos nacionais:o Bento.Alberto Roberto,(reperesentando) nossos eternos canastrões,exigentes de regalias,mas deploráveis na interpretação.O profeta,( os pregadores)nosso tendão de Aquiles da fé,só pensam em dinheiro e levam as ovelhas diretamente… para o jantar dos lobos(maus):Tim Tones.Eram duzentos e poucos satirizando o nosso modo de viver.Erva ruim a geada não mata e nós vamos ficando órfãos das grandes inteligências brasileiras.Se existe o céu,se existe a alma e o sobre natural,o eterno Bento Carnero não precisa se borrar,ele vai ser recebido no “Paraíso”dos humoristas.

  77. Oliver

    -

    23/03/2012 às 23:55

    AUGUSTO

    Lembro de uma vez, na churrascaria “Porcão” no RJ, onde estávamos comemorando alguma coisa qualquer e meu grande mestre dos efeitos gráficos da Globo chegou para mim e disse:
    A prefeita de São Paulo não é lá a Erundina ? Quer conhecê-la ? E me apontou rindo uma mesa cativa onde um gigante Tom fazia seu almoço costumeiro. Fomos até lá. Convidados para sentar, declinamos humildemente do convite, pois o restante da nossa mesa poderia denotar nossa falta. Era por um motivo nobre. Trocamos amabilidades e frivolidades, entre uma baforada de charuto e fartas doses de bom humor, generosamente distribuídas pelo cerimonioso gênio de nossa música. Mal me dei conta do momento que vivi. – Obrigado por me apresentar minha prefeita, caro amigo. Este, pelo menos tem muito mais talento que ela, he he he. Não foram poucas as vezes que percorri aqueles corredores, cumprimentando e sendo cumprimentado pelos grandes astros, distraído. A lista seria infindável. Alguns encontros me marcaram lindamente, apesar de terem sido absolutamente casuais. O grande Tarcísio, por exemplo, e seu sorriso arrasa-quarteirões, sempre franco e aberto. Daniela Perez e seu olhar curioso e intrigado abruptamente interrompido também me fizeram lembrar daqueles corredores sempre em ebulição. E Chico. O eternamente grande Chico. Tenho por ele a mesma reverência que tenho por Maurício de Souza; um educador, antes e acima de tudo. Sim, porque o humor educa. Faz pensar. Fala o que não pode ser dito. No rápido primeiro encontro, também seguindo meu mestre Donner, tudo o que falamos foi – Chico, não sai daqui não, amigo. O Jô foi, mais volta. Um dia volta. Não faça a mesma aposta. Não tome decisões das quais você pode se arrepender mais tarde. Nos entreolhamos. Ele acabou não indo. E ganhou uma escolinha só pra ele, para fazer toda a classe passar de ano com louvores diversos. Um gênio. Generoso. Amigo. Parceiro. E grande. Muito grande. Os trezentos de Esparta não caberiam nos duzentos de Chico. Hoje se calaram. Descansa, grande mestre. Na paz dos gigantes.

  78. Le Prevost

    -

    23/03/2012 às 23:48

    Os ratos vermelhos do PT movem-se pelos lixões morais e pulam nos esgotos da miséria intelectual. Diante de tão assustadora realidade, não poderíamos jamais esperar deles o reconhecimento e a gratidão pela inteligência e pela fantástica obra do grande Chico Anysio. Por onde os ratos vermelhos passam, o ambiente moral se torna pestilento e a infestação se alastra. Mas para a alegria do mundo civilizado, Augusto escriba, onde a inteligência prospera a luz se faz e o ambiente se higieniza… Chafurdem no lixão moral um milhão de ratos vermelhos do PT, e eu continuarei assim mesmo com a voz da inteligência de um Jô Soares, por exemplo, quando ele assim se expressa: “nos acostumamaos a dizer que ninguém é insubstitível… E era verdadeiro, mas o Chico Anysio veio e quebrou a regra!”

  79. rosa do luxembourg( o jardim)

    -

    23/03/2012 às 23:44

    Ele era da familia.
    A gente tinha a musica do reporter Esso e a musica que iniciava o Noites Cariocas.
    Eu morava nesta época em Niterói, Icaraí, no prédio dos funcionários do Banco do Brasil.
    Com Chico aprendemos a rir de nós mesmos, a reconhecer nossas falhas, nossas ridículas posturas diante da vida.
    Aquele cara cheio de filhos. Com as mulheres tecendo loas a ele o tempo todo. Que mágica é essa diante dos nosso tribunais de familia com mulheres raivosas querendo a morte dos caras?
    Um pai excepcional, um brasileiro lindo, um homem que nunca se calou e nos fez rir de nossas proprias indignidades.
    Grande Chico. Imenso Chico.
    Fico feliz de voce ter sido um homem e não um rio.
    Detestaria que tentassem transpor as suas palavras para outros significados e que asssim fossem servir a outros propósitos.
    Que bom que voce foi duzentos, trezentos e assim não foi nem será nunca mira para os assassinos de identidade que andam por aí.
    Intocável Chico.
    Só espero que assim como vejo em Nova York, os comedy capers, os irmãos Marx, Chaplin e Lucile Ball, eu possa te rever pelas televisões daqui,
    Vale a pena ver de novo?
    Eu diria qu vale a pena rir de novo.
    Tchau, querido.

  80. Dulci

    -

    23/03/2012 às 23:37

    Lindo texto, Augusto! Que dia triste, chorei e ao mesmo tempo fiquei feliz por ter feito parte de uma geração que cresceu assistindo Chico Anysio e repetindo seus bordões. Ficou um vazio imensurável…

  81. Maria

    -

    23/03/2012 às 23:33

    Sempre assistí os programas do Chico Anísio principalmente a Escolinha.
    Era impressionante vê-lo representar vários personagens sendo que cada um deles tinha vida e personalidade própria a ponto de não vermos o Chico naqueles que ele representava. Pena que não teremos mais ninguém com a sua (dele) genialidade nem competência.
    Chico, descanse em paz e um beijo grande.
    Obs. Eu e meus filhos assistimos todos os dias a Escolinha no canal Viva.

  82. Law

    -

    23/03/2012 às 23:01

    Tomei conhecimento de Chico Anysio em 1962, no Chico Anysio Show, o primeiro gravado em P/B que era levado aos domingos à noite em SP na TV Record, no advento do VT no Brasil. Carlos Manga o dirigia e, acredito, fazia os cortes e montagens geniais, com utilização de dublês na saída de personagens e entrada de outros. Um show sensacional aos domingos. Quando o assisti nesse ano, disse a mim mesmo: talento único, não será ultapassado tão cedo, principalmente aqui, terra de amadores por exceLência. NO Brasil, o aparecimento de poucos profissionais talentosos em todas as áreas é a exceção que confirma a regra geral da mediocridade. Hoje, exatos cinquanta anos passados desde então, repito: seu talento não será ultrapassado tão cedo. Era um ano mais novo do que eu, de 1930. O duro na nossa idade é ir perdendo contemporâneos, me repito novamente.
    Good bye, Chico! RIP!

  83. Luciano Jorge

    -

    23/03/2012 às 22:58

    Augusto, parabenizo-o pela forma como nos fez lembrar de Chico Anysio. Nossa geração (55) e tantas outras teve o magnífico privilégio de acompanhar e se divertir com a genialidade diversa desse gigante espetacular e inesquecível da vida e do humor; e com ele mesmo disse, justamente, insubstituível.

  84. Aaron Spelzer

    -

    23/03/2012 às 22:54

    Pena não termos nenhum registro em vídeo de sua brilhante e memorável passagem pela TV Excelsior de São Paulo. Foram momentos exuberantes de um humor fino e inteligente desse grande humorista brasileiro.

  85. Indignado do interior SP

    -

    23/03/2012 às 22:54

    Augusto.
    AO ler esse texto com fundo musical de Ivan Lins, com sua magnifica “Vitoriosa”, so posso acrescentar
    um adjetivo “Soberbo”.

  86. Gonçalo Osório

    -

    23/03/2012 às 22:54

    Senador,

    E não há nada que o petralhismo e a esquerdopatia não consigam tornar pior. Não vou dar os links dos blogs relevantes para a seita e para a turma da cambada para não promove-los — sabemos que eles vem aqui tentar averiguar o que acontece. Mas os canalhas estão escrevendo que Chico Anísio era um “escroque a serviço da Globo”, que tolerava a ditadura militar e que fez fama e fortuna explorando preconceitos contra negros, mulheres, homossexuais e judeus. E de ser um mau caráter. A esgotoesfera não existiria não fosse a grana pública desviada pelo lulopetismo e sindicalismo corrupto com o fim de atacar reputações. São dias como o de hoje que servem para se ter uma boa idéia do distanciamento dessas ratazanas em relação ao povo que dizem representar. Gente imunda.

    abração

    De pleno acordo, meu querido amigo. São canalhas absolutos. Não perdem nenhuma chance de mostrar que quem vive no esgoto sempre pode piorar. abração

  87. fontana

    -

    23/03/2012 às 22:49

    Infelizmente o Brasil intelectual está morrendo aos poucos. O que nos resta? Mediocridade,somente.

  88. Paulo Germano de C. Borba

    -

    23/03/2012 às 22:45

    Desde menino, cresci e acompanhei a brilhante carreira do genial Chico Anysio. Para mim, o maior artista do cenário humorístico, deixará enorme lacuna na televisão brasileira e eterna saudade.

  89. Élio Estácio Dall'Agnol

    -

    23/03/2012 às 22:43

    Boa noite caro Augusto,realmente este foi o maior talento que surgiu em nosso país e acredito que jamais surgirá alguém com este dom da criação no Brasil ou no resto do mundo. Eu sou muito grato ao Chico Anysio que esteve presente em toda a minha história de apreciar o bom humor e de fazer melhor as nossas noites em frente a tv. Com certeza a minha cidade no RS que ficou ainda mais conhecida pela personagem Salomé de Passo Fundo, é eterna e muito grata pela homenagem carinhosa. Peço a Deus muita força aos familiares e a Luz e Paz Eterna ao mestre do humor Chico Anysio. Abraços desse gaúcho de Passo Fundo, a Capital Nacional da literatura Brasileira.

  90. bereta

    -

    23/03/2012 às 22:37

    Sou do tempo em que se “ouvia” Chico Anísio. Coronel Limoeiro nos deixou um bordão que não me saiu da cabeça, jamais. “Vô tê um atrito com esse homi”. Esse bordão poderia voltar e martelar a cabeça de todo brasileiro, para que tenhamos um atrito com esses políticos safados que aí estão. Vamos ter atrito com esses homens! Vamos eliminá-los do cenário nacional. Chico Anísio era politizado, como todos sabemos. Para comemorar um Roquete Pinto, começou por falar de sua vida, desde o nascimento. Falou, falou, contou inúmeras piadas, e parou. Explicou ao distinto público que ao conversar com sua mulher sobre o que apresentaria por ocasião do recebimento do troféu ,disse que gostaria de contar uma piada nova , algo que nunca houvesse sido contado na TV, desde que o Brasil se tornara independente. -Conta essa aí, disse ela. Tão logo contou, sumiu entre as cortinas, pois poderia vir chumbo grosso. Minha homenagem ao Chico Anísio, que tanto nos fez rir.

  91. LABOR

    -

    23/03/2012 às 22:05

    Desculpem=me da repeticao. É que ao digitär o “comentar”nada apareceu e refiz o texto com pe-quenas diferencas. Nada que possa abalar o nosso congresso.

  92. LABOR

    -

    23/03/2012 às 21:50

    O Chico disse que o humor deveria ser uma constante em nosso dia-a-dia. É isso aí, Chicao (cade o til e o circunflexo desse laptop). Os tempos sao dificeis e sem muita graca, no entanto, sempre poderemos nos valer do humor negro (ou seria afro-descendente?).ficamos um pouco mais tristes.

  93. maria-maria

    -

    23/03/2012 às 21:40

    Chico, que era múltiplo, tinha a grandeza de dividir o espetáculo com colegas que já estariam no ostracismo. Esse aspecto humano do humorista engrandece-o tanto quanto as personagens inesquecíveis que ele criou

  94. LABOR

    -

    23/03/2012 às 21:37

    Disse o Chico que o humor deveria ser uma constante no nosso dia-a-dia. Concordo, Chicao (cade a merda do til e do circunflexo deste laptop). Humor de tempos sem graca (cade a p… do c cedilha desse laptop) os atuais. Ou serao os meus sessenta e poucos anos. De qualquer forma, o negro (o humor, ou devo chama-lo de afro-descendente) está aí (achei o agudo) a nossa disposicao.

  95. Petista arrependido

    -

    23/03/2012 às 21:14

    Chico,
    Muito obrigado,ontem,hoje e sempre!
    Justo Veríssimo nunca foi tão atual!

  96. J.Torres

    -

    23/03/2012 às 21:06

    De tantos personagens memoráveis, me recordo do Chico em duas passagens. Uma foi quando comparou seu contra-cheque à folha de pagamento do INSS, de tantas pensões à ex-esposas, filhos, etc. A outra foi um daqueles ‘casos’, relatando um vôo em que à bordo o menu era empada e cerveja. Coisa absolutamente hilariante.
    Esteja com Deus, Chico, e obrigado. Ficaremos nós aqui, ainda, nesse mundo, e país, cada vez mais sem graça, triste, previsível, cínico.

  97. Abreu

    -

    23/03/2012 às 21:01

    .
    .
    Augusto,
    .
    Parabéns pela sensibilidade com esta justa homenagem.
    .
    Desde minha infância, era ele quem garantia ótimos momentos de humor e gargalhadas.
    .
    Fará muita falta.
    .
    Que D’us lhe dê o descanso e a paz merecidos.
    .

  98. Claudio Manoel

    -

    23/03/2012 às 20:50

    Parabéns Augusto, por dedicar este espaço ao MAIOR expoente do Brasil que presta.
    Estou de luto, perdi meu maior ídolo.

  99. vicente de paulo rodrigues de arruda

    -

    23/03/2012 às 20:32

    Pois é. Morre um Chico Anysio e ficam uns gabarros que só sabem difamar. Que diferença de método de vida! Destes eu tenho dó.

  100. Kitty

    -

    23/03/2012 às 20:27

    Caro Augusto,hoje é um dia triste porque O grande gênio do humor Chico Anysio nos deixou.Ficaremos sem os seus inúmeros personagens que nos faziam rir com os seus bordões e fino humor e assim, esquecer um pouco os vários problemas cotidianos!
    Não poderia deixar de cumprimentar e admirar ao jornalista que o entrevistou alguns anos atrás e que agora em um gesto nobre faz dessa entrevista, uma comovedora homenagem a um humorista sensacional que tanto nos divertiu: Chico Anísio!!
    Um abraço, caro amigo!—–Kitty

  101. Evandro

    -

    23/03/2012 às 20:27

    emocionante homenagem ao MAIOR GÊNIO DO HUMOR BRASILEIRO DE TODOS OS TEMPOS! O JIMI HENDRIX DO RISO NACIONAL!

  102. FM

    -

    23/03/2012 às 20:26

    Chico Anísio e seus personagens sempre viverão em nossas mentes. Ele os criou, interpretou e deu vida. É assim que nós os vemos, aplaudimos e até tentamos imitá-lo. É mentira, Terta?…

  103. Fábio

    -

    23/03/2012 às 20:18

    Caro Augusto, gostaria de saber escrever tão bem! Parabéns pela bela homenagem ao grande humorista.

    Abração, caro Fábio.

  104. Cláudio Luís Vitório dos Santos

    -

    23/03/2012 às 20:11

    Augusto, numa hora como esta é impossível que os que ficam, tenham sentimentos idênticos. Penso que pessoas como Chico Anísio, Charles Chaplin, Costinha, Irmãos Marx, Dercy Gonçalves, e uma infinidade de artistas humoristas e seus personagens jamais morrerão. Porque só o humor consegue dar-nos um sentimento de felicidade que em raras outras ocasiões de nossa existência, iremos encontrá-la. Por isto tenho o privilégio, também como tu e todos que o viram, de ter visto um fenômeno que nunca irá desaparecer. Este (e muitos outros artistas) fizeram História, jamais morrerão.

  105. Jorge Chequer

    -

    23/03/2012 às 20:11

    “Respeite o Criador e dentro de voce será sempre primavera!”
    (Chico Anísio)

  106. anticorruptos e anticorruptores

    -

    23/03/2012 às 20:06

    “O humor é irmão da poesia. O humor é quem denuncia. Eu não tenho possibilidade de consertar nada, mas eu tenho obrigação de denunciar tudo porque essa é a obrigação primeira do humorista. O humor é tudo, até engraçado.” (Chico Anysio)
    http://www.youtube.com/watch?v=a7R3IE6wOIo ou
    http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1677519-15605,00-REVEJA+DEPOIMENTO+DE+CHICO+AO+FANTASTICO+O+POVO+GOSTA+DE+MIM.html
    .
    .
    Nós, os brasileiros que não temiam suas denúncias, já estamos e estaremos sempre com saudade de você, Chico Anysio. E somos muito gratos por cada um dos muitos momentos divertidos que você nos proporcionou.
    .
    Inesquecível e insuperável Chico Anysio, seja muito feliz no plano espiritual.

  107. dpiresmont

    -

    23/03/2012 às 20:04

    Sempre digo e repito, AMO todos que me fazem rir, gargalhar, ficar leve, mesmo que sejam breves momentos… Realmente devemos muito a ele, a eles…

  108. Jurema

    -

    23/03/2012 às 20:02

    Linda homenagem Augusto! A melhor maneira de homenagear um artista é lembrando quão importante foi a sua obra. Abraços

  109. Gil

    -

    23/03/2012 às 19:40

    Imensa é perda que o Brasil sente no dia de hoje.
    Chico povoou com seus personagens a minha infância, a a adolescência e parte da minha vida adulta.
    Será eternamente lembrado.
    Eu considerava Chico o Federico Fellini brasileiro.

  110. Doriinha

    -

    23/03/2012 às 19:39

    Pois é, Augusto, a vida é mesmo desprovida de qualquer senso de justiça.
    Perdemos um gênio, seus 208 inesquecíveis personagens e o impagável Justo Veríssimo, enquanto o grande inspirador de JV segue incomum – livre, leve & SOLTO.

  111. Roberto

    -

    23/03/2012 às 19:35

    Perfeito caro Augusto.
    Em tempos de tanta safadeza, imcompetência, falta de talento e de caráter, a perda de Chico parece ainda mais irreparável e o Brasil fica muito mais pobre e triste.

  112. WESAK

    -

    23/03/2012 às 19:24

    Ele era um gênio. Total. Absoluto. Um assombro !
    Uma inteligência observadora absolutamente fulgurante…
    Descanse em paz. Estava sofrendo muito, naquele hospital, todo entubado…Vá com Deus.

  113. Marco

    -

    23/03/2012 às 19:19

    Amigo Nunes: Um artista q sua obra sempre será lembrada como benfeitora, grandiosa e imortal. E por falar na terrinha, no Café TV Com, tu foi citado pelo José Antonio Pinheiro Machado, como o maior lançador de escritor no RS, já comentei sobre outra escritora gaúcha q tu lançou, hoje muita famosa. Mas hoje o dia de luto. Desde q tu saiu daqui, o RS virou uma importunidade cultural, quem ocupou o teu lugar para impulso cultural, foi o dorminhoco, insolente e fantoche, LFV, Poa hoje em matéria de criação é um privação solitária. Tem q voltar o sol contra essa umidade cultural, q anda por aqui.
    Abs.

    Fico muito feliz com o comentário, meu amigo Marco. E dê por mim um abraço no José Antonio. É por essas e outras que lembro com orgulho e prazer minha passagem pelo Rio Grande. abração

  114. Paulo Henrique

    -

    23/03/2012 às 19:12

    Os personagens continuarão a nos alegrar com seus bordões e figurinos perfeitos. Verdadeiras caricaturas da realidade e do cotidiano. Chico Anysio foi – e sempre será – o melhor humorista brasileiro. Muito obrigado, Chico.

  115. Reynaldo-BH

    -

    23/03/2012 às 18:58

    Augusto, MEU AMIGO DE INFÂNCIA.
    Acabei de ver o seu minuto no site da VEJA.
    Pouco a dizer. O que disse, o fiz no Facebook.
    Mais uma vez transcrevo aqui.
    Você é um cara que consegue emocionar sem jamais cair no pieguismo. Por que, no fundo, o que você escreve é sempre a sua visão – honesta e íntegra – do mundo. Do mundo que presta.
    Tenho orgulho sim de estar sempre por aqui.
    Como disse, hoje em meio a tantos depoimentos sobre o grande Chico, você se superou. Certamente Chico Anísio está – onde estiver – orgulhoso de seu texto. Enxuto, preciso e completo.
    Obrigado, grade AN!
    …………………….
    Tenho muito orgulho de ter como amigo o jornalista Augusto Nunes. Que me rotula de “amigo de infância”, embora só o conheça pessoalmente há alguns anos. Profissional exemplar, dono de um texto impecável, sem se corromper, é considerado um dos maiores jornalistas do Brasil. Mas, melhor ainda como ser humano, como amigo contador de causos, pai de Branca e Bárbara.
    Hoje ele se superou. Usou o minuto de vídeo que tem sempre às segundas, quartas e sextas no site da Revista Veja (além do blog), para homenagear outro grande brasileiro que se foi. Sem deixar de continuar na luta contra esta sbórnia (apud Maria Dias) em que se transformou o Brasil. Texto enxuto. De 1 minuto. Coisa de craque. Um craque falando de outro… Imperdível!

    Obrigado, meu amigo de infância. A gente sempre toca de ouvido. Abraços especialmente afetuosos.

  116. carlos nascimento.

    -

    23/03/2012 às 18:46

    Chico Anysio o REI do humor nos deixou, para ir ao encontro do seleto mundo dos gênios, irá se encontrar com Ayrton Senna, Mané Garrincha, Nelson Rodrigues, entre outros, nos deixa um enorme legado, em várias frentes, doava alegria, esperanças, resistência às injustiças, era um brado retumbante em forma de artes cênicas.
    Partiu aos 80 anos, vividos intensamente, deixando-nos sua obra fantástica, que irá nos aquecer, fazendo-nos suavizar da pressão do cotidiano,seus bordões estão impregnados em nossas têmporas : “caladaaa”, “sou,mas quem não é”, “explodaaa”, “gaaravo”, entre outros, enfim, um legado de arte.
    O Brasil tinha 3 Reis, Pelé, Roberto Carlos e Chico Anysio, agora só nos restam 2.
    CHICO ANYSIO, vá e descanse em paz, OBRIGADOOOOO !

    Carlos Nascimento.

  117. Reynaldo-BH

    -

    23/03/2012 às 18:44

    Augusto, é mesmo um dia triste.
    Publiquei em meu Facebook logo que soube da partida do homem que foi 200 em um só. E que sendo um, sempre foi um combatente.
    Abraços.
    ………………
    Temos pouca gente a agradecer neste país. Que perdeu a graça. Substituiu o humor pela agressão. Elevou a imoralidade política à prática cotidiana. Tem exemplos diários de covardes que jamais desagradam a poderosos. Ele sempre foi o contrário disto tudo. Fez do humor uma arma, sem violência. Cresci – assim como minha geração – rindo do que este cara fazia. Reduzindo os ridículos de plantão a personagens cômicos.
    Um artista de mil faces. E todas vão deixar saudades. Vá em PAZ! E aqui, hoje neste dia triste, certamente daremos boas gargalhadas vendo os tipos que deram alegria a este Brasil.
    VALEU CHICO!

  118. fernando pawlow

    -

    23/03/2012 às 18:37

    Bravo Augusto,o Destino te foi generoso ,voce entrevistou os grandes:Tom Jobim foi um deles,Pelé outro.Como grande jornalista que é,o destino foi apenas justo.Voce poderia publicar alguns destes vídeos?esta entrevista,por ex?Seria excelente.
    Abraços do Pawlow


    Não achei o vídeo na rede, amigo Pawlow. Vou pedir uma cópia à RBS. abração. Augusto (Estou juntando todas as entrevistas que fiz).

  119. Gerda Nageli

    -

    23/03/2012 às 18:32

    Perdemos um ícone da cultura brasileira. Chico Anisio foi um grande humorista e ator. Estou simplismente triste.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados