Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Vaga de emprego: O que postar e o que não postar nas redes?

Especialistas ouvidos pelo site de VEJA dão dicas do que pode beneficiar ou prejudicar os candidatos que buscam um trabalho

Por Teo Cury Atualizado em 16 set 2016, 13h15 - Publicado em 16 set 2016, 13h13

Foi-se o tempo em que o internauta separava sua vida entre a “real” e a “virtual”. O que escrevemos, curtimos e compartilhamos nas redes sociais é uma extensão do que fazemos no trabalho, na escola, em família – e é levado em consideração quando concorremos a um emprego tanto quanto a entrevista para a vaga.

“O candidato deve expressar em seus perfis nas redes sociais exatamente o que ele faz”, diz Rudney Pereira Junior, sócio diretor da agência de recursos humanos BR Talent. “E tomar muito cuidado com o que posta e como faz isso.”

Honestidade é o primeiro mandamento. Mas devemos postar tudo o que fazemos? Para recrutadores, o exagero, mesmo que todas as informações sejam verdadeiras, joga contra o candidato. “Não adianta ser superengajado, superatleta e publicar diversas vezes ao dia. As empresas questionam o que essa pessoa faz e o quanto ela de fato é ocupada”, afirma Luís Fernando Martins, diretor da Hays Response.

O site de VEJA conversou com cinco especialistas em recursos humanos para saber o que soma ponto e o que tira pontos nas redes sociais de um pretendente a uma vaga de trabalho. Veja algumas das principais orientações:

 

Continua após a publicidade
Publicidade