Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Uso da capacidade instalada da indústria registra queda em abril

Indicador divulgado pela CNI atinge menor patamar desde fevereiro de 2010

Por Da Redação
7 jun 2011, 15h33

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) da indústria caiu pelo segundo mês consecutivo e chegou a 82% em abril, ante os 82,4% de março, com ajuste, conforme os Indicadores Industriais divulgados nesta terça-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A UCI atingiu o menor patamar desde fevereiro de 2010. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a queda da UCI em abril foi de 1 ponto percentual.

Já o faturamento real – descontada a inflação – da indústria cresceu 4,3% em abril ante março. Na comparação com abril do ano passado, a expansão foi de 4,9%. As horas trabalhadas também aumentaram em abril, em 1,5%, em relação a março, mas o ritmo ainda não é suficiente para recuperar o recuo de 2,2% do mês anterior. Em relação a abril de 2010, o aumento do indicador foi de 0,7% no quarto mês deste ano.

O emprego na indústria voltou a ficar relativamente estável, com ligeira redução de 0,1% em abril ante março. Na comparação com abril do ano passado, o indicador registrou alta de 2,8%. A massa salarial real desacelerou sua expansão, na comparação com meses de 2010. Em março deste ano, comparado com março de 2010, o crescimento era de 7,1%. Já na comparação de abril deste ano com o mesmo mês do ano passado o avanço foi menor, de 4,3%. O rendimento médio real do trabalhador cresceu apenas 1,5% em abril, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Crescimento baixo – As medidas macroprudenciais adotadas pelo governo desde o fim do ano passado e o ciclo de alta dos juros básicos para conter a demanda e a inflação têm impactado o ritmo de crescimento da indústria em 2011. Apesar de positivo, o crescimento deve ser bastante inferior ao registrado no ano passado. A avaliação foi feita nesta terça-feira pelo gerente-executivo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, que também citou o câmbio valorizado e dificuldades persistentes nas economias americana e europeia como limitadores da expansão da indústria brasileira.

“Os indicadores de janeiro a abril deste ano, na comparação com o mesmo período de 2010, mostram que a indústria vai crescer em 2011, mas a um ritmo menor do que tivemos no ano passado”, afirmou Castelo Branco. Segundo ele, embora o faturamento continue em alta, a indústria tem reagido ao cenário de menor demanda com redução do uso da capacidade instalada e nas horas trabalhadas nas fábricas, além da interrupção do aumento no emprego. Para o economista, os dados também indicam que as medidas governamentais também acarretaram a formação de estoques indesejados na indústria, o que também estaria por trás da redução na produção. “Após forte ajuste de estoques no começo do ano, as encomendas do varejo vieram simultaneamente com a ação do governo, levando os novos estoques para patamares acima do desejado pelos empresários”, acrescentou.

Continua após a publicidade

Inflação – Mesmo com as medidas adotadas pela equipe econômica já surtindo efeito no ritmo da atividade industrial e com a desaceleração no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de maio, divulgado nesta terça-feira, o economista não espera uma reversão na política monetária, por enquanto. O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne nesta terça e quarta-feiras para deliberar sobre a taxa básica de juros (Selic), atualmente em 12% ao ano. “O cenário de inflação que dominou preocupações no início do ano já reagiu às medidas monetárias tomadas pelo governo, mas ainda é preocupante em 12 meses, acima do teto da meta”, afirmou Castelo Branco. “A maior pressão inflacionária em alimentos e combustíveis já parece ter sido vencida, mas resta aí a inércia em alguns segmentos, como serviços”, completou.

Segundo ele, a conjuntura atual já poderia levar a uma interrupção no ciclo de alta dos juros, mas o Copom não deve reduzir a Selic no curto prazo. “O Banco Central olha para um prazo mais longo, portanto a expectativa não é de reversão da política monetária”, concluiu.

(com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.