Clique e assine a partir de 9,90/mês

Troca de e-mails interna na Nissan mostra plano para tirar Ghosn do poder

Preso em 2018, executivo brasileiro afirma ser inocente e vítima de complô entre executivos da montadora que eram contra a fusão com a Renault

Por Larissa Quintino - Atualizado em 16 jun 2020, 17h40 - Publicado em 16 jun 2020, 10h59

A novela envolvendo o executivo brasileiro Carlos Ghosn e a Nissan, montadora que chefiava até 2018 antes de ser preso por fraudes e desvios de dinheiro no Japão, é cheia de contornos de grandes filmes hollywoodianos, com direito a fuga internacional cinematográfica. Nesta semana, o imbróglio ganhou mais um capítulo, e nele, a tese de conspiração defendida pelo empresário para alegar sua inocência ficou mais forte. Em trocas de e-mails entre executivos da Nissan no início de 2018, obtidas pela agência de notícias Bloomberg, o alto escalão da companhia falava em “neutralizar as ações” de Ghosn antes que a fusão entre a montadora japonesa e a francesa Renault fosse “irreversível”.

Assustados com a promessa de Ghosn, no início de 2018, de tornar a aliança entre Nissan e Renault irreversível, os gerentes da montadora japonesa discutiram sua preocupação sobre como o executivo brasileiro estava dando passos em direção a uma maior convergência. No centro das discussões estava Hari Nada, um advogado que dirigia o escritório do executivo-chefe da Nissan e depois fechou um acordo de cooperação com os promotores para testemunhar contra Ghosn. Segundo e-mail escrito por ele a Hitoshi Kawaguchi, gerente sênior da Nissan que era responsável pelas relações governamentais, em fevereiro de 2018, era necessário “neutralizar as iniciativas” do empresário antes que fosse “tarde demais”.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Ainda segundo a Bloomberg, em abril de 2018, Nada disse a Hiroto Saikawa, diretor-executivo da Nissan, que Ghosn estava ficando cada vez mais agitado com o desempenho e os comentários da Nissan feitos por Saikawa, que se posicionava contra uma fusão entre a Renault e a Nissan. “Ele pode criar uma grande perturbação e você pode ser vítima dela”, escreveu Nada a Saikawa.

Um dia antes da primeira prisão de Ghosn, em novembro de 2018, Nada teria mandado um memorando pedindo mudanças na governança da aliança, entre elas a possibilidade de a Nissan comprar ações da Renault e até mesmo se tornar majoritária na montadora francesa. A saída do então CEO seria uma oportunidade para fazer essas mudanças, o executivo teria sugerido na mensagem.

Continua após a publicidade

Nada, um advogado nascido na Malásia que supervisionou muitos dos assuntos de Ghosn na Nissan e ingressou na montadora na década de 1990. Ele liderou a investigação interna contra o executivo brasileiro e esteve envolvido em algumas das supostas condutas que estavam sendo investigadas pela promotoria de Tóquio. Ao mesmo tempo, os e-mails mostram como Nada trabalhou para coletar informações, viajando para o Brasil e o Líbano para investigar o uso por Ghosn de residências fornecidas pela empresa. Nascido no Brasil, Ghosn também é cidadão francês e libanês. Na sua fuga do Japão no fim do ano passado, o executivo escolheu o Líbano, terra natal de seus pais e local onde mora sua esposa, Carole Ghosn.

Prisão, fuga e conspiração

Carlos Ghosn foi preso em um aeroporto de Tóquio em novembro de 2018 acusado de omitir parte de seus rendimentos e usar indevidamente verbas das montadoras que comandava. O executivo chefiava a aliança entre a Nissan, Renault e Mitisubish. O brasileiro ficou em regime fechado por cerca de 130 dias, preso em uma solitária e sem direito de se comunicar com sua família. Ghosn chegou a ser solto no primeiro semestre de 2019, foi novamente preso, e conseguiu sair após pagar fiança e fazer um acordo com a Justiça do Japão. O executivo cumpriria prisão domiciliar, podendo sair de casa para exercer algumas atividades, desde que avisasse a Justiça antes, não saísse do país e não se comunicasse com sua esposa, Carole. 

Cerca de oito meses após começar a cumprir a prisão domiciliar e ainda sem data de julgamento, Ghosn fugiu para o Líbano, em uma operação que deixou a polícia japonesa perplexa. O empresário conseguiu sair de sua casa e embarcar em um avião que fez escala na Turquia e seguiu para o Líbano.

No início deste ano, em conferência com a imprensa, Ghosn disse ser inocente e creditou sua prisão a conspiração de executivos da Nissan junto a membros do governo japonês para lhe retirar do poder.

Continua após a publicidade

A briga entre a montadora japonesa e a Renault frustrou a oferta dos franceses de juntar a aliança a Fiat Chrysler, que acabou fechando acordo com o grupo PSA, que controla a Pegeout e Nissan. Em maio, a Nissan registrou uma perda de 6,3 bilhões de dólares no ano fiscal encerrado em março, a primeira perda em uma década e a maior em 20 anos. Com a pandemia de coronavírus que pesa em um negócio que já está engasgando, as ações da montadora perderam mais da metade de seu valor desde a prisão de Ghosn. 

Publicidade