Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Resistência a medidas de austeridade começa a agitar Europa

Por Barry Moody e Fiona Ortiz

ROMA/MADRI (Reuters) – A maioria da população no sul da Europa vem se mantendo surpreendentemente calma até agora diante dos cortes mais dolorosos em orçamentos governamentais de que se tem memória, mas estão aumentando os sinais de que a paciência pode acabar em breve.

Uma inesperada greve geral na Espanha, na quinta-feira, e a crescente oposição ao primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, são alguns dos indícios de que a resistência está ganhando força em uma região que é o centro das preocupações sobre a retomada da crise da dívida na zona do euro.

Portugal permanece bastante tranquilo no momento e mesmo a Grécia, palco de repetidos protestos violentos nas ruas, se acalmou recentemente. Mas há sinais de que os líderes políticos estarão logo na linha de tiro por toda a Europa, especialmente se for necessário efetuar mais cortes para reduzir a dívida soberana.

A atmosfera parece ser uma combinação de duas tendências opostas – aceitação da mensagem de que cortes profundos são o único meio de salvar seus países da catástrofe econômica e um sentimento crescente de que um sofrimento maior não poderá ser suportado por populações já arcando com privação e miséria.

O problema para políticos como Monti e o primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, é que as mesmas medidas de austeridades impostas para reduzir a dívida – sob pressão dos líderes da zona do euro – poderão aprofundar a recessão e criar uma necessidade ainda maior de cortes mais severos.

Pode haver somente ainda uns poucos meses para que as reformas comecem a dar resultados antes de as populações retaliarem nas urnas ou as pessoas iniciarem protestos em grande número.

Os investidores estão começando a demonstrar preocupação novamente com as incertezas políticas e econômicas na Itália e na Espanha, e o rendimento dos títulos inicia uma escalada depois de ter ficado sob controle no começo deste ano.

“Existe um tipo de aceitação resignada, mas essa aceitação resignada não é uma posição de equilíbrio estável. As pessoas realmente ficam cansadas de se sentirem culpadas por sua situação horrível”, disse o professor Erik Jones, da Universidade Johns Hopkins em Bolonha, Itália.

Ele comentou que as populações estão preparadas para suspender o julgamento sobre seus políticos e aceitar o sacrifício se acreditarem que haverá um longo período de sofrimento, mas não por tempo indefinido.

QUESTÃO DE MESES

“Temos apenas cerca de seis meses para agir antes que os eleitores comecem a olhar para seus políticos e a retirar as lentes cor de rosa”, disse Jones à Reuters. “Assim que isso acontecer, vamos ter não apenas uma rápida reviravolta nos governos que estejam para enfrentar as urnas, mas também um aumento no nível geral de insatisfação, o qual será expressa em forma de greves e outros meios de desobediência social.”

O professor de economia Jean-Paul Fitoussi, do Instituto Sciences Po, em Paris, disse a repórteres em uma conferência de negócios no norte da Itália, na sexta-feira, que as medidas de austeridade eram “uma abordagem perigosa que poderia desencadear agitação social”.

Muitos espanhóis parecem conformados com os violentos apertos na economia feitos por Rajoy, cujo governo conservador foi eleito por esmagadora maioria em novembro, quando se tinha pleno conhecimento de que ele planejava impor medidas de austeridade.

Na sexta-feira, o governo anunciou cortes de 27 bilhões de euros (36 bilhões de dólares) do orçamento do governo central, equivalente a 2,5 por cento do PIB.

Uma pesquisa recente mostrou que metade dos espanhóis adultos aceitaria os cortes nos serviços de saúde e educação se isso fosse necessário para recolocar a economia nos eixos. Os sindicatos representam apenas um quinto dos trabalhadores da Espanha e muitas pessoas furaram os piquetes na quinta-feira, temendo perder o emprego.

No entanto, a greve teve um impacto muito maior do que paralisações anteriores, 18 meses atrás, num indício de que a paciência pode estar se esgotando no país, que tem o pior índice de desemprego da União Europeia.

Centenas de milhares de pessoas participaram de manifestações de protesto e fábricas e portos fecharam. Houve alguns episódios de violência nas ruas.