Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Por que a ‘inflação do aluguel’ caiu mais de 4% em 12 meses

Deflação é puxada pela desaceleração internacional e pela supersafra de grãos, que impacta no preço das commodities

Por Larissa Quintino Atualizado em 30 Maio 2023, 13h14 - Publicado em 30 Maio 2023, 10h49

O IGP-M, índice de preços calculados pela Fundação Getulio Vargas e o mais usado para reajustar contratos de serviços, como aluguéis, vem deflacionando. Segundo dados divulgados nesta terça-feira, 30, pela FGV, em maio a queda foi de 1,84%. Já em 12 meses, o recuo é de 4,47%.

O IGP-M leva em consideração os preços ao produtor, os preços ao consumidor e também os preços da construção civil. Com esses componentes, em especial o preço ao produtor, ele é mais sensível à variação da economia internacional, em especial o mercado de commodities. Nesse caso, a perda de dinamismo da economia global, repercutindo o aumento nas taxas de juros das grandes economias, é um fator primordial, porque há diminuição da demanda por alimentos e bens duráveis, o que reduz preços. Além desses fatores, há a supersafra de grãos no Brasil, que também diminui os preços das commodities agrícolas.

“Os preços de importantes commodities para o setor produtivo seguem em queda. Soja (-9,34%), milho (-4,33%) e minério de ferro (-4,41%), abrem espaço para a descompressão dos custos de importantes segmentos varejistas, favorecendo a chegada desses efeitos nos preços ao consumidor. O IPC, ainda que esteja registrando desaceleração, segue pressionado pelos reajustes de preços administrados, como gasolina (2,39%), energia (1,31%) e medicamentos (2,02%). Além disso, os serviços livres também persistem com inflação em elevado patamar. Entre os itens desse segmento, vale destacar o aluguel residencial, com alta de 1,31% em abril”, afirma André Braz, coordenador do índice de preços.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.