Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Por que a desestatização da Sabesp pode se tornar vitrine internacional

Desde o ano 2000, ao menos 260 cidades europeias reestatizaram os serviços de água e esgoto - mas a mudança brasileira tem ideias promissoras

Por Márcio Juliboni 6 jul 2024, 08h00

Privatizar a Sabesp, a maior companhia de saneamento básico do Brasil, já seria uma tarefa difícil em condições ideais, mas a realidade é ainda mais complicada. De um lado, os investidores estrangeiros andam ariscos com as incertezas da economia global. Por aqui, os arroubos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a política monetária e a austeridade fiscal alimentam a volatilidade do mercado. Além disso, a insegurança jurídica assusta, quando o próprio Supremo Tribunal Federal se dispõe a avaliar as queixas de Lula sobre o poder de voto da União na Eletrobras, privatizada em junho de 2022. “Nesse cenário, a venda da Sabesp é quase um milagre”, afirma Elena Landau, ex-diretora de privatizações do BNDES. O milagre está próximo, e um sinal é o interesse de grandes gestores de fundos em adquirir ações que o governo paulista está vendendo desde o dia 1º de julho. Nessa operação, foi posto à venda na bolsa o suficiente para que até 22 de julho estejam em mãos privadas 82% do capital. “Muitos querem sugerir o nosso modelo para a privatização de outras concessionárias”, diz Natália Resende, secretária estadual de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística.

arte Sabesp

O que pode transformar a Sabesp num modelo são as respostas que a equipe do governador Tarcísio de Freitas encontrou para problemas que afligem casos malsucedidos no setor mundo afora. Desde o ano 2000, ao menos 260 cidades europeias reestatizaram os serviços de água e esgoto, o que leva os opositores a dizer que São Paulo está na contramão do mundo. “Estudamos os bons e os maus exemplos”, diz Resende. Para evitar os desafios de escala e eficiência vistos em Paris, onde a privatização, nos anos 1980, dividiu a área metropolitana entre diversas empresas, a Sabesp terá um contrato unificado com 371 municípios até 2060, permitindo uma gestão racional de todo o sistema. A tarifa cobrada pelos serviços é outro ponto crucial. Afinal, a Equatorial, empresa que caminha para ser a investidora de referência da Sabesp, com 15% do capital, espera o retorno dos 70 bilhões de reais que deve investir para universalizar os serviços até 2029, como previsto no contrato. Hoje em dia, o reajuste das tarifas incorpora a previsão de investimentos dos próximos anos. A nova fórmula vai remunerar a Sabesp pelo que já investiu — um modelo inspirado no Chile, onde 94% do serviço é privado.

Para que essa conta não pese no bolso do consumidor, o modelo paulista se baseia em duas tarifas que serão arbitradas pela Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo (Arsesp). A primeira é a tarifa de equilíbrio, criada para remunerar a Equatorial em troca dos investimentos na Sabesp. A outra é a tarifa que será cobrada dos usuários, que deverá ser menor. Para tanto, foi criado um fundo de apoio à universalização do saneamento, que será abastecido com 30% do que o governo arrecadar com a venda. Como o estado ficará com 18% da Sabesp, o fundo também receberá os dividendos pagos ao governo. Assim, mesmo com os investimentos até 2029, os idealizadores da privatização estimam que a tarifa caia entre 1% e 10% para diferentes usuários. “Criamos um ambiente que incentiva o investimento, mas mantém a definição periódica das tarifas ancorada na capacidade de pagamento dos usuários”, diz Thiago Mesquita Nunes, presidente da Arsesp.

Continua após a publicidade
LIÇÃO DE CASA - Natália Resende: “Estudamos os bons e os maus exemplos”
LIÇÃO DE CASA - Natália Resende: “Estudamos os bons e os maus exemplos” (Aloisio Mauricio/Fotoarena/.)

A falta de regras claras foi o maior problema das primeiras privatizações do setor. “Discutia-se no Judiciário até se a gente poderia cortar a água dos inadimplentes”, diz Claudio Abduche, presidente da Águas do Brasil, que opera quinze concessões, incluindo as de Petrópolis e Niterói, que estão entre os dez melhores serviços de saneamento do país, segundo o Instituto Trata Brasil. Ele atribui o reconhecimento a uma fórmula: investimento em qualidade. Quando chegou a Niterói, 25% dos moradores não tinham acesso a água tratada. Depois de mais de vinte anos e 1,3 bilhão de reais investidos, a rede abastece 100% dos 480 000 habitantes. A consultoria Inter.B estima que, para o Brasil cumprir a meta de universalizar o saneamento até 2033, seja necessário investir 50 bilhões de reais por ano — o dobro do desembolsado em 2023. “O poder público, sozinho, não atingirá a meta e precisa da iniciativa privada”, afirma Christianne Dias, diretora-executiva da Abcon, a associação das concessionárias privadas. É o que a privatização da Sabesp quer mostrar ao Brasil agora.

Publicado em VEJA de 5 de julho de 2024, edição nº 2900

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.