Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Com tombo da indústria, PIB cresce apenas 0,2% no segundo trimestre

Fraco desempenho da economia e greve dos caminhoneiros derrubaram expectativa de crescimento para 2018 para cerca de 1,5%

Por Redação - Atualizado em 31 ago 2018, 14h42 - Publicado em 31 ago 2018, 09h00

O produto interno bruto (PIB) cresceu apenas 0,2% no segundo trimestre do ano em relação ao três meses anteriores. Os dados foram divulgados pelo IBGE nesta quarta-feira. Foi o sexto resultado positivo após oito quedas consecutivas nesta base de comparação.

Esse resultado foi influenciado, principalmente, pelo tombo de 0,6% da indústria e estagnação da agropecuária, que costuma ser o motor da economia. O setor de serviços teve um pequeno avanço de 0,3% no segundo trimestre. A redução dos investimentos também influenciou o fraco desempenho do trimestre.

Em relação ao segundo trimestre de 2017, o crescimento foi de 1% no segundo trimestre do ano, o quinto resultado positivo consecutivo. Nessa base de comparação, os setores de indústria e serviços cresceram 1,2%, enquanto a agropecuária caiu 0,4%.

O consumo das famílias, beneficiado pela liberação das cotas do PIS/Pasep e ampliação do crédito, deu pequeno impulso à economia. No segundo trimestre, o consumo das famílias cresceu 0,1% em relação ao primeiro. Em relação ao segundo trimestre de 2017, o avanço foi de 1,7%.

Publicidade

“O PIB vai continuar andando de lado neste ano, ajudado pelo consumo das famílias, que reduziram o endividamento de um ano para cá e estão mais otimistas quanto à economia. Isso deve melhorar a atividade econômica no país nesta segunda metade do ano e chegar ao final a 1,3%”, disse o professor de economia do Insper, Alexandre Chaia.

Rodolfo Margato, economista do Santander, diz que o alívio do PIS/Pasep não terá o mesmo peso da liberação das contas inativas do FGTS, de 2017. “Não será um impacto como a liberação dos recursos das contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) no ano passado, mas será um reforço para elevar o consumo das famílias”, afirmou.

Revisão do primeiro trimestre

O Brasil cresceu menos do que o inicialmente projetado no primeiro trimestre deste ano, de acordo com revisão do IBGE nesta sexta-feira. No primeiro trimestre, o PIB registrou expansão de apenas 0,1% em relação aos três meses anteriores, ante crescimento de 0,4% divulgado antes.

Publicidade

O IBGE também revisou o resultado da atividade econômica no fim do ano passado, passando a ver estagnação no quarto trimestre de 2017, em vez da alta de 0,2% informada anteriormente.

Para 2018, governo e mercado começaram o ano prevendo um incremento de 3%. Diante dos fraco desempenho da indústria, comércio e serviços, agravado pela greve dos caminhoneiros, as projeções foram reduzidas para cerca de 1,5%.

(Com Reuters)

Publicidade