Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

PEC da Transição pegará ‘atalho’ para furar fila na Câmara

Texto irá ao tramitar junto com a PEC sobre universidades que já passou pela CCJ e está para ser votado em Comissão Especial

Por Larissa Quintino Atualizado em 8 dez 2022, 14h59 - Publicado em 8 dez 2022, 14h57

Aprovada com ampla margem no Senado, a PEC da Transição já chegou à Câmara dos Deputados e começará a tramitar na próxima semana. No entanto, o texto que amplia o teto de gastos para acomodar o Bolsa Família e outras promessas de campanha de Lula precisará pegar um atalho para acelerar a tramitação da matéria e tentar a aprovação antes do recesso parlamentar.

O acordo traçado entre lideranças da equipe de transição e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) é apensar a proposta aprovada no Senado com a PEC 24/2019. O texto da deputada Luisa Canziani (PTB-PR) permite que recursos diretamente arrecadados pelas universidades – por meio de ampliação de serviços, doações ou convênios – sejam usufruídos integralmente pelas instituições. Essa matéria já foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e está para ser votada na Comissão Especial. Após aprovada, o texto segue para plenário.

Assim como no Senado, a PEC da Transição precisa ser provada em dois turnos — e com ao menos 308 votos. Para isso, além da junção do texto com o da PEC 24, será preciso outras manobras por parte de Lira para que a matéria seja aprovada a tempo. Algo semelhante do que foi feito para a aprovação da PEC das Bondades, em julho deste ano, por exemplo. Na ocasião, o Congresso apensou a PEC a uma outra que já tinha pulado etapas e manobrou para quebrar o intervalo previsto entre sessões e fazer ambas votações no mesmo dia.

Por se tratar de emenda à Constituição, a PEC não precisará passar pelas mãos do presidente Jair Bolsonaro para virar lei. O texto é promulgado pelo presidente do Congresso Nacional, o senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Licença para gastar

A PEC da Transição permite a ampliação de 145 bilhões de reais no teto de gastos em 2023 para o pagamento mensal de 600 reais do programa Bolsa Família. As verbas para a manutenção do valor do programa de transferência de renda é tratada como a prioridade número 1 do futuro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Continua após a publicidade

Além do pagamento de 600 reais do Bolsa Família, o ‘teto ampliado’ também deve servir para pagar um bônus para famílias beneficiárias do programa social de 150 reais por criança de zero a seis anos. Recomposição do orçamento do programa Farmácia Popular, bem como aumento real do salário mínimo também devem ser instituídos já no início de 2023 com a aprovação da PEC.

O texto também prevê espaços extrateto. São 23 bilhões de reais para investimentos fora desse limite em caso de arrecadação de receitas extraordinárias. Além disso, há um artigo que prevê o uso de cotas do PIS/Pasep esquecido pelo trabalhador há mais de 20 anos. Com isso, o espaço total deve ficar na casa dos 193 bilhões de reais.

O projeto prevê prazo de oito meses após a aprovação do texto para que o novo presidente apresente qual será a nova âncora fiscal do governo. Até agosto do próximo ano, Lula deverá encaminhar ao Congresso Nacional um projeto de lei complementar “com o objetivo de instituir regime fiscal sustentável para garantir a estabilidade macroeconômica do país e criar as condições adequadas ao crescimento socioeconômico”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.