Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Pacote de aeroportos deve ter incentivo a aéreas regionais

Informação vem de fontes próximas à discussão; em Paris, presidente Dilma revelou a intenção de incentivar aeroportos para atender o interior do país

Por Da Redação - 12 dez 2012, 19h14

O plano de investimentos em aeroportos que o governo pretende anunciar até o Natal deverá incluir incentivos às companhias aéreas que operam voos regionais, disseram três fontes do governo a par do assunto. Esses incentivos ainda não estão definidos, mas deve haver algum tipo de subsídio para que novas rotas regionais sejam criadas.

“A ideia é que, além de melhorar a infraestrutura dos aeroportos regionais, é preciso ter avião pousando neles”, disse uma das fontes, que participou de reuniões sobre o tema. Além da criação de novas rotas, o Palácio do Planalto poderá ainda incentivar a compra de aeronaves por companhias aéreas regionais, com desoneração ou financiamento facilitado, segundo outra fonte.

As reuniões para fechar mais esse plano de investimentos em logística intensificaram-se nesta semana e a expectativa de uma das fontes é que o pacote seja finalizado até o dia 20.

Na semana passada, após o anúncio do plano para investimentos em portos, o ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Wagner Bittencourt, anunciou que o pacote aeroportuário incluirá investimentos de 3,5 bilhões a 4 bilhões de reais em cerca de 200 terminais no país.

Publicidade

Leia também:

Pacote de aeroportos sairá antes do Natal, diz Dilma

Governo quer mais 70 aeroportos regionais

Outras medidas – Além do foco na aviação regional, o pacote deve incluir a concessão dos aeroportos do Galeão (RJ) e Confins (MG).

Publicidade

Outra medida que deverá constar do pacote é a autorização para que aeroportos privados possam operar voos comerciais, aumentando a oferta de terminais para aviação regional. Também estão previstas medidas legais para permitir a concessão à iniciativa privada de aeroportos municipais e estaduais.

Dilma promete – O tema dos aeroportos regionais foi tratado na manhã desta quarta-feira pela presidente Dilma Rousseff, durante participação em um seminário em Paris. Segundo a Agência Brasil, ela falou que pretende incentivar aeroportos regionais com a intenção de que cidades com até 100 mil habitantes tenham aeroportos à uma distância de no máximo 60 quilômetros.

“Os números no Brasil, às vezes, são grandes. Nós pretendemos fazer em torno de uns 800 para mais aeroportos regionais”, declarou Dilma.

De acordo com a Agência Brasil, a presidente falou também que o governo vai continuar licitando grandes aeroportos e que investirá em capacitação da Infraero, estatal que administra a maior parte dos principais aeroportos nacionais.

Publicidade

Urgência – A ministra de Planejamento, Miriam Belchior, disse nessa quarta-feira que a reforma dos aeroportos brasileiros é um desafio que não pode esperar a Copa do Mundo 2014. “Nosso desafio não é a Copa. É hoje. É atender nossa demanda atual”, disse em entrevista coletiva com jornalistas estrangeiros.

A ministra explicou que o número de passageiros em voos internos cresce a um ritmo de 12 % ao ano, o que obriga o governo a resolver com urgência. “Neste processo de redução de desigualdades, a população pobre está começando a mudar do ônibus para o avião”, disse a ministra, que garantiu que já estão sendo tomadas ‘grandes medidas’ para otimizar as infraestruturas atuais.

Segundo Miriam, o governo está investindo na profissionalização da mão de obra da Infraero e tomando medidas para melhorar os processos de embarque, desembarque e check in. “Temos gordura para queimar com a atual estrutura, que pode ser potencializada para seu uso imediato”, afirmou Belchior.

Na mesma entrevista coletiva, o vice-ministro de Esportes, Luis Fernandes, disse que durante a Copa serão realizadas operações especiais e, além disso, os dias em que o Brasil entrar em campo serão decretados feriados para contribuir na melhoria do transporte de passageiros.

Publicidade

(com agências EFE e Reuters)

Publicidade