Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pacheco: Não seguir diretrizes de Haddad colocaria o país em rota perigosa

Presidente do Senado se pronunciou sobre declaração do presidente Lula sobre o cumprimento da meta fiscal em 2024

Por Da Redação
Atualizado em 30 out 2023, 20h08 - Publicado em 30 out 2023, 20h01

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) divulgou nota nesta segunda-feira, 30, em que defendeu que a “orientação e as diretrizes” do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sejam seguidas. A fala se deu após uma entrevista coletiva do ministro, nesta segunda, e a declaração, na semana passada, do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a dificuldade de se atingir o déficit zero no ano que vem.

“Devemos seguir a orientação e as diretrizes do ministro da Fazenda, a quem está confiada a importante missão de estabelecer a política econômica do Brasil”, disse Pacheco. “Ir na contramão disso colocaria o país em rota perigosa. O Parlamento tem essa compreensão e buscará contribuir com as aprovações necessárias, com as boas iniciativas e perseguindo o cumprimento da meta estabelecida.”

Na última sexta-feira, 27, durante café da manhã com jornalistas em Brasília, o presidente Lula afirmou que “dificilmente” o país atingiria a meta fiscal defendida por Haddad. “Tudo o que a gente puder fazer para cumprir a meta fiscal, a gente vai cumprir. O que eu posso dizer é que ela não precisa ser zero”, afirmou o presidente. “Eu não vou estabelecer uma meta fiscal que me obrigue a começar o ano fazendo cortes de bilhões nas obras que são prioritárias para este país.”

Nesta segunda, Haddad disse que não há “por parte do presidente nenhum descompromisso” com a meta fiscal. “Meu papel é buscar o equilíbrio fiscal porque acredito que o Brasil precisa voltar a olhar para as contas públicas. Eu vou buscar equilíbrio fiscal de todas as formas justas e necessárias. A minha meta está mantida.”

O déficit zero, ou seja, um equilíbrio nas contas públicas, sem resultado negativo nem positivo, está previsto no arcabouço fiscal, regra que substitui o teto de gastos e foi aprovada em agosto deste ano. A promessa da equipe econômica de zerar o déficit em 2024 depende de um aumento significativo de arrecadação no próximo ano. Serão necessários 168 bilhões de reais em receitas extras.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.