Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

OSX entra com pedido de recuperação judicial

Empresa de construção naval é a segunda de Eike Batista a entrar com pedido em menos de duas semanas

Por Da Redação 11 nov 2013, 16h46

A OSX, empresa de construção naval de Eike Batista, protocolou nesta segunda-feira um pedido de recuperação judicial, que já havia sido aprovado pelo Conselho de Administração da empresa em caráter de urgência, segundo fato relevante divulgado na sexta-feira. Ao efetuar o pedido, a OSX se torna a segunda empresa do grupo EBX, de Eike, a ingressar com esse tipo de processo na Justiça. O pedido foi enviado à 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro e será avaliado pelo juiz Gilberto Clóvis Farias Matos.

A empresa tem endividamento de cerca de 5 bilhões de reais e sua principal cliente é a petroleira OGX, que entrou com pedido de recuperação no último dia 30. A OSX pediu que o processo fosse distribuído por dependência na documentação de recuperação judicial da OGX – o que significa que ambos os pedidos estarão vinculados. O endividamento da companhia de óleo e gás chega a 11,2 bilhões de reais e seu pedido de recuperação ficou marcado como o maior já feito por uma empresa latino-americana.

Leia também:

Prestes a pedir recuperação, OSX tenta driblar processos

Caixa confirma refinanciamento de empréstimo de R$ 400 mi à OSX

Mudanças – Fato relevante divulgado pela OSX na sexta-feira informava que o pedido, que inclui a holding e as controladas OSX Construção Naval S.A. e OSX Serviços Operacionais Ltda, ainda seria ratificado em assembleia de acionistas a ser realizada no dia 28 deste mês.

Continua após a publicidade

O texto informava que o Conselho decidiu também destituir o presidente da empresa, Marcelo Gomes, da consultoria Alvarez Marsal, que vinha conduzindo o processo de reestruturação. Ivo Dworschak Filho foi nomeado o novo presidente, acumulando também a função de diretor de Construção Naval da companhia. A consultoria Alvarez Marsal deixou de prestar serviços para a OSX e foi substituída pela Angra Partners, que conduzia a reestruturação da OGX.

A empresa afirmou que mudará de nome e de endereço, sem informar as novas coordenadas. “As deliberações adotadas têm por objetivo fortalecer a Companhia no processo de readequação de sua estrutura de capital, reestruturação e reposicionamento estratégico, em benefício de seus acionistas, colaboradores e credores, cumprindo com a sua função social. Serão divulgados, na forma da lei, quaisquer fatos relevantes com respeito ao pedido de recuperação judicial”, informou a nota.

Pedido esperado – O pedido de recuperação era aguardado desde que a petroleira OGX tomou o mesmo caminho. Como a OGX é a principal cliente da OSX, a derrocada da segunda era apenas questão de tempo.

Segundo reportagem do jornal O Globo, a OSX vinha adiando a data para dar início ao processo porque ainda aguardava o fim das negociações com credores internacionais. A ideia da empresa, de acordo com o texto, era saldar as dívidas com investidores externos antes, o que facilitaria a aceitação do pedido de recuperação judicial pela Justiça.

Bolsa – As ações da empresa tiveram suas negociações suspensas nesta segunda-feira diante da expectativa de que a companhia entrasse com o pedido de recuperação judicial.

Em fato relevante divulgado nesta segunda, a BM&FBovespa informou que “ficam suspensos os negócios com as ações de emissão dessa empresa a partir do pregão de hoje (11/11/2013), no aguardo da confirmação da efetiva entrada em juízo do pedido de recuperação judicial”. A Bolsa também solicitou aos controladores que apresentassem os documentos que comprovassem o pedido.

Vídeo: 1 minuto com Augusto Nunes

Continua após a publicidade

Publicidade