Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Os cursos que prometem ganhos milionários no day trade

Jovens prometem triunfo nas operações de compra e venda de ações no mesmo dia. A jogada cresce, mas é arriscada

Por Humberto Maia Junior
Atualizado em 4 jun 2024, 14h32 - Publicado em 6 nov 2020, 06h00

Um jovem com topete, barba aparada, óculos escuros e cordão de ouro no pescoço dirige um Porsche conversível em alta velocidade. Depois, ele desce do carro, entra no escritório luxuoso, se apresenta como operador do mercado financeiro e faz a irrecusável (pelo menos para muita gente) proposta: que tal ganhar muito dinheiro na bolsa de valores? “Tudo o que você precisa fazer é me imitar”, diz o sujeito. A cena está no vídeo de abertura do site de Felipe Albuquerque, que alega ter dedicado quatro anos da vida estudando “alucinadamente o mercado financeiro”. Por 597 reais, mais parcelas mensais de 127 reais, Felipe traça os caminhos para qualquer um enriquecer com a ajuda de uma das jogadas mais arriscadas e especulativas do mercado financeiro: o day trade. Cada vez mais praticado no Brasil, o day trade é uma operação de compra e venda de ações ou derivativos realizada em um único dia na bolsa de valores. O objetivo é ganhar com a variação do preço no intervalo entre a abertura e o fechamento do mercado. É possível faturar com a estratégia, mas a maioria esmagadora dos adeptos fica no prejuízo.

Com o desemprego nas alturas, tem se tornado sedutora a ideia de ganhar dinheiro em casa, na frente de um computador. O canto da sereia vem de jovens que se autodenominam “traders profissionais”. Eles juram ter enriquecido com esse tipo de operação e oferecem aos interessados a oportunidade de receber seus ensinamentos — desde que, é claro, a pessoa esteja disposta a pagar uma quantia para ter acesso a “conteúdos exclusivos”, que incluem aulas e acompanhamento dos trades em tempo real. Como arma de convencimento, nada de diplomas ou currículo em grandes bancos ou corretoras. A sedução é feita em perfis nas redes sociais, onde se exibem em carros esportivos, iates ou mansões, e sempre com a inevitável lenga-lenga motivacional.

SURIEL PORTS - Para viver de trade: com 1 milhão de seguidores no YouTube e 620 000 no Instagram, ele promete ensinar a “viver de trade” e diz ter formado mais de 50 000 operadores. Seu curso custa 2 297 reais -
SURIEL PORTS – Para viver de trade: com 1 milhão de seguidores no YouTube e 620 000 no Instagram, ele promete ensinar a “viver de trade” e diz ter formado mais de 50 000 operadores. Seu curso custa 2 297 reais – (Reprodução/Facebook)

O aumento do número de pessoas que se arriscam no day trade é vertiginoso: de 53 000 em 2013 passou para 400 000 no ano passado. Em 2020, esse contingente dobrou e, segundo a Comissão de Valores Mobiliários, chegou a 845 000 — quase 30% dos 2,8 milhões de pessoas que realizaram pelo menos uma operação na bolsa neste ano.

Um dos influenciadores mais populares é Suriel Ports. Seu canal no YouTube tem 1 milhão de inscritos e 532 vídeos. Um deles intitula-se “O mercado que me fez milionário”. Em outro vídeo, Suriel conversa com um ex-aluno que diz ter embolsado 1 200 reais numa operação que durou onze minutos. Os conteúdos gratuitos direcionam as pessoas para o curso pago, que custa 2 297 reais. Na página de seu curso, no site Hotmart, ele diz ter ajudado mais de 50 000 pessoas a lucrar na bolsa de valores. E explica: “Este é um treinamento intensivo e mentoria on-line para pessoas que desejam viver de bolsa de valores, conquistar a liberdade financeira e ganhar dinheiro sem precisar sair de casa”.

Continua após a publicidade
PALITO - Funk no YouTube: Aos 21 anos, e com três anos de experiência em trades, diz ter faturado 1 milhão de reais na bolsa. Para promover os cursos on-line, assumiu o papel de MC e lançou no YouTube um “funk ostentação” -
PALITO – Funk no YouTube: Aos 21 anos, e com três anos de experiência em trades, diz ter faturado 1 milhão de reais na bolsa. Para promover os cursos on-line, assumiu o papel de MC e lançou no YouTube um “funk ostentação” – (Reprodução/.)

Estratégia parecida é adotada por André Nascimento, o “Palito Trader”, sócio da FA Capital, que oferece cursos e até carteira de investimentos. Ele assegura que começou a operar aos 18 anos, ao ser demitido do emprego após o nascimento da segunda filha. Os ganhos, garante, começaram a vir depois de sete meses de perdas, quando começou operando 30 reais por dia. “No começo, achava que o mercado era uma fraude, mas, quando comecei a ter lucros, vi que era possível ganhar dinheiro”, disse a VEJA. Neste ano, desenvolveu o que chama de “estratégia do palito”, que só explica para quem contratar os seus cursos. Aos 21 anos, Palito se considera experiente e apto a ensinar outras pessoas a ganhar na bolsa. Ele diz que, com o apoio de sua equipe de traders, composta de duas pessoas, já embolsou, somente em 2020, 1 milhão de reais — sem contar os cursos. Para convencer potenciais clientes, lançou até um funk no YouTube. Enquanto canta, joga para o alto notas de dinheiro.

Enriquecer com operações de day trade é algo bastante raro. Um estudo feito pelos economistas Fernando Chague e Bruno Giovannetti, da Fundação Getulio Vargas, deu números à realidade: de 98 378 pessoas que começaram a operar por meio dessa modalidade entre 2013 e 2018, somente 127 conseguiram obter um lucro líquido diário acima de 100 reais por mais de 300 pregões. “É um erro muito grande vender a ilusão de que alguém irá, em pouco tempo, tirar o sustento de rendimentos na bolsa de valores”, diz Giovannetti. É fundamental ressaltar que não há, legalmente, nada que impeça alguém de vender cursos on-line para formar “traders vencedores”. Resta aos interessados o bom senso de não arriscar demais ao comprar o intangível.

Publicado em VEJA de 11 de novembro de 2020, edição nº 2712

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.