Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Nestlé quer acabar com canudos plásticos no Nescau até 2025

Empresa também firmou parceria com o projeto Tamar para novas ações de conscientização e preservação do meio ambiente

Por André Romani - 5 fev 2019, 19h27

A Nestlé anunciou nesta terça-feira, 5, que pretende retirar todos os canudos plásticos da embalagens do produto Nescau até 2025 no Brasil. A ideia é substituir mais de quatro milhões de unidades só esse ano, por canudos de papel biodegradável.

Segundo a empresa, o processo será implementado gradualmente, devido às limitações operacionais, já que não existem fornecedores suficientes para produzir em escala suficiente.

 

Publicidade

 

Publicidade

“Diariamente, pensamos em novas soluções e formatos para reduzir o impacto que as embalagens plásticas causam no meio-ambiente. Essa é uma preocupação de todos os colaboradores da Nestlé, que tem o objetivo de tornar 100% de suas embalagens recicláveis e reutilizáveis até 2025″, disse Fabiana Fairbanks, diretora de bebidas da Nestlé Brasil.

A empresa também lançou o movimento #jogapradentro, que incentiva os consumidores a colocarem os canudos dentro da embalagem após o consumo do produto. O objetivo é garantir que os objetos não sejam descartados de forma incorreta.

Vânia Zuin, professora de Química Verde e Sustentável da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), explica que, ao contrário de outros produtos plásticos, as dimensões do canudinho atrapalham na hora de reciclar, tornando-o um grande problema ambiental. “Ele possui uma dimensão menor. E por isso, ainda não existe um sistema de larga escala para sua reciclagem, como ocorre, por exemplo, com as garrafas PETs”, conta ela.

A professora vê como positiva a atitude da Nestlé, porque ajuda a mudar a cultura sobre os canudinhos. “Mais do que o impacto causado, é importante instruir sobre essa questão”, coloca.

Publicidade

Ela lembra, no entanto, da importância de repensar se os canudinhos são realmente necessários em alguns produtos muito utilizados pelos brasileiros. “As marcas podem pensar também em mudar a estética de seus produtos para evitar o uso desses produtos, por exemplo.”

Apesar de serem utilizados, em geral, entre 5 a 15 minutos, os impactos que um canudo pode gerar são grandes. Além dos 450 anos para se deteriorar, o produto também se desintegra no mar, sendo ingerido por diversos animais, como as tartarugas.

A Nestlé também anunciou nesta terça-feira, paralelamente, uma parceria com o projeto Tamar, um dos principais empreendimentos socioambientais do país, que atua na busca pela preservação das tartarugas-marinhas ameaçadas de extinção. A iniciativa faz parte de uma série de ações da empresa, buscando alcançar impacto ambiental neutro em todas as suas operações até 2030. Segundo a empresa, vão ser criadas, em conjunto com a instituição, novas ações e campanhas de conscientização e preservação do meio ambiente.

Publicidade