Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Metrô e CPTM conseguem liminar para manter circulação de trens

Metrô conseguiu liminar para manter 80% do quadro de servidores nos horários de pico e 60% no restante. A CPTM obteve para manter 100% o dia inteiro

A greve geral contra a proposta de reforma da Previdência convocada pelas centrais sindicais para sexta-feira, 14, conta com apoio de metroviários, ferroviários, motoristas e cobradores de ônibus, que já decidiram pela participação ao movimento em assembleias. Motoristas da Grande São Paulo e Baixada Santista e de outras cidades do estado também prometem parar. O Metrô conseguiu liminar para manter no minimo 80% do quadro de servidores nos horários de pico e 60% no restante. A CPTM conseguiu liminar para manter 100% do quadro durante todo o horário de operação, de acordo com a Secretaria de Transportes Metropolitanos.

“Colocar parte do sistema em funcionamento é um grande risco. Colocar um número de trens insuficiente para levar a população pode criar muitos problemas de segurança. Na audiência, vamos ponderar tudo isso com o tribunal”, afirma o coordenador geral do Sindicato dos Metroviários, Wagner Fajardo, que participará da reunião marcada para o início da tarde de quarta-feira, 12, no Tribunal Regional do Trabalho. Os funcionários do Metrô voltam a se encontrar na quinta-feira, 13, para organizar a greve e discutir os efeitos da liminar, segundo Fajardo. “Essa é uma forma de tentar impedir que se realize a greve”, diz.

Responsável pelo planejamento e organização do transporte urbano de passageiros nas cinco regiões metropolitanas paulistas – São Paulo, Baixada Santista, Campinas, Vale do Paraíba e Litoral Norte e região metropolitana de Sorocaba -, a Secretaria  de Transportes Metropolitanos repudiou a greve. “Serão adotadas as medidas judiciais necessárias para garantir o transporte dos passageiros. Esta Pasta considera o objetivo da paralisação ideológico e conta com o bom senso das categorias para que não prejudiquem mais de 7 milhões de trabalhadores que dependem diariamente do Metrô e da CPTM”, disse em nota.

A SPTrans, gestora do sistema de transporte público por ônibus da cidade de São Paulo, informou que acompanha a divulgação da adesão pelo sindicato e fará todos os esforços para garantir o deslocamento da população.

A reforma altera pontos importantes, como o fim da aposentadoria por tempo de contribuição, obrigatoriedade de idade mínima de 65 anos para homens e de 62 para mulheres, aumento do tempo mínimo de contribuição de 15 anos para 20 anos e acaba com o cálculo para chegar ao benefício baseado nos 80% dos maiores salários, entre outros.

Bancários e financiários de São Paulo, Osasco e Região decidiram nesta terça-feira, 11, aderir à greve. A categoria se reuniu em assembleia no Centro de São Paulo.

O Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo (SindSaúde-SP) também convocou a categoria a parar. No entanto, o sindicato salienta que por se tratar de um setor essencial, os trabalhadores devem se organizar para manter uma escala com ao menos 30% dos profissionais.

A SuperVia, concessionária que opera os sistemas de trens urbanos, metrô, VLT e barcas no Rio de Janeiro, informou que seus trens vão funcionar normalmente e disse que vai monitorar o fluxo de passageiros durante o dia e poderá realizar viagens extras, caso seja necessário.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Marcos Rainho

    Pobres trabalhadores. idiotas úteis. Massa de manobra.

    Curtir

  2. Pedro Morais

    Já passou da hora de privatizar essas Estatais… Ferramentas dos sindicatos que servem pra ferrar com a vida dos usuários…

    Curtir

  3. Pedro Morais

    Privatiza JÁ!

    Curtir

  4. PAULO ROBERTO PACHECO

    Greve é direito constitucional e desde quando empresa privada não faz greve? Vide greves de ônibus, de bancos, metalurgicos, etc

    Curtir