Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Líder do PMDB pede demissão de diretor do Banco Central

O senador Eunício Oliveira pediu a saída do diretor de assuntos internacionais, Tony Volpon, que revelou que votaria a favor do aumento da Selic na reunião do Copom, realizada nesta quarta

Por Da Redação 29 jul 2015, 16h47

A poucas horas do anúncio da reunião do Comitê de Política Econômica (Copom), o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), afirmou na tarde desta quarta-feira que o diretor de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos do Banco Central (BC), Tony Volpon, merece ser demitido se não explicar o motivo de ter antecipado o voto na reunião do comitê que termina nesta quarta.

A um grupo de investidores na semana passada, o diretor do BC sinalizou que votaria pela elevação da taxa básica de juros da economia, a Selic. A atitude também foi alvo de críticas do senador tucano José Serra, em artigo na edição de terça-feira da Folha de S. Paulo.

“É um absurdo um cara (o diretor do BC) que vaza como vai votar antes da reunião do Copom”, disse Eunício. Dizendo falar com o “sentimento de leigo”, ele disse ter ficado em dúvida se essa nova postura de avisar o mercado sobre o que vai ocorrer é benéfica ou não para a instituição. Para o senador, contudo, essa posição pode influenciar as expectativas do mercado.

LEIA TAMBÉM:

Selic a 14% teria impacto pequeno para o crédito, diz Anefac

O líder do PMDB no Senado defendeu que Volpon seja ouvido pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Casa para explicar o que motiva um diretor do BC a adotar tal postura. O Senado retoma os trabalhos na próxima semana.

“Ele tem que me convencer com uma boa justificativa, não quero dar palavras açodadas ou dizer que ele merece ser demitido”, disse Eunício. “Não sou eu que demitido diretor do BC, mas é ruim a posição dele”, considerou.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade