Clique e assine com 88% de desconto

Intel: Falha grave afeta processadores feitos na última década

Programadores identificaram defeito que permite a hackers acessar conteúdo que deveria estar protegido, como senhas; correções devem diminuir desempenho

Por Reuters e Estadão Conteúdo - Atualizado em 4 jan 2018, 13h53 - Publicado em 4 jan 2018, 10h01

 Uma falha de segurança grave foi encontrada em microprocessadores fabricados pela Intel e requer atualizações de sistemas operacionais de computadores. A informação foi divulgada na quarta-feira pelo site especializado em tecnologia The Register, que disse que a correção deixará os chips mais lentos.

O defeito, chamado de Meltdown (derretimento nuclear ou crise, em inglês),  afeta a chamada memória kernel nos chips x86 fabricados na última década. A sigla identifica um modo de construção desses dispositivos que está presente em diversas versões de chips da Intel – como Pentium, Atom, Celeron, Core i3, i5, i7 e Core 2 Duo.

A falha também pode permitir que hackers explorem vulnerabilidades de segurança que incluem acesso a informações sigilosas como senhas de acesso.

O The Register disse que os programadores que trabalham com o sistema operacional de código aberto Linux estavam revisando as áreas de memória afetadas, enquanto a Microsoft esperava disponibilizar uma correção para o Windows na próxima terça-feira. O problema foi encontrado por três equipes de pesquisadores – Project Zero, do Google, Cyberus Technology e Universidade de Tecnologia de Graz (Áustria).

Publicidade

“Essencialmente, essas atualizações para o Linux e o Windows irão afetar o desempenho nos produtos da Intel“, escreveu o site. “Os efeitos estão sendo comparados, no entanto, nós estamos vendo uma estimativa em escala de desaceleração (do desempenho) de 5% a 30%, dependendo da tarefa e do modelo do processador.”

Não ficou claro de imediato se a Intel enfrentará qualquer responsabilidade financeira significativa decorrente da falha relatada.

Enquanto isso, a rival AMD afirmou a desenvolvedores Linux que seus chips não são vulneráveis aos tipos de ataques que o reparo que sendo preparado para os processadores da Intel vão cuidar, publicou o The Register.

O problema provavelmente afeta serviços de computação em nuvem vendidos por empresas como Amazon.com, Microsoft e Google, segundo um blogueiro da área de software citado pelo The Register, que publicou ainda que sistemas operacionais como o macOS de 64 bits da Apple vão precisar de atualização.

Publicidade

Outro lado

A Intel disse nesta quarta-feira que está trabalhando para eliminar uma vulnerabilidade em seus produtos e afirmou que os usuários não serão significativamente afetados por possíveis falhas no desempenho dos computadores até que o problema seja resolvido.

A companhia distribuiu um comunicado após o portal britânico The Register ter informado sobre falhas em alguns produtos da Intel. As ações da empresa fecharam o dia em queda de 3,39% após a notícia.

De acordo com a Intel, o problema não é unicamente em seus produtos, apesar do The Register ter focado nos chips da companhia. A Intel disse que colabora com outras empresas para resolver a questão.

A companhia disse que está atuando em resposta a novas investigações que mostram métodos de software que poderiam ser explorados para coletar indevidamente informações importantes de equipamentos de informática. Segundo a Intel, as vulnerabilidades detectadas não permitem corromper, modificar ou apagar informações. A empresa disse, ainda, que planeja revelar o problema na próxima semana.

Publicidade