Clique e assine a partir de 8,90/mês

Infraero adiará entrada na Bolsa para 2017

Presidente da estatal afirmou que operação começará a ser preparada em 2014

Por Da Redação - 8 abr 2013, 13h31

O processo de abertura de capital da Infraero deve ficar somente para 2017, segundo o presidente da estatal Gustavo Vale, que espera que as concessões dos aeroportos à iniciativa privada aumente a atratividade da operação. “O projeto de abertura de capital existe, mas vai ficar para depois. Imagino que a gente comece a pensar nisso depois da concessão dos dois aeroportos (Confins e Galeão)”, afirmou o presidente da estatal. “Para você abrir capital tem que estabilizar o ativo da Infraero, definir o tamanho dela para vender alguma coisa. (Pensamos) Em começar a estudar o IPO em 2014 e fazer o operação em 2017”, adicionou.

No ano passado, o governo concedeu os terminais de Guarulhos, Brasília e Campinas (Viracopos) à iniciativa privada e programa para dezembro deste ano a concessão dos aeroportos do Galeão (RJ) e Confins (MG). Gustavo Vale revelou que o edital de concessão dessa segunda fase de concessão ficará pronto e será publicado dois meses antes do certame.

Ele acrescentou que ainda não há consenso se os operadores que venceram a disputa do ano passado para administrar Guarulhos, Brasília e Viracopos estão proibidos de participar da disputa por Galeão e Confins. “O edital ainda tem que passar para o TCU e tem que ficar pronto até julho. Agora é mais porque já temos a experiência dos três”, disse ele após visita ao Galeão. “Espero que os mesmos que não conseguiram vencer no primeiro sejam os principais concorrentes nesses dois (terminais). Ainda não está definido se (os que venceram na primeira rodada de concessão) poderão ou não participar”, adicionou Vale.

O presidente da Infraero revelou ainda que há uma preocupação com o ritmo de obras dos terminais de Belo Horizonte e Salvador para a Copa do Mundo de 2014, mas está confiante que os problema serão sanados antes do evento. Os dois terminais passam por obras de modernização para o mundial de 2014.

Leia também:

Aeroporto de Natal: a 15 meses da Copa, 85% da obra está por fazer

Galeão: estudo de viabilidade aponta necessidade de desapropriações

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade