Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Inadimplência no varejo cai 12,11% em novembro

Famílias e empresários estão temerosos com o futuro da economia, dada a instabilidade externa, e preferem não se endividar às vésperas do Natal

Por Da Redação 9 dez 2011, 08h20

No acumulado de 2011, a inadimplência subiu 5,69%

A preocupação das famílias em não se endividarem às vésperas do Natal e a injeção de novos recursos na economia, como o pagamento do 13º salário, permitiram que os consumidores limpassem seu nome e honrassem compromissos, fazendo com que a inadimplência registrasse uma queda de 12,11% em novembro sobre outubro. A avaliação é da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), responsável pelos números divulgados nesta sexta-feira.

No entanto, na comparação com novembro do ano passado, houve um aumento da inadimplência de 9,46%. No acumulado de 2011, a elevação é de 5,69%. Os técnicos da CNDL citaram que a economia está passando por um período de instabilidade devido à crise externa. “Diante deste cenário adverso, consumidores e empresários estavam menos confiantes, o que dificultou o pagamento das dívidas”, argumentaram. Outro aspecto apontado foi o encarecimento do crédito no início deste ano, com o aumento da taxa de juros, que contribuiu para a elevação do número de registros de inadimplência este ano ante 2010.

Queda no varejo – As vendas no varejo registraram queda de 5,24% em novembro na comparação com outubro, mas subiram 4,32% ante novembro do ano passado. No acumulado do ano, o desempenho do comércio está 5,32% melhor que em idêntico período de 2010. A queda de outubro para novembro foi atribuída pela entidade a uma base de comparação relativamente forte por conta da comemoração do Dia das Crianças.

Em relação ao crescimento das vendas em novembro ante o mesmo mês de 2010, a confederação destacou que a desaceleração da atividade, nesta base de comparação, já era aguardada em função do aquecimento da economia no ano passado. “Contudo, o comércio se mostra sólido, sustentado pelo mercado de trabalho e pelo crédito”, comentaram os técnicos da instituição por meio de nota.

A CNDL enfatizou que a redução da Selic e a reversão das medidas de restrição ao crédito à pessoa física, que haviam sido impostas no início do ano, contribuem para um desempenho melhor da atividade comercial.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade