Clique e assine a partir de 9,90/mês

Imprensa estrangeira discute impactos econômicos da saída de Moro

Saída do ministro repercute no mundo; jornais estrangeiros apontam alta do dólar e queda da bolsa como aspectos a serem observados nos próximos meses.

Por Diego Gimenes - Atualizado em 24 Apr 2020, 18h14 - Publicado em 24 Apr 2020, 18h04

O ministro da Justiça e da Segurança Pública Sergio Moro anunciou nesta sexta-feira, 24, sua saída do governo Jair Bolsonaro. Em coletiva, o agora ex-ministro mostrou insatisfação com a demissão de Maurício Valeixo, então diretor da Polícia Federal. O anúncio repercutiu internacionalmente e preocupou a imprensa de outros países sobre os impactos econômicos que essa mudança pode causar.

O jornal britânico Financial Times (FT), repercutiu a saída do ministro e demonstrou preocupação com elementos fundamentais da economia brasileira, como a alta do dólar por exemplo, que ultrapassou a marca de 5,74 com o anúncio de Sergio Moro. A moeda americana já apresentou valorização de 38% perante à brasileira em 2020. Outra apreensão dos britânicos é a queda da bolsa brasileira, que despencou após a coletiva.

“Analistas acreditam que a demissão de Valeixo está relacionada a investigações policiais em andamento de familiares do presidente por supostas ligações ao submundo do Rio de Janeiro, bem como a suspeita de envolvimento com notícias falsas no país”, diz ainda a nota publicada pelo jornal.

O americano The Wall Street Journal (WSJ), destacou o papel de Moro na Operação Lava Jato e lembrou que o ex-ministro já vinha perdendo força no governo. “A popularidade de Moro cresceu pelo seu papel em uma investigação de corrupção que prendeu funcionários públicos e executivos de alto escalão. Sergio Moro estava entre um grupo de centristas num gabinete de direita do governo, que analistas políticos do Brasil dizem ter perdido influência este ano”.

Continua após a publicidade

O jornal americano classifica ainda como preocupante a troca no ministério em meio à pandemia de coronavírus. “As rachaduras no gabinete surgem quando o número de mortes por coronavírus no Brasil aumenta rapidamente, com 407 mortes relatadas na última quinta-feira, maior índice em um único dia. Mais de 3.300 pessoas morreram pelo coronavírus no Brasil, o maior número da América Latina. Quase 50.000 testaram positivo, mas especialistas em doenças infecciosas dizem que o número real pode ser muito maior pela limitação de testes”.

Publicidade