Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

IBGE: Desemprego durante a pandemia foi maior que o estimado

Número de desempregados ultrapassou 15 milhões no início deste ano; Brasil mostra recuperação do trabalho, mas informalidade é crescente

Por Luana Zanobia
Atualizado em 30 nov 2021, 13h09 - Publicado em 30 nov 2021, 12h22

O mercado de trabalho é um importante termômetro para a economia. Se vai bem, é sinal que a economia vai bem, e o mesmo vale para o sentido oposto. Uma revisão feita pelo IBGE mostra que o número de desempregados ultrapassou os 15,2 milhões no primeiro trimestre deste ano, taxa de 14,9%, superior aos 14,7% divulgados, uma diferença de 452 mil pessoas. E, apesar de o Brasil apresentar recuperação no número de desocupados, os dados estão atrelados a uma maior informalidade e ao aumento de trabalhadores sem carteira assinada, é o que mostra a nova Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua reponderada, divulgada nesta terça-feira, 30, pelo IBGE.

A mudança do resultado ocorre devido a uma mudança metodológica na pesquisa. Nesta terça, o instituto divulgou uma nova série histórica da Pnad, que teve início em 2012. Segundo o IBGE, a pesquisa passa a incluir a calibração dos dados por sexo e idade, uma espécie de camada adicional para adequar a amostra da pesquisa à população brasileira de cada uma das áreas geográficas que compõem a Pnad Contínua. “A nova reponderação busca mitigar possíveis vieses de disponibilidade em grupos populacionais, intensificados pela queda da taxa de aproveitamento das entrevistas”, explica Adriana Beringuy, coordenadora de trabalho e rendimento do IBGE. Durante a pandemia, boa parte da coleta foi feita por telefone. 

Ocupação

A população ocupada cresceu 4% no terceiro trimestre frente ao anterior. Em um ano, o crescimento é ainda maior, de 11,4%. Os dados levam a crer numa melhora na retomada do mercado de trabalho, que vem apresentando recuo na taxa de desemprego, estando agora em 12,6% — 1,6% menor em relação ao segundo trimestre. Mas a informalidade é crescente. A taxa de informalidade aumentou 2,6% em um ano, de 38% para 40,6%, e de 0,6% em relação ao trimestre anterior, quando registrava 40%.

O emprego de trabalhadores formais é fundamental para a melhoria das condições sociais e para o crescimento econômico do país, sendo também um sinalizador de uma economia aquecida, o que não é o caso do Brasil nos últimos anos. Vem havendo um aumento do contingente de empregos informais. O número de trabalhadores sem carteira no setor privado, que totaliza 11,7 milhões de pessoas, aumentou 23,1% em um ano — assim cerca de 2,2 milhões mais brasileiros estão trabalhando sem os direitos das leis trabalhistas. Em relação ao trimestre anterior, o aumento é de 10,2%, aproximadamente 1,1 milhão de pessoas.

Continua após a publicidade

As condições do mercado de trabalho têm levado muitos a optarem pelo emprego informal. O número de trabalhadores por conta própria, que totaliza 25,5 milhões de pessoas, o maior número desde o início da série histórica da pesquisa, cresceu 3,3% no terceiro trimestre. Em um ano, o aumento é de 18,4%, aproximadamente de 4 milhões de pessoas.

O aumento da informalidade também tem levado a rendimentos menores, com postos de trabalho que exigem menor qualificação e remuneram menos. O rendimento real habitual (2.459 reais) recuou 11% em um ano e caiu 4% frente ao trimestre anterior. A massa de rendimento real habitual, de 223,5 bilhões de reais, ficou estável em ambas as comparações.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.