Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Greve no abastecimento no aeroporto de Londres aumenta caos aéreo

Greve no aeroporto de Heathrow, o mais movimentado em número de passageiros na Europa, aumenta problemas; 26% dos voos no terminal registraram atraso

Por Larissa Quintino
Atualizado em 5 jul 2022, 13h49 - Publicado em 5 jul 2022, 13h38

O caos aéreo na Europa ganhou um novo componente que deve deixar a situação aind mais complicada. Nesta terça-feira, 5, os trabalhadores do reabastecimento no aeroporto de Heathrow, em Londres, anunciaram uma paralisação de 72 horas. Heathrow é o aeroporto mais movimentado da Europa em número de passageiros. Com isso, os atrasos e cancelamentos que lotam terminais continente afora dificilmente darão trégua. 

O sindicato Unite disse em comunicado que os funcionários da Aviation Fuel Services votaram pela greve depois que a empresa não aumentou os salários em três anos. A AFS é uma joint venture entre as empresas de combustível BP, TotalEnergies, Q8 Aviation e Valero Energy, e fornece combustível para mais de 70 companhias aéreas, incluindo American Airlines Group, Delta Air Lines, United Airlines Holdings e Emirates.

Segundo o site de rastreio de voos Flight Aware, 26% das partidas programadas para essa terça do aeroporto londrino registraram atraso. O índice de voos comprometidos é ainda maior em outros terminais europeus como Frankfurt, que registra índice de 41% de atrasos e de Paris (Charles de Gaulle), com 32% dos voos partindo fora do horário. 

 A crise aérea da Europa acelerou ao passo que o fluxo de passageiros no verão europeu aumentou, porém, a mão de obra não acompanhou a alta da demanda, desencadeando diversas greves. No último fim de semana, as paralisações dos funcionários companhias de baixo custo Ryanair e EasyJet desencadearam atrasos em todo o continente. Na Alemanha, o problema é o déficit de trabalhadores, tanto nos aeroportos quanto no quadro de funcionários da Lufthansa. Segundo o sindicato USO (Unión Sindical Obrera), mais de 200 voos foram cancelados e quase mil sofreram atrasos nos últimos seis dias.

Heathrow, em Londres, também foi duramente atingido pela escassez de mão de obra nas companhias aéreas e outros problemas, levando a British Airways a cancelar mais de 800 voos neste verão. Os funcionários do check-in da transportadora, que é parte do grupo IAG, também ameaçaram fazer greve.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.