Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

G20 termina com apoio dos países aos fundamentos do livre-comércio

Em pronunciamento, o japonês Shinzo Abe, premiê anfitrião, disse que países reconhecem "claros riscos negativos na economia global",

Por EFE - 29 jun 2019, 06h12

Os países do G20 concluíram, neste sábado 29, sua cúpula com um pronunciamento “em favor dos fundamentos do livre-comércio” e do “crescimento econômico” em meio às tensões globais, de acordo com o Japão, o país anfitrião da reunião.

O Grupo dos Vinte “foi capaz de reafirmar os fundamentos do livre-comércio”, segundo Abe, que destacou, em particular, o apoio do G20 para “conseguir mercados abertos, livres e não discriminatórios” e “um campo justo”.

Os líderes também reconheceram os “claros riscos negativos na economia global”, segundo Abe, acrescentando que os países do G20 “concordaram em sua determinação em favorecer o crescimento econômico” e de “reformar a Organização Mundial do Comércio”.

Publicidade

A declaração final acordada pelos líderes aponta “a intensificação das tensões geopolíticas e comerciais”, mas o texto não inclui qualquer menção ao aumento do protecionismo, no atual contexto de conflitos comerciais entre os Estados Unidos e China e outros países.

Publicidade