Clique e assine a partir de 8,90/mês

FMI volta a reduzir projeção de expansão do Brasil para 3% em 2013

Em janeiro, o FMI já havia baixado a previsão para o país. O fundo, contudo, aumentou ligeiramente a projeção para o PIB em 2014, a 4%

Por Da Redação - 16 abr 2013, 14h22

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu a projeção de crescimento da economia brasileira para 2013, passando-a de 3,5% no relatório de janeiro para 3%, em abril. Essa é a segunda revisão para baixo na estimativa para este ano. Em janeiro, o FMI já havia baixado a previsão que, no relatório de outubro, estava em 4% de alta do Produto Interno Bruto (PIB).

O Brasil foi um dos países com maior revisão para baixo nas estimativas de crescimento para 2013 no relatório do FMI. Só perde para um grupo de pequenos países formados por ex-repúblicas da União Soviética, como Armênia e Tajiquistão. Para essa região, excluindo a Rússia, a estimativa foi reduzida em 0,8 ponto percentual (p.p.), de 4,3% para 3,5%. Poucos países tiveram revisão para cima nas projeções de crescimento em 2013. Japão e Alemanha estão entre eles.

Ao mesmo tempo em que reduziu a projeção do PIB brasileiro para 2013, o FMI elevou em 0,1 p.p. a estimativa de 2014. Em janeiro, a previsão do Fundo era de que o país cresceria 3,9% no ano que vem, número elevado para 4% no último documento

Leia ainda: ‘Prévia do PIB’ mostra desaceleração da economia

PIB de 2012 confirma queda do Brasil no ranking das maiores economias

América Latina – Para a América Latina como um todo, a projeção de crescimento foi reduzida em 0,3 p.p., para 3,4% em 2013. Já para 2014, o FMI segue esperando crescimento de 3,9%. O México deve ganhar do Brasil em crescimento este ano, com expansão prevista de 3,4%, mas perde em 2014, ano em que deve crescer também 3,4%.

A economia brasileira deve se recuperar este ano, depois de crescer apenas 0,9% em 2012, destaca o FMI. A recuperação é reflexo dos cortes de juros do passado recente e das fortes políticas de estímulo do governo, mas o investimento privado segue decepcionando, ressaltou o relatório.

(com Estadão Contéudo)

Continua após a publicidade
Publicidade