Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estudo diz que Waze e Google Maps pioram trânsito nas cidades

O problema ocorre quando os apps redirecionam os motoristas para ruas residenciais, que não foram construídas para comportar um grande fluxo de veículos

Os aplicativos de trânsito em tempo real, como o Waze e Google Maps, pioram o congestionamento nas cidades ao redirecionar todos os motoristas para ruas residenciais, que não foram construídas para comportar um grande fluxo de veículos. A conclusão é de um estudo da Universidade da Califórnia.

No estudo, uma simulação mostra um incidente e duas situações: na primeira, 20% dos motoristas presos no congestionamento fazem uso de aplicativos para fugir da via expressa. No segundo caso, ninguém tem acesso a informações sobre rotas alternativas.

Sem os aplicativos, a maior parte do congestionamento concentra-se na via expressa – quando todas as faixas são liberadas, o engarrafamento é rapidamente dissolvido. Mas os motoristas com acesso a rotas alternativas, mesmo após a liberação da via, continuam a serem redirecionados pelos aplicativos para outras ruas, causando congestionamento em mais vias da cidade.

O diretor do Instituto de Estudos sobre Transportes da Universidade da Califórnia, Alexandre Bayen, responsável pelo estudo, explicou os resultados da pesquisa com base na teoria Nash Equilibrium, segundo a qual decisões que são boas para indivíduos podem ser terríveis para grupos.

“Não conseguimos fugir do congestionamento e não há espaço para construir rodovias. Essa é a realidade do planejamento de nossa cidade hoje”, afirmou Bayen em vídeo publicado no YouTube. “Estamos vendo os primeiros processos vindos de alguns lugares do mundo para tentar resolver esse problema, é uma epidemia, uma doença que está se espalhando”.

Ainda segundo ele, a situação tornou-se tão ruim nas ruas residenciais dos Estados Unidos que moradores estão colocando placas falsas de desvios para que os motoristas não entrem nas vias. “Outros moradores estão pagando cidadãos para fingir que são carros presos no tráfego ao segurar o celular na mão enquanto andam nas ruas. Assim, os algoritmos dos aplicativos aprendem a evitar o bairro”.

Os aplicativos também estão causando incômodo aos moradores de São Paulo, segundo o ex-gerente de operações da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e atual vereador da cidade, Ricardo Teixeira (PROS). “A CET sinaliza as rotas dos grandes corredores, avenidas e ruas que comportam esse tráfego de passagem do centro para o bairro, mas os aplicativos te jogam para ruas que não estão preparadas. Diversos bairros de São Paulo pedem o fechamento do bairro ou da via para dificultar o trânsito de passagem”.

A Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais, que recebe os pedidos dos moradores e encaminha para os órgãos competentes, afirmou a VEJA que ainda não possui balanço sobre solicitação de moradores para o fechamento de vias.

Entretanto, de acordo com Teixeira, é prematuro afirmar que os resultados da pesquisa aplicam-se 100% na prática das cidades brasileiras, como São Paulo.

“Aplicativos como o Waze ajudam, mas não tanto quanto eles vendem. Como o sistema é novo, não tem velocidade para falar ‘aqui está lotado, não vai por aqui’. A facilidade dos aplicativos é que você não se perde mais, a sinalização da cidade está perdendo importância e o aplicativo é a única forma de avisar como o trânsito está na cidade”, afirmou o ex-gerente da CET.

Segundo o Waze, o mapa do aplicativo é atualizado em tempo real conforme os motoristas usam o aplicativo. Em São Paulo, 3,8 milhões de usuários usam o Waze – o Google Maps não divulga números locais, mas no mundo são mais de um bilhão de usuários.

Para o professor de economia do Insper, Rodrigo Moita, o efeito positivo de diluir o fluxo dos carros por vias secundárias é maior que o efeito negativo gerado pelos congestionamentos. Mas há alternativas para diminuir o engarrafamento dentro da cidade. “Desde a construção de um abrangente sistema de transporte público até a alteração dos horários de trabalho, para evitar que todos dirijam no mesmo horário do dia”.

Para a idealizadora do projeto Bike é Legal, Renata Falzoni, aplicativos de trânsito atrapalham o tráfego na cidade. “Ruas residenciais estão entupidas de carros. São Paulo se vangloria de que o trânsito melhorou, mas piorou nos bairros, para onde o Waze manda os motoristas, e não há medição de congestionamento.”

Segundo ela, impedir a circulação de carros em determinadas regiões é papel do governo com a criação de políticas públicas. “O problema não é a pessoa circular no bairro de carro, ela é muito bem-vinda para circular a pé ou de bicicleta. O problema é o veículo individual e pesado que emite veneno”.

Para ela, o problema do congestionamento só será resolvido promovendo o transporte público e ativo (a pé ou de bicicleta). “Você não tem como resolver a situação procurando dar mais espaço ou incentivando o uso dos carros.”

Construir novas rodovias também não é uma alternativa. “Investir nisso significa investir num modelo falido, não tem que construir mais viadutos, e sim conectar calçadas e ciclovias. Do jeito que está a cidade de São Paulo não precisa construir, precisa redesenhar”, afirmou Renata.

Para o professor de economia do Insper, a solução também não é construir novas vias. Segundo ele, “mais rua atrai mais carros”. “Se uma via é congestionado, por exemplo a Marginal Tietê, o Waze vai desviar os motoristas para avenidas paralelas que vão acabar congestionadas também. Para acabar com o problema, a prefeitura duplica a marginal. O que acontece? A marginal fica livre, e os motoristas agora vão desviar das rotas paralelas para usar a marginal mais rápida. No fim das contas, ela volta a ficar congestionada”, exemplifica Moita.

De acordo com o vereador, a quantidade de pessoas que andam com veículos individuais está caindo. “Andar em um carro sozinho usa um espaço urbano saturado, o individual para média e longa distância não cabe mais. O táxi e o Uber criam facilidade para que você ande com mais gente no mesmo trajeto”.

Para o diretor de pesquisa da Universidade da Califórnia a solução também está no colaborativo. “Temos que aprender a trabalhar colaborativamente e isso significa que os aplicativos têm que espalhar os motoristas por rotas paralelas que funcionam bem com a infraestrutura das rodovias. Isso se os aplicativos estiverem dispostos a colaborar”.

Procurado, o Waze informou que não fará comentários. O Google afirmou que não comenta pesquisa de terceiros.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Bobagem. Aqui no Brasil pelo menos nunca vi rotas alternativas congestionadas.

    Curtir

  2. José Smigle

    Quem disser que a CET trabalha para melhorar o trânsito em São Paulo, está mentindo. Cansei de ver obras feitas pela CET para fechar ruas, estrangulando o trânsito nas poucas vias que sobram. Qual o objetivo dessas obras, que prejudicam milhares de motoristas, para beneficiar alguns moradores de bairros privilegiados? Gostaria que fizessem uma lei propondo que, em caso de ruas fechadas ao tráfego, os moradores fossem obrigados a dividir entre si todos os gastos públicos de benfeitorias existentes nessas ruas fechadas ao trânsito, inclusive passando a pagar IPTU sobre elas, no que seria uma medida extremamente justa para com os demais cidadãos do município.

    Curtir