Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Em ato unificado de 1º de maio, CUT e Força Sindical aprovam greve geral

Para representantes do sindicalismo, 'enfrentamento nas ruas' é a única forma de barrar a proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro

Por Da Redação Atualizado em 4 jun 2024, 16h22 - Publicado em 1 Maio 2019, 18h57

No ato unificado de celebração do Dia do Trabalho, nesta quarta-feira, 1º, as principais centrais sindicais aprovaram uma greve geral, marcada para o dia 14 de junho, às vésperas da data prevista para votação da reforma da Previdência no Congresso Nacional.

Em São Paulo, no Vale do Anhangabaú, participaram do ato a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), União Geral de Trabalhadores (UGT), Intersindical, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Nova Central, Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), Frente Brasil Popular e Frente Povo sem Medo. Representantes das centrais estimaram em 200.000 o número de pessoas no Anhangabaú.

“Está aprovado. O Brasil irá parar em defesa do direito à aposentadoria dos brasileiros e das brasileiras. A única forma de barrar essa reforma é fazer o enfrentamento nas ruas. É greve geral”, afirmou Vagner Freitas, presidente da CUT.

Segundo Freitas, a proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro é “cruel com o povo”. “Se [Paulo] Guedes quer arrecadar 1 trilhão de reais, que vá tributar os ricos e milionários que têm jatinho, avião e jet ski. Não venha querer tirar do povo trabalhador”, acrescentou.  Para o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, “ou essa reforma para de tramitar ou paramos o Brasil”.

Discurso semelhante adotou o presidente da Força Sindical, Miguel Torres. Ele destacou a “unidade” construída pelas centrais sindicais contra a reforma da Previdência. “A unidade se faz na luta constante e estaremos juntos até o fim para barrar a reforma da Previdência”, disse.

Continua após a publicidade

Torres ressaltou, ainda, a inédita união das dez centrais sindicais no ato desta quarta-feira. “Sempre foi um sonho nosso [o ato unificado]. Por mais divergência que a gente possa ter, a conjuntura nacional nos levou a este momento histórico”, explicou o presidente da Força Sindical.

Apesar do discurso de unidade, militantes da CUT vaiaram Paulinho da Força, que afirmou, nesta quarta-feira, que os partidos que se reúnem no chamado Centrão discutem o apoio a uma reforma da Previdência que não “garanta” a reeleição de Bolsonaro em 2022.

Haddad

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad fez críticas ao governo de Jair Bolsonaro, com quem disputou o segundo turno das eleições presidenciais no ano passado. “O governo [Bolsonaro] está levando à frente a agenda econômica de Temer, com corte de direitos sociais, corte de direitos trabalhistas e corte de direitos previdenciários”, disse.

Haddad ainda questionou onde estavam os empregos que a oposição ao governo do PT havia prometido. “Não era só tirar a Dilma? Cadê o emprego e a renda? Só no mês passado perdemos 43.000 postos de trabalho com carteira assinada”, disse o petista.

Continua após a publicidade

Apesar do ambiente hostil a Bolsonaro, Haddad descartou que o mote do ato fosse um “Fora, Bolsonaro”. Na avaliação do petista, processos de impeachment não podem ser usados dessa forma. “Isso a gente tem de ter muito cuidado, porque a Constituição estabelece que impeachment tem de ter crime de responsabilidade. Não pode ser palavra de ordem. Crime de responsabilidade é uma coisa e temos de ser estritamente fiéis à Constituição”, afirmou.

Bolsonaro

Em meio às manifestações contra a reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro fará um pronunciamento, em rede nacional de rádio e TV, por ocasião do Dia do Trabalho, nesta quarta-feira, às 20 horas. Ele deverá relatar esforços do governo para reverter as taxas de desemprego do país.

O presidente deve ressaltar que as medidas econômicas que estão sendo adotadas pelo governo têm como objetivo alavancar investimentos e a geração de empregos.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.