Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Eike negocia venda do Porto Sudeste para Trafigura e Mubadala

Em comunicado enviado ao mercado na manhã desta terça, empresário relata acordo de entendimentos com as duas empresas no valor de US$ 400 milhões

A MMX acaba de informar que Eike Batista celebrou um acordo de entendimentos com a Trafigura e a Mubadala para aquisição do Superporto Sudeste, um dos ativos mais valiosos do grupo EBX. Antes do acordo recém-divulgado, as negociações envolvendo a mineradora MMX vinham sendo levadas nos últimos meses com outras empresas além da Trafigura, como a Glencore Xstrata, a CSN e a MRS.

Segundo comunicado enviado pela mineradora, a companhia negociará exclusivamente com o fundo soberano de Abu Dhabi e a operadora de commodities pelas próximas quatro semanas um “contrato definitivo através do qual passam a figurar como acionistas controladores e operadores, em conjunto, do terminal portuário de movimentação de minério de ferro, localizado no Estado do Rio de Janeiro”. Com isso, o Superporto se tornará uma empresa desvinculada da mineradora. O fundo soberano, a Trafigura e a MMX serão donos de 65% das ações do Superporto. O comunicado não informa qual empresa será a controladora.

Leia também:

MMX, de Eike Batista, receberá mais R$ 935 milhões do BNDES

Eike Batista negocia venda de sua participação na MMX

O acordo também prevê que o fundo e a Trafigura assumam as dívidas da MMX, mas o documento não informa o valor devido. O texto afirma ainda que a Trafigura e a Mubadala devem emitir e subscrever novas ações da MMX Porto Sudeste pelo valor de 400 milhões de dólares. Segundo a empresa, a MMX Porto Sudeste assumirá, além das dívidas, a obrigação de pagamento decorrente do título MMXM11. A emissão do título surgiu, em 2011, como uma forma de a MMX captar no mercado de títulos privados para investir no Porto Sudeste.

Com a transação, a MMX explicou que a Trafigura e Mubadala serão donas, em conjunto, de 65% da participação acionária na MMX Porto Sudeste. “A MMX Porto Sudeste contará com os recursos necessários para concluir o projeto do Superporto Sudeste e os negócios de mineração da MMX ficarão essencialmente livres de dívidas”, de acordo com o comunicado publicado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A MMX informou que a MMX Porto Sudeste disponibilizará à MMX um volume de embarque portuário de 7 milhões de toneladas por ano, sendo que a empresa poderá ter a opção de estender o volume de movimentação para 13 milhões de toneladas, que poderá ser exercida, a qualquer momento, até 30 de junho de 2015. “Caso o Superporto Sudeste seja expandido, MMX terá o direito de aumentar o volume de sua 2 movimentação portuária proporcionalmente”, informou a empresa.

Ainda de acordo com o comunicado, a MMX terá a opção de adquirir participação acionária adicional na MMX Porto Sudeste de até 7,5%. “Estamos satisfeitos em anunciar uma aliança com um time de primeira classe, comprometido em explorar e participar no desenvolvimento de um projeto do Grupo EBX. Nós acreditamos firmemente na indiscutível capacidade da Trafigura de extrair o máximo valor do Superporto Sudeste”, afirmou Eike Batista na nota.

O fechamento da “potencial transação” está sujeito, inicialmente, ao mútuo acordo e à assinatura de acordos definitivos entre as partes para implementação da transação. E, caso os acordos definitivo sejam assinados, “devem ser observadas outras condições tais como aprovações societárias e regulatórias aplicáveis e a conclusão do processo de reestruturação de dívidas”. “Não há nenhuma garantia de que o acordo irá resultar na assinatura de acordos definitivos ou na conclusão da potencial transação”, segundo a empresa.

(Com Estadão Conteúdo)