Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Contribuição sindical é herança fascista, diz relator de reforma

O pagamento da contribuição é obrigatório e vale tanto para os funcionários sindicalizados quanto para aqueles que não são associados

O deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), relator da reforma trabalhista, afirmou nesta segunda-feira em evento em São Paulo que a contribuição sindical é uma herança fascista, pois faz parte dos pontos que falam do direito sindical da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) inspirados nas normas do italiano Benito Mussolini.

“Essa é uma herança fascista que já dura 70 anos. Estamos propondo que a contribuição sindical passe a ser opcional”, afirmou Marinho, durante palestra na Câmara Americana de Comércio (Amcham) sobre os principais pontos da reforma trabalhista. “É um anacronismo absoluto.”

O pagamento da contribuição sindical é obrigatório e vale tanto para os funcionários sindicalizados quanto para aqueles não associados a sindicatos. A contribuição movimenta cerca de 3,6 bilhões de reais por ano.

Marinho disse que o Brasil tem sindicatos em excesso, somando 17 mil entidades, que acabam sendo pouco representativas. O parlamentar destacou, por exemplo, a existência de um sindicato da indústria naval do Amapá, Estado que não tem mar. “O Brasil é campeão mundial de sindicatos”, disse, citando que a Argentina tem 96 entidades, a Alemanha oito e o Reino Unido, 168.

Ao tornar opcional a contribuição sindical, Marinho disse que a intenção é fortalecer os sindicatos verdadeiramente representativos. “Precisamos ter sindicatos sérios, legítimos”, disse.

Terceirização

Na apresentação para empresários na Amcham, o deputado defendeu ainda a terceirização, falando que o modelo adotado pelo Brasil era do século 19. O projeto aprovado recentemente no Congresso permite que todas as atividades de uma empresa sejam passadas a terceiros, acabando com a diferenciação da atividade-fim e meio, que só existe no Brasil.

O deputado não acredita que a aprovação da terceirização elevará a contratação de pessoas jurídicas pelas empresas. Segundo Marinho, a legislação colocou uma salvaguarda que impede a empresa por 18 meses de demitir o trabalhador contratado pela CLT para contratar um PJ. “Isso elimina qualquer possibilidade dessa pejotização. Ninguém vai demitir um funcionário para esperar um ano e seis meses para readmiti-lo. Seria uma burrice extraordinária do dono da empresa.”

Marinho está em São Paulo nesta segunda-feira para uma série de encontros com empresários e dirigentes de empresas. Após o evento na Amcham, ele participa de reuniões na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Francisco Martins

    E tudo graças ao “benemérito” Getúlio Vargas, ditador e chefe da tortura na sua ditadura!!!
    E não por acaso, admirado pelo Llullallau!!!

    Curtir

  2. Ricardo Buregio

    Não é Piada ! “Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Sindicais “.

    Curtir

  3. VERDE e AMARELO

    TÁ NA HORA DE ACABAR COM ESSES PARASITAS DE FALSOS SINDICATOS, FALSOS MOVIMENTOS SOCIAIS, FALSA DEMOCRACIA, FALSA URNA ELETRÔNICA, PROFESSORES COMUNISTAS, MST, FUNAI, CIMI, CNBB, PARTIDOS FANTOCHES, TÁ NA HORA DE PRENDER OS TRAIDORES MERCENÁRIOS DA ONU, DO FORO DE SP, DOS GLOBALISTAS, TEMOS QUE VERMIFUGAR AS INSTITUIÇÕES, AS EMISSORAS, OS JORNAIS, A IMPRENSA, TEMOS QUE CRIMINALIZAR O COMUNISMO, COMO FOI FEITO AO SEU IRMÃO GÊMEO O NAZISMO, POIS AMBOS SÃO GENOCÍDAS, OPRESSORES, LOUCOS E TOTALITÁRIOS, ESTES SIM UMA DITADURA, O REGIME MILITAR SALVOU O BRASIL DE UM GENOCÍDIO REVOLUCIONÁRIO, OS COMUNISTAS MATARAM MAIS 120 MILHÕES DE PESSOAS ENTRE 1917 E 2004, MAS ISSO É ESCONDIDO DO POVO (LIVRO NEGRO DO COMUNISMO).

    Curtir

  4. Ranço da Ditadura…comunista de Vargas.

    Curtir

  5. Imposto Sindical criador de castas e explorador do trabalho do cidadão. Criou aberrações como o PT e e petralhada.

    Curtir

  6. Carlos Sincar

    Fim da contribuição obrigatoria já
    Que estes sindicalistas comecem a trabalhar para ver como é.

    Curtir

  7. Mas até onde eu sabia, o Getúlio tinha o Benito Mussolini como ídolo!

    Curtir

  8. Antonio Carlos de Lima Prado

    Ta na hora de acabar com esse abuso, contribuição sindical tem que ser opcional, e o dinheiro público não pode sustentar esse bando de vagabundos que estão aboletado nos sindicatos.

    Curtir

  9. Tem mais coisas que precisam ser revistas, não somente contribuição sindical que tem que acabar. Já que agora o trabalhador vai morrer de tanto trabalhar para se aposentar, que tal a contra partida deste governo canalha, começamos pela remuneração justa do FGTS que é uma vergonha e uma exploração sem limites de um dinheiro que pertence ao trabalhador e que o governo usa e abusa sem dar satisfação alguma. E que tal reajustar a tabela do IR que esta defazada em mais de 70% e cada vez mais tem gente pagando, mesmo ganhando uma miséria.

    Curtir