Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como baixar e ler os dados que o Facebook guarda sobre você

A rede social consegue essas informações quando o usuário permite o acesso do bate-papo Messenger aos contatos ou ao baixar o app do Facebook

Por Da redação 28 mar 2018, 07h41

O Facebook armazena dados pessoais disponíveis nos celulares dos próprios usuários, como ligações e mensagens de SMS. A coleta de dados não é recente, mas acabou repercutindo após o desenvolvedor de software Dylan McKay divulgar a informação nas redes sociais. A proximidade do episódio com a obtenção de 50 milhões de dados pela consultoria Cambridge Analytica também colaborou para a repercussão.

A rede social consegue essas informações quando o usuário permite o acesso do bate-papo Messenger aos contatos ou ao baixar o aplicativo do Facebook. O programa apresenta condições como “ler seus contatos”, “ler compromissos e informações confidenciais” da agenda, “ler suas mensagens de texto (SMS ou MMS)” e “ter acesso total à rede”.

Segundo o site de tecnologia Ars Technica, a coleta de dados do Facebook ocorreu durante o período em que o controle sobre as permissões no Android eram menos restritas. Recentemente, o Google mudou esse processo para que fique mais claro aos usuários a quais dados os aplicativos terão acesso, mas os desenvolvedores ainda podem receber registros de ligações e SMS até que a empresa descontinue a antiga tecnologia de interface de programação de aplicativos (API).

Conforme relato de usuários, que tiveram acesso ao próprios dados, a coleta do Facebook acontece há anos. Até o momento, o sistema operacional iOS não foi afetado.

A seguir, confira o passo-a-passo para fazer download dos dados:

1 – Para conseguir acesso aos seus próprios dados, é necessário entrar na sua conta do Facebook por um desktop (computador ou notebook).

2 – Vá em Configurações e você será redirecionado para a página “Configurações gerais da conta”. O Facebook disponibilizará uma lista de itens para edição – abaixo delas, o usuário encontra a opção de baixar uma cópia dos dados.

3 – Após optar por fazer download, a rede social mostra a opção “Baixar arquivo” e o usuário digita a senha de sua conta.

Continua após a publicidade

4 – Uma mensagem de confirmação será encaminhada para o seu e-mail. Nela, o Facebook avisa que o usuário receberá outro e-mail assim que os dados forem compilados.

5 – O segundo e-mail chega em poucos minutos com um link para baixar seus dados.

Dados armazenados

O arquivo disponibilizado pelo Facebook possibilita que o usuário tenha acesso aos dados de forma offline. Lá, é possível encontrar informações como em que anúncios que você clicou ou quais anunciantes têm seus contatos – a rede social já foi acusada de acessar o gravador de smartphones para captar conversas e direcionar propagandas relevantes.

Todos os contatos salvos no smartphone também estão nos arquivos do Facebook, inclusive um histórico de ligações com informações de horário, nome do contato e se a chamada foi atendida ou não.

De acordo com a rede social, importar contatos do dispositivo do usuário é bastante comum entre os aplicativos de mídia social e serviços. “É uma maneira de encontrar facilmente as pessoas com quem você quer se conectar”, disse a empresa em comunicado no seu site.

A rede social argumenta que o usuário tem controle total das informações compartilhadas. “Nós nunca venderemos esses dados, e esse recurso não coleta o conteúdo de suas mensagens ou ligações”, diz o texto.

Outros dados armazenados pelo Facebook incluem os amigos removidos e a data em que cada um deles foi adicionado a sua rede social.

Escândalo 

O Facebook envolveu-se em um escândalo sobre os dados de seus usuários após o jornal The New York Times revelar que a Cambridge Analytica, consultoria que participou da campanha de Donald Trump à presidência dos Estados Unidosobteve dados de 50 milhões de usuários. A consultoria teria usado informações da rede social para ajudar Trump a vencer a eleição em 2016. A companhia afirma não ter feito nada de ilegal.

Dois dias depois, o fundador da rede social, Mark Zuckerberg, admitiu que a rede social errou e se desculpou. “Temos a responsabilidade de proteger seus dados, se não pudermos, não merecemos servi-los”, escreveu Mark Zuckerberg na primeira reação pública desde que o escândalo veio à tona. 

No último domingo, a rede social publicou anúncios em jornais britânicos e norte-americanos para pedir desculpas aos usuários.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)