Clique e assine a partir de 8,90/mês

Comando do Banco Safra troca de mãos após saída de herdeiro

Alberto Safra, filho do fundador Joseph Safra, deixa instituição para se dedicar a novo projeto, em meio a rumores de disputa familiar

Por da Redação - 28 out 2019, 20h27

O comando do Banco Safra mudou nesta segunda-feira, 28. O executivo Alberto Corsetti foi nomeado como novo presidente. Corsetti já tem 51 anos de casa e foi anunciado às pressas pela família controladora. A escolha ocorreu após Alberto Safra, filho do fundador Joseph Safra, ter decidido deixar a instituição. O ex-presidente, Rossano Maranhão, e o vice-presidente, Eduardo Sosa, acompanharam o herdeiro do banco e também deixaram seus cargos.

A saída se deu pelas divergências existentes entre Alberto, que tomava conta da área de clientes corporativos do banco, e seu irmão David, responsável pela área de pessoas físicas, de acordo com pessoas próximas da família. Esses desentendimentos se acirraram com o lançamento da carteira digital do banco, a SafraWallet. Apesar de o projeto ter sido desenvolvido por Alberto, David defendia que o negócio deveria ficar na área de varejo.

Alberto, porém, queria que a carteira digital ficasse no negócio corporativo para integrar a operação à SafraPay, braço do banco que atua com maquininhas, lançado há pouco mais de dois anos. Montado do zero, o negócio vem crescendo no banco e já teria 3% de participação de mercado, ante 5% da rival PagSeguro e 6% da Stone, considerando o volume financeiro transacionado pelas marcas.

Apesar de as desavenças entre os irmãos serem conhecidas, a saída de Alberto, Maranhão e Sosa,  surpreendeu os funcionários do banco. Enquanto Joseph ainda acompanhava a rotina da instituição, era possível gerir a discórdia entre os filhos. Com o afastamento do pai, a convivência ficou mais difícil.

Em comunicado, o banco informou apenas que, “em comum acordo, Alberto Safra não mais faz parte de seu conselho. Seguirá fazendo parte do grupo. Sua saída se deve exclusivamente à sua intenção pessoal de dedicar-se a outro projeto com a família”. O grupo, porém, não informou qual seria o outro projeto. Entretanto, pessoas ligadas ao grupo, afirmam que deve se tratar da criação de um banco digital, que também será montado do zero. Maranhão e Sosa fariam parte desse projeto.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade