Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com metas de diversidade, empresas recrutam funcionários trans

Para facilitar a inserção, companhias estão selecionando profissionais no ensino médio ou começo de faculdade

Companhias multinacionais, como Basf e Dow, possuem metas de diversidade e, para atingi-las, estão buscando funcionários transgêneros. Uma das dificuldades é encontrar mão-de-obra qualificada para atender os requisitos das vagas ofertadas. Para facilitar a inserção, as companhias estão buscando profissionais no início do processo de formação, seja no ensino médio ou no começo de faculdade. Por meio do programa jovem aprendiz, a Dow já selecionou três pessoas trans — um deles acaba de ser contratado para a área administrativa.

“A gente vinha tentando atrair a população trans para nossos processos de seleção, mas sem sucesso. Fomos tentar entender o que acontecia e descobrimos que 80% dos trans não se formam no ensino médio, a entrada nas universidades é baixíssima. Por isso a gente foi para o início da formação, para capacitar e preparar para o mercado de trabalho”, afirma Natalia Wroclawsky Joseph, líder do grupo de diversidade LGBT da Dow.

Segundo a busca pela diversidade e inclusão faz parte das metas globais de negócio da Dow. “A diversidade é um dos caminhos da companhia para atingir seus objetivos de resultado financeiro.”

A advogada Márcia Rocha, fundadora do site Transempregos, diz que é procurada todo dia por empresas em busca de funcionários trans. Obviamente que as chances são maiores para os que têm mais qualificação. “Apesar do desemprego elevado, a contratação de trans tem crescido. Em 2014, quando começamos, uma pessoa foi empregada pela Transempregos. Em 2015, foram 45. O número subiu para 120 em 2016 e 250 em 2017.”

Uma das contratadas por meio do Transempregos é Amanda Matricardi, 23, estagiária de sustentabilidade da Basf. Selecionada em outubro, ela é a primeira colaboradora trans da companhia. Apesar de já ter trabalhado em outros lugares, é a primeira vez que Amanda tem seu nome social no crachá, e-mail e comunicados internos. “Nos outros empregos, eu tinha que forçar, lembrar os outros a me chamarem de Amanda.”

Estudante do 2º ano de administração de empresas, Amanda chegou a trancar a faculdade porque não concordava com a proibição de usar o banheiro feminino. Dois anos depois, ela voltou e agora usa o banheiro feminino tanto na faculdade quanto no trabalho.

A decisão de contratar uma pessoa trans na Basf partiu da chefia. “O gestor nos desafiou e acabou nos solicitando um processo seletivo focando ou que tivesse pelo menos um candidato trans”, conta Bruno Barreto, consultor de diversidade da Basf para América do Sul.

Segundo ele, mesmo que o gestor não tivesse feito o desafio, a busca por candidatos trans acabaria acontecendo por meio do programa de diversidade e inclusão da companhia. “Com funcionários mais diversos, trazemos diversidade de pensamentos para a empresa, criamos um ambiente trabalho muito positivo.”

David Barbosa, 28, gerente da loja do Magazine Luiza em Capão da Canoa (RS), entrou na rede antes de fazer a transição. Usava cabelos compridos e uniforme feminino para trabalhar. “Durante 6 meses não bati nenhuma das metas, estava para ser demitido quando mudou a gerência. Tivemos uma conversa com o novo gerente e expliquei que estava difícil viver e me expressar daquela forma, que não era eu. Ele me deu um uniforme masculino, a gente chorou muito, eu cortei meu cabelo e falei que a partir daquele momento eu seria eu, seria o David. E por quatro anos ganhei vários prêmios por ser o melhor vendedor da regional da empresa.”

Promovido a gerente, David diz que seu desempenho melhorou, pois se sentiu respeitado e acolhido. “Quando você atua, não dá o melhor de si. Eu vivia uma atuação. precisava me expressar de uma forma que não era eu. Tinha sempre que me corrigir, vigiar a forma como me comportava.”

David Barbosa, gerente do Magazine Luiza, exibe crachá com nome social

David Barbosa, gerente do Magazine Luiza, exibe crachá com nome social (//Divulgação)

Gargalo da inclusão

Apesar dos programas de diversidade abrir as portas das companhias para a população LGBT, os transgêneros de menor qualificação encontram muita dificuldade para se inserir no mercado de trabalho. “As empresas pedem trans fluentes em inglês, quando a realidade é outra. Batalhamos para que elas sejam fluentes em português”, afirma o advogado Marcelo Gallego, assessor jurídico das políticas LGBT da Prefeitura de São Paulo.

Segundo ele, esse problema acontece porque muitos acabam abandonando os estudos os estudos. “Elas não conseguem ser contratadas, porque as exigências são muito altas. A maioria sai da escola muito cedo e acaba ficando em situação de vulnerabilidade, indo morar na rua ou trabalhando com prostituição.”

Aos 53 anos, Márcia Rocha diz que conseguiu estudar e se especializar porque começou a se travestir mais tarde, aos 39 anos. “Antigamente, a gente não conseguia nem estudar. todos nossos direitos eram negados. Quem se assumisse cedo, acabava na prostituição”, diz a advogada, que se identifica como travesti. 

Mas a situação começa a mudar. Ela diz que 40% dos currículos recebidos pelo Transempregos são de pessoas com curso superior. Dos outros 60%, metade tem curso técnico e a outra metade é a população que está na rua. “Esse público mais vulnerável precisa de ajuda do Estado. Não são as empresas que devem resolver esse problema, não são elas que devem ensiná-los a ler e escrever”, afirma Márcia.

Gallego diz que a prefeitura tenta, por meio do projeto TransCidadania, incluir os trans mais vulneráveis. O programa paga uma bolsa, prevê a conclusão da escolaridade básica, profissionalização e preparação para o mercado de trabalho de pessoas travestis, mulheres transexuais e homens trans em vulnerabilidade social. “O grande desafio é empregabilidade da população trans, mas para isso é preciso educá-los, qualificá-los”, diz Gallego.