Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Classes C, D e E usam mesmos serviços pessoais da A

Pesquisa realizada pela Kantar Worldpanel mostra que houve aumento no uso de serviços pessoais entre todas as classes de renda nos anos de 2009 e 2012

Por Da Redação 23 set 2012, 09h17

O uso de serviços pessoais, como cabeleireiro, manicure, estética, academia de ginástica e conserto de roupas é elevado e está disseminado entre todos os estratos sociais, dos mais ricos aos mais pobres. Entre 84% e 91% das famílias de menor renda, das classes C, D e E, usam hoje esses serviços. Nas classes de maior poder aquisitivo, A e B, esse indicador varia entre 92% e 95%, aponta a pesquisa sobre o perfil de consumo das famílias brasileiras, realizada pela Kantar Worldpanel.

“O porcentual de uso dos serviços pessoais é muito parecido entre os diferentes estratos de renda”, afirma Christine Pereira, diretora comercial da empresa de pesquisa. Em três anos, entre 2009 e 2012, cresceu três pontos porcentuais, de 86% para 89%, o total de domicílios brasileiros que declararam usar esse tipo de serviço. E, praticamente, houve aumento no uso de serviços pessoais entre todas as classes de renda.

Ficou restrito às classes de maior poder aquisitivo, entre 2009 e 2012, o aumento dos serviços de empregada doméstica. Em 2009, por exemplo, 35% das famílias das classes A/B1, com renda média mensal de 5.666,20 reais, tinham empregada doméstica. Esse índice para as famílias da classe B2, com renda média mensal de 3.668,10 reais, era de 9%. Hoje, esses indicadores subiram para 47% e 14%, respectivamente.

LEIA MAIS:

LEIA MAIS: CONSUMO

A pesquisa é baseada em coletas semanais em 8,2 mil domicílios de todo País. O levantamento revela que as classes de menor renda não contratam serviços domésticos e, na maioria das vezes, são elas as prestadoras desses serviços.

Continua após a publicidade

A maior demanda por serviços domésticos e pessoais, puxados inclusive pelos estratos mais pobres da população, cria uma certa resistência à queda da inflação dos serviços. No Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a medida oficial de inflação apurada pelo IBGE, os preços dos serviços são tidos como vilões da inflação. No ano até agosto, a inflação dos serviços foi de 5,72%, enquanto o IPCA acumula alta de 3,18%. Em 12 meses até agosto, os serviços ficaram 8,78% mais caros. Já no mesmo período, a inflação oficial aumentou 5,24%.

(Com Agência Estado)

LEIA TAMBÉM:

Reclamações contra sites de compras coletivas aumentam mais de 400%

Classe C é a única que gasta mais do que ganha, diz pesquisa

Nestlé e Samsung são as marcas preferidas da classe C

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)