Clique e assine com até 92% de desconto

Chinesa Three Gorges supera Eletrobras e fica com EDP

Companhia ofereceu 2,7 bilhões de euros pela participação de 21,35% do estado português na EDP; prêmio sobre o preço das ações atingiu 53%

Por Da Redação 22 dez 2011, 17h23

A chinesa Three Gorges venceu a competição para comprar a fatia do governo português na Energias de Portugal (EDP). A companhia ofereceu 2,7 bilhões de euros pela participação, superando as ofertas das brasileiras Eletrobras e Cemig e da alemã E.ON. O acordo também contempla investimentos chineses na economia portuguesa em geral.

A privatização da EDP era considerada estratégica na Europa para demonstrar a habilidade de Lisboa em vender ativos estatais. A operação fazia parte do compromisso assumido pelo governo português após o fechamento da operação de resgate do país, no valor de 78 bilhões de euros, pela União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

A holding estatal Parpública – Sociedade Gestora de Participações Sociais (SGPS) de capitais exclusivamente públicos do governo português – afirmou nesta quinta-feira que a oferta da Three Gorges pela fatia de 21,35% na EDP representou um prêmio de 53% sobre o preço das ações no mercado.

A Three Gorges prometeu elevar fortemente o financiamento da EDP, permitindo que ela pague dívidas e impulsione planos de investimento em projetos de energia renovável.

EDP no Brasil – A EDP é o maior grupo industrial de Portugal e controla a Energias do Brasil. O grupo também é dono da quarta maior companhia de energia eólica do mundo, a EDPR, que está presente em oito mercados europeus, no Canadá e também no país. A empresa portuguesa também é dona da norte-americana Horizon Wind Energy.

A Eletrobras disse, em comunicado, que mantém o plano de internacionalização mesmo sem ter saído vencedora na disputa pela EDP, embora não identifique outra possibilidade de compra de participação de ativos no exterior no momento. “Nosso planejamento estratégico para 2020 aponta uma meta de termos 10% de nosso faturamento vindo de operações internacionais. Essa meta não foi alterada e temos confiança de que a atingiremos”, disse o presidente da companhia, José da Costa.

Apoio a Portugal – A secretária do Tesouro de Portugal, Maria Luís Albuquerque, afirmou que o investimento total na EDP e na economia portuguesa deve chegar a 8 bilhões de euros quando incluídos os financiamentos de bancos chineses. “Esse compromisso é um voto de confiança na economia portuguesa e em uma de nossas maiores empresas”, disse a secretária a jornalistas após o encontro do gabinete para escolher a oferta vencedora.

Continua após a publicidade

O financiamento da China em Portugal será bem-vindo, especialmente porque os bancos portugueses têm uma séria necessidade de dinheiro para elevar seu coeficiente de capital para níveis mais satisfatórios. O Millenium bcp, maior banco do país listado em bolsa, deve ser um dos que vai receber capital, afirmou um representante da Three Gorges.

Foco em renováveis – A EDP afirmou que ela e a Three Gorges poderão “combinar esforços para se tornarem líderes mundiais na geração da energia renovável”.

A empresa chinesa investirá 2 bilhões de euros em fatias minoritárias em projetos de energia renovável da EDP até 2015. Além disso, a EDP recebeu um comprometimento de um banco chinês de um financiamento de 2 bilhões de euros por até 20 anos. Isso permite que a EDP estenda suas necessidades de cobertura de financiamento em dois anos, até meados de 2015.

A forte presença da EDP em projetos de energia alternativa e seus negócios no Brasil, por meio da controlada Energias do Brasil, atraíram expressivo interesse, mesmo com o fato de a EDP ter sido afetada no seu mercado doméstico em um momento no qual Portugal se depara com sua pior recessão em décadas.

O governo português também está vendendo uma fatia na empresa de redes de energia controlada pelo governo REN.

Outros acionistas da EDP incluem a espanhola Iberdrola com 6,8%, a CajAstur com 5% e o Grupo José de Mello com 4,82%. A argelina Sonatrach e a Qatar Holding detêm, cada uma, cerca de 2% da EDP.

(com Reuters e Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade