Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Carta ao Leitor: Chance desperdiçada

O viés populista e eleitoreiro de Bolsonaro devorou por completo as ideias liberais e modernizantes de Guedes

Por Da Redação
Atualizado em 4 fev 2022, 15h01 - Publicado em 4 fev 2022, 06h00

Entre os 57,7 milhões de brasileiros que votaram em Jair Bolsonaro para presidente no segundo turno das eleições de 2018, uma parcela considerável de eleitores decidiu apoiar o ex-capitão pela perspectiva de avanços econômicos em seu governo — uma injeção liberal numa máquina que ainda depende em demasia do Estado. Tal raciocínio se sustentava na figura de Paulo Guedes, o Posto Ipiranga do novo presidente, devidamente qualificado para suprir as deficiências técnicas do chefe. Instalado em um superministério com poderes inéditos, seguidor da Escola de Chicago e dos princípios do prêmio Nobel Milton Friedman (1912-2006), Guedes imprimia ao governo um cunho liberalizante, pró-mercado e antiestatista, e desenhou um ambicioso projeto de mudar o país. Sua intenção era promover uma virada semelhante — ou ainda mais significativa — à ocorrida no Plano Real, dos anos 1990.

Em julho de 2019, com seis meses no cargo, o Posto Ipiranga acenou com o fim da era de voos de galinha na economia brasileira, marcada por decepcionantes taxas de crescimento e estruturas anacrônicas. Uma reportagem de capa de VEJA naquele momento mostrava que o ministro se preparava para desembrulhar, nos três anos seguintes, um pacote de medidas capazes de injetar 3,6 trilhões de reais na economia em uma década. A perspectiva com o programa apelidado de Plano Guedes era dobrar o PIB per capita do país nos próximos dez anos e promover, finalmente, a evolução que todos desejamos. Hoje, infelizmente, o que se tem é um resultado pífio. As privatizações, que prometiam render 990 bilhões de reais, tiveram avanços constrangedores, representados nas vendas de participações em algumas empresas públicas. A reforma tributária, avaliada em 450 bilhões de reais, foi desfigurada e emendada de tal forma que dificilmente chegará ao formato previsto — isso se sair do papel. A reforma administrativa, fundamental para dar agilidade ao Estado brasileiro e acabar com os privilégios corporativistas do funcionalismo, foi esquecida.

Seria injusto dizer que o país não teve nenhum avanço nesse período. A reforma da Previdência aconteceu — ainda que em tamanho e abrangência mais modestos que o planejado —, houve ganhos nas áreas de concessões e regulação em setores significativos, como de saneamento e gás. Mas, em essência, o que se viu nos últimos dois anos e meio foi o comportamento abilolado do presidente devorar por completo as ideias liberais e modernizantes de Guedes. O viés corporativista, estatizante, populista e eleitoreiro de Bolsonaro matou no berço medidas que enxergava como risco a seu projeto de reeleição. O resultado: uma agenda promissora foi jogada no lixo. Perdeu o país e perderam os brasileiros.

Publicado em VEJA de 9 de fevereiro de 2022, edição nº 2775

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.