Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cargos especiais e previdência: os obstáculos da reforma administrativa

Medida está pronta para ser votada no Congresso desde 2021, mas sofre resistências dentro e fora do governo

Por Pedro Gil Atualizado em 7 Maio 2024, 16h02 - Publicado em 30 jan 2024, 09h15

Prioridade dos presidente da Câmara e Senado, a reforma administrativa está pronta para ser votada no Congresso desde 2021. A pauta, essencial para colocar o Brasil de vez em patamar de competitividade com as economias mais avançadas, faz parte de um amplo pacote de modernização, junto com a reforma tributária — que, diga-se, ainda possui pendências a serem resolvidas.

O avanço da reforma administrativa é também urgente para auxiliar o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, no controle da máquina pública, ao tratar da ineficiência do estado. As contas do governo central, que englobam Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, registraram déficit primário de 230,5 bilhões de reais em 2023. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 29, pela Secretaria do Tesouro Nacional, o que representa 2,1% do produto interno bruto (PIB).

Apesar da urgências, a proposta sofre resistências dentro e fora do governo. No fim do ano passado, a ministra da Gestão, Esther Dweck, afirmou que a proposta não aborda os gargalos reais do funcionalismo público e vilanizaria os trabalhadores.

Dois pontos, que normalmente passam ao largo da discussão sobre a reforma administrativa, são especialmente sensíveis, por tocar em vespeiros: cargos especiais e previdência. Ambos não estão sob discussão, mas, na visão de especialistas, deveriam entrar no escopo do debate. Hoje, os cargos de confiança no Brasil representam cerca de 10% do funcionalismo público. Apesar de pouco, essas vagas são representativas, por representarem, via de regra, cargos de liderança e indicação política. “O corpo de profissionais deve ser técnico e, infelizmente, não temos técnicos dirigindo as principais secretarias”, diz Paulo Feldmann, professor da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária (FEA) da Universidade de São Paulo (USP). “Estabilidade é positiva para cargos concursados, para que não tenha interferência política, mas não deveria existir cargo de confiança”, prossegue. Segundo Feldmann, por se tratar de indicações política, esses indicados são trocados a cada governo e tudo precisa começar do zero. “Não tem política de Estado duradoura, tudo muda a cada quatro anos”, completa.

Outro ponto nevrálgico acerca do funcionalismo público é a própria previdência, que esteve sob discussão há alguns anos. O passivo atuarial da previdência para esses funcionários é quase 1 trilhão de reais nos municípios e União e cerca de 3 trilhões nos estados, totalizando algo ao redor de 5 trilhões de reais. O valor representa 54% do Produto Interno Bruto (PIB) ou 93% da dívida pública líquida. Outro fato preocupante é que apenas um terço dos regimes municipais fizeram uma reforma de benefícios ampla recentemente. “Não se está fazendo nada sobre isso. A dívida comum do governo pode ser rolada, mas isso não é possível com a previdência, vence todos os meses”, diz o consultor econômico Raul Velloso. Para ele, a discussão sobre a reforma administrativa teria que passar, necessariamente, pela previdência. “Seria necessário mudar as regras legais, capitalizar as previdências e constituir fundos de pensão. Muitos ativos podem ser monetizados também”, completa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.