Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Câmara deve analisar oito sugestões de mudança na reforma da Previdência

PEC que muda o regime de aposentadoria teve texto-base aprovado na madrugada de quarta-feira; destaques são para tirar pontos do texto

Por da Redação
Atualizado em 7 ago 2019, 10h12 - Publicado em 7 ago 2019, 09h51

A Câmara dos Deputados deve concluir nesta quarta-feira, 7, a votação da reforma da Previdência na casa. A última etapa é de apreciação dos destaques. Foram apresentadas oito propostas para suprimir trechos da reforma. A sessão está marcada para 9h, com início da Ordem do Dia às 11h. 

Dos destaques, sete são da oposição, que miram tirar as mudanças do abono salarial, pensão por morte e até mesmo o pedágio da regra de transição. Há outro destaque do partido Novo, para tentar acabar com a transição e endurecer ainda mais as regras.

No caso do abono salarial, o benefício hoje é pago aos trabalhadores que recebem até dois salários mínimos (1.996 reais), mas a proposta restringe a quem ganha até (1.364,43 reais). O PSOL, porém, quer excluir essa alteração e manter a regra atual – o que comprometeria cerca de 76,4 bilhões de reais da economia esperada em 10 anos. Caso a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) passe sem alterações no plenário hoje, o impacto fiscal estimado é de 933,5 bilhões de reais em dez anos. 

Já o PCdoB quer vincular novamente todas as pensões por morte ao salário mínimo. A proposta desvincula o valor dos pensões e garante o mínimo apenas ao dependente que não tenha outra renda formal que chegue ao mínimo. Em aceno à bancada evangélica e na tentativa de evitar a aprovação desse destaque, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, assinou na segunda-feira uma portaria garantindo o cumprimento desse acerto e prometeu, depois da aprovação da reforma, o envio de um projeto para dar força de lei ao combinado.

Continua após a publicidade

O PDT, por sua vez, quer suprimir da reforma o pedágio de 100% sobre o tempo que falta para a aposentadoria no caso de trabalhadores que escolherem a transição que combina esse adicional com idades mínimas de 60 anos para homens e 57 anos para mulheres. Essa nova regra não estava na proposta inicial do governo. Foi incluída pelo relator da PEC, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), durante a tramitação pela comissão especial. 

No primeiro turno da reforma, os deputados aprovaram quatro destaques: redução do tempo mínimo de contribuição dos homens de 20 para 15 anos; alteração na regra de cálculo da aposentadoria das mulheres e transições mais  brandas para professores e policiais: para os docentes, a idade mínima ficou em 55 anos (homens) e 52 anos (mulheres). No caso dos policiais, a exigência mínima é alcançar 53 anos (homens) e 52 (mulheres). Para ter acesso as novas regras, ambas categorias precisariam cumprir m pedágio de 100% do tempo que falta para se aposentar pelas regras atuais na data da promulgação da PEC. 

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.